alexandre-kaique1637907252 Alexandre Kaique

O mundo é um lugar normal com a exceção que deuses são seres conhecidos por toda a humanidade, seres de egoísmo puro e que agem de acordo com a própria vontade, no meio desses deus mundos, o jovem Natsuki Yozu, de 21 anos de idade é pego de surpresa e agora tem de lidar com sua nova identidade e vida


Fantasia Fantasia urbana Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#lutas #Deuses
0
618 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 10 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

Dias calmos

— Já é o quarto período? Vou para o terraço — disse o rapaz cabelo cinza olhos azuis, calças pretas tênis de marca e um casaco cinza escuro sobre o peito.

O jovem sobe até o terraço, se deita no chão e só acorda ao tocar do próximo sino.

— Hã... já é o quinto agora? — Suspirou ele — Ah... não estou no clima para estudar hoje, vou pra casa — afirmou Yozu enquanto se levantava e limpava suas roupas.

Uma garota de cabelos curtos avermelhados, olhos vermelhos, saia xadrez preta longa, meias calças pretas sapato comum jaqueta curta, blusa vermelha e um laço branco ao redor da gola, abre a porta e olha para o rapaz que a ignora e continua a se limpar.

— Ei, Natsuki Yozu? — perguntou a garota.

— Hã? Sim sou eu. — Respondeu ele enquanto fazia uma expressão sonolenta.

— Meu nome é Zorah, o professor me pediu para te chamar para me ajudar a organizar a sala já que todos os outros foram embora. — Ela disse.

¬— E eu achando que na faculdade não faria mais isso... e que tipo de nome é Zorah? — ele perguntou para garota.

— É o meu nome, assim que a aula acabar nós dois vamos ficar, já que estamos numa sala temporária precisamos organizar antes de ir embora, e hoje é nossa vez. — Afirmou Zorah sem expressar nada.

— Porra... que azar. — disse ele enquanto olhava para cima e suspirava.

A garota com nome estranho, sai pela porta e desce as escadas, e ele decide dormir novamente e se deita.

¬— Bom que seja, vou só dormir mais um pouco então. — disse ele enquanto se deitava após ter limpado as roupas.

O tempo passa e novamente Zorah abre a porta e se depara com o jovem dormindo profundamente virado para os céus com uma expressão calma.

A garota se senta ao lado de Yozu enquanto abraça os joelhos e olha para os céus.

— Seria muito bom se vocês pudessem viver assim sempre, em paz... sem nossa interferência. — Afirmou Zorah com uma feição calma e triste no rosto.

Após isso ela se deita por alguns minutos ao lado do jovem até decidir levantar, e então limpa suas roupas e o acorda.

— Ei Yozu, Yozu, acorda as aulas já acabaram. — Disse Zorah enquanto balançava o corpo de Yozu —, temos que limpar a sala.

— Hã... ah já? — Disse ele enquanto se levantava ainda com sono —, certo... vamos terminar o mais rápido possível, quero ir para casa.

Yozu e Zorah descem e vão para sala de aula, chegando ele vai até o depósito e pega os materiais de limpeza, enquanto Zorah limpa o quadro, depois de um tempo organizando e limpando a sala em silêncio, Zorah o chama.

— Yozu... — Ela disse com voz de receio.

— Diga — Disse ele.

— Você não fica preocupado de perder tantas aulas? — perguntou ela enquanto organizava as mesas em fileiras.

— Ah... — Ele disse enquanto sorria levemente — não eu já consegui os pontos de todas as matérias desse semestre, então eu gosto de dormir no terraço.

— Mas aprender mais sempre é bom não acha? — disse Zorah com olhar de entusiasmo.

— Bom... — O jovem coloca a mão do queixo com olhar de concentração — acho que sim — Ele olha para Zorah sorrindo levemente — mas vivendo no mundo que vivemos, se gastarmos todo nosso tempo apenas estudando não vamos aproveitar nossa vida ao máximo, não é?

Zorah olha para ele e dá leves risadas.

— O que tem de engraçado? — Ele pergunta enquanto sorria levemente.

— Não é nada ¬— disse Zorah — Acho que você tem razão.

Logo após a conversa, com a sala limpa eles guardam os materiais.

— Bom é isso... temos mais alguma coisa para fazer? — O rapaz pergunta

— Não, acabamos já — Afirmou ela enquanto organizava os materiais no depósito — vejo você na aula amanhã? — perguntou Zorah.

— Acho que sim. — Respondeu enquanto bocejava.

— Não sei se posso confiar nessa sua resposta — Zorah dá risadas.

O jovem sorri, se despede de Zorah e vai embora, depois de descer do metrô, no caminho para casa passa em um supermercado para comprar os ingredientes da sua janta.

— Meu pai disse que ia chegar em casa amanhã de tarde... será que eu compro coisas pra fazer a mais? — Ele se indagou — Não... o velho se vira.

Depois de comprar carnes e temperos, ele vai até o corredor de guloseimas.

— Essa parece ser boa, mas essa aqui também parece, e agora... — Disse o rapaz pensativo

Uma garota desconhecida de cabelo longo cinza indo para roxo bem fraco, olhos castanhos, vestido vermelho, sapatilhas altas, e um cachecol pequeno sobre seus ombros, surge do lado do rapaz, e repentinamente chama sua atenção.

— Que tipo de retardado vem num supermercado e não sabe o que comprar? — Ela perguntou com um grosso tom de voz e cara de desprezo.

— Hã? — disse ele enquanto olhava para garota sem expressar nada.

— “Hã” — disse ela imitando o imitando com voz de deboche — O quê? Você não saber fazer compras?

Ele então para, olha para garota por um instante e continua a se questionar sobre as guloseimas.

— Certo vamos ver aqui qual desses é melhor. — disse ele enquanto pegava e colocava os produtos na prateleira.

— Ei moleque você não me ouviu? — Disse a garota furiosa — Estou falando com — Yozu a interrompe no mesmo instante.

— Eu não te conheço, nunca te vi e nem sequer puxei conversa com você, me pergunto quem é o retardado aqui — O jovem diz sem sequer olhar para a garota.

- O quê?! Quem você — a garota é interrompida novamente.

A segurança do supermercado repentinamente segura a garota pelo braço.

— O quê? Ah não você de novo. — diz a garota enfurecida para a segurança.

— Eu que falo isso garota já não se cansou de tentar enganar os rapazes que vem a esse mercado? — pergunta a segurança.

— Me solta quem você pensa que é?! — a garota fala enquanto tenta se soltar.

— Garota eu não gosto de ter que fazer isso toda vez, por favor se retire do mercado — a segurança diz depois de respirar fundo e falar com calma.

— Eu vou me lembrar disso, agora me solta — diz a garota se soltando da segurança.

A garota enfurecida, sai do mercado, Ele olha por uns instantes, mas logo ignora a situação e continua a escolher entre suas guloseimas com olhar concentrado para cada um que pega.

— Senhor me desculpe pelo inconveniente — diz a segurança com uma mão atrás da cabeça — essa garota parece ser uma delinquente, todo dia faz alguns rapazes pagarem coisas para ela, peço perdão por precisar passar por isso — a segurança fala se curvando.

Yozu dá um sorriso simpático para a segurança.

— Sem problemas. — Ele diz.

Depois de comprar suas coisas sai do mercado e se depara com a garota sentada perto de uma máquina de refrigerantes, ignorando a garota ele compra uma bebida na máquina e se vira pra ir embora, mas a garota o para.

— Ei você! — diz a garota com olhar concentrado.

Ele então para e vira para trás.

— Quem... quem é você?! — perguntou ela

— Hã? Agora você me pergunta isso? — diz ele com indiferença no olhar — Natsuki Yozu, prazer. E você quem seria? — Pergunta o rapaz

— Isso não importa, me diga, como você resistiu? — a garota pergunta aflita.

— Que? — Ele pergunta confuso — Olha garota sinceramente eu não entendo nada do que você fala, primeiro me xinga, depois fica brava, e agora uma pergunta dessas? — conclui ele.

A garota olha para Yozu brava, porém confusa, abaixa a cabeça e se senta novamente ao lado da máquina.

— Deixa pra lá... — ela diz cabisbaixa.

O jovem vai até a máquina novamente e pega outra bebida, mexe em suas compras e tira uma de suas guloseimas, anda até perto da garota, se abaixa e deixa no chão.

A garota olha surpresa.

— Não sei dos motivos de você estar aqui..., mas vá pra casa, seus pais devem estar preocupados com você — Yozu diz após se levantar, sem olhar para a garota.

Em seguida segue para sua casa.

— ...Pais hein... — Pensa a garota consigo mesma.

Chegando, Yozu coloca a frigideira no fogo, óleo e começa a preparar sua janta, tira a carne, tempera e a molda no formato de um hamburguer coloca na frigideira e frita em fogo baixo, pega a máquina de arroz, coloca o arroz e fecha a máquina, enquanto isso abre sua geladeira duplex, pega alguns molhos e deixa na mesa. Desliga o fogo, coloca o hambúrguer em um prato, pega seu pote e coloca três colheres de arroz, se senta na mesa e liga a TV.

— Vamos ver se tem algo de bom pra ver hoje. — Pensa consigo mesmo.

— Dezessete homens trabalhavam em uma obra, quando ela desmoronou causando a mortes de todos inclusive civis que passavam na área, até agora as informações são de 22 mortos no total e 15 feridos, o motivo do desmoronamento foi uma luta entre — O rapaz desliga a televisão.

— Ah... mais uma, qual é o problema desses caras... vivem lutando. — diz ele falando sozinho.

Yozu termina sua janta, limpa a sujeira, levanta e sobe as escadas, entra no seu quarto e deixa seu smartphone na cama, pega sua toalha sai do quarto e entra no banheiro, se despe lava seu corpo e entra na banheira.

— Ahhh... não existe coisa melhor do que ficar em casa... — diz ele para si mesmo. — Aquela garota do supermercado, no fim acho que ela não era má pessoa, será que ela foi pra casa? — pensa consigo mesmo olhando para cima — bom de qualquer forma agora é hora de relaxar... depois do banho acho que vou jogar um pouco.

Assim que termina o banho, se troca e vai para seu quarto descansar.

— Ah... Será que eu vou para faculdade amanhã? — O jovem pergunta a si mesmo em voz alta — Eu vou morrer de tédio se tiver que aguentar um pouco mais aquilo—

Yozu naquele momento se lembra vagamente de Zorah.

— Zorah... que nome mais estranho. Bom não posso falar muita coisa afinal “Yozu” não é um nome que se escuta todo dia. — Ele se indaga enquanto sorri.

Yozu começa a mexer em seu smartphone, após algumas horas navegando por redes sociais, começa lentamente a fechar os olhos até finalmente dormir.


26 de Novembro de 2021 às 06:36 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo Uma bondade destrutiva

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 1 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!