2minpjct 2Min Pjct

Jimin pertence a uma família tradicional de caçadores de fadas. Quando ele vai em direção a Safir, o reino delas, acaba sofrendo um acidente próximo da floresta mágica, e quem o acha desacordado e ferido na floresta é Yoongi, o príncipe de Safir. Jimin não vai saber que ele é uma fada e Yoongi não contará, pois sabe que os caçadores ainda são inimigos de seu reino, mesmo que estejam em processo de aliança. Mas quando a verdade vier à tona, o amor de ambos ficará ameaçado.


Fanfiction Bandas/Cantores Para maiores de 18 apenas.

#fantasia #elfo #bts #yoongi #jimin #yoonmin #yoongibottom #sugamin #minimini #suji #caçador #fada #jimsu #sujim #royalau #yoongi-fada #jimin-caçador
3
2.2mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Toda semana
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo I

Escrito por: Jeissiane79/ AneLolita


Notas iniciais: Oi, voltei 😊 Primeiramente, agradeço a adm do projeto Noh porque se não fosse por ela essa fanfic não estaria aqui e a outra adm que está betando perfeitamente essa fanfic, a Lu YinLua/YinLua, e não posso me esquecer também da capista maravilhosa e que tem um talento incrívelxbusanjimin/xbusanjimin


~~~~


Enquanto Jimin ia rumo a Safir em cima de seu dragão de escamas negras chamado Veter, pensava se seu irmão estaria bem no reino das fadas ou se ele apenas estaria se divertindo em outro lugar. Seu desejo era que a primeira opção fosse real, afinal, seria mais fácil encontrá-lo, assim não precisaria ir em busca dele em outra região e a paz entre caçadores e fadas seria perpetuada.

Mesmo que Kai carregasse 42 anos nas costas, 12 anos mais velho que Jimin, sendo um caçador de elite, um sentimento de preocupação dominava o Park. A missão dele era só ter ido ao reino e entregar o pergaminho com a assinatura feita com o próprio sangue de Lee Henry, o chefe dos caçadores, com o acordo de paz, entretanto, Kai não retornava há mais de um mês.

Não queria que as suspeitas que passou a dominar a mente dos caçadores fossem verdadeiras, justo quando as criaturas mágicas haviam proposto um pacto que não poderia ser quebrado após anos de batalhas e desavenças.

A distância entre a fortaleza de ferro — que permanecia nas altas montanhas de Atenas — e o reino das fadas não era tão longe, e, como o transporte que os caçadores usavam para suas viagens eram seus respectivos dragões, não demorava nem um dia para chegar em tal localidade.

Se você não estiver lá, eu juro que te mato, Kai. E se as suspeitas estiverem certas, não irei me segurar. Jimin refletiu, bufando, passando seus dedos entre seus fios escuros azulados.

— Veter, estamos chegando — o caçador comunicou ao ver a floresta mágica diante de seus olhos negros, e seu companheiro de viagens rugiu em resposta, aumentando a velocidade do voo. — Sei que está cansado, garotão, mas prometo que, quando voltarmos, te darei a comida que quiser. — Passou sua mão na pele escamosa, acarinhando-a.

Quando ambos se aproximaram no começo da floresta, que possuía árvores altas e largas e seres mágicos de diferentes espécies, desde os mais bondosos e receptivos até os mais perigosos e inóspitos, foram atingidos de repente, e sem terem tempo de reação.

— Aaawhr! — Veter rugiu de dor ao ser atingido por uma flecha em uma de suas asas e caiu em direção ao chão, sofrendo.

— Merda! — berrou Jimin com suas orbes escuras arregalados ao notar o que acontecera com seu dragão negro, e, quando este inclinou para o lado, o homem não conseguiu continuar se segurando. Suas mãos escorregaram da derme do réptil e, logo em seguida, tanto ele quanto Veter caíram no chão formando um baque alto.

Não muito longe dali, um homem de madeixas azuis, pele delicada e leitosa, olhos afiados com írises com de mel, sobre seu dragão branco, mirou a ação que ocorreu na hora e, com os olhos arregalados, exclamou:

— Ara, mais rápido!

Ao ouvir a voz de seu dono, o dragão movimentou sua cabeça em sinal de afirmação, aumentando a velocidade.

Este homem, que sentiu seu peito apertar ao ver tal cena, nada mais era do que Yoongi, fada e príncipe de Safir.

Ele estava sobrevoando a floresta encantada, fazendo um passeio com Ara como de costume, horas depois de ter saído do reino para tirar um tempo de suas obrigações.

Gostava de passar uns dias para poder descansar e rever os amigos.

O dragão pousou no chão, causando um movimento de ondulação na relva, e, rapidamente, o príncipe desceu e correu em direção ao homem que estava prostrado na grama, desmaiado de bruços. As mãos feridas estavam próximas da sua cabeça e um filete de sangue escorria por sua fronte.

— Céus! Ele deve estar tão machucado — o Min exclamou ao ficar de joelhos rente à ele.

Suas mãos delicadas queriam tocá-lo para ajudá-lo, mas, ao mesmo tempo, teve receio de machucar o desconhecido que usava vestes completamente escuras, pois ele poderia ter quebrado ou deslocado algum osso.

Veter continuava rugindo de dor pela ferida na asa, tentando se levantar aos poucos e com dificuldades.

— Cuidarei de você, mas primeiro preciso ajudar seu dono — Yoongi falou olhando para o dragão negro, que desistiu de içar e descansou sua enorme cabeça no chão.

Yoongi, enfim, encostou suas mãos no corpo atlético do desconhecido, endireitando-o devagar, e colocou ele em seus braços, deixando o rosto belo próximo de seu peito.

Limpou o sangue e dedilhou com as pontas dos dedos a pele da face. Passou-os pela bochecha carinhosamente, depois desceu os dígitos pelo pescoço, mirando o desenho de sol tribal na derme bronzeada. Logo, reconheceu a marca dos caçadores de elite.

— Eu vou lhe ajudar, caçador — sussurrou, admirando-o, sentindo seu coração pulsar freneticamente no peito.

Apesar de a aliança entre fada e caçador ainda ser indefinida, o príncipe não teve receio em tomar sua decisão, decidindo levá-lo para sua casa na árvore da floresta, afinal, seu povo não eram seres ruins e sempre estavam dispostos a ajudar, seja quem fosse.

Yoongi desviou suas írises do homem e olhou ao redor entre as árvores. Viu a pessoa que estava procurando escondido atrás de uma delas, olhando-os numa mistura de curiosidade e medo.

A fada suspirou e o chamou:

— Apareça, elfo!

O ser encantado sentiu suas pernas tremerem ao ser chamado pelo príncipe. Saiu de onde tentou se esconder e caminhou em direção ao homem de madeixas azuis, segurando seu arco e flecha na mão.

O Min sabia que o elfo — arqueiro protetor da floresta — estava com vergonha de si. Provavelmente ele percebera que havia cometido um erro e sabia que levaria uma repreensão.

— Você não deveria ter atirado em alguém desconhecido, jovem elfo — murmurou calmamente, vendo o homem de longos cabelos castanhos e orelhas pontiagudas concordar de cabeça abaixada. — Sei que deve ter lançado a flecha em direção a ele por ser um caçador, mas saiba que estamos em processo de aliança e esse ataque pode atrapalhar.

— Me desculpe, Alteza, eu realmente não sabia — retrucou com os olhos cinzas chorosos. O jovem elfo tinha tanto medo de fazer algo errado, e agora estava sentindo um desespero tomar conta de si, não queria perder o posto de protetor.

— Tudo bem, e não se preocupe, não falarei sobre isso com seu líder.

— Jura? — inquiriu, incrédulo, e o outro assentiu.

— Que isso não se repita.

— Prometo que serei mais cauteloso.

— E eu acredito nisso. — Sorriu amigável. — Agora, me ajuda a levá-lo para minha casa, por favor.

— Sim, Alteza.

O elfo ajudou o príncipe a colocar Jimin deitado em cima de Ara, após isso, a fada se aproximou de Veter para curá-lo, deixando o elfo responsável pelo caçador por um tempo breve.

Ele se aproximou do rosto do dragão que estava descansando na relva e colocou sua mão entre os orbes da enorme criatura, fitando diretamente em seus olhos, transmitindo confiança.

— Eu vou curar você, fique tranquilo — disse, fazendo um carinho nele. Veter somente fechou os olhos e ronronou baixinho, fazendo Yoongi rir. — Então gosta de um carinho, hã?!

Caminhou em direção à asa ferida e reparou no corte sangrento. Se a ponta da flecha de aço não tivesse três pontas e fosse menor, o ferimento não faria com que eles caíssem.

Tocou a cartilagem machucada com seus dedos. Yoongi concentrou energia na área e não demorou para uma luz brilhosa dourada surgir de seus dedos e cobrir a ferida. O réptil sentiu a ardência no local, mas não reclamou por perceber que sua asa estava ficando boa outra vez. Logo, a dor foi sumindo e o corte se transformou em cicatriz.

— Prontinho, garoto. Já está bom novamente. — Afastou-se, dando passos para trás o suficiente para Veter ter espaço para ficar em pé e bater suas asas. Estava preparado para voar. Mas não voltaria para as montanhas de Atenas, iria junto daqueles que estavam levando seu dono para um lugar que não conhecia.

Nunca deixaria Jimin sozinho com indivíduos incógnitos, seu lugar era onde seu dono estava.

Passando-se horas desde o acontecido, o Park localizava-se deitado numa cama confortável e quentinha. Seu sobretudo foi retirado, com Jimin ficando só com sua calça e blusa escura. Yoongi limpou seu rosto e suas mãos com um pano encharcado com água morna, retirando o pouco sangue seco da sua tez.

Decidiu não usar seus poderes mágicos para deixá-lo totalmente curado. De forma alguma queria que ele descobrisse que era uma fada. O homem ainda era um caçador, e Yoongi sabia que eles não reagiam bem quando eram atacados, ainda mais da forma como ele foi: pego desprevenido por um ser mágico.

Além de que os caçadores sempre foram inimigos de sua raça — a cicatriz que tinha em suas costas há mais de dez anos em suas costas que simbolizava a perda de suas asas aos 14 anos era a prova disso — e não era porque a rainha, sua mãe, fez um pacto que ainda não fora concretizado que deveria se expor.

O Min estava sentado na beirada da cama, olhando para ele, esperando-o acordar. Quando percebeu as pálpebras dele mexerem, seus lábios finos se entreabriram e suas mãos transpiraram.

Jimin abriu os olhos devagar, sua visão turva não o deixava ver as coisas da forma que eram e nem raciocinar onde estava. Os orbes se direcionaram para o homem que estava perto dele e, se não sentisse seu corpo tão pesado, sua primeira reação seria se erguer e imobilizar o misterioso — mas talvez com ele fosse diferente.

Quando conseguiu enxergá-lo completamente, e suas írises negras fixaram-se nas írises claras, seu coração pulsou, sua respiração falhou e não desviou o olhar em nenhum momento do ser mais belo que já viu em todos seus trinta anos de vida.


~~~~


Notas finais: Continua meus amores 🤗

8 de Novembro de 2021 às 01:44 0 Denunciar Insira Seguir história
2
Leia o próximo capítulo Capítulo II

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 8 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!