Atualize agora! Temos um NOVO aplicativo para Android! Baixe-o na Google Play Store. Leia mais.
J
João Pedro Rodrigues Da Silva


Uma FanFiction de pokémon que resolvi criar porque sim, sou fã da franquia pokémon mas não tive a oportunidade ou tempo de jogar vários jogos da franquia ou assistir animações, ou foi apenas preguiça mesmo (muito provavelmente). Não sou um escritor, além de ser péssimo na minha própria língua de origem, triste. Estou fazendo isso apenas por minha própria diversão, esteja avisado. Mas vou tentar manter as coisas com sentido? Pokémon tem sentido? Muito misterioso não é? Bem, eu tenho mais ou menos a história planejada, eu acho. Aliás a frequência é: quando eu tiver vontade por que como eu disse, isso é para minha própria diversão. A história em si é sobre uma garota da região de hoenn (Minha região favorita hehe). Indo para sua jornada pokémon, bem padrão ou não. Poderes psíquicos? Um Isekai? Perseguição do Team Magma? Porque tem um XXXXXX aqui? Um shiny? companheira de viagem da may? Dois Torchic? O maior meme de pokémon nem tem mais chance? Espera, não era o Team Magma? Tia Cynthia? Como me apaixonei pela inimiga?


Fanfiction Bandas/Cantores Impróprio para crianças menores de 13 anos.
0
593 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 15 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

Recomeço

Meus olhos estão doendo, minhas pernas estão doendo, meu braços estão doendo, minhas costas estão doendo e estou com uma dor de cabeça horrível.


E além disso há esse cheiro insuportável de hospital, bem é onde estou. Comecei minha vida de uma jeito ruim ou melhor recomeçei ela.


Eu estava salvando minha prima de ser atropelada pelo famoso Truck-sama, então fui levada para o hospital e morri por perda de sangue.


E então renasci na cidade de Littleroot, sabe onde é isso? não? então vou dizer mais uma coisa, cidade Littleroot na região de Hoenn, ainda não sabe? então você é apenas alguém sem cultura, que lamentável.


Sim, eu renasci no mundo de Pokémon, e na minha região favorita. mas sem minha memórias. Elas voltaram e se combinaram com as atuais memorias apenas quando aconteceu o incidente que me trouxe ao hospital, ou seja, faz pouco tempo.


Eu cresci até os oito anos de idade como uma garota normal aqui, na presença dos pokémon da minha mãe e do meu pai que voltava para casa ocasionalmente.


Minha mãe, Sandy Erneyth, era uma coordenadora pokémon e conheceu meu pai na jornada dela. Meu pai, Johny Erneyth, é um cientista pokémon e quase sempre está fora de casa fazendo suas pesquisas, apesar de não ser muito famoso como professor Oak, ele tem certa fama e ajuda outros cientistas também.


E como filha de um pesquisar e uma coordenadora pokémon, o contato com os pokémon são bem próximos e sempre sonhei em ir em minha aventura e perguntei ao pai e a mãe sobre isso e eles aprovaram mas que eu deveria esperar até os 16 anos para isso.


Agora que penso com calma, essa deveria ser a idade normal para começar uma jornada pokémon, talvez era apenas loucura do Satoshi (autor de pokémon) ou começar com a idade padrão de 10 anos fazia sentido para as circunstâncias.


Bem, aqui é 15 anos que começamos e recebemos nosso primeiro pokémon. Eu vou começar um ano mais tarde mas meus pais disseram que eu teria meu primeiro pokémon antes do normal para fazer amizade com ele.


Depois de saber disso fiquei animada e até pulei de alegria, o que era incomum para mim, até meus pais ficaram pasmos com isso já que sempre sou a garota perfeita e quieta, como as famosas rainhas de gelo.


Então meu pai decidiu que iria pegar uma pokébola especial que ele ganhou de um amigo e eu iria utilizá-la para capturar meu primeiro pokémon com ela.


Quando eu vi a pokébola não pude deixar de ficar maravilhado com ela. a parte normalmente vermelha, era preta azeviche com duas listras azuis escuras formando um X de um lado da pokébola para o outro e mais uma listra cortando o centro do X no topo dela, além de ter um M dourado logo em cima do botão da pokébola.


Meu pai disse que era uma master ball personalizada que normalmente é ganha quando se torna um mestre pokémon e que se eu quisesse poderia mudar ela, mas deixei como estava e depois perguntei o que era uma master ball, já que ainda não tinha minhas memórias, eu não tinha ideia do que era.


Meu pai então explicou que com a master ball eu poderia capturar qualquer pokémon com 100% de chance de captura, o que achei incrível.


Como nunca tinha visto nenhuma delas antes perguntei porque os treinadores não utilizam sempre essa pokébola. Ao que meu pai respondeu que os custos são demais para fazer diversas delas e que a master ball precisa de um componente especial chamado Soul Shard que é extremamente difícil de encontrar.


O pai tinha acabado de chegar da viagem e me entregar a pokébola, então ele disse que seria melhor ir outro dia pegar meu pokémon, o dia do meu aniversário que estava chegando, o que certamente concordei.


Eu só não esperava que nessa mesma noite eu conseguiria meu pokémon.



24 de Novembro de 2021 às 10:23 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo Pai

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 4 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!