tatawings16 Tata Wings

Jimin era um aluno que não fazia parte dos populares, tampouco dos excluídos, ele era apenas mais um aluno da Yard School. E como qualquer aluno da instituição que se preze, ele era apaixonado por Jeon Jungkook. Só não esperava ser recíproco.


Conto Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#romance #hot #erotico #jikook #pwp #18 #jmbottom #jktop
Conto
0
258 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo único

Bem vindes à "O jogador de vôlei", uma fic totalmente criada e pensada por mim

Aos avisos🏐

  • 1°: Ela é apenas uma oneshot jikook
  • 2°: É Jimin bottom
  • 3°: Ela é um clichê não tão clichê assim, e eu espero que eu faça vocês rirem

Boa leitura


Eu estudei na Yard School praticamente a minha vida toda. Não era muito conhecido, mas eu não era um total desconhecido. As vezes eu era até convidado para as festas. Era o meu último ano lá e eu não tinha feito nada glorioso. Entretanto, isso não me incomodava, eu não precisava ser o primeiro da turma, eu só queria passar pra faculdade.

Eu era o tão conhecido aluno mediano. Eu não era popular demais ou tímido demais, não era burro, porém não era um gênio. Não me encaixava em nenhum desses clichês. Entretanto, teve um clichê o qual não consegui evitar: me apaixonar por o popular e atleta, Jeon Jungkook.

Jungkook era o cara dos sonhos de qualquer pessoa e os que não eram apaixonados ou apaixonadas por ele, o invejavam ou eram seus amigos. Qual é, o cara era o tipo ideal até entre os professores.

Ele é inteligente, gentil, fofo, bonito, popular, atleta e gostoso. Muito gostoso. Aquele homem parecia ter sido feito sob medida e com o melhor dos pincéis. Ele era perfeito, e é por esse mesmo motivo que nunca tivemos uma conversa que não fosse sobre emprestar algo ou sobre vôlei. Sim, vôlei. Jungkook era um jogador exímio do esporte.

Jungkook nunca me notou e nem eu acho que seja capaz de me notar. Eu já vi algumas das pessoas que ele pegava e eu, definitivamente, não fazia seu tipo. Ele gostava de pessoas altas – padrão o qual eu não estava incluído –, com uma beleza e corpo de tirarem o fôlego e apesar de eu não ser feio, eu não era exatamente a pessoa que chamava atenção pelos corredores e que ouvia elogios por ter uma beleza digna de se admirar em quadros.

Saio dos meus devaneios sobre como eu nunca pegaria Jungkook quando ouço a plateia gritar à minha volta. Talvez eu não tenha comentado, mas estamos no final do campeonato de vôlei do colégio e todos os alunos vieram assistir o jogo. Quer dizer...vieram assistir Jeon jogar. E eu, como boa cadelinha dele, aqui estou, vendo-o jogar e sem entender nenhuma regra. Quase toda a plateia suspira quando ele levanta a camisa para enxugar a testa e mostra o abdômen definido. E eu? Eu quase desmaiei. Como eu disse, muito gostoso.

Vejo Yoongi, o líbero do time se aproximar de onde eu estava. Além de Tae, meu melhor amigo traidor que não estudava na Yard, eu falava com Yoongi, que por acaso, era o namorado do meu melhor e único amigo. Óbvio que ele não veio falar comigo, Taehyung estava ao meu lado. Vejo eles darem um selinho e sinto uma pontada de inveja. Eu não preciso de nenhum homem ou namorado, mas isso não significa que eu não queira um. Eu só tive um namorado em todos os meus 20 anos e terminamos porque ele ia morar em outro país e nem foi um romance digno de filme.

Vejo também o resto do time se aproximar e por um instante prendo a respiração.

Quase caio quando Jungkook me dirige um sorrisinho simpático e quando se senta ao meu lado e pega uma garrafa de água. Eu gelo, é claro.

– Caramba o jogo está a todo vapor – é Namjoon quem fala, outro jogador do time.

Eu "trabalho" com os jogadores, sou meio que assistente do técnico. E eu faço isso, obviamente, para passar mais tempo com o boy dos meus sonhos, mesmo que nós tenhamos conversado raramente.

– Imagino, você está todo suado – respondo Nam e lhe entrego uma garrafa de água.

Era incrível como eu não travava com homens bonitos, a regra só tinha uma exceção: Jeon Jungkook. Sempre me dei bem com o resto do time, conversávamos normalmente, mas eu fugia de Jeon quase o tempo todo. Tinha medo de abrir a boca para respondê-lo e sair um latido.

– Ai ruivinho, você vai pra festa de formatura depois do jogo?– é Jong-in quem me pergunta.

– Ainda não sei– lhe entrego uma toalha.– Por que?

– Porque seria legal ter você lá– diz.– Você é praticamente parte do time.

– Kai tem razão. Você deveria ir.

Me viro em direção à voz e vejo Jungkook me encarando atentamente. Eu coro.

– Vou pensar.

O time out acaba e eles voltam para a quadra.

Sinto Tae puxar meu braço.

– Que foi criatura?– pergunto me sentando.

– Claro que você vai pra festa.

Levanto uma das sobrancelhas e cruzo os braços.

– Ah é? – ele assente. – Por que?

– Ora porque Jungkook estava aqui te comendo com os olhos e talvez seja sua chance de pegar ele – diz como se fosse óbvio.

Eu rio em resposta.

– Tae, você só pode estar louco. Jungkook nunca olharia pra mim.

– Você é o único que não vê Jimin– passa a mão no rosto.– Sempre que estamos juntos, ele não tira os olhos de você.

– Kim Taehyung, não me empurra que eu já tô na beira – ele ri da minha pequena brincadeira. – Por que o Jungkook me notaria?

– Porque você é um baita de um gostoso e flerta sem ao menos perceber? – diz irônico.

– Como assim?– franzo a testa. Eu fazia isso?

– Você é sensual Jimin, e vive fazendo coisas que parecem flertes. Pra você, é tão natural quanto respirar.

– Eu não faço isso – passo a mão no cabelo, o jogando pra trás.

– Tá vendo ai, acabou de fazer.

Apenas reviro os olhos e volto minha atenção para o jogo. Encaro Jungkook. Será mesmo que existe alguma chance dele me querer?

Nego com a cabeça, chega de ilusões Park Jimin.

[...]


O jogo acabou alguns minutos depois, nós ganhamos, claro. Nosso time é um dos melhores, se não O melhor. Eu me encontrava esparramado na minha cama, pensando seriamente se deveria ir para a festa de formatura. Eu ignorava as ligações e mensagens de Tae, provavelmente era ele brigando comigo por ainda não estar no local.

Minha mãe entra em meu quarto.

– Não vai pra festa querido?

– Tô sem vontade.

– Mas filho, você pode se divertir – senta-se em minha cama – e talvez seja sua chance de ficar com aquele carinha que você gosta...como é mesmo o nome dele?

– Jungkook, mãe.

– Isso, vá e use suas melhores armas pra agarrar o garoto.

– Se fosse assim tão fácil, eu já teria feito.

– E por que não seria fácil? – a encaro. – Você é bonito, simpático, inteligente, sabe dançar e tem um papo bom. Só um idiota pra não querer ficar com você.

Ela se levanta e vai em direção ao meu closet.

– Onde está aquela sua calça de couro?

– Na terceira gaveta. Por quê?

Ela volta pro quarto com uma blusa branca com o nome gucci estampado e a calça antes citada.

– Levanta e se veste, você vai pra essa festa.

– A senhora sabe que eu ainda não quero, né?

– Querido, pense bem, vai ser a última festa escolar. Você já é maior de idade e pode beber. Vai ter um monte de gatinhos se você não quiser o Jungkook.

– Nem em meus piores dias eu não iria querer o Jungkook. O negócio é ele prestar atenção em mim.

– Então se levante daí e vá conquistá-lo – a olho entediado. – Jimin, isso dele ser inalcançável é só na sua cabeça. Ele é um cara como qualquer outro, não é porque você gosta dele que ele é impossível. Agora levanta daí e se veste que eu vou fazer sua maquiagem.

Respiro fundo. Por um lado ela tem razão. É minha última chance de ficar com Jungkook e se ele não me quiser, posso pegar outra pessoa.

– Tudo bem.

Ela dá pequenos pulinhos empolgados e sai para que eu possa me vestir. Depois do banho tomado e de estar todo vestido, analiso o resultado no espelho. A calça dá uma pequena levantada na minha bunda – que convenhamos, não é nem oum pouco pequena – por ser apertada e a blusa deixa minha cintura destacada. Nada mal.

– Ok, aqui está seus coturnos e sua jaqueta, agora se sente que a mamis poderosa vai te maquiar.

Eu dou uma risada pelo modo como ela se auto nomeou e me sento na cadeira da penteadeira. Ela começa a me maquiar e depois a ajeitar meus cabelos.

Me olho no espelho enquanto ela seca meus cabelos recém molhados. Vejo que ela destacou, de forma discreta, meus olhos e lábios. A maquiagem é relativamente simples, mas eu nunca me achei tão bonito. Não que eu me ache feio, na verdade eu sou bonito, mas eu nunca me senti... irresistível.

– Pronto – me levanto e dou uma voltinha enquanto minha mãe aplaude. – Um pitel, fui eu que fiz.

Eu rio enquanto calço os coturnos e visto a jaqueta, pegando também minha carteira e celular. Dou um beijo na testa da minha mãe.

– Nada de drogas e nem de fumar, eu sou liberal, mas nem tanto. Caso vá transar, use camisinha.

– MÃE!

– Mamãe te ama. Se cuida – diz mandando um beijinho e sai do quarto.

Eu nego e me dirijo para a porta de casa, para esperar o uber.

[...]


– VOCÊ VEIO! – Tae diz, na verdade grita, animado. – E veio gostoso. Garoto, cê tá um arraso.

O cumprimento com um abraço e dou um aceno de cabeça para Yoongi e para o resto do time. Dou uma olhada mais demorada na razão do meu libido, vulgo Jungkook. Ele estava com uma calça jeans branca rasgada nos joelhos e uma blusa social com estampa amarela florida. A pele tatuada de seu braço se encontrava desnuda devido a manga curta e eu quase babo com a visão.

– Preciso de uma bebida – puxo Tae comigo até a cozinha.

– Cara, você tá arrasando, vai e pega o Jeon.

– Tae, eu não vim aqui só pra ficar com o Jungkook – repreendo com um olhar sério e ele dá de ombros.

Preparo um drink pra mim, não muito forte, só pra começar a noite.

– Mas é sério, assim ele não vai resistir – me viro pra guardar a vodka na geladeira. – Alguém já te disse como sua bunda fica linda nessa roupa?

Eu rio antes de responder: – Obrigado Tae.

Saio da cozinha e meu amigo me segue. Quando voltamos pra perto do time, não vejo mais Jungkook. O procuro com o olhar e o vejo dançando com um grupinho. Sinto vontade de me aproximar, mas Kai me chama.

– Oi – sorri simpático. De todo o time, Jong-in é o único que demonstra estar afim de mim.

Devolvo o cumprimento com um abraço.

– Você está lindo.

– Obrigado! Você também – o elogio de volta.

Olho em volta impaciente, mas não vejo Jungkook. Provavelmente deve estar pegando alguém. Minha postura murcha, mas eu trato de ajeitá-la.

– O que foi? Procurando alguém? – Kai pergunta.

– Ah não, preciso de outra bebida, com licença.

Não que Kai não seja gato e legal, mas minha presa esta noite é outra. Sinto muito Kai, quem sabe outra hora? Entro na cozinha e encontro Jungkook preparando um drink. Me aproximo timidamente e sorrindo pequeno.

– Quer um? – pergunta gentil.

– Por favor. Bem forte de preferência.

– Não sabia que você era de beber – isso é porque nunca conversamos.

– Quase ninguém sabe da minha resistência pra álcool – dou de ombros em resposta.

Resolvo ignorar o fato de que não conversamos sobre nada e, pelo visto, ele resolve fazer o mesmo.

Ele termina nossos drinks e logo me entrega. É quando Beggin começa a tocar e eu me empolgo.

– Eu amo essa música – puxo o moreno pra pista de dança comigo, que vem de bom grado.

Logo estamos dançando juntos, com direito a risadas e muitos flertes de minha parte. Ou ele é muito lento ou ele não que me pegar, porque eu não estou sendo nenhum pouco discreto quando me aproximo mais de seu corpo e me viro, colando nossos quadris.

Jungkook não reage de imediato. Mas quando reage, céus, ele aperta minha cintura e põe o nariz na curva do meu pescoço, cheirando ali e me arrepiando.

Quando a música chega ao fim, Play With Fire começa a tocar e eu começo a rebolar contra seu corpo. A bebida que eu estava tomando me deixou ainda mais desinibido e eu estou muito agradecido por isso. Porque, assim, eu consigo não ficar tão nervoso na presença do homem dos meus sonhos.

Eu me viro no auge da música e sinto o aperto em minha cintura se intensificar enquanto passo os braços por seu pescoço. Aproximo o rosto de seu pescoço e faço como ele fez há alguns instantes. Sinto sua pele se arrepiar e sorrio com isso.

O grupinho do time se aproxima de nós e nos separa, ato que não me deixou muito feliz, mas não falo nada, começamos a dançar todos juntos.

– Preciso de ar – digo a Tae e ele concorda. Eu saio em seguida.

Subo as escadas e vou em direção à varanda da casa Jaebeom, na intenção de respirar ar fresco.

Quando a encontro, me apoio na grade e, ainda com o copo em mãos, bebo um gole generoso. Sinto uma presença e me viro para identificar quem é. Vejo Jungkook se aproximar e dou um sorriso simpático antes de me virar novamente. Bubblegum Bitch começa a tocar e eu cantarolo baixinho enquanto vejo Jungkook se apoiar ao meu lado.

– Não te entendo, sabia? – ele fala e eu me viro confuso. Ele sorri antes de continuar: – Você foge de mim o tempo todo, mas me puxa pra pista de dança na primeira oportunidade.

– Perdão?

– Se não gosta de mim Park, não me confunda – sua voz parece um pouco magoada.

– Como?

– Você fugia de mim em qualquer situação e evitava ao máximo ficar perto de mim. Conclui que você me odiava. Mas então, você me puxa pra dançar e ainda cheira meu pescoço. Então eu não te entendo – ele diz tudo em uma única respiração.

Eu rio ao me tocar do que está acontecendo. Jungkook achava que eu fugia dele por não gostar de sua presença?

Ah querido, era exatamente o contrário, eu gosto demais da sua presença.

– Do que você está rindo? – questiona um pouco bravo pela minha crise de risos repentina.

– Jungkook, eu não te odeio.

– Não? – sua expressão se alivia.

Nego.

– Não – bebo outro gole do copo em minhas mãos e me viro para encará-lo. – Eu só fico muito nervoso perto de você.

– Por quê? Eu te fiz algo?

– Sim.

– Fiz? O quê? – ele se vira pra mim enquanto questiona preocupado e assustado. Fofo.

Dou um sorriso.

– Você fez eu me apaixonar completamente por você.

Ele abre a boca surpreso, provavelmente procurando algo pra falar.

Antes que falem algo, eu não estou bêbado, mas é o último dia que vou ver ele, se não acontecer algo hoje, a chance de acontecer depois é quase nula.

Quando ele passa um minuto inteiro sem me responder, concluo que ele me rejeitou e suspiro passando a mão em meu cabelo. Bebo o último gole da bebida e me viro pra sair, mas sinto uma mão agarrar meu pulso.

– Aonde você pensa que vai? Não pode dizer algo assim e depois sair.

Arqueio a sobrancelha.

– Você passou um minuto sem me responder, pensei que tinha me dado um fora silencioso – dou de ombros.

– Porque eu não sabia como reagir – ele me puxa pra junto de seu corpo e sua mão viaja pra minha cintura.

– Por que? – franzo a testa confuso.

Ele dá um sorrisinho de lado que me faz derreter e diz: – Porque eu também sou louco por você.

– O quê? – pergunto assustado.

– Eu também sou apaixonado por você. Você nunca percebeu? – sua mão faz um carinho sutil em minha cintura.

– Não – encaro seus lábios e vejo seu olhar descer pros meus. – Estou em completo choque.

Passamos alguns minutos admirando o rosto um do outro quando ele resolve falar: – Jimin – chama e eu o olho, murmurando em resposta. – Posso te beijar?

Eu não o respondo em palavras, apenas aproximo meu rosto do seu e o puxo pela nuca, selando nossos lábios.

Foi como ver estrelas. O simples contato dos lábios de Jeon com os meus me fez ir no céu e voltar, mas quando ele pôe a língua para fora e lambe meus lábios em um pedido silencioso para aprofundar o beijo, ah! ai sim eu fui pro inferno.

Quando eu entreabri a boca e sua língua a invadiu, eu fiquei mole em seus braços e o agarrei com ainda mais força. Sua mão que estava em meu pulso subiu para minha mandíbula, distribuindo um carinho ali, para em seguida descer para o pescoço e continuar o caminho, até parar em minha nádega esquerda e apertar, me fazendo arfar em sua boca e apertar os cabelos de sua nuca.

– Ah Jungkook, como eu quis isso – digo quando paramos para respirar.

– Eu também gatinho... eu também.

Seus lábios descem pelo meu pescoço, enquanto ele caminha de leve, me levando junto de si, me prensando na parede com seu corpo.

Sua boca volta para a minha e começamos a nos beijar de novo. Mais rápido dessa vez. Com mais desejo. Ele encosta o quadril no meu e eu solto um gemido em sua boca ao sentir sua ereção na minha. Ele era grande, muito grande.

– Não podemos fazer isso aqui Jimin.

– Tem razão.

Olhamos um pro outro e eu assinto com minha cabeça, mas Jungkook me beija de novo e eu sorrio contra seus lábios. Suas mãos descem até minhas coxas e ele as puxa, prendendo minhas pernas em volta de seu corpo e me empurrando ainda mais contra a parede. Suas mãos sobem novamente para minha bunda e eu me separo de sua boca para gemer quando ele as aperta.

– Você geme tão gostoso, amor – ele passa a beijar meu pescoço enquanto eu infiltro minhas mãos em seus cabelos.

– Você nem tem ideia – minhas mãos descem para seus ombros e eu os aperto para que ele me desça.

Já no chão, eu o empurro até ele estar sentado em uma poltrona que tinha lá, subindo em seu colo depois. Me sento sobre seu membro, arrancando pequenos suspiros dele. Ele me puxa e então nossos corpos estão colados novamente. Eu rebolo lentamente em cima dele e sinto Jungkook arfar contra meu pescoço.

– Você também rebola gostoso – diz e eu sorrio. – Quer rebolar em mim sem nenhuma roupa gato?

Eu jogo minha cabeça para trás, gargalhando e concordo, mordendo meus lábios.

– Aceito sua proposta.

– Podemos ir para minha casa – diz fazendo um leve carinho em meu rosto, puxando-o e me beijando novamente.

– Seria ótimo – dou um sorriso adorável.

[...]


A casa de Jungkook é linda e espaçosa e...

Mal chegamos e já estamos aos beijos novamente.

– Hum... você quer alguma coisa? – pergunta, provavelmente sem graça por não ter me oferecido nada além de beijos, mas não é como se eu estivisse reclamando.

– Eu quero você – digo com uma voz manhosa e um biquinho nos lábios. Biquinho esse que Jungkook faz questão de morder.

– Ainda bem, porque eu não sei se conseguiria esperar – eu rio em resposta. – Você me deixa louco, sabia? – eu solto um gemido quando ele chupa lentamente meu pescoço. – Você não sabia o que eu imaginava quando te via andar pelos corredores com aquelas calças apertadas.

Ele me levanta e me carrega escada acima. Eu dou um sorriso safado.

– Quer dizer que você reparava?

– Sim Jimin, eu reparava e muito bem.

Ele me deita na cama e sobe em cima de mim, voltando a me beijar desesperadamente. Me sento apenas para tirar a jaqueta, mas logo puxo seu rosto novamente para junto do meu.

– Tira a camisa meu bem, eu quero te tocar – peço manhoso e logo estou sendo atendido.

Fico atordoado quando Jungkook tira a camisa em minha frente. Seu corpo é de tirar o fôlego, sua pele amorenada e seus músculos se destacando e me fazendo imaginar mil e uma coisas obcenas.

– Você é tão lindo – passo a distribuir beijos em seu abdômen sentindo ele se contrair com o contato, enquanto levo minhas mãos até a fivela de seu cinto.

Com agilidade, retiro o cinto e puxo o cós de sua calça, deixando seu membro coberto apenas pela cueca preta. Passo a língua por sua glande ainda por cima do tecido e sinto meus cabelos sendo puxados.

– Posso te chupar? – pergunto com falsa inocência, apenas pra ver ele surtar.

– Deve meu doce.

Sorrio maliciosamente e retiro sua última peça de roupa. Arregalo meus olhos quando vejo o tamanho de seu membro. Ok, vestido ele era grande, mas nu? Ele é enorme.

– Gosta do que vê amor? – assinto levemente. – Todo seu.

Deixo um gemido escapar e pego seu membro pela base, começando uma masturbação lenta. Ouço Jungkook arfar e me sinto disposto a ouvir seu gemido, por isso, ponho apenas sua glande na boca, sugando com vinco e ouço o tão esperado som sair de sua boca.

Querendo dar mais prazer à Jeon, ponho metade de seu membro na boca, lambuzando o máximo que posso e me preocupando para não machucá-lo. Ah, como eu esperei por isso.

Tiro seu membro de minha boca apenas pra dizer: – Fode minha boca meu bem.

Ele geme em resposta e leva as mãos até meus cabelos os puxando com um pouco de força. Abro minha boca para que ele possa se enterrar ali. Jungkook enfia boa parte de seu pau em minha boca e eu sinto-o resvalar na garganta. Então ele passa a foder. E eu só sei gemer e engasgar. As lágrimas descem dos meus olhos devido a falta de ar quando ele leva seu membro até o talo, mas ele logo o tira todo da minha boca e me puxa para que eu fique de pé e volta a me beijar.

– Outro dia posso gozar na sua boquinha. Hoje, eu quero gozar enquanto eu estiver te fodendo.

– Então fode, eu sou todo seu.

Ele passa a tirar minhas roupas com certo desespero, o que me faz soltar um risinho baixo. Quando ele passa a beijar meu pescoço, é que eu reparo no espelho no teto. A visão de nós dois agarrados na cama é refletida e meus olhos passam a reparar em cada pedaço do corpo nu de Jungkook.

– Você é a pessoa mais linda a quem eu já tive o prazer de ver – diz, atraindo minha atenção para si.

– Obrigado.

Entre toda a afobação do tesão, damos um beijo calmo, apenas para mostrar a paixão que sentimos um pelo outro.

– Faço minhas suas palavras – continuo, sorrindo.

Então ele tira a última peça de roupa do meu corpo.

– Minha vez de te chupar.

Ele desce a boca pelo meu corpo, beijando todos os pedacinhos, mas ele pula meu pau e começa a beijar a parte interna de minhas coxas. Quando finalmente acho que ele vai me colocar na boca, ele me vira, me deixando de bruços.

– Eu não disse que ia chupar seu pau amor – diz sorrindo malicioso.

Viro o rosto a tempo de ver Jungkook abrir minha bunda com as mãos e eu solto um gemido alto quando sua língua alcança minha entrada. Ainda bem que eu me preparei pra isso.

Ele passa a chupar e morder aquela área tão sensível e meus gemidos passam a sair cada vez mais altos.

– Ah Jungkook, que gostoso.

Solto um gritinho quando sua língua me invade e ele passa a estocar com o músculo. Estico minha mão para trás e agarro seus cabelos, tentando aliviar o prazer que eu sinto pelo beijo grego.

Ele se afasta da minha bunda lambendo os lábios e eu tenho que admitir, é uma visão digna de museu. O moreno sai em direção a uma porta e volta com uma camisinha e um frasco de lubrificante.

– Você quer que eu te prepare ou quer se preparar só?

–Me prepare, quero seus dedos me fodendo.

Ele sorri safado e volta para trás de mim. Jungkook me vira na cama fazendo com que eu possa ver suas ações.

Ele derrama uma boa quantidade do lubrificante em suas mãos e apoia minhas pernas em seus ombros.

Jungkook passa o dedo pelo meu perínio, na intenção de avisar o que está prestes a fazer. Ele enfia o primeiro dedo devagar, e logo está me fodendo com ele.

Quando me acostumo o suficiente para pedir mais, ele coloca o outro dedo e eu pego um de seus travesseiros para cobrir meu rosto. A dor é incômoda, mas Jungkook me acalma passeando sua outra mão por minhas coxas. Seu carinho me faz relaxar e logo estou rebolando em seus dedos.

Ele passa a me foder com eles, dessa vez mais rápido e então o que era dor passa para total prazer e eu gemo contra seu travesseiro.

– Hum Jungkook, mais rápido.

– Eu vou mais rápido amor – diz, mas tira os dedos. O olho confuso. – Só que com meu pau.

Ele abre a camisinha com os dedos e coloca em seu membro, despejando mais lubrificante ali. Eu ganho a visão privilegiada de Jungkook se masturbando lento, enquanto me admira exposto para si.

– Ah Jimin, por que tão gostoso?

Eu sorrio em resposta. Ele apoia os dois braços ao lado do meu corpo.

–Vou colocar – me olha pedindo uma confirmação e eu lhe dou um selinho rápido.

Seu membro passa a me invadir e eu aperto o seus ombros em resposta.

– Tá doendo muito? – assinto. – Quer que eu tire? – nego.

– Tudo bem, eu aguento, só preciso me acostumar.

Faz um tempo que eu não transo e Jungkook é bem dotado, o que atrasa um pouco o processo, mas eu sei que o que vem depois vale à pena.

Depois de um tempo sentindo as carícias de Jungkook e seus lábios nos meus, eu rebolo em seu membro, fazendo uma onda de prazer me atingir e eu solto um gemido.

Jungkook então passa a estocar devagar.

– Tão fodidamente apertado e gostoso – rebolo junto de suas estocadas, precisando de mais. – Puta merda.

– Ah Jungkook, mais rápido amor, fode seu garoto.

O modo como me auto titulo seu faz algo acender nos olhos de Jungkook e suas estocadas aumentam de velocidade. Eu solto gemidos mais altos em deleite.

– Isso meu bem, assim.

– Ah Jimin, como eu esperei por isso.

Ele passa a distribuir tapas em minha coxa esquerda enquanto mete com força em mim.

– Ah, tão bom.

Após alguns minutos sinto ele diminuir a velocidade e percebo que ele está ficando cansado. O empurro e coloco-o sentado na cama, logo subindo em seu colo e sentando em seu pau.

– Ah merda.

Xinga e eu rio, começando a quicar com força nele. Nessa posição consigo sentir ainda mais do tamanho de Jungkook e estou me perguntando como caralhos aquela benção entre suas pernas coube em mim.

– Ah Jimin, isso, se acaba no pau do seu homem.

– Hum, amor – começo a rebolar com mais força nele sentindo seu membro alcançar um ponto em mim que me faz gritar.

– Achei – diz sorrindo.

Eu perco as força por um tempo. Tempo suficiente para que Jungkook me ponha de bruços na cama, começando a estocar com força minha próstata.

– Jungkookie... hum, você me fode tão bem.

– E eu vou ser o único meu amor. O único que vai te foder daqui pra frente.

– Isso é um pedido de namoro? – mordo meus lábios enquanto ele ainda estoca em mim.

– Se você quiser.

– Eu aceito Jungkook, apesar de você estar fazendo isso no meio da nossa foda.

Ele solta uma risada gostosa e se empenha em meter em mim para nos fazer gozar.

Já esgotados e cheios de tesão, não demora muito para que atinjamos o ápice, juntos. Ele se joga ao meu lado e retira a camisinha, me puxando para junto de seu corpo.

– Céus Jimin, você me cansou.

Rimos juntos.

– Você também me cansou – suspiro. – Meu Deus como minha bunda dói.

Seus olhos dobram de tamanho, preocupado.

– Eu te machuquei amor?

– Não meu bem, é apenas a sensação que eu fiz sexo gostoso.

– E você fez, ô se fez.

– Ainda não me acostumei com você me chamando de amor.

– Pois se acostume, tenho esses apelidos e mais.

Rimos novamente e eu selo seus lábios, bobo.

– Eu te amo – esfrego meu nariz no seu em um beijinho de esquimó.

– Eu também te amo – ele me olha tão apaixonado que eu não consigo não sorrir. – Vem hora de eu te mimar com banho e comida.

Ele me pega nos braços e vamos até o banheiro rindo. E depois desse dia, muitos virão, e nós estaremos juntos, enfrentando o mundo.

Fim


Eu não sei escrever hot galera, desculpem a decepção. Mas...espero que tenham gostado. Agradeço a quem leu até aqui.

O que vocês acharam? Eu tenho futuro no ramo?

Um beijo meus amores.

26 de Setembro de 2021 às 12:19 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Fim

Conheça o autor

Tata Wings ela/dela escritora/leitora

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Histórias relacionadas