sandra-longbottom24 Sandra Longbottom

Sirius decide pedir Remus em casamento, mas tem receio, pois não sabe qual será sua resposta.


Conto Para maiores de 21 anos apenas (adultos).

#sirem #wolfstar #salily #harry-potter #one-shot #fanfic #noivado #romance #lemon #pwp
Conto
0
755 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo Único

Nota da Autora:

1) Harry Potter e seus personagens não me pertencem. E sim a J.K. Rowling e a Warner Bros. Entertainment Inc. Essa fanfic não tem nenhum fim lucrativo, é pura diversão.
2) Contém Slash (relação Homem x Homem), portanto se você não gosta ou se sente incomodado com isso, é simples: Não Leia.

Uma boa leitura a todos ^^

S.L.


Sirius aparatou em casa, depois de um longo dia de trabalho como Auror no Ministério da Magia. Retirou sua capa e a colocou no bengaleiro, enquanto chamava por seu companheiro:

-Moony, cheguei!

A voz de Lupin lhe soou ligeiramente abafada, enquanto respondia:

-Estou na cozinha, Pad!

O Maroto suspirou e olhou em volta, desconfiado. Não vendo ninguém, retirou de dentro do bolso das vestes uma caixa de veludo vermelho. Suspirou, ansioso, e a guardou dentro do bolso das calças azuis. Era hoje que iria pedir Remus em casamento, mas não sabia se ele iria aceitar. Se dirigiu para a cozinha e abriu a porta, vendo seu companheiro á frente do fogão, fazendo o jantar.

-Boa noite, Moony. – Disse, tentando que sua voz soasse o mais natural possível.

-Boa noite, Pad. – Respondeu Remus, se virando para o Maroto e perguntou – Como correu seu dia?

-Normal. – Respondeu Sirius, tentando soar calmo – Prendi bruxos das Trevas, confisquei artefatos negros, escrevi relatórios, o costume. E o seu?

-O mesmo de sempre. – Respondeu Remus – Procurei emprego, mas ninguém quer contratar um lobisomem. Dizem que “Pode fazer mal para o negócio se descobrirem sua…doença.” Imitou a frase que mais tinha ouvido naquele dia.

Sirius fitou seu companheiro com tristeza e disse:

-Lamento. – Remus suspirou e falou, desviando o olhar:

-Eu também.

O Maroto observou seu companheiro com atenção. Remus tinha um sorriso no rosto, mas seus olhos azuis estavam nublados de tristeza. Sem se conter, querendo retirar toda a dor que o lobisomem sentia, Sirius ergueu sua mão e acariciou o rosto de Lupin, que fechou os olhos, suspirando de prazer. Afastou sua mão, hesitou um pouco, mas falou:

-Precisamos conversar.

Remus, automaticamente, arregalou os olhos, assustado. Quando alguém lhe dizia “Precisamos conversar”, é porque a conversa iria ser ruim e perguntou, com voz entrecortada:

-Q-que aconteceu? – Suspirou e perguntou – Você quer…terminar comigo?

-NÃO! – Gritou Sirius, olhando para seu companheiro, assustado, sentindo seu coração batendo descompassadamente contra seu peito – Claro que não! Eu só queria conversar com você. Vamos para o quarto?

-E o jantar? – Perguntou o lobisomem, olhando para a panela, que estava fervendo em cima do fogão.

-Deixe para lá. – Respondeu o Maroto, com uma expressão ansiosa no rosto.

Remus desligou o fogão e se virou para Sirius, com uma expressão curiosa em seu rosto. O Maroto pegou delicadamente na mão de Moony e saíram da cozinha. Subiram as escadas e entraram no quarto. Era simples, com uma enorme cama de casal, dois criados mudos com candeeiros em cima, á frente da cama havia uma cómoda com um espelho redondo e, no fundo do quarto, uma escrivaninha cheia de pergaminhos e penas e uma estante com livros de Defesa Contra as Artes das Trevas. Remus se sentou na cama e perguntou, curioso:

-O que quer conversar?

Sirius cruzou nervosamente suas mãos e gaguejou:

-Eu queria dizer…Bom, eu preciso…Droga! – Gemeu e, percebendo que não conseguia falar, suspirou e se calou, olhando para suas mãos. Remus sentiu o receio do Maroto e se levantou, seu instinto gritando que alguma coisa estava errada e se perguntou: “Será que Sirius me traiu?”. Seu lobo interior se remexeu, furioso e rosnou, querendo saber quem foi que tocou em seu companheiro e lhe rasgar a garganta, mas Remus ignorou seus instintos animalescos e perguntou, com frieza:

-Você me traiu? - Sirius olhou horrorizado para seu companheiro e exclamou:

-NÃO! Claro que não! Eu nunca trairia você, Moony! – Respirou fundo e continuou – É só que…

-Só que… – Incitou Remus, se sentindo mais calmo com a declaração de Sirius, enquanto seu lobo interior uivava, satisfeito. Sirius, percebendo que não conseguiria falar, se ajoelhou no chão e retirou de dentro do bolso das calças a caixa de veludo e a abriu, revelando um anel simples, de ouro branco. Remus prendeu a respiração e arregalou os olhos, surpreso, ao ver o anel e o Maroto declarou:

-Remus John Lupin, aceita esse cachorro como seu companheiro para toda a vida? – O lobisomem sentiu uma lágrima escorrendo por seu rosto e respondeu, emocionado:

-Sim, Pad! Claro que sim!

Sirius sorriu, emocionado, e retirou o anel da caixa e colocou no dedo de seu companheiro, que observou o anel brilhando na sua mão com um sorriso no rosto. Lentamente, aproximou seu rosto do de Remus e encostou seus lábios aos dele, o beijando apaixonadamente. O Maroto adorava sentir o sabor a menta que emanava da boca de Remus e aprofundou o beijo, fazendo com que o lobisomem gemesse dentro de sua boca. Lupin, em resposta, abraçou Sirius possessivamente e cravou suas unhas nas costas do Maroto. Sirius gemeu e agarrou os cabelos castanhos de seu companheiro, o puxando mais para si, aprofundando o beijo. Sentiram o ar faltando e se afastaram. Sirius reparou que os lábios de Remus estavam vermelhos e inchados, seu cabelo bagunçado, seus olhos cor de avelã brilhavam intensamente, e não pode evitar sorrir, enquanto dizia:

-Eu te amo, Moony. – O lobisomem sorriu carinhosamente e apertou delicadamente a mão do Maroto. Adorava quando Sirius se declarava para ele, o fazia se sentir leve, quase…normal. Olhou nos olhos brilhantes azuis do Maroto e sussurrou:

-Eu também te amo, Padfoot. – O Maroto sorriu ainda mais e, sem que o outro contasse, o empurrou para cima da cama e o olhou com fome. Remus estremeceu de desejo ao ver seu companheiro o olhando desse jeito, mas se lembrou do jantar e perguntou:

-E o jantar?

Os olhos de Sirius escureceram ao observar o corpo de seu companheiro e rosnou, enquanto saltava para cima dele:

-Você é o meu jantar. – O lobisomem gemeu com a resposta do Maroto e se deixou levar pelo momento. Normalmente, era ele quem possuía Sirius, mas hoje o Maroto era quem iria comandar. Sirius desabotoou a camisa de Remus e a retirou de seu corpo, deixando á mostra seu peito musculado. Observou as cicatrizes do lobisomem, que contrastavam com sua pele macia e as beijou uma por uma. Remus fechou os olhos e gemeu em resposta. Sentindo sua pele se arrepiando, gemeu:

-Sirius… - O Maroto sorriu ao ouvir seu companheiro gemendo seu nome. Se endireitou, de modo a ficar frente a frente com o rosto dele e lhe deu um beijo nos lábios, os mordiscando levemente. Remus gemeu em resposta e sentiu Sirius trilhando um caminho de beijos até seu pescoço e o mordicando de leve. O lobisomem respirou fundo, tentando buscar algum controle, abriu os olhos e afastou Sirius de si. O Maroto o fitou com espanto, mas seu parceiro agarrou sua camiseta e a rasgou, deixando á mostra o peito musculado de Sirius.

-Alguém está excitado… - Falou ironicamente, mas Remus o agarrou com rapidez, o puxando para si. Seus lábios se tocaram e se beijaram com paixão e desejo. Sirius percorreu o peito nu de seu companheiro com as mãos e chegou às calças dele. Lentamente, as desapertou e as arrancou do corpo, as atirando para o chão. Lambeu os lábios, vendo um grande volume, escondido sobre o pano das cuecas. Retirou as cuecas e sua ereção saltou para cima, como um pirulito que desejava ser provado. Colocou sua boca na ereção do lobisomem e lambeu toda sua extensão, fazendo com que Remus gemesse e implorasse, se contorcendo de prazer:

-Padfoot! Mais! Hum… - Incentivado pelos gemidos de seu companheiro, o Maroto o colocou na boca e aumentou a velocidade, sentindo seu parceiro gemendo cada vez mais, enquanto agarrava seus cabelos com força e impulsionava sua ereção dentro da boca do Maroto. Sirius, com a outra mão, circundou a entrada do lobisomem e o invadiu. Remus mordeu o pescoço de seu companheiro e gemeu. Colocou dois dedos dentro da boca do lobisomem, que o lambeu e, de seguida, enfiou um dedo dentro da entrada dele. Remus gemeu e implorou:

-Padfoot, vem…vem… - Sirius não hesitou e enfiou um segundo dedo, devagar, e fez movimentos de vai e vem, para que ele se acostumasse. Remus gemia, enquanto impulsionava seu corpo para a frente e implorava:

-Padfoot! Por favor…. – O Maroto estava louco de tesão, mas conseguiu se controlar e colocou um terceiro dedo. Com maestria, procurou o ponto mágico e, quando o lobisomem soltou um grito alto de prazer, percebeu que tinha encontrado sua próstata. Remus abriu os olhos, que estavam brilhando, cheios de desejo e implorou:

-Por favor, Sirius! Não estou aguentando! Venha logo! – Ouvindo a voz de seu parceiro, implorando por mais, cheio de desejo, deixou Sirius com uma vontade incontrolável de estar dentro dele. Com um feitiço não-verbal, retirou sua roupa e se impulsionou á frente da entrada de seu companheiro. Com cuidado, entrou dentro dele e gemeram em uníssono. Sirius impulsionou seu quadril para a frente, invadindo a entrada de Lupin, e gemeu, ao se sentir completamente dentro do lobisomem:

- Moony…tão apertadinho… - Remus perdeu o fôlego ao sentir seu companheiro iniciando os movimentos de vai e vem e gemeu:

-Padfoot…Oh, meu Merlin!

No quarto só se ouviam seus gemidos e seus corpos estocando um no outro. O Maroto pegou no pênis de Remus e estocou cada vez mais forte, até ele avisar:

-Padfoot, eu vou…eu vou…

Percebendo o que iria acontecer, Sirius se movimentou cada vez mais forte, fazendo com que seu parceiro soltasse um grito abafado e gozasse. Vendo Remus gozando, fechou os olhos, relembrando sua expressão de prazer e gozou dentro dele, soltando um rugido de prazer. Saindo de dentro de seu companheiro, se deitou ao lado dele e o puxou para si. Efetuou alguns feitiços de limpeza e acariciou seus cabelos. Remus suspirou, sua respiração ficando cada vez mais uniforme e adormeceu profundamente. Sirius sorriu, se sentindo completo. Suspirou, sentindo seus olhos ficando cada vez mais pesados e bocejou, adormecendo profundamente.


FIM


Nota da Autora: Oi! Há muito tempo que não escrevia uma Sirem. Estava com saudades. Espero que tenham gostado. Bjs :D

27 de Novembro de 2021 às 15:58 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Fim

Conheça o autor

Sandra Longbottom Sou Sandra Longbottom, mas podem me chamar de Salily ou Sandy. Meus pronomes são Ela/Dela. Sou fã incondicional da saga Harry Potter, mas também leio outras fics que me interessem, como Hunger Games, Divergente, Senhor dos Anéis, The Walking Dead, Thor, Teen Wolf, entre outras… Adoro de ler de tudo, principalmente yaoi e romances. Também posto no FF.net, Nyah!, Spirit, AO3, Floreios e Borrões, Quotev, Commaful, Sweek e Fanfics Brasil. E sei lá, acho que você só precisa saber isso. Se alguém quiser entrar no grupo de Whattsapp: chat.whatsapp.com/JdzqabHOvgSKxykK04HifP

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~