3rica Érica Moura

Um acontecimento inusitado leva Elena à maior aventura de sua pacata vida: uma jornada ao Planeta Luz. Perdida neste incrível mundo, ela precisa se encontrar em meio ao caos e lutar contra forças desconhecidas. Em Batasuna (o Planeta Luz), uma guerra colossal se arrasta há milênios. O conflito se iniciou com uma rixa entre irmãos e culminou na cisão do Reino Unido de Batasuna e na formação de Estados independentes. Os descendentes do último Imperador seguem o legado de seus antecessores e perpetuam uma batalha que trouxe apenas destruição. Tudo é novo, assustador, confuso. A realidade é questionável e Elena possui apenas uma certeza: ali não é o seu lugar, mas partir é uma escolha pior do que ficar. Com o futuro do universo em jogo, Elena deverá enfrentar seus medos e lutar contra o inimaginável. Entre combates, reencontros, desencontros e paixões, alcançar a paz nem sempre será o maior objetivo.



Ficção científica Ópera espacial Impróprio para crianças menores de 13 anos. © Todos os direitos reservados à autora

#romance #fantasia #magia #guerra #amor #aventura #universo #distopia #amizade #341 #ficção-científica #fantasia-científica #humor
14
2.6mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Toda semana
tempo de leitura
AA Compartilhar

Prólogo

No princípio havia o Nada. A inexistência. A singularidade. Um ponto único perdido no vácuo, condensando o princípio e o fim do universo.

O Nada assim permaneceu por muito tempo. Estático, escuro, inóspito.

Entretanto, há 42 bilhões de anos, ocorreu o Marco Zero da existência. O átomo primordial ocasionou uma explosão incontrolável. A energia cósmica liberada criou o espaço-tempo. A altíssima temperatura obliterou o Nada.

O Universo Primordial nasceu.

Houve luz.

O Universo progrediu aritmeticamente. As partículas subatômicas, que se agitavam a esmo na velocidade da luz, foram somadas. Surgiram as partículas pesadas. Estas aglomeraram-se, adquirindo massa e expandindo-se gradativamente.

O universo resfriou-se. Formou-se a matéria. Cresciam coisas tangíveis. Viam-se planetas, estrelas, galáxias.

As galáxias eram dinâmicas. Continuaram a expansão do universo. Entre distanciamento e colisões, o Universo Primordial fracionou-se em infinitos universos paralelos, dando origem ao multiverso.

Este não poderia fundamentar-se na desordem. Desde o seu nascimento, o multiverso é regido por leis que englobam Física, Magia e Espiritualidade.

Uma dessas leis se sobrepõe às outras. Conhecida como Lei Primária, estabelecia que para toda ação existe uma reação de igual intensidade e em sentidos opostos.

A primeira Ação foi o surgimento de Lux, a filha da luz da aurora do Tempo e das estrelas. A Reação, de igual intensidade e sentido oposto, deu-se na aparição de Umbra. A contraparte dela era filha das sombras.

Como Ying e Yang, representavam a dualidade. Lux, coberta por seu manto estrelado, advogava pelo Bem. Umbra, um ser de pura escuridão, banhada pelo Nada, velava pelo Mal. O Bem englobava a geração e a manutenção da vida que brotava no multiverso em construção. O Mal feria esses preceitos e trazia a extinção.

À medida em que o universo continuava a se expandir, as entidades cósmicas se multiplicaram. Algumas, como Lunaris — a mulher vestida de Lua —, se espelhavam em Lux. Outras, como Solis — o guerreiro do dragão que aquece o Sol —, foram apadrinhadas por Umbra. Havia também as que se situavam nas áreas cinzas, onde nada era absoluto, a exemplo dos Guardiões.

Fossem traços pretos, brancos ou cinza, compartilhavam a tarefa de manter o equilíbrio das forças do bem e do mal. Embora estas se tratassem de extremos opostos, não lhes cabia juízo de valor.

Não deveriam adulterar a balança para que todos fossem absurdamente gentis ou terrivelmente inescrupulosos. O dever delas era somente cumprir o papel que o Universo lhes atribuíra. Elas eram o que eram. Nada mais.

Por muitas Eras, coexistiram em harmonia. Então veio a Era dos Mortais.

As criaturas sencientes, cujo tempo de vida era limitado pela morte, povoaram o multiverso. Nascidos do pó da terra e limitados pela própria existência, contornavam sua pequenez ao apreciar o céu. Deslumbrados, acreditavam que os segredos do universo estavam ocultos pelo véu do espaço.

De certo modo, estavam certos. Os astros ocultavam mistérios que não poderiam ser desvendados pelos meros mortais.

Nas galáxias mais antigas, tamanha era a reverência pelos céus que adoravam as entidades do Princípio. Lux, Umbra, Solis e Lunaris eram seus deuses. E o panteão admitia todos os seres imortais que habitavam na infinitude do espaço sideral.

Os mortais possuíam vícios e virtudes. No entanto, aos poucos, os aspectos negativos prevaleceram. Desprezavam as Leis, manipulavam física e crenças a seu favor, pendiam a balança para o lado do Mal e traziam para si a ruína.

Eles necessitavam apenas de um empurrão para condenar o Universo. Umbra, de bom grado, o daria e selaria o destino das criaturas que julgava insignificantes. Abandonou sua morada — o oblívio de um buraco negro nos confins do Universo Primordial — e passou a atormentar as galáxias, uma por uma.

Em sua peregrinação catastrófica, deteve-se na galáxia Gainditu, na qual o Império que governava o Sistema Kontz beirava a dissolução.

A sede deste ficava em Batasuna, o renomado Planeta Luz que recebera a alcunha em razão da devoção à Lux. Nesse planeta, Umbra enxergou a possibilidade de atuar como facilitadora de conflitos.

Os descendentes do imperador Ausartakus, governante do sistema solar, tinham uma relação conturbada. O príncipe Zakarra — filho mais velho e herdeiro do trono —, possuía uma constituição violenta e frequentemente envolvia-se em conflitos despropositados com o seu irmão, o príncipe Nolako.

Na conjunção da inveja, ciúme e paranoias de Zakarra encontrou terreno fértil para arquitetar a condenação do Império Kontz. Bastou-lhe perseguir o príncipe herdeiro com os seus sussurros para fazê-lo acreditar em uma teoria conspiratória. O resultado de sua intervenção foi o assassinato do irmão mais novo e a declaração da Grande Guerra.

Umbra queria o cataclismo, o completo colapso do multiverso, por pura diversão. E o conseguiu através de Zakarra.

Nos últimos dois mil anos, a infeliz guerra se arrastou no Sistema Kontz. Por vezes, após muitas discussões no plano celeste, os mortais eram deixados em paz. O Planeta Luz respirava com as tréguas intermitentes. Todavia, Umbra era perseverante. A maldição da Grande Guerra continuamente recaía sobre o planeta.

A balança equilibrada havia se transformado em um passado remoto, um mito. A história escrita com sangue, na qual a paz é inalcançável, ofuscara a perspectiva de um futuro melhor.

O poder das Leis definhava. O universo ruía, fadado à destruição. Decadência e condenação se espalhavam como uma epidemia. Umbra avançava, instaurando seu reinado sombrio.

Existe apenas uma certeza: planetas, sistemas solares e galáxias em breve cessarão de existir. Reinos ruirão. Será o advento do fim do mundo.

O multiverso e as vidas interligadas pelas ínfimas tramas do continuum espaço-tempo voltarão ao Nada. Não haverá Luz.

20 de Dezembro de 2021 às 03:57 5 Denunciar Insira Seguir história
6
Leia o próximo capítulo 1

Comente algo

Publique!
Bruno Medeiros Bruno Medeiros
A melhor recomendação até agora pra mim.🛐

  • Érica Moura Érica Moura
    A autora se derreteu com o comentário. Fico feliz que tenha gostado 🥰❤️ 2 weeks ago
Dimionisius  Dimionisius
Olá, Érica! Vi sua história brilhando nos destaques da semana e vim correndo conferir. Aliás, DUAS histórias! Não consegui enxergar bem os selos da capa, mas imagino que sejam os prêmios que ela recebeu. Aliás, vim por causa da capa. E quando vi "ópera espacial" tive certeza de ter feito a escolha certa! É apenas o prólogo, mas é de uma escrita e um primor de excelentíssima qualidade. Dá para sentir o seu domínio sobre os assuntos que permeiam a criação do Universo, por mais que você tenha criado um só para si. É cativante, envolvente, poético... Realmente faz jus à tag "ópera espacial" e não foi à toa que recebeu tantos prêmios. Espero que tenha uma carreira consagrada como escritora e que sinta-se realizada escrevendo mais histórias. Esses são meus votos de Ano Novo para ti. Feliz 2022!

  • Érica Moura Érica Moura
    Poucas vezes na vida me vi sem palavras e esta é uma delas. Obrigada pela gentileza de tirar o tempo para fazer um comentário desses. É recompensador saber que minha escrita agradou tanto. Desejo tudo de bom a você! Feliz 2022! 2 weeks ago
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 14 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!

Universo Primordial
Universo Primordial

"Estas galáxias tendem a esconder-se à vista de todos. (...) Sabemos que existem por aí, mas não são fáceis de encontrar porque a luz das suas estrelas está escondida em nuvens de poeira." (Caitlin Casey da Universidade do Texas , em uma matéria sobre a Galáxia MAMBO-9) A Galáxia Gainditu está a 16 bilhões de anos-luz de distância da Terra, superando o marco da Galáxia GN-z11 e seus 13,4 bilhões de anos-luz estimados pelo Telescópio Hubble. Não é uma das mais populosas do Universo Primordial. No entanto, é a mais antiga. Surgiu cerca de 7 mil anos depois do Big Bang. Disparidades socioeconômicas e tecnológicas fazem com que avanço e atraso coexistam num mesmo quadrante. Nela abundam lugares inóspitos e mundos fantásticos povoados por criaturas que os humanos creem não passar de mitos. Reptilianos, Cros, Dragões e Fadas fazem parte da realidade da Galáxia. Leia mais sobre Universo Primordial.