sabrina_ternura Sabrina Ternura

A intolerância de uma maioria, fez um seleto grupo queimar. Nestes versos o leitor encontrará a angústia de não ser compreendido, a dor da injustiça e as cinzas de um engano.


Poesia Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#crítica #Intolerância-Religiosa #drama #poesia
Conto
0
641 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Leito da (In)justiça

Vocês me queimaram

Por meus supostos pactos com o Diabo.

Vocês me acorrentaram

Por não possuírem um deus compacto.


Queimem a bruxa!

Esquartejem a imunda!


Os gritos daquele dia mortal

Ainda ecoam em meus ouvidos.

Fui acusada de ser anormal

Simplesmente por curar os feridos.


Ela não vai para o céu.

Ela jamais atravessará o véu.


Aos quinze anos

Conheci a maldade de uma vida inteira.

Se o céu é formado de anjos desumanos

Jamais atravessarei a fronteira.


Ela é bruxa! Deu uma poção para o meu filho!

Ela é feiticeira! Tirou de mim o marido!


As acusações intermináveis

Vindo de cidadãos incansáveis

Levaram meu corpo para a fogueira

E para o inferno, a minha alma.


Matem-na queimada!

Deixem-na intimidada!


Entre a justiça humana e a vida

Escolho morrer nas chamas do silêncio,

Onde a fuligem é minha amiga

E meu corpo um verdadeiro incêndio.


Vocês me queimaram,

Mas nunca me mataram.


Nem bruxa

Ou feiticeira,

Apenas uma simples curandeira

Morta em uma fogueira.

3 de Outubro de 2021 às 04:34 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Fim

Conheça o autor

Sabrina Ternura 🌼 "Siamo fatti di-versi, perché siamo poesia" // 22🌈 SP // 📚 Estudante de Letras PT-ITA, bruxa nas horas vagas, apaixonada por plantas e pelas palavras ☕🧁

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~