jakelydramatica Jake!¡ do

    [Em andamento]O que você faria se uma das pessoas que você mais amasse partir-se? Alguns anos depois de sua mãe falecer, o pai de Jimin se casa novamente, a ômega bonita e misteriosas, chega junto a suas filhas e seus segredos, trazendo também perguntas sem resportas. Obrigado a enfrentar uma nova realidade e os desafios que virão. Jimin e seu irmão Yoongi, vão descobri que a vida não para apenas em um pequeno vilarejo. |¡! Com um toque de cinderela ¡! | ¡! ABO ¡! | ¡! Jikook ¡!| ¡!Ficção ¡!| ¡! Aventura ¡!| | °• Capa por @Apollodipty•°|


LGBT+ Todo o público.

#conto #romance #gay #BTS #teayoonseok # #namjin #Jikook
3
1.0mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 30 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

1 behind the storm, there will always be a rainbow.

Era uma vez, um reino distante, escondido em meio a vários bosques e florestas, um reino pequeno e simples porém muito próspero, lá residia pequenas famílias, umas mais ricas é outras mais carentes. A corôa como sempre tentava apaziguar e atender o máximo possível das pessoas necessitadas do reino, mas ela não conseguia chegar em todos os cantos daquele reino, é lá que entrava a parte da família Park.

A família Park era uma das mais ricas e prósperas famílias que residia no pequeno reino. Em um vilarejo carente e pobre, cercado por um bosque cheio de animais e criaturas desconhecidas, havia uma enorme construção, era uma casa rústica mais grade e bem estruturada, ela era um pouco mais distante das outras, porém as terras dos Park pegavam metade do pequeno vilarejo.

Eles, mesmo sendo da alta, ricos e refinados, não gostavam de se mostrar superiores a ninguém, tanto que a senhora Park amava se juntar aos empregados para limpar a grande casa bem acentuada.

Park Bora era uma princesa, não uma princesa de verdade e claro mas, Bora era uma ômega muito rara, carregava uma beleza excêntrica e exótica ao mesmo tempo. Seus olhos azulado eram iguais a duas safiras azuis é seus cabelos dourados eram como raios de sol, isso chamava atenção de qualquer um, Bora era além de belíssima, encantadora, prendada e educada, carregava uma gentileza que parecia não ser humana.

Park Hwan era um alfa forte e determinado, sempre foi cauteloso além de educado com quem não merecia um mínino "obrigado" seu sorriso contagiava o mundo, seus cabelos castanhos claros e seus olhos verdes era um chame a parte, Bora havia se apaixonado pela simpatia do rapaz é desde então eles estava juntos.

A família Park mesmo ajudando a corôa e proporcionando ajuda aos mais necessitados tinha seu lado obscuro ou como todos diziam, misterioso. Dizia uma velha lenda que os Park apareceram de repente de um dia para o outro, não se sabe da onde vieram ou de quem eram descendentes, eles chegaram, compraram mais de dez lotes de terra e começaram a viver no pequeno vilarejo desde então. Claro que muitas pessoas inventavam lendas sobre eles — até mesmo a própria corte — porém ninguém nunca soube a verdade sobre os dois moradores.

Depois de alguns anos a família, um tanto reservada deu a bela notícia de esperavam um bebê, todo o reino entrou em Total festa quando soube da grande novidade, em todos os quatros cantos daquele pequeno reino falava que a família Park estava esperando um bebezinho. Park Bora estava feliz e agradecida por finalmente consegui gerar uma vida, seu ser sentia que ela teria muitas felicidade por conta do pequeno feto que carregava, Hwan não podia estar mais feliz, o quarto do bebê estava sendo montado pelo alfa a todo vapor, como se a criança fosse nascer tão rapidamente.

O mundo pareceu muito mais colorido quando finalmente Bora deu a luz, depois de horas exaustivas em um quarto, ela finalmente conseguiu ter o pequeno ômega. Park Jimin finalmente havia nascido, ele era tão pequeno e fofo, suas características era totalmente da mãe, e aparentemente sua personalidade também, desde que nasceu o pequeno bebê foi tão caminho e quentinho, era totalmente encantador.

Com os anos se passando Park Hwan cuidava dos negócios da família, como a fazenda e as plantações de arroz, que naquela época era muito raro — tanto que a família real fazia questão de comprar quase todas as safras que os Park colocavam no mercado — Park Bora fica a maioria do tempo com o pequenino Park que se mostrou um pouco sapeca com o tempo. Park Jimin Amava brincar nos campos de arroz, ele se perdia na imensidão dos campos que se movimentavam sincronizadamente com o vento fresco.

Foi em um dia bonito de outono que as desgraças começaram a acontecer, Jimin ainda conseguia se lembrar de tudo, como se fosse um acontecimento recente.

Foi em um dia ensolarado. A manhã estava fresca e o vento soprava suavemente, um clima perfeito para brincar nas plantações de arroz, como o pequeno sempre fazia.

Jimin está tão alegre.

Os pequenos pezinhos se movimentavam rapidamente pela corrida, Jimin corria e se escondia da mãe, que o procurava como louca. O dia todo a criança havia fugido das mãos da ômega mais velha, era muito cansativo para Bora correr atrás de uma criança de 6 anos cheia de energia, mas ela não podia simples abandonar seu pequeno bebê, a ômega mesmo sendo nova se sentia exausta com a energia que a criança tinha, seu corpo frágil não aguentava mais.

— Achei você seu pequeno espoleta.— Bora Falou finalmente achando a criança arteira, as mãos de Bora envolvem o pequeno corpinho cansado, finalmente pegando o garoto. Como castigo Bora começou a fazer várias cosquinhas no pequeno.

—Ah não Omma, para eu Hahaha, pa hahaha, Appa socorro hahahahaha.— as risadas altas do pequeno chamaram atenção dos trabalhadores, que naquele momento admirava a cena bonita.

De repente uma movimentação no meio das plantações fizeram a Park mais velha se assusta, por instinto Bora colocou seu filhote atrás de si. Do nada duas mãos grandes e cheias de calos capturam a pequena criança, Bora ficou desesperada por um momento, mas logo soltou uma risada ao ver seu marido totalmente sujo de lama e marto, em seus braços Jimin sorria alegremente.

—Rápido! rápido! — gritou o alfa começando a correr com a criança no colo — adiante! Bora vai nos pagar, ela mexeu com o filho de Hwan hahaha.

—Ei! Ei! Assim não vale! — Bora falou cansada, a mulher se levantou mesmo totalmente exausta e começou a correr atrás do esposo e do filho.

Quando a família já estava bem longe das pessoas e perto do fim da plantação, Bora parou de correr. Seus olhos azuis piscina se perderam em um ponto distante no começo da floresta que os Park tinham, o coração de Bora se acelerou quando a figura saiu de meio as árvores com um sorriso assustador.

Um grito estridente foi ouvido pela audição aguçada do Alfa, seu sorriso morreu quando o alfa se virou com o filhote no colo. Lá na frente, em meio a vários ramos de arroz um corpo estava no chão, os olhos de Hwan buscaram qualquer sinal da esposa, perto ou longe do corpo desfalecido.

O coração do Alfa se apertou quando não viu nenhum sinal de Bora, só o corpo ao longe, o corpo nem ao menos dava para reconhecer, vários ramos e pedaços de arroz estavam em cima dele. Talvez Bora tenha corrido para chamar ajuda? Ou fugindo por esta horrorizada, já que a ômega era muito medrosa.

— Appa! Cadê a Omma? — o filhote finalmente se manifestou vendo o alfa ficar calado e parado no lugar.

— Jimin, escute o seu Appa Sim?

Os olhinhos azuis cristalinos olharam para o alfa temerosos, a criança mesmo desconfiada acenou positivamente para o mais velho.

— Fique aqui parado, qualquer coisa chame o Appa ou se esconda, está me escutando? — Hwan perguntou tentando soar o mais calmo que conseguia.

Não queria assustar a criança.

— Sim Appa.

Tendo a confirmação da criança, Hwan começou a caminhar até o corpo em meio aos ramos de arroz, o alfa se ajoelhou ao lado do corpo e suas mãos habilidosas foram rápidas ao tirar o todo o serial de cima do corpo desfalecido. Então as mãos do Alfa paralisaram no ar, por um momento o mundo pareceu parar de girar. Jimin ao longe Conseguiu ver os olhos arregalados do sou Appa, e o pequeno como era curioso caminhou devagar até onde o Pai estava. Hwan estava paralisado, suas mãos seguravam fortemente o serial.

Os olhinhos azuis cristalinos de Jimin se encheram de lágrimas, o rosto espantado da criança se virou para o Pai, Hwan encarou o filhote que começou a derramar as primeiras lágrimas, o corpo de Jimin pareceu endurece, ele não conseguia se mexe ou muito menos falar, sua mente estava em branco, como se uma neblina densa cobrisse seus pensamentos. Seus olhos assustados não conseguiam para de derramar lágrimas grossas.

Então a primeira palavra saiu dos lábios vermelho e fartos do garoto.

—O-omma?!

Em meio aos ramos de arroz com o corpo totalmente pálido, Bora tinha uma expressão totalmente espantada, seus olhos estava fechados mas sua boca estava aberta em uma expressão totalmente medonha.

🕗🕘🕙🕚🕛

A sala em tons amarelados e ouro, era de um tamanho médio, o tapete vermelho carregados de detalhes caros e elegantes estava um pouco machado, no pequeno sofá com travesseiros azuis estava o pequeno ômega, os olhos azuis curiosos estavam virados para a porta de madeira.

Jimin estava na sala dos aposentos de seus pais, desde que sua Omma foi trazida as pressas pelo seu Appa, Jimin foi colocado sentado no sofá do aposento. Os pezinhos se movimentavam no ar, enquanto o pequeno esperava o diagnóstico que o médico daria. Seus pais estavam dentro do quarto fazia horas, o lobinho de Jimin já estava inquieto por tanta demora.

Depois de uns minutos, audição do garoto cápitou barulhos vindos da grande porta. Seu Appa e o médico saíram de dentro do quarto com olhares tristes, o garoto que não era tão bobo, logo entendeu o que havia acontecido.

— Desculpe-me...eu fiz tudo que estava ao meu alcance, mas a senhorita Park só deve ter alguns minutos. — o doutor comunicou antes de dar um lango suspiro.— Eu não Consegui identificar nenhum veneno ou algo semelhante, também não foi nada que ela ingeriu já que como o senhor havia avisado, ela não havia comido nada que você é seu filho também não comeram, não é nenhuma doença pois ela estava bastante saudável, e doenças não matam de repente.

O médico ficou curioso é confuso, seus pensamentos não conseguiam achar uma solução definitiva para o caso, era diferente de tudo que já havia visto em toda a sua existência. No começo o beta até tinha se perguntando se não havia sido o marido da mulher, mas não havia qualquer sinal de violência. Ele também tinha cogitando a ideia de pergunta a ômega, mas ela estranhamente disse que não se lembrava de nada antes mesmo de ser interrogada.

— Vou começar os preparativos necessário para o enterro daqui a algumas horas.— terminou o doutor, desistindo de pensar mais naquele caso.

— Obrigado, acho que o senhor ja deve sabe onde é a saída, se me der licença...eu preciso conversar com Jimin. — Hwan se manteve firme, mesmo que por dentro estivesse aos pedaços, ele precisava passar o máximo de força para o seu filhote.

Jimin olhou para o seu Appa com tristeza, uma enorme vontade de chorar novamente tomou o seu peito, ele só queria ver sua mãezinha novamente.

— Eu sei o quanto dói filho mas você tem que ser forte, pela Omma. — Hwan se aproximou de Jimin, logo o alfa estava ajoelhado em sua frente. — Jimin, de hoje em diante você tem que olhar para frente e ser muito, muito, muito forte, também?.

— Sim Appa. — Jimin falou em voz baixa, seus olhos já estavam marejados novamente.

— Sua Omma quer ve-lo, você que ver a Mamãe? — o alfa perguntou ao pequeno que não negou mas ficou calado.

Hwan deu um suspiro, suas mãos envolveram o pequeno em um abraço apertado, os bracinhos de Jimin se enroscaram no pescoço do Alfa. Aquele seria o seu único ponto seguro de agora em diante.

Hwan se separou do pequeno e ficou em pé, a sua mão foi entendida para o pequeno que apenas acertou. Jimin seguiu seu Appa até dentro do aposento, onde o casal dormia em dias normais.

Logo depois de passar as grandes portas de madeira, Jimin avistou sua Omma, Bora estava tão pálida, seus lábios trêmulos e pálidos logo abriram um sorriso singelo quando viram o menino de olhos azuis, Jimin olhou para a mulher e sorriu doce, Bora viu a pura incompetência em seu pequeno.

— Oh meu pequeno Jimin, me perdoe, perdoe sua Omma. — Bora deramou sua primeira lágrima. Jimin rapidamente se aproximou da mais velha e fez um carrinho em seus cabelos, tentando acalma-la.

— Olhe para mim querido. — pediu Bora para o ômega que o observou — meu Jimin, a Omma vai ter que deixar você é o Appa, mas eu sempre estarei com vocês, sempre estarei em seus corações.

Jimin que não entedia muito bem só concordou.

— Perdoe a Omma novamente. Preste atenção, não importa o que aconteça, em qualquer circunstância, nunca pare de ser este garoto gentil é bondoso que és, mesmo com quem não mereça nem um pouquinho da sua bondade, prometa para mim, prometa para sua Omma?

— Eu prometo Omma. — Jimin falou finalmente fazendo Bora fica relaxada.

Mesmo sem forças, Bora se forçou a ficar sentada, com muito esforço a ômega conseguiu abraçar seu filhote a última vez. Hwan que se encontrava encostado na porta, chorava silenciosamente para não chamar atenção de ambos.

— Eu amo você Omma.

— Eu também, eu amo tanto você, mas tome cuidado, tome cuidado, ela está chegando …

A última parte fez Jimin ficar confuso, quem estava vindo? Era uma amiga da Omma? Um beijo foi deixado no couro cabeludo do pequeno, depois disso Jimin sentiu os braços de sua mãe relaxarem. A ômega olhou para o marido e sorriu antes de dar seu último suspiro. Ela havia ido embora, sem dor ou muita tristeza, seu semblante era calmo e angelical, Jimin olhou para aquilo tudo e se sentiu confuso, Hwan logo se aproximou do pequeno e o abraçou.

As vezes pessoas boas tem que partir.

🕗🕘🕙🕚🕛🕗🕘🕙🕚🕛

Os dias foram se passando tão rapidamente que se transformaram em semanas, depois meses e depois anos, com isso a tristeza e a dor da perda de sua Omma se foi, virando apenas uma enorme saudade que as vezes não cabia no peito do pequeno ômega.

Já havia se passado 6 anos, e Jimin já estava quase completado o seu 12º aniversário. O pequeno menino, doce e arteiro, havia virado um ômega forte, doce, prendado, além de muito gentil. Jimin havia herdado a grande beleza da mãe, o que fazia seu Pai ter o dobro de proteção com o ômega. Jimin vivia soltando sorrisos e risadas bobas que contagiava a todos (empregados). uma coisa que Jimin gostava era cantar, o ômega vivia cantando ou cantarolando para lá e para ca. Jimin tinha uma alma livre, ele amava mais que tudo passear pelo pequeno e acentuado vilarejo, Jimin sempre foi guiado pelos seus instintos. Várias vezes fugindo das regras de seu Appa, Jimin se metia em muitas enrascadas engraçadas, mas também, muitas vezes o pequeno ômega acabava descobrindo novos lugares ou coisas. Como uma vez que ômega não queria se arrumar para um baile real que haveria no centro do pequeno reino, em uma pequena distração das empregadas Jimin já havia fugido para o a floresta, depois de caminhar por hora e adentrar cada vez mais a grande floresta, Jimin encontrou uma trilha, ela era cheia de árvores e matos estranhos, o ômega curioso como era, logo estava seguindo pelo pequeno caminho estreito, ao caminhar um pouco Jimin começou a ouvir um barulho diferente, parecia um barulho família de água caindo, e não estava muito longe.

Ao término da pequena trilha, Jimin viu algo que só havia visto algumas vezes descrita em livros de histórias que vivia lendo pelos canto. Uma enorme cachoeira de águas cristalinas, era tão linda que os olhos do pequeno Park nem almenos acreditavam no que viam, mesmo estando anoitecendo a cachoeira pareciam iluminar tudo em volta, como se ela possuísse luz própria. Os olhos azuis analisaram cada canto daquele lugar incrível, depois de observar mais um pouco Jimin viu uma grande formação rochosa, ela ficava bem perto das águas que deciam da grande cachoeira, logo seu pés estava caminhando até lá, Jimin chegou bem perto da ponta e esticou a mão para tocar na grande cascata d'água, ela parecia hipnotizar Jimin, era como se ela o chama-se para perto.

Jimin se esticou até conseguir tocar o seu dedo indicador nas águas brilhantes, seu coração pareceu dar um pulo por conta da adrenalina, seus pequenos olhos azuis brilharam como se tivessem se conectando com a grande queda d'água. O lobo de Jimin que se mantinha queito nas sombras de seus pensamentos, de repente começou a ficar inquieto, como se ele quiser sair de onde se escondia. E como em um passe de mágica, Jimin sentiu uma pequena corrente passar pelo seu corpo, era uma sensação tão familiar, quando o pequeno ômega notou seu corpo já estava sendo erguido, Jimin se sentiu amedrontado no início mas depois seu ser pareceu se sentir tranquilo com aquilo. As águas da grande cachoeira pareceram para, os pequenos olhos azuis brilhantes observavam tudo que estava acontecendo. Seu corpo foi envolvido por pura mágia, seus olhos se fecharam automaticamente.

Ao longo em seus pensamentos Jimin viu um grande lobo branco de olhos azuis perolados sair de uma imensa escuridão, o quadrúpede correu em alta velocidade em sua direção, Jimin sentiu-se em alerta, o que faria se aquele enorme animal chegasse perto de sí? Ele o mataria? Bom não haveria como pois ele estava dentro de seus pensamentos não? As dúvidas do ômega logo foram pro espaço quando o quanto o grande quadrúpede estava bem ali, em sua frente, o olhando com àqueles grandes olhos azuis, a respiração ofegante do animal batia em seu rosto, era como...era como se fosse real. O lobo se aproximou devagar do pequeno corpo do menino. Jimin não sabia o que fazer, ele tinha ficado totalmente paralisado, então para sua supresa o animal rousou seus pelos branquinhos na sua pele esposta pela Blusa sem manga que usava.

Jimin sorriu, o animal mesmo sendo grande, era tão dócil, Jimin quis o abraçar bem apertado, ele sentia um pouco da sua mãe do grande lobo. O quadrúpede começou a esfregar sua grande cabeça no pequeno pescoço da criança, os olhos de Jimin se fecharam e os pequenos abraços rodearam o lobo, seu ser se sentiu acolhido e quentinho, ele estava completo novamente. Então seu olhos azuis brilhantes se abriram, mas ele está de volta a cachoeira. Bem ele devia somente ter adormecido já que ele estava deitado na grande pedra perto das águas, Jimin se levantou ainda um pouco sonolento e olhou ao redor, sua boca se abril soltando um grande bocejo por conta do sono. Ue porque seu bocejo parecia o barulho de um animal? Ah devia ser somente o sono que esta consumindo sua mente, provavelmente já estava bem tarde.

Jimin se levantou um pouco tonto e começou a caminhar, mas…ora! Quando ele havia começado a andar de quatro? E porque ele sentia que estava mais baixinho?

Ainda cambaleando um pouco, Jimin conseguiu chegou perto da margem da grande cachoeira, seus olhos ganharam o dobro do tamanho quando ele se deparou com uma figura peluda pelo reflexo das águas. Mas...mas como havia virado um...um lobo? Aquilo podia acontecer é claro, porém só alfas ou ômegas adultos podia se transformar em suas figuras lupinas, e muito raramente as pessoas conseguam se transformar totalmente. aquilo nunca havia acontecido com uma criança! Era totalmente extraordinário, nunca na história Jimin havia ouvido falar de algum lobo de pelagem branca! E claro tirando o de seu sonho.

O coração do pequeno foi tomado por uma pequena chama, Jimin se sentia tão alegre, oh como seu Appa ficaria contente com aquilo! Era tudo tão novo que Jimin não viu maldade em mostra para todos a sua forma lupina. Suas patas branquinhas se ficaram na terá dando impulso para começar sua corrida até em casa novamente, Mas agora seria com toda certeza mais rápido.

Suas patas corriam velozes pelo caminho feito anteriormente, seu coração batia acelerado. como se uma corrente eléctrica passasse por todo o seu corpo, a adrenalina tomou conta de sí, logo Jimin estava no início dos grandes portões de sua residência, os alfas que vigiavam os portões ficaram totalmente amedrontados quando um vulto branco passou por eles entrando pelos portões que estavam abertos. Jimin corria tão rápido que nem notou que sua velocidade era muito grande e poderiam assustar a todos.

O coração de Jimin pareceu pular de felicidade quando viu seu Appa, perto da porta principal conversando com alguns alfas (provavelmente ordenando procurarem por sí). Jimin estava tão feliz com a nova forma que simplesmente pulou encima do corpo de seu Appa, o homem sem equilíbrio acabou caindo com tudo de costas no chão.

O rosto de Hwan foi lambido várias vezes ate o homem colocar as mãos no animal peludo e o afastar de sí, Hwan sentiu-se ainda um pouco atordoado com o acontecimento. Os alfas que estava com o homem estavam tão espantados e fascinado pelo lobo de pelagem branca que não conseguiam esboçar qualquer reação.

Jimin que tinha se afastando um pouco do seu Appa, tentou abaixar um pouco da sua euforia, então finalmente ele começou a pensar no que tinha feito! Oh não! O que os alfas e seu pai iriam pensar? Ninguém nunca havia visto um lobo de pelagem branca na história! Ele ainda nem sabia como voltar a sua forma humana! O que ele faria agora?

Mas para a supresa de Jimin, seu Appa piscou por alguns segundos e depois sorriu, as mãos dos alfa mais velho fizeram um pequeno carinho em seus pelos.

— Pelo visto você descobriu sua forma lupina.— o alfa falou com um enorme sorriso— onde o senhor havia se metido? Eu fiquei preocupado! Imagina se alguém tivesse te sequestrado? Nunca se sabe, eu estava quese mandando alguns de meus alfas tráis de você!— Hwan brigou com o ômega que apenas abaixou a cabeça envergonhado.

Hwan se levantou e deu a ordem para que os alfas voltassem para suas residências, os alfas no começo ficaram confusos e curiosos para descobrirem mais sobre o lobinho, mas eles não podiam desobedecer a ordem do seu senhor, no fim todos se foram, sobrando apenas Jimin e Hwan. O alfa olhou para Jimin com aqueles grandes olhos verdes esmeralda, esperando qualquer reação vinda do mais novo.

— Não sabe se transformar de volta? — Hwan perguntou paciente.

Jimin negou com a cabeça.

— Pense em sua forma humana, assim o seu lobo vai entender que você quer voltar a sua forma original.— explicou.

Jimin mesmo temeroso, faz o que seu Appa pediu, seus olhos se fecharam e quando se abriram novamente ele está em sua forma humana novamente.

— Como sabia que era eu? — Jimin perguntou confuso?

— Seu cheiro para mim não se igualar a nenhum outro.— Hwan deu uma gargalhada. — você viu a cara dos alfas que estava aqui? E os olhos arregalados! Puxa Jimin, você deu um susto e tanto neles.

Jimin riu junto ao Pai.

— porém, você não pode sair assim Jimin, você perdeu uma chance valiosa de ser apresentado para a côrte.— Hwan repreendeu o filho.— não faça mais isso.

— Eu sei Appa, mas eu não gosto quando as empregadas ficam me forçando a me arrumar, e também não me deixam brincar.— expôs ao Pai.

— Você e muito parecido com sua mãe, não só fisicamente, mas em tudo. — Hwan sorriu.— Bem, com já está bem tarde e melhor você ir dormir, não é mesmo? Vai tomar um banho, coma algo, eu te coloco para dormir hoje.

Jimin quis Pular de alegria, fazia tanto tempo que seu Appa não o colocava para dormir. Hwan se tornou um homem muito ocupado depois da perda de sua esposa, além de seus negócios crescerem muito mais do que foi imaginando, ele tinha que viajar para outras províncias, onde fazia mais negócio, aumentando sua fortuna, Assim obrigando o alfa a fazer várias viagens. as vezes passando dias, semanas ou até mesmo meses foram de casa.

Jimin sentia falta do seu Pai.

Jimin sentia mais falta ainda de sua mãe.

Mas o que poderia ser feito? Seu pai precisava cuidar de casa e pelo que Jimin havia entendido...sua mãe nunca mais voltaria para casa ou o colocaria para dormir novamente…

Depois de tomar um banho e se alimentar devidamente, Jimin colocou o seu melhor pijama, e deito na sua cama a espera de seu Appa, as horas foram se passando e nada do mais velho. Jimin se encolheu em um canto da cama tentando lutar contra o sono, nem que ele passasse a noite todo acordado, Jimin veria seu Appa antes de dormir.

Pareceram se passar horas quando Hwan passou pela porta, Jimin que está brincando com os seus dedos tentando se distrair, olhou para a porta com os olhos vermelhos e inchados, ver a imagem de Jimin chorando fizeram o coração de Hwan se quebrar. Era Bora, bem ali...de cabelos curtos e ainda criança, Jimin era Bora, ou almeno sua encarnação.

— Porque está chorando Jimin? — Hwan perguntou se aproximando da cama onde o pequeno estava encolhido.— Ei, eu estou aqui com você! Acalme-se.

Os olhos azuis safira deramaram mais lágrimas, Jimin estava confuso e triste, como seu Appa havia se esquecido dele? Ele perderia seu Appa como perdeu sua Omma? A cabecinha confusa de Jimin se misturava ao desespero de ficar sozinho, e aquilo era uma mistura perigosa.

— Park Jimin, olhe para mim. — Hwan segurou o rosto do filho, obrigado a criança a olhar seus olhos verdes esmeraldas — porque choras filho meu? Te fizeram alguma maldade?

— Não Appa.— Jimin respondeu baixinho. — você vai me deixar como a Omma me deixou? — sussurrou olhando nos olhos do mais velho.

Hwan quis rir. Rir de sua desgraça, de ter praticamente abandonado seu pequeno filhote por trabalho e mais trabalho, quis rir por não conseguir ficar muito tempo com o seu querido filhote por parecer tanto com ela. Na verdade ele queria chorar como nunca havia feito em toda sua vida, queria destruir aquela fortaleza somente uma vez e demonstra como estava por dentro.

Mas ele não podia!

A qualquer sinal de fraqueza ou ponto fraco, ele podia ser destruído.

— Jimin, eu nunca irei te abandonar, nunca. — Hwan falou se aproximando para abraçar o ômega.— e uma promessa.

— Você não vai me deixar como a mamãe não é? Você está prometendo para sempre? — Jimin se aconchego nos braços do mais velho.

— Não meu amor, e sim. Eu vou ficar com você para sempre. — Hwan sorriu dócil.

— Appa, conta uma história pra mim? — Jimin perguntou quando se separou do mais velho.

— Sim, eu conto. Porém… você vai ter que me promete que vai dormir depois disso.

— Eu prometo! — Jimin falou alegre.

Hwan ajeitou Jimin nas coberturas, e se sentou na beira da cama.

— Muito bem, qual história eu devo conta? — Hwan se perguntou enquanto pensava.— ah já sei, vou contar uma história que você nunca ouviu.

— qual? — Jimin perguntou curioso.

— O nome é... A princesa mágica. — o alfa falou se ajeitando na beira da cama.— a muitos anos atrás, havia um reino enorme, lá extiam muitas coisas fantásticas e inaceitáveis, As pessoas de lá eram conhecidas por terem olhos diferentes de todos os outros, as cores dos olhos de todos que residiam no enorme reino pareciam joias e diamantes, todos tinhas os olhos de todas as cores, menos uma.

— qual? — Jimin perguntou curioso.

— azuis safiras.— respondeu Hwan olhando para Jimin.

— assim como os meus?

— Sim. Assim como os seus — Hwan sorriu.— as únicas pessoas que tinham os olhos azuis assim...eram da família real. A família real era totalmente reservada e não se mostrava em público para ninguém, e quando se mostrava era apenas por alguns minutos, era como se fosse uma grande regra para eles. porém existia alguém que adorava quebra está regra.

— A princesa?

— Sim. A princesa Su, Su tinha o espírito livre e adorava viver novas aventuras, era como um desafio para ela, mas ela sempre arranjava um jeito de escapar das garras de seus pais.

— Eles eram maus?

— Podemos dizer que sim, eles não deixavam a princesinha ser livre. Mas mesmo assim Su gostava de contrariar os pais, ela queria viver, ter uma vida verdadeira fora dos muros do castelo. Foi assim que ela decidiu fugir para a cidade, ela juntou o máximo de coisas que conseguiu e fugiu para o mais longe que seus olhos podiam ver.

— É o que aconteceu com ela?

— Su se escondeu em uma propriedade de um duque que vivia distante do castelo, o filho do duque era amigo de infância dela. Ele como um bom amigo a acolheu e ajudou com tudo que podia, o filho do duque se viu apaixonado pela princesa rebelde, mais aquele amor era proibido.

— porque? Porque era proibido eles dois se amarem?— Jimin perguntou sonolento.

— Ele era um de olhos esmeraldas, pessoas com estes olhos não se envolviam nem mesmo com a corte, ele eram julgados diferente do resto das pessoas. Os dois jovens já estava totalmente apaixonados, quando Su finalmente foi achada, desda quele dia a corôa proibiu qualquer contato entre os dois, porém o amor de ambos crescia mais e mais, Su sem saída começou a estudar seus poderes mágicos para encontrar seu grande amor.— Hwan sorriu — foi difícil mas Su encontrou um livro antigo onde seus ancestrais escreveram um pouco sobre a mágia que aquela família carregava, então ela descobriu um geito de se teletransportar para lugares, mais a cada vez que ela se teletransportava pedia um pouco mais de sua magia.— suspirou — em uma atitude desesperada de se livrar de seus pais, Su mais uma vez juntou tudo e pegou toda a sua fortuna que guardava no seu quarto, pegou os mapas mais antigos onde dava para ver reinos do outro lado do mundo e se teletransportou para a casa do duque. — Hwan fechou os olhos — Ela falou com o filho do duque que se juntou a ela organizado tudo para a fuga, ele acharam em um mapa muito antigo um reino pequeno e muito distante daquelas providenciar.

— Eles foram embora? — Jimin perguntou já de olhos fechados.

— Foram. — acenou positivamente.— eles foram construir uma nova vida longe de tudo e todos, eles se amava e fariam de tudo por aquele amor, então ela perdeu todo os seus poderes levando eles pro outro lado do continente, e fim.

Hwan se levantou e olhou para Jimin que já se encontrava adormecido, Jimin era seu anjinho, a única coisa que havia sobrando de seu verdadeiro amor, Hwan suspirou. Depois de dar um beijo no pequeno ômega, o Alfa saiu do quarto de Jimin se dirigindo aos seus aposentos.

🕗🕘🕙🕚🕛

— Jimin não me olhe assim, e só um servo. — falou mais uma vez naquela manhã Hwan para o garoto que bufava.

— Eu não quero um servo! Eu quero um amigo. — Jimin respondeu ao seu Appa.

— E se seu servo ter a sua idade? Você aceita? — Hwan perguntou virando-se para Jimin.

O pequeno ômega o olhou desconfiado mais acenou positivamente, seu Pai logo abriu um grande sorriso.

— Eu sabia que preferia alguém juvenil como você, por isso mandei chamar um ômega de outras províncias.— expôs ao outro.— ele deve chegar logo, e melhor você ir para a sala principal recepcionar ele.

Jimin mesmo desconfiado das tramóias de seu Pai decidiu seguir o que lhe foi dito. Depois do fatídico dia que Jimin conseguiu se transformar em sua forma lupina, seu Appa tinha começado com uma história de servo ao dispor dele o dia todo. E claro que Jimin havia odiado está idade mais ele sempre cedia no final.

Quando o ômega chegou ao fim da escada viu uma figura sentada em um dos sofás da grande sala principal. Era um ômega baixinho de olhos cinzas claros, os cabelos do ômega eram tão escuros quanto a vasta noite, e a pele dele era tão branquinha, que facilmente Jimin o confundiria com a princesa branca de neve, ele aparentemente tinha a sua idade ou mais.

— Oh, pensei que demoraria mais para chegar Min. — Hwan falou quando desceu a grande escadaria até onde seu filho se encontrava.

— Olá senhor Park. — o ômega se levantou e curvo-se.

— Jimin não seja mal educado, fale com o ômega. — Hwan falou.

Jimin acordou de seu pequeno transe e finalmente sorriu, ele estava tão contente que poderia brincar com outra criança agora.

— Olá! prazer em conhece-lo, sou Park Jimin, mas pode me chamar de Jimin ou Minnie ou jiminnie ou...— Jimin desatou em falar, fazendo o mais velho ali gargalhar.

— Oh, meu nome é Min Yoongi senhor, mas pode me chamar de Yoon como todos em minha províncias chamam.— o Min falou sorridente.

Jimin ja estava praticamente em cima do pobre servo, o fazendo perguntas, ou mexendo nas mechas escuras, o ômega com olhos acinzentados tinha cheirinho de morangos, mesmo sendo um pouquinho mais alto que Jimin ainda pareciam do mesmo tamanho. Aquilo para Hwan era tão fofo, ver seu filhote interagindo com outras pessoas além de empregados.

— Senhor! A carruagem o espera.— um empregado entrou na sala avisando Hwan.

— Fale que já vou. — ordenou antes de caminhar até as duas crianças.

Jimin que se divertia com o novo colega sorriu ao ver seu Pai se aproximar.

— Appa, vem brinca com a gente? — Jimin perguntou.

— Jimin, eu já havia lhe dito que precisarei partir para outra cidade do reino. — Hwan se aproximou do filho e deu um beijo em seus cabelos dourados.— Não fiquei apoquentado, logo estarei de volta brincar com vocês.

— Sim Appa. — Jimin respondeu o mais velho com um bico emburrado.

— Eu tenho que ir, mas voltarei daqui a alguns dias, o que meu pequeno ômega que de presente dessa vez? — o alfa perguntou ajeitando as suas vestes. — você também pode me pedir o que quiser Min, não se preocupe com o preço, é o melhor, não vai sair nem um centavo de seu salário. Como pediu, seu salário será mandado diretamente para sua mãe.

Yoongi sorriu ao sua Omma ser sitada na conversa, ele sentiria falta da ômega, mas era necessário sair de casa. Sua família estava passando muita dificuldade.

— Não estou necessitando de nada por agora senhor Park, obrigado.— o Min enfim respondeu educado.

— Eu vou querer qualquer galho que tocar sua cabeça no caminho.— o pequeno ômega respondeu.

— Ora querido, não vai querer vetes elegantes ou jóias? perfumes caros? Acessórios? — Hwan perguntou estranhando o pedido do pequeno. — este pedido e um tanto quanto… diferente (?).

— Não Appa. — Jimin negou rapidamente — eu não quero ser como os outros ômega, a maioria pede coisa sem qualquer significado e que não precisam, eu quero algo que sempre vai me lembra de você quando for viajar para outras províncias do reino. — a resposta surpreendeu não somente Hwan, Yoongi também ficou totalmente encantado com o geito de pensar do ômega mais novo.

— Muito bem, está respostas suas me fazem refletir sobre algumas coisas.— sorriu — sobre como eu tenho um filho único é especial. — Hwan caminhou até a porta. — volto logo para você meu ômega.

Então Hwan se foi. Jimin sentiu-se no sofá um pouco triste, era sempre assim; seu Appa viajava para todas as cidades e providências enquanto o ômega vivia encarcerado em seu próprio lar. Yoongi observando isso logo tratou de tentar animar o novo senhor.

— Não fiquei assim senhor Jimin.— falou se levantado da poltrona, Yoongi se apaixonou da altura do Park e sorriu.— Tenho total certeza que seu Pai logo voltará para você, porém, enquanto ele não voltar, que tal nos dois nos aventuramos na cozinha? Se me permite e claro.

Os olhinhos azuis logo encaram os cinzentos animado. Jimin sentia que Yoongi seria seu novo melhor amigo.

— Sim, mas por favor não me chame de senhor. Me sinto muito velho, sendo que sou mais novo que você.— Jimin propôs.

— Com todo prazer, Jimin. — o Min sorriu.

🕗🕘🕙🕚🕛

Os anos foram se passando como os ventos de outono. Jimin e Yoongi tinha virado melhor amigo, muitas vezes fazendo bobagens e merdas juntos, quantas vezes Hwan brigou com os dois por pegarem peças nos empregados? Bom, muitas.

Jimin só havia parado de ser arteiro com seus 14 anos. Claro que ele continuava a escapar para seus passeios — agora não mais sozinho — mais sua mente havia amadurecido, ou pelo menos parcialmente amadurecido.

— Park Jimin! Você não é mais uma criança para se esconder de aulas de etiqueta.— Yoongi advertiu o outro ômega que se escondia debaixo da cama, novamente fugindo da senhora Hye, sua professora de etiqueta.

— Mas Yoon…ela só me dá broncas.— Jimin acusou arrastando seu corpo para fora do espaço apertado.

— Eu sei Chim mas...você tem que fazer as aulas, e muito importante para sua apresentação na corte.— Yoongi advertiu o ômega de cabelos claros.

O Min já estava com seus 15 anos, ele havia aprendido muito com o passar do tempo, assim ganhando o título de melhor amigo ou irmão de Jimin. O senhor Hwan havia, colocando Yoongi em várias aulas junto a Jimin, ele também era um pouco mimado como o ômega pelo alfa. Hwan o tratava como um filho de sangue e Yoongi era muito grato por isso, sua família estava estabilizada por conta do alfa.

— Eu as vezes esqueço da côrte. — Jimin falou para o Min, Jimin ja havia se levantado e caminhado até seu guarda roupa.— não sei o que faria sem meu irmão mais velho para me lembrar.— deu uma piscadela.

Muitas vezes Yoongi via Jimin como um irmão mais novo arteiro e Jimin via Yoongi como um irmão mais velho careta.

— Não me olhe assim Jimin, se não vou achar que quer me desposar.— o ômega com cheiro de morango riu.

— Talvez não seja uma má ideia. — Jimin respondeu atrevido.— os alfas da côrte me dão tédio.— riu.

— Poxa! Mas eu queria tanto que meus filhotes fossem desposados por alfas nobres, ou até mesmo o príncipe.— Hwan abriu a porta do quarto de supresa.— ouvi fala que tem um certo ômega que não quer fazer as aulas de etiqueta.

Jimin quando ouviu a voz do Alfa logo saiu correndo para abraça-lo, fazia dois meses que não o via, Yoongi que assistia tudo sorriu.

— Appa, eu estava com tanta saudades.— Jimin expôs ainda abraçando o alfa.— eu senti tanto a sua falta.

— Eu também querido.— Hwan respondeu se separando um pouco do ômega para admira-lo melhor.— você fica mais bonito a cada dia. — sorriu.— e você Yoongi? Não vai dar um abraço no seu Appa de consideração?— Hwan perguntou olhando pro ômega.

— Claro Appa.— Yoongi respondeu indo abraça o mais velho.— eu senti sua falta Hwan.

— muito bem, muito bem. Agora quero os dois sentados por favor.— Hwan pediu saindo do abraço.— Tenho uma novidade.

— Qual? — Jimin foi o primeiro a pergunta.

— escute ele primeiro Jimin!— Yoongi repreendeu, Jimin deu língua para o outro ômega.

— Calma vocês dois.— Hwan pediu.— Eu decidir que não posso ficar sozinho para toda a vida, e está casa precisa de uma figura materna, então eu me casarei novamente.— revelou.

Jimin de início não achou que fosse sério, mas ao ver a face solene de seu Appa quis chorar, ele não queria alguém que tomasse a figura de sua mãe. Yoongi vendo a expressão desesperada do ômega o abraçou.

— Jimin vai ser bom para você uma pessoa assim.— Yoongi tentou se explica.

— Porque está reação Jimin, pensei que ficaria feliz.— Hwan olhou o ômega preocupado.— ela tenha duas gêmeas lindas, e também é viúva, será uma ótima Omma para você. Bem esta e a notícia, agora eu precisarei ir, preciso organizar os papéis para o casamento o mais rápido possível, com licença meninos.

— Espere! — Jimin falou saído dos braços do Min.— quando... quando elas vão chegar.

Hwan que estava parado na porta o observando deu um suspiro. Ele só queria uma nova alegria na vida de seu filho.

— Mandarei uma comitiva daqui a alguns dias, Rosé será sua madrasta, Lalisa e Jennie serão suas irmãs postiças.— Hwan falou um pouco receoso.

Jimin sabia que o seu Pai sentia falta de uma figura feminina ou uma esposa para cuidar dele, mas seu interior sentia que não viria nada de bom daquelas novas moradoras.

— Tudo bem Appa, eu só quero que você seja feliz.— Jimin sorriu dando uma sensação de aliviu para Hwan.

Yoongi olhou àquilo desconfiado. Hwan nunca quis ou falou de outra esposa ou ômega naquela casa, ele não queria ver seu pequeno Jimin sofrendo novamente.

— Oh meu filhote, eu estou tão feliz que você compreenda o seu Appa.— Expôs Hwan sorridente.— mas agora eu precisarei ir verdadeiramente, papéis me esperam.

— Sim Appa. eu já vou descer para a aula de etiqueta.— Jimin respondeu sereno.

— Muito bem filhote.— Elogio.— Ah! Eu quase ia me esquecendo. O galho que você pediu está lá em baixo junto aos outros presentes.— avisou.— Yoongi os seus presentes estão nas sacolas vermelhas e as de Jimin nas azuis.

Hwan saiu do quarto deixando os ômegas sozinhos. Jimin se levantou da cama onde estava com o Min e terminou de ver suas vestes para ir finalmente para suas aulas, quando o ômega estava se trancando lembrou do que sua mãe havia o falado antes de partir.

"—...Tome cuidado, ela está chegando…"



🕗🕘🕙🕚🕛


Oi amores!


sou nova aqui no app mas estou tentando trazer minhas obras para todos os cantos, mostrando minhas palavras é contos, espero que tenham gostado da história.


com muito amor, Jake.

23 de Outubro de 2021 às 19:58 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo 2° evil is around

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 2 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!

Histórias relacionadas