juhsouza Júlia Souza

Sejam bem vindos, povo de todo o mundo! Aqui trago-vos uma belíssima estória de romance dos tempos medievais. Ora vejam! Híbridos de todas as espécies, vós encontrareis. Instintos animais serão o seu guia, e a perseguição da ganância o amolestará! Sabes de onde surges o pequeno embrião da benquerença? Oh, não? Então eu guiarvos-ei. De um flanco, tereis o sortilégio de conheceres o Reino de Montenour, onde um amor genuíno livre das regras do lapso se escondeu. Onde as elucidações impostas por teus semelhantes não se encastram. Do outro, encontrarás os maus ajuizados, em que apenas os bens de valores constam como boa vivência. Pronto se encontras, para aventurar-se? ABO| JiminBottom| Jktop| mpreg| AU| Época| Animais.


Fanfiction Bandas/Cantores Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#Reino #kookmin #jikook #king #BTS
0
494 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 15 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

A preponderância de uma Fêmea

CAPÍTULO 1

A preponderância de uma fêmea.



ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ✠


ㅤExiste uma lenda oriental, de origem Chinesa, entretanto muito conhecida no Japão, onde diz-se que dois pássaros solitários precisam encontrar-se para alçar voo.


ㅤHyoku.


ㅤSão pássaros destinados a encontrar seus companheiros, para enfim conseguirem deixar o solo para trás.


ㅤUm belo conto de amor, não?


ㅤUm pássaro que possui uma única asa...


ㅤMas...e se existisse uma outra versão? Uma em que a pobre ave, não detivesse nenhuma das asas? Um destino promíscuo e avarento, obrigando-a a rastejar pelo solo, em busca de humanidade e redenção. Onde o carrasco que lhe prendia, era que deveria lhe ensinar a voar e o desconhecido que lhe tomou, lhe mostrou como criar as próprias asas.


ㅤEu conheço uma, eu vou lhes contar como ela voou.


ㅤCatweon.


ㅤEm tese, um reino que para terceiros, se mostrava próspero e cativante, possuindo paisagens de domínio selvagens bem cuidadas nas áreas da nobreza e sorrisos calorosos no rosto de cada híbrido de alta classe, que ali vivia.


ㅤUm rei bom, uma rainha bondosa e um príncipe adorável.


ㅤBom, era assim que os duques avaliavam a tão prestigiada realeza.


ㅤAs paisagens verdes e incríveis, eram contrastes exorbitantes em conjunto com a riqueza que o reino todo esbanjava. Casas lindas, felicidade perceptível, sem reclamações para com as administrações do reinado.


ㅤPorém, sempre se existe um lado oculto da moeda.


ㅤSer algum, se voluntariava a ver a grande dívida em que o reino se afundava aos poucos, ou os casebres pobres e a população de baixa classe morrendo por ser negligenciada pelo tão bondoso rei.


ㅤNinguém enxergava o sofrimento diário do adorável príncipe tão amado, no interior do imenso castelo cinza e gélido cuja as paredes cinzas e monótonas, contribuíam para o cenário de sua prisão solitária. A dor que os olhos azuis cristalinos carregavam, por não conseguir expressar-se em palavras bonitas, ou até mesmo rudes.


ㅤO príncipe era uma valiosa moeda de troca aos olhos dos reis. Apenas isso.


ㅤHíbrido de gato das neves, o rei era de uma espécime altamente rara, assim como sua esposa, originando um belo fêmea puro.


ㅤPark Jimin, o filho que deveria ser um alfa e carregar a coroa, não passava de um fêmea mudo e inútil.


ㅤOs híbridos fêmeas dessa espécie, eram carentes por natureza, esbanjando delicadeza e dependência emocional.


ㅤPossuíam um sistema reprodutivo extremamente fértil, buscando prosperar a espécie ao máximo e geralmente os felinos possuíam muitas ninhadas, era algo normal para eles, quase uma tradição.


ㅤOs machos adoravam os cortejar, mas não atendiam todos os requisitos para convencerem os gatinhos a acasalar:


ㅤNecessitavam ser fortes, pois deviam proteger a fêmea de qualquer ameaça;


ㅤDominantes, pois a fêmea submetia-se as vontades do macho de livre e espontânea vontade;


ㅤCarinhosos, pois a fêmea necessitava de atenção e amor;


ㅤPerspicazes e capazes, pois a fêmea dispunha de muitas ninhadas para um único macho. Por isso este devia estar apto a cuidar dos filhotes;


ㅤHumildes, pois as fêmeas desta espécie, não gostavam de esbanjar, apenas se fossem sentimentos.


ㅤO pequeno gatinho não falava, apenas resmungava e observava tudo com os olhinhos curiosos e adoráveis. Infelizmente não era enxergado assim por seus pais, era apenas um fardo que precisava ser carregado, até se ver útil em algum momento de sua vida miserável.


ㅤUm fato curioso, pois os gatos costumavam ser protetores e ciumentos com suas crias, as vezes nem deixando terceiros chegar perto dos filhotes por puro instinto maternal.


ㅤJimin não sabia o que era ser amado e protegido.


ㅤHavia um motivo para o fêmea não falar, um que o assombrava repetidas noites e apenas se findava quase ao romper da alvorada, quando o gatinho acordava suado e assustado, derramando lágrimas gordas e dolorosas, com as mesmas cenas cravadas em sua memória.


ㅤAlgo tortuoso e sôfrego.


ㅤO castelo geralmente era quieto, vazio, gélido e enorme, mas especialmente naquela manhã, o reino todo estava agitado com as preparações das apresentações de fêmeas.


ㅤEram assim que casamentos eram formados, fêmeas eram oferecidas pelos reis, a machos dignos de suas preciosidades. Não costumavam deixar seus filhotes nas mãos de qualquer alfa promíscuo.


ㅤHyun não pensava assim.


ㅤPara o rei, era a tão esperada oportunidade perfeita para sanar alguma dívida do reino, ou fortalecer alianças com qualquer outro povoado forte. De brinde, livrar-se da vergonha que era possuir um filho como Park Jimin.


ㅤJimin havia completado seus dezenove anos, estava perto da época de seu primeiro cio, prestes a gerar sua primeira ninhada, um fêmea de bandeja cheia a ser oferecido, poderiam pagar muito bem, tanto por sua espécie, quanto por suas qualidades. Em especial, sua mudez e submissão forçada, ㅡ sem espaço para objeções ㅡ não que precisassem insistir muito, o gatinho era acuado e apavorado desde pequeno.


ㅤMas o natural, seria ele apenas submeter-se, acaso se sentisse confortável na presença do macho.


ㅤSe perguntassem para o lourinho, se alguma vez em sua miserável vida, já havia feito algo de sua vontade. Ele balançaria a cabeça para os lados em negação, sem precisar pensar.


ㅤNos aposentos do gatinho, ele encontrava-se no banheiro, sendo preparado para tal apresentação, a qual nem sabia que existia.


ㅤO quarto de Jimin, era a parte mais sem graça de todo o castelo, sem dúvidas. Possuía apenas uma cama e um guarda-roupa, isento de qualquer decoração ou objeto que pudesse dizer que aquele território pertencia ao fêmea. Sequer um ninho, ele era autorizado a obter.


ㅤUma das criadas banhava o pequenino corpo de Park, espalhando sobre ele, óleos e essências, ressaltando o cheiro de lírios do pequeno fêmea.


ㅤJimin era um belo ômega, de baixa estatura, não passando dos 1,60; olhos azuis, naturalmente brilhantes, esbanjando curiosidade; fios dourados e ondulados, carregando uma pequena nuvenzinha no topo de sua cabeça; um corpo esguio e curvilíneo; a boca cheinha e avermelhada; a pele branca e leitosa, como a neve. Um conjunto perfeito.


ㅤA criada que adornava sua pele, fazia tudo com esmero, pois Jimin era a alegria do castelo para ela. Uma senhora, híbrida de onça, que movia-se como podia, para ajudar o pequeno gatinho em suas façanhas.


ㅤQuando era obrigado a não comer, pois poderia engordar segundo a rainha, a doce senhora lhe preparava escondido, uma grande bandeja de guloseimas e frutas, forrando seu estômago, deixando-o de barriguinha cheia e um sorriso brilhante no rosto, capaz de fazer suas íris cristalinas sumirem, revelando duas meias-luas adoráveis na face delicada e angelical.


ㅤㅡ Sinto muito por isto ter de acontecer, querido. ㅡ A mais velha pronunciou-se triste, enxugando a pele do fêmea com cuidado, para que não ficasse avermelhada ou irritada.


ㅤApesar de ter sido submetida ao mesmo processo para casar com seu marido, a velha onça sabia do descaso dos nobres para com a pessoa do fêmea. Não faziam questão alguma de tratá-lo diferente em frente aos criados, reduzindo-o à um estorvo.


ㅤJimin balançou a cabeça para os lados, dando um sorriso triste para a mais velha, abraçando-a com força, mesmo estando ainda nu.


ㅤO gatinho não via problemas em ficar despido em frente a senhora, era ela quem lhe cuidava com carinho, não tinha motivos de lhe tratar indiferente ou temê-la.


ㅤNão sabia o que aconteceria consigo ainda, apenas sabia que deveria estar pronto até às duas da tarde em ponto, segundo as ordens do rei.


ㅤA senhora deslizou um manto de seda pelo corpo do gatinho, deixando-o sem nada por baixo, como o gato rei havia ordenado.


ㅤEla sabia o possível futuro que aguardava o gatuno, apenas rezava para que deus fosse piedoso o bastante, para ter misericórdia daquela pequena alma adorável e inocente.


ㅤAjeitou os cabelos ondulados do louro, deixando-o cheinho e fofo. Jimin era apenas uma criança, não merecia aquilo.


ㅤㅡ Com licença, vossa alteza. ㅡ Um híbrido de lobo adentrou o quarto, fazendo que, por reflexo, Jimin se encolhesse atrás da velha onça, buscando proteção. ㅡ O rei lhe aguarda. ㅡ Indicou com a mão, para que o gatinho o seguisse.


ㅤPark não podia desobedecer, então a passos lentos, deixou a proteção da mais velha, seguindo o lobo de cabeça baixa pelos corredores. O ômega foi levado até uma sala ampla, onde outras várias fêmeas esperavam adornados pelos mesmos roupões de seda, que sustentava em seu corpo miúdo.


ㅤEncolheu-se em um cantinho isolado, observando todos conversarem animados sobre seus futuros promissores, se fossem escolhidos por um tal de reino chamado Montenour.


ㅤㅡ Sabe quem o governa? ㅡUma híbrida de raposa perguntou curiosa e Jimin instintivamente levantou os olhinhos brilhantes, também curioso com a resposta que a outra receberia.


ㅤㅡ Um é híbrido de tigre, e o outro de pantera-negra. ㅡ O outro híbrido, de guepardo, respondeu. ㅡ São felinos enormes! ㅡ Continuou sua análise, enquanto os ouvidos do gatinho captavam cada fala. ㅡ São machos perfeitos para se acasalar. Mas fiquei sabendo que eles se cortejam entre si. ㅡ Comentou mais baixo, porém o fêmea conseguiu ouvir.


ㅤQual era o problema? Não bastava amar?


ㅤJimin torceu o rosto, confuso com a fala das fêmeas. Segundo a senhora Lee, o amor era lindo, se fosse verdadeiro, assim não importava a forma como ele nascia. Ele necessitava ser regado e cultivado com carinho e atenção, dedicação e confiança, sinceridade e adoração. Então ele seria forte e imortal, acima de tudo, duradouro e puro. Simples, porém bonito.


ㅤPor este motivo, Jimin prometera a si mesmo que quem tivesse posse de seu coração, seria amado e respeitado com todo o vigor e sentimento possível. O macho que o ganhasse, seria agraciado pelos desejos do fêmea.


ㅤㅡ Não seja ridícula, são irmãos! ㅡ Outra entrou na conversa.


ㅤA questão levou ao ômega, perguntar-se do porque estarem conversando sobre. Será que estavam procurando seus companheiros? Parando para analisar, só existiam fêmeas ali, mas por que Park também estava ali?


ㅤㅡ Híbridos de raposa, me acompanhem! ㅡ Um guarda adentrou o salão, pronunciando-se e logo em seguida, retirando-se do recinto.


ㅤVárias fêmeas agitadas o seguiram sem protestar, tendo noção de que a apresentação já havia começado.


ㅤOs Ômegas ali presentes, comentavam animados sobre todo o processo, exceto um. Este que se encontrava ainda encolhidinho, confuso com toda a comoção dos príncipes e princesas do salão.


ㅤVários Ômegas foram sendo retirados do ambiente, separados por espécies, até o local começar a tornar-se vazio e silencioso.


ㅤA única espécie que faltava, era o do pequeno ômega. Já quase anoitecia quando o mesmo guarda das vezes anteriores, adentrou o espaço, chamando-os.


ㅤTodos o seguiram animados e tumultuantes.


ㅤAfinal de contas, esse era o ápice da vida de uma fêmea: ser cortejada por um bom macho.


ㅤJimin seguiu o grupo, quieto e hesitante, por mais que todos estivessem eufóricos, algo lhe dizia que não seria bom o que viria seguir. E por um minuto, o ômega quis voltar correndo e se esconder embaixo da cama.


ㅤAtravessando as paredes cinzas do castelo, tão bem conhecidas pelo ômega, as fêmeas adentraram uma pequena salinha.


ㅤㅡ Aguardem até os vossos pais, os solicitarem. ㅡ O guarda instruiu, saindo do local.


ㅤO primeiro rei veio, chamando por seu filho e levando-o até algum lugar a qual o gatinho não sabia ser. Assim foi com muitos outros, o nervosismo lhe consumia por não saber ao certo o que lhe aguardava, as outras fêmeas que ainda aguardavam junto a ele, estavam com as faces alegres e brilhantes. O único que ainda permanecia com a expressão amedrontada, era o lourinho.


ㅤSeu pai atravessou a porta, estendendo a mão para si e puxando-o para fora. Jimin como sempre, seguiu-o de cabeça baixa e submissa.


ㅤㅡ Não estrague tudo, ouviu? ㅡ Hyun disse, guiando o fêmea pelos corredores. ㅡ Pelo menos uma vez em sua existência, seja útil em algo.


ㅤJimin já acostumado com tais palavras, apenas concordou com as ordens de seu progenitor.


ㅤO rei atravessou uma cortina densa e vermelha, subindo em um palco a frente de vários machos nobres.


ㅤJimin não ousou levantar o olhar, mas ao sentir o cheiro forte dominando todo o saguão, tremeu dos pés a cabeça, agora sim definitivamente, queria correr para debaixo da cama.


ㅤHyun o puxou pelos ombros, colocando-o no centro do palco, de frente para os machos, segurando-o no local com força. Como se soubesse que tudo o que o gatinho queria, era correr para bem longe daquela sala intimidadora.


ㅤㅡ Pois bem senhores, este é minha cria, Park Jimin. ㅡ O rei começou, apresentando o ômega miúdo. ㅡ Um Híbrido de gato das neves, fêmea delicado, extremamente fértil e submisso. Principalmente, puro. ㅡ Comentou.


ㅤJimin sentiu-se acuado, o que estava acontecendo, era assim que ocorriam os cortejos? Em frente a todos?


ㅤPor que ninguém o havia ensinado? Sabia apenas sobre o procedimento do roupão, mas e o resto?


ㅤㅡ Como temos certeza disso? ㅡ Um dos duques perguntou, apenas por curiosidade, não era necessário contar sobre as intimidades de uma fêmea, soava desrespeitoso.


ㅤHyun puxou o roupão que cobria a delicada pele do ômega, deixando-o despido em frente a inúmeros alfas desconhecidos. Jimin arregalou os olhos, sentindo a vergonha lhe acometer e encolhendo-se contra o corpo de seu pai, que o segurou com força no lugar, os alfas ali presentes murmuraram em choque.


ㅤO que rei pensava estar fazendo?


ㅤEra extremamente desrespeitoso submeter uma fêmea a tal cena, levando em conta que elas apenas se mostravam para o macho escolhido por si própria.


ㅤFazendo pouco do ato repentino, Hyun virou o menor bruscamente de costas para a plateia. Deitando-o de bruços sobre uma mesa disposta ali e separando as nádegas do pequeno gatinho, deixando sua entradinha rósea e intocada, exposta para vários brutamontes ali presentes.


ㅤTodos encaravam a cena completamente repudiados, o fêmea era extremamente delicado e necessitava se ter respeito por ele em qualquer hipótese. O rei sabia disso, então por que tratava a própria cria com tamanho desdém?


ㅤPark sentiu o corpo paralisar e sua visão desfocar. Nunca, jamais, pensou ser violado dessa forma, ainda mais por alguém que deveria lhe proteger. O pequeno ômega fungava, segurando as lágrimas que ameaçavam cair por seu rosto. Seu narizinho de bolinha, ganhava uma coloração vermelha, juntamente as suas bochechas, enquanto um nó formava em sua garganta.


ㅤNão estava se mostrando para seu macho, o futuro pai de seus filhotes e sim sendo forçado a ser exposto.


ㅤSentiu o dedo do rei deslizar pelo vão de sua área íntima e proibida, fazendo-o contrair-se vergonhosamente, na esperança de se livrar do toque asqueroso.


ㅤㅡ Viram? Ele sente estímulos a qualquer toque, ainda é virgem. ㅡ Concluiu, como se conversasse sobre um objeto qualquer que estava sendo vendido.


ㅤOs machos detinham o rosto virado para o lado em respeito ao fêmea, já que o próprio pai fazia questão de desrespeitá-lo.


ㅤExceto um.


ㅤㅡ O que pensa estar fazendo, seu podre? ㅡ Uma voz potente atravessou o salão, atraindo atenção de vários alfas. ㅡ Como ousa desrespeitar um ômega? ㅡ A voz poderosa externou com repúdio.


ㅤHyun soltou as bandas do gatinho, deixando que ofuscassem a visão do interior do pequeno ômega, que ainda chorava baixinho em choque com tudo que acabara de acontecer.


ㅤFoi violado, tocado e exposto pelo próprio pai.


ㅤO que de tão errado havia feito para ser punido dessa forma?


ㅤSua maior preciosidade havia sido posta em exposição a vários machos, mesmo que o gatinho não soubesse que todos haviam recusado a ver tal cena, por mais tentadora que fosse.


ㅤO fêmea sentiu o roupão de antes ser jogado por seu corpo, cobrindo novamente toda a pele exposta de seu torso delicado.


ㅤO roupão que deveria ter sido tirado por apenas um macho.


ㅤO seu macho.


ㅤㅡ Bobagem, vê? Ele nem reclama. ㅡ O rei desfez dos sentimentos do filho. Nem percebendo que suas atitudes cresciam a repulsa dentro dos alfas ali presentes. ㅡ Vamos começar os lances?


ㅤJimin não mexeu-se sequer uma vez, continuando na mesma posição, com o rosto contra a mesa, ao que o roupão que lhe cobria, continuava desajeitado sobre seu corpo.


ㅤSoluços incessantes escapavam por seus lábios cheinhos e lágrimas pesadas escapavam por seus olhos azuis, antes brilhantes, agora apagados e opacos. Seu cabelo anteriormente arrumado em uma perfeita nuvenzinha, neste instante encontrava-se bagunçado pela mesa, cobrindo seus olhos e sua alma.


ㅤㅡ Me recuso a isso. ㅡ Um dos alfas pronunciou-se, enojado.


ㅤㅡ Eu também. ㅡ Um segundo macho disse, ainda com o rosto virado, sem ter visão sobre o palco.


ㅤPouco a pouco todos os macho fizeram o mesmo, deixando um desespero crescer no peito de Hyun. Todos estavam recusando o fêmea.


ㅤㅡ Vinte e cinco mil moedas de prata! ㅡ Uma voz foi ouvida, um macho vindo de províncias lucrativas e prósperas. O rei Kim Namjoon. Híbrido de Leão, casado com um adorável híbrido de lince.


ㅤEstava apenas presente na apresentação por ser convidado, jamais desposaria qualquer ômega oferecido ali. Amava e respeitava o seu. Entretanto se tirasse o pequeno gatinho das garras do rei imundo, poderia cuida-lo como uma de suas crias.


ㅤO fêmea sentia seu coração quebrar mais um pedacinho. Ele realmente não passava de uma mercadoria insignificante para seu pai. Sequer podia protestar sobre.


ㅤQueria gritar e anunciar a todos que não queria ser violado, não queria carregar crias de um cortejo forçado. Um acasalamento sem sentimentos...não queria nada daquilo.


ㅤQueria agradecer pelos alfas lhe respeitarem, mesmo sem o conhecer.


ㅤㅡ Duzentas mil moedas de prata. ㅡ A voz grossa de antes pronunciou-se.


ㅤOs olhos do rei brilharam em ganância, dando o veredito final:


ㅤㅡ Vendido!


ㅤEra isso.


ㅤRealmente havia sido reduzido a nada.


ㅤㅡ Muito obrigado, rei Jeon, é um prazer fazer negócios com o senhor. ㅡ Hyun disse, pegando as moedas dispostas em um baú.


ㅤㅡ Cale a boca. ㅡ O híbrido de pantera pronunciou profundamente, assustando o rei. ㅡ Se é dinheiro que quer, pegue. Apenas não se aproxime da minha fêmea novamente, eu repudio você, Hyun.


ㅤO macho seguiu até o corpo paralisado do gatinho, cobrindo-o direito com o roupão e então pegando-o em seu colo. O moreno musculoso estendia-se a dois Jimin's, no tamanho, se comparado ao fêmea.


ㅤPor Deus, o ômega era tão delicado e pequenino. Como o próprio pai tinha a coragem de submete-lo a isso?


ㅤㅡ A partir de hoje. ㅡ O Híbrido pronunciou-se, atraindo a atenção de todos, em especial de Hyun. ㅡ Montenour não faz negócios com Catweon. ㅡ Deu a sentença. ㅡ Estou quebrando qualquer aliança com este reino podre. ㅡ O pantera completou, apertando o corpo minúsculo e trêmulo em seus braços, logo seguindo o caminho pelo qual havia entrado no recinto.


ㅤFoi sendo seguido pelos outros machos, que recusavam-se a continuar com aquilo após a cena inescrupulosa.


ㅤHyun abriu a boca estático no mesmo lugar, sentindo o desespero lhe subir pela espinha.


ㅤHavia acabado de perder a aliança do reino mais forte das redondezas, e sequer sabia o motivo.


ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ✠



ㅤO rei híbrido de pantera saiu pelas portas principais do grandioso castelo, carregando o frágil fêmea em seus braços, pensando em maneiras de o confortar, para que sua natureza cuidasse do resto, trazendo a tona a força que um ômega exerce por si só.


ㅤPois fêmeas não eram fracas, longe disso. Cuidavam da morada e do coração dos machos, além de carregarem suas crias e distribuírem seu amor igualmente entre todos, defendendo seus filhotes de qualquer perigo evidente que pudesse os ameaçar. Eram destemidas.


ㅤSomente um alfa idiota, desrespeitaria uma. O mundo de um macho, girava em torno do bem estar de seu companheiro ômega, fazendo sempre o possível para lhe dar as estrelas, se assim ela o pedisse.


ㅤO príncipe parecia confortável nos braços do rei, sendo carregado por este, ao que escondia seu belo rosto no peitoral do pantera. Por algum motivo, Jimin já o reconhecia como seu macho, mesmo estando pela primeira vez na segurança do aperto deste.


ㅤO gatuno ainda não havia tido a oportunidade de avaliar se o maior conseguiria entrar nos requisitos que o atraíssem a copular. Mas ao menos o conforto e a paz, já lhe reluziam na companhia do outro. Jungkook não esperava que o fêmea lhe abraçasse logo de cara, sabia que o ômega apenas lhe permitiria tirar seu roupão, se ele se enquadrasse nos seus requisitos. Não tinha nada quanto a se preocupar com isso, pois conhecia bem a natureza daquela espécie manhosa e sabia que atendia a todas as exigências requeridas.


ㅤAo botar os olhos no pequeno príncipe, o rei sabia que ele lhe pertenceria, era estranha a sensação de que mesmo sem o conhecer, seu coração ansiava que os mesmos sentimentos desabrochassem no coração do gato. Algo que lhe era novo, pois antes, fêmea alguma havia lhe apurado os sentidos. O pantera daria a galáxia inteira ao lourinho, se ele assim lhe rogasse.


ㅤO macho subiu na carruagem que lhe aguardava no pátio externo do castelo, mantendo o corpo miúdo em seus braços, compartilhando seu calor com ele e protegendo-o da época fria que o inverno trazia. Jimin em momento algum se pronunciou, algo que deixava o pantera ligeiramente intrigado, se fosse qualquer outro, há estaria fazendo um relatório da vida do alfa, para tomar sua decisão.


ㅤMas o gato, não.


ㅤO louro mantinha o rosto escondido no peito do moreno, com suas pequenas e fofas mãos, amassando o tecido da blusa refinada que vestia o torso do rei. Seu corpo tremia vez ou outra, reação ocasionada pelo choro compulsivo que havia tido no salão, mas suas ações continuavam nulas, quase como se não estivesse ali.


ㅤA verdade, era que o fêmea não queria saber de sair dos braços do macho. A sensação de segurança que tinha neles, era inebriante, o cheiro másculo que emanava do corpo bruto e bem trabalhado do alfa, acalmava todas as células do pequeno Park. Levado à um estado de relaxamento que nunca presenciou em sua vida, Jimin ousava pensar, que o colo daquele pantera, era mais confortável que sua própria cama. Que mau faria aproveitar? O macho já era seu querendo ou não.


ㅤA carruagem seguiu seu percurso, sem parar uma única vez, tendo como destino Montenour. Os súditos aguardavam ansiosamente o rei, esperando que desta vez ele trouxesse a rainha que governaria ao seu lado. O povo era unido e passivo e essa era uma das qualidades que levava o reino a prosperar. Montenour era conhecido como um grandioso povoado, bem regido e distribuído, não havia taxa de mortalidade elevada que ocorressem de guerras, ou enfermidades. Os híbridos que lá viviam, plantavam e colhiam, para assim consumir. Movimentavam o reino todo com comércios e serviços autônomos, bem acessíveis para todos, assim como os tributos a serem pagos eram justos e cabíveis.


ㅤNem sempre fora assim, Montenour passou a ser um reino que caminhava para a frente, quando o avô do pantera caiu enfermo e faleceu. O velho era adepto da filosofia sanguinária, conquistando territórios e dizimando vidas por vilarejos onde passava. O pai de Jeon, Jeon Jisook, deu seu suor e sua vida para fazer o reino caminhar em ordem e justiça. Jungkook desde muito novo obteve o aprendizado necessário e vasto, para assim tornar-se um rei ao nível de seu falecido progenitor, até melhor o povo ousaria dizer.


ㅤO rei não comprava briga com reinos vizinhos atoa, apesar da pacificidade, o pantera sabia muito bem impor-se perante a uma ameaça qualquer. Sabia guerrear e tinha em mente o dever de proteger seu povo. Não poupava esforços para atender a todos que necessitavam.


ㅤO castelo estava aberto, com empregados a disposição, aguardando a chegada do rei. Jeon saiu da carruagem, ainda carregando consigo o pequeno embrulho agarrado ao seu corpo. Jungkook até fez menção de descer o corpo miúdo no solo, mas ao cogitar a possibilidade, Jimin agarrou-se ainda mais ao macho, passando seus braços pelo pescoço dele e instalando seu pequeno narizinho rosado ali, buscando sentir o aroma forte do mesmo.


ㅤOs empregados sorriram empolgados ao verem o fêmea nos braços do rei, significava que seus futuros estavam completos com uma rainha para lhes guiarem também. O cocheiro retirou-se com a carruagem, levando-a para ser limpa e guardada e também tratar dos seis cavalos Apaloosa, que puxaram a condução com tanto afinco e esforço. O pantera adentrou o castelo, cumprimentando todos os que via pelo caminho, seguindo direto ao seu quarto e adentrando-o.


ㅤColocou o ômega delicadamente em sua cama macia e adornada de lençóis de seda colorados de vermelho vinho, esperando que estivesse confortável o suficiente, para tornar-se agradável ao fêmea. Mas ao contrário do que imaginou, Jimin não o soltou, fazendo-o ter de apoiar um dos joelhos sobre a cama, para evitar de cair sobre o corpo delicado abaixo de si.


ㅤㅡ Está tudo bem, pode soltar-se agora. ㅡ A voz branda do pantera preencheu a audição do fêmea, fazendo-o suspirar deleitoso ouvindo o melodioso som que deixa os lábios finos do macho. Diferentemente da voz que assemelhava-se a um trovão rasgando os céus, horas antes em Catweon.


ㅤAos poucos o gatuno deixou suas mãos escorrerem dos largos ombros do alfa, encolhendo-se sobre a cama, enquanto investigava o rosto bonito do pantera com seus dois diamantes azuis brilhantes.


ㅤTrouxe uma das mãos em frente a boca, sorrindo tímido, para o maior que lhe observava curioso e admirado pelas ações contidas do fêmea.


ㅤEstava grato, muito grato pelo pantera tirar-lhe da zona onde sofreu humilhação, não suportaria olhar para os alfas pensando as barbaridades que deveriam achar de si, já que havia sido exposto para todos. Nenhum alfa gostaria de tal atitude vindo de seu ômega, já que estes eram extremamente possessivos com seus companheiros.


ㅤㅡ Está confortável? ㅡ O híbrido maior perguntou, observando o lourinho tímido em sua cama.


ㅤJimin balançou a cabeça positivamente, sentando-se sobre o colchão macio e aconchegante, era a coisa mais fofa que já havia tocado em sua vida. Sua cama no antigo castelo era dura e desconfortável, por vezes não conseguia ter uma boa noite de sono sobre ela. Mas a do macho era macia como uma nuvem, tênue e suave.


ㅤComo Jimin.


ㅤJungkook levantou-se andando até uma cômoda de carvalho escuro, tendo sobre si os olhinhos curiosos e especulativos do fêmea, que o seguiam para onde fosse. Aproximou-se do móvel, agarrando uma jarra de vidro com água que ali tinha, encheu um copo com o líquido, voltando para a cama e estendendo para o ômega.


ㅤㅡ Tome, não tenha medo.


ㅤO gatinho timidamente estendeu as mãos, agarrando o copo com força com medo de derruba-lo e então, bebendo rapidamente. Nem mesmo ele sabia que tinha tanta sede, até molhar sua boca com algo. Jungkook analisava os atos do gatuno, tendo em mente que qualquer mínima coisa que ele fazia, tornava-se adorável. O príncipe estendeu o copo novamente na direção de Jeon, apontando com o pequeno indicador a jarra que o maior portava na mão.


ㅤㅡ Deseja mais? ㅡ Perguntou calmamente, tentando entender o por que do gato não lhe ter dito nada até agora.


ㅤPark balançou a cabeça positivamente, ainda com o copo estendido na direção do pantera, que se apressou em encher o recipiente do gatuno.


ㅤApós mais um copo, o gato sentiu-se satisfeito e devolveu o objeto de vidro para o rei, que pegou e os depositou novamente sobre a cômoda. As fêmeas geralmente ficavam acuadas em ambientes desconhecidos, mas aquela a frente do pantera, apenas observava o quarto todo com os olhos brilhando, como se o cômodo fosse o ambiente mais encantador que o menor já estivesse dentro, em sua vida.


ㅤㅡ Deseja perguntar algo, quanto as suas exigências? ㅡ Jeon perguntou, tentando se ver livre da pressão que a possível escolha do fêmea, lhe causava. Estava tentando adiar o máximo possível aquela pergunta, mas a verdade é que parecia uma criança ansiosa, por qualquer guloseima saborosa que estava a ser preparada.


ㅤJimin voltou os olhos para o pantera, sustentando as orbes negras que lhe estudavam intensamente e então, se pôs a pensar:


ㅤJeongguk era bondoso;


ㅤEra forte;


ㅤLhe dava conforto;


ㅤSegurança;


ㅤTratava-o como uma bela pedra preciosa.


ㅤMas nenhuma dessas alternativas, influenciou na escolha do ômega. E sim, que pela primeira vez em sua vida, uma pessoa havia lhe tratado com esmero e cuidado, lhe fazendo sentir-se especial, e mesmo que inocentemente, amado.


ㅤExceto a senhora Lee, é claro. A velha onça era o único tipo de afeto que o pequeno príncipe conhecia. Mas agora, depois de toda a humilhação, Park conhecia um macho que lhe cuidava bem. A rainha, sua mãe, não havia poupado esforços em disciplinar-lhe e demonstrar como uma fêmea deveria honrar o macho, mas com o pantera ali, Jimin sentia totalmente o contrário, quem era honrado era ele. Jeon fazia-o sentir-se como a peça mais importante de um jogo de xadrez. E isso o fazia feliz.


ㅤMas...havia um problema.


ㅤPark levou a mão até os lábios do pantera, que analisava a cena com uma cara confusa. O gato bateu o dedinho indicador duas vezes na boca macia do alfa, balançando a cabeça em negação logo em seguida. Jungkook franziu ainda mais o cenho, sem entender nada sobre os gestos que o fêmea fazia.


ㅤㅡ Não quer que eu fale? ㅡ Chutou, tendo a negação do pequeno logo em seguida.


ㅤJimin espremeu os olhinhos, frustrado com a situação, fazendo uma careta fofa, enquanto o macho segurava-se para não rir parecendo um bobo da corte, por conta das ações do mais novo. O pequeno príncipe repetiu o mesmo gesto e dessa vez apontou para si mesmo.


ㅤㅡ Não quer que eu dirija a palavra a você? ㅡ Tentou novamente, obtendo a negação do fêmea mais uma vez. ㅡ Não quer falar? ㅡ Chutou de novo.


ㅤJimin bufou entristecido, negando e então abaixando a cabeça, sentindo os olhos marejarem, esforçando-se para manter as lágrimas em seus olhos, era fraco, nem sequer falava, que alfa lhe tomaria?


ㅤJungkook ergueu o rosto delicado do fêmea pelo queixo, sentindo o peito apertar ao ver as lágrimas fujonas escorrerem pelas bochechas do menor. Analisou toda a circunstância em que se encontrava, tentando achar algum sentido nos atos do príncipe, até algo, como um raio, estalar em sua cabeça, fazendo-o arregalar os olhos em compreensão.


ㅤㅡ Não consegue falar. ㅡ Dessa vez não perguntou e sim afirmou.


ㅤJimin balançou a cabeça positivamente, mantendo os ombros baixos e a expressão ainda sentida, aguardando a rejeição do macho. Jungkook sorriu, acariciando o rosto do louro, tendo em mente que em suas mãos havia a coisa mais fofa e preciosa do mundo todo. O seu fêmea.


ㅤㅡ Não me importo. ㅡ O pantera disse para a surpresa do gatinho, que fitou-o com os olhos carregados de um brilho esperançoso. ㅡ Não faz diferença alguma, pequeno. Mas ainda anseio em saber a sua resposta.


ㅤJimin lhe olhou com o semblante iluminado e pequenas estrelas reluzindo em suas íris, como se o macho fosse a coisa mais fascinante que já houvesse atravessado o seu campo ocular. O gatinho levou a mão até os longos dedos do alfa, segurando-os e direcionando até o nó de seu roupão.


ㅤO pantera não havia ganhado o pequeno gato pelo luxo e sim pela simplicidade de transparecer um olhar cru, esbanjando sentimentos mesmo que precocemente.


ㅤ"Não se rotula em quanto tempo o amor surge." A senhora Lee explicava à um gatinho curioso e pequenino, "Avaliamos a intensidade e veracidade deste, ele precisa ser puro, menino Jimin. Porém reluzente como ouro." As palavras que deixavam a boca daquela velha onça, sempre eram incentivadoras e bonitas, por isso Park gastava boa parte de seu dia, dedicando-se a ouvi-las, " A vida é curta para se prender a achismos, pequeno. Preste atenção, quando brilhar em seus olhos, a luz da constelação de Pegasus, é o sinal que precisas para lhe dar a certeza."


ㅤAh...Pegasus, sua constelação favorita, a que achou primeiro na imensidão dos céus estrelados e serenos.


ㅤJeon brilhava em seu olhar, sua pequena constelação particular, bem a sua frente, perguntando-lhe se tinha permissão de lhe tocar e lhe prestigiar. Ah...Jimin queria. Park podia ver Pegasus bem ali, à milímetros de distância.


ㅤJungkook entendeu o ato do gato, surpreendendo-se com a confiança do mesmo em si e então, com delicadeza e atenção, puxou o nó do robe, deixando este deslizar pelos ombros de Jimin, ainda estando preso a sua cintura. O macho suspirou com a visão que teve, a pele branca e leitosa, os mamilos rosados e grandinhos, a face inocente e brilhante que o gatuno portava. Seu paraíso particular.


ㅤJimin era lindo e único, este era um fato inegável. Uma beleza particular e cativante, prostrada para seus olhos escuros admirarem e se iluminarem em júbilo, porque sim, o fêmea seria seu.


ㅤO pantera debruçou-se calmamente sobre o gato, deslizando a ponta de seu nariz pelo pescoço do menor, inspirando o cheiro de lírios que o corpo do príncipe esbanjava em abundância e sedução. Deslocou uma das mãos, até tocar o ombro do louro, acariciando delicadamente a derme macia e graciosamente perfumada. O pequeno deixava as sensações desconhecidas passearem pelo seu corpo, esperando o processo todo terminar, enquanto deleitava-se nas sensações novas e estarrecedoras. O moreno desceu o nariz pelo torso do fêmea, parando sobre o mamilo rosado, onde deixou a língua escapar por entre os lábios, marcando a área como sua com uma lambida macia e quente na pele refinada.


ㅤVoltou a descer o rosto até a intimidade do gato, afastando o pano de seda que lhe cobria para o lado e apreciando a vista da bela área do lourinho, o local por onde seus futuros filhotes seriam concebidos, o lugar mais honrado de uma fêmea. Deslizou a língua por ali, marcando o corpo menor como sua posse, ouvindo os suspiros sôfregos do mais novo. Beijou as partes internas das coxas do príncipe para então subir novamente selando os lábios do gatuno com um casto encostar de bocas.


ㅤA partir daquele momento, o fêmea era sua responsabilidade, sua posse e sua preciosidade.


ㅤO primeiro passo havia sido dado, o ômega o julgou capaz de lhe acompanhar em sua vida. A partir dali, restava ao macho o dever de confortar e cortejar o fêmea, até que este se sentisse apto para acasalar e lhe dar sua primeira ninhada.


ㅤRestava a Jungkook o dever de desabrochar o amor no coração do pequeno Jimin.


ㅤLhe dar suas asas para que ele pudesse alçar voo ao seu lado.


ㅤPara que ele liderasse junto a si, o reino de Montenour.

19 de Outubro de 2021 às 18:37 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Continua… Novo capítulo A cada 15 dias.

Conheça o autor

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~