amoresexocontoseroticos Amor E sexo

Cada capítulo, uma história diferente. Todas com alto teor de sensualidade e cenas de sexo. (Se você é contra esse tipo de histórias, saiba que nesta mesma plataforma existem outras obras que lhe podem agradar. Sendo assim, não me aborreça com o seu falso moralismo.) Obrigado!


Erótico Para maiores de 18 apenas.
4
1.1mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Toda semana
tempo de leitura
AA Compartilhar

A vingança


Salve, libidinosos e libidinosas! Apreciamos o seu passeio por aqui para conhecer nossos apetitosos contos. Ainda tem muita gente que lê nossas histórias, e não nos segue. Sigam-nos, por favor!!! Ficaremos extremamente felizes, se nos seguirem! Acredite, quanto mais felizes estivermos, mais fodásticos os nossos contoscont

A VINGANÇA

A principal coisa que Luíza aprendeu com sua mãe foi ter paciência e esperar o momento certo de agir, e isso Luíza conseguiu levar pra sua vida. Hoje, aos 24 anos, essa morena linda e estudiosa tem um relacionamento tranquilo com Carlos, o seu namorado. Eles estão juntos há 2 anos.

Nada que Carlos tinha feito, até então, seria motivo para terminar aquele morno relacionamento. O sexo entre os dois não era a melhor coisa do mundo, mas eles formavam um casal bonito, o que sempre gerava elogios de parentes de ambos os lados... Exceto a mãe da Luíza, que dizia: "temos que casar por amor, filha, pois momentos ruins vão aparecer e só amando muito o casal supera esses momentos". Mas, apesar de o amor ainda não ser "aquela" coisa, Luíza tinha esperanças, até aquela viajem...

O casal já tinha combinado há meses uma viagem para o interior de SP, para a jovem conhecer melhor a família de seu futuro esposo, já que pensavam em breve em se casar.

Porém, a poucas horas de irem para a rodoviária pegar o ônibus para a cidadezinha de Carlos, Luíza resolve procurar no computador do namorado fotos da família dele pra enviar pra sua mãe e, sem querer, acaba encontrando uma foto de uma linda moça, loira, com várias tatuagens e bem diferente do tipo de mulher por quem ela achava que o seu namorado poderia se sentir atraído.

Aquilo ativou sua curiosidade e ela continuou revirando arquivos no computador do rapaz até encontrar uma mensagem: "Relaxa, amor, tô indo neste final de semana para aí, a Luíza acha que vamos pra ela conhecer melhor a minha família, mas enquanto ela fica com eles, eu fujo pra passar o final de semana com você. Já combinei de ir pescar com meu primo, ele tá fechado comigo. Você sabe que minha família um dia vai ter que te aceitar. Até lá vamos continuar assim!"

Aquilo acabou com a Luíza, até mesmo ela, que era a pessoa mais calma do mundo, quis explodir. Na hora ela correu para o banheiro, chorou, vomitou, pensou em matar alguém, mas lembrou os ensinamentos da sua mãe, e fingiu estar tudo bem até o momento certo.

A hora da viajem chegou, e seriam horas e horas de duração. Eles iam passar a madrugada inteira dentro de um ônibus, onde entraram, sem a Luíza deixar o Carlos desconfiar que sua máscara tinha caído.

Então começou a viagem, logo o Carlos lhe deu um beijo, virou-se para a janela e foi dormir. O ônibus estava meio vazio por ser uma época fora de temporada, mas ainda entravam passageiros ao longo do caminho, umas duas horas após a partida.

Entra no ônibus um homem aparentando uns 45 anos, branco, cabelos grisalhos, com uma barba bonita e sexy, além de corpo e olhar atraentes. Ao passar pela Luíza, os dois trocaram olhares, ao que ela imediatamente se culpou, pensando consigo: "Nossa, sou quase noiva e estou paquerando estranhos...", mas antes de acabar seu raciocínio, ela se lembra da traição do Carlos, fica pensativa por uns segundos, em seguida olha pra trás em busca do tal homem, e o encontra. Ela leva um susto pelo fato de o cara já estar olhando pra ela, sentado a duas poltronas atrás. Aquele olhar a deixa sem graça, e ela volta a olhar pra frente, mas não resiste e segundos depois torna a olhá-lo, ao que ocorrem mais algumas trocas de olhares.

Luíza gosta da brincadeira, mas a princípio pensa só ser uma brincadeira, até que sua mente volta a pensar na traição do namorado, então sem culpa ela volta a encarar o coroa, até que ela resolve ir um pouco além.

Então ela se levanta, passa lentamente pelo cara sem olhar, rebolando ao máximo aquele seu lindo corpo. O cara não tira os olhos dela, e ela empinando o rabo, passa bem devagar, e ele vira pra continuar admirando-a. Ela vai ao banheiro do ônibus, ao entrar dá uma última olhadinha, o cara dá um sorriso safado e ela gosta, mas continua séria. Ela entra e fica sentada pensando e rindo, "Se eu fosse solteira eu pegava esse coroa aqui mesmo(...) Peraê..., eu sou solteira"... ela começa a rir sozinha, mas no fundo ela sabe que não tem essa coragem, mesmo sabendo da traição do Carlos, então rindo sozinha, ela sai do banheiro e leva um susto, ao notar que o tal homem está perto da porta. Ela para, olha em seus olhos, ele ainda com cara de safado. Então jogando um caminhão de charme, ela pede lhe licença, vira as costas pra ele e começa a passar se esfregando no cara, ele fica parado sentindo aquele corpo delicioso roçar lentamente nele, sente o cheiro do cabelo dela... Ela provoca, passa quase parando, roçando as costas e a bunda nele, que então respira fundo e puxa o braço dela, que vira assustada, e ele a beija, forte, gostoso... Ela não resiste! Deixa rolar um pouco mais da brincadeira, com o ônibus meio vazio, a parte do fundo não tinha ninguém, então aquele gostoso beijo não teve plateia, ela gostou do beijo dele. Exigente, ela sempre abortou maus beijos, mas daquele ela estava gostando... Gostando da boca, da língua, a barba bem cuidada, tudo naquele homem estava bom pra ela. Até a pegada meio rude a deixava com sua calcinha úmida, até ela sentir algo crescer nele, sentiu que o pênis dele estava endurecendo e ela se assustou, parou e saiu dali. Ele a chamou bem baixinho, mas ela sorrindo e sem olhar pra trás, correu para a sua poltrona, sentou ao lado do Carlos, pensou sobre o acontecido com um sorriso na cara, então olhou para o Carlos, quando novamente do nada aquele momento da descoberta da traição voltou a ser sentido por ela, que fecha o sorriso enquanto olha pro traidor dormindo, daí pensa: "Ou eu cato esse coroa, ou mato o Carlos!!!"

Ela fica uns segundos pensando e toma uma atitude, levanta e olhando com cara de safada para o cara barbudo, vai ao banheiro novamente, e o cara no mesmo instante também se levanta e decide segui-la. Luíza nota ele andando atrás dela, ao ouvir a respiração já ofegante do homem.

Chegando ao fundo do ônibus, ela vira e ele já chega lhe beijando. Agora ela não tem mais medo e nem dúvida, se entrega totalmente ao tesão do momento. Aquele homem despertou algo nela que o Carlos jamais conseguira fazer. Ela não sabe ao certo se era a sensação de perigo ou aquele estranho grisalho que estava provocando nela com um tesão incontrolável. Suas bocas novamente estão grudadas e suas línguas se enroscam. Uma mão daquele homem logo aperta leve a sua cintura, enquanto a outra segura firme, mas sem machucar, a nuca dela. Ela não lembra quando teve tanto tesão em um simples beijo, o barbudo tira a mão da cintura dela e vai subindo alisando sua barriga, ela está com uma blusinha e uma jaqueta por cima, a mão dele entra devagar por baixo da tal blusinha e sem pedir permissão chega em seu seio direito, e ela delira, adora aquilo, e aquela mão alisa e aperta aquele seio. O biquinho do seio sente os dedos do grisalho deslisarem nele, que já está durinho há algum tempo, ela ama aquilo. Então ele levanta lentamente a sua blusa enquanto suas bocas ainda estão grudadas, ele para de beijá-la e olha rapidamente em seus olhos, e sem uma palavra dita ele abaixa a cabeça e leva sua boca aos seios da Luíza, que espiona rapidamente em direção ao corredor escuro daquele quase vazio ônibus e, por não ver ninguém observando, ela relaxa e sente aqueles lábios, língua e barba percorrerem deliciosamente em seus seios. Ela inclina levemente a sua cabeça para trás e fecha os olhos enquanto o estranho chupa, mama, acaricia os seus seios. Ela delira! Não lembra de os seus seios terem sido tão bem tratados. Aquilo faz suas pernas tremerem, sua boca soltar gemidos involuntários e sua bucetinha ter vida própria.

Ela está loucamente excitada com tudo aquilo, e deixa aquele homem quase levá-la à loucura com a boca, até que o empurra levemente um pouco e diz: "Para!". Então, com olhos fixos e provocantes para aquele homem, ela coloca a mão em sua própria calça, mordendo os lábios, ela vai baixando a sua calça jeans junto com sua molhada calcinha. Ele também faz o mesmo com sua calça e os dois ficam seminus ao mesmo tempo. Então mais uma vez sem dizer uma palavra, ela vira de costas pra ele e se apoia na porta do banheiro no fundo escuro daquele ônibus. Ele entende o recado e, segurando o seu pênis, que está duro como uma rocha há algum tempo, ele o coloca na entradinha daquela xaninha molhada.

Ela solta uma gemidinho, ao sentir a cabeça grossa daquela rola roçando a sua bucetinha, ele deslisa aquela cabeça enorme na portinha da xoxota dela, só pra ela sentir o que lhe espera, e ela não mexe um dedo, fica ali esperando aquele grosso pau invadir a sua buceta. Então, lentamente, ele enfia seu cacete, duro, grosso, quente e pulsante, na xaninha delicada e molhada de Luíza, que solta um grito louco e leva as mãos a boca para tentar abafar, mas não sai dali, aquele cacete logo invade toda a sua xoxota e ela continua gemendo baixinho com a mão na boca, ele passa a sua grossa mão nas nádegas dela, e ela ama tudo aquilo.

Em seguida, ele cola a boca em seu ouvido e solta um: "empina". Ela não discute a ordem, apenas obedece e empina a sua linda bunda ao máximo. Ele então começa a colocar e tirar seu pau naquela xoxota e ela não aguenta de tanto tesão. Geme, empina, delira, enquanto o grisalho bota sua grande rola sem dó naquela buceta. Parecia que todos no ônibus estavam dormindo, inclusive o Carlos. Assim, ninguém ouvia os abafados gemidos dela e o barulho do sexo no fundo daquele ônibus. Ele puxava o cabelo dela e ela, com a cabeça um pouco pra trás, sentia todo aquele pau entrando, e gemia, gemia muito. Nunca imaginou fazer aquilo, nunca sentiu tanto prazer. A cada estocada daquele pau dentro da sua bucetinha, ela sentia uma louca sensação e seus involuntários gemidos saiam mais alto. Ela já tinha tacado um "foda-se" há muito tempo, então parou de se controlar, se soltou, empinou ao máximo aquele rabo, para aquele cacete entrar sem problemas, tirou a mão da boca para se apoiar com as duas mãos na porta do banheiro e soltou um último gemido, gozando intensamente naquela rola, gozou como nunca, gozou naquele desconhecido cacete, naquele escuro ônibus. Suas pernas não paravam de tremer, por isso deixou o homem sozinho, em pé na porta do banheiro, e se jogou na poltrona mais próxima, tremendo ainda, no maior orgasmo da sua vida. Orgasmo que nem seu dedo e muito menos o Carlos conseguiram lhe oferecer.

O estranho só observou enquanto ela ainda estava em pleno transe jogada na poltrona. Ela precisava daquilo, e como precisava, ela merecia!!! Assim ela pensou, aos poucos a tremedeira e as suas pernas voltaram a ser obedecidas por ela, então, com sorriso na cara e toda descabelada, ela olhou para a poltrona do lado, e o homem grisalho ainda estava ali, também sorrindo, os dois deram uma risada louca, se olharam algum tempo, sem palavras, e cada um voltou depois pro seu lugar. Ela ainda ficou acordada pensando naquela deliciosa loucura que acabara de fazer, mas o cansaço tomou conta dela e ela logo dormiu sorrindo. Quando acordou, o ônibus já tinha chegado à cidadezinha da família do Carlos, que a acordou dizendo que haviam chegado. Nesse momento que ela olhou para a poltrona de trás, à procura do estranho, mas ele já tinha descido do ônibus.

Então Carlos e Luíza foram pra casa dos pais dele, onde ela foi apresentada a todos que ainda não conhecia, almoçou, e logo o Carlos disse que ia pra tal pescaria. Ela sabia pra onde ele ia, mas não ligava mais. Após sua saída, o pai dele chegou à cozinha dizendo à Luíza:

- Acabou de chegar o meu irmão mais novo, o tio do Carlos, só falta este para você conhecer. -Enquanto ela estava sentada à mesa da cozinha, entrou o tal tio, e o pai do Carlos apresentou os dois que, sorrindo, falaram um ao outro quase ao mesmo tempo:

- Prazer em te conhecer. - Então ela estendeu a mão para o tio do marido e disse:

- Obrigada pela noite maravilhosa! - E o tio disse:

- Agora eu sei seu nome.

Nunca Luíza imaginaria que o tal cara que a comeu lindamente dentro daquele ônibus era, na verdade, tio do namorado dela. Mas ela gostou, e ficou tudo em família.

FIM!

(O que achou? Deixe aqui seu comentário, sua curtida, para nos incentivar a escrever mais!)

4 de Outubro de 2021 às 21:38 0 Denunciar Insira Seguir história
1
Leia o próximo capítulo O pai da amiga

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 25 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!