T
Thiago Silva Sousa


Após presenciar a morte de toda a sua família, o Rei dos inumanos recebe um chamado para vir até a terra, se não viesse, todo seu planeta seria dizimado. Sem saber das intenções e nem da entidade que causou esse sofrimento. O Raio negro vem para a terra a procura do responsável. Ao longo de seu caminho, ele passará por extremo sofrimento sem poder realizar um único som. Qualquer onda sonora que ele emitisse, poderia dizimar todo um planeta. Ele busca justiça longe de seu planeta. Com um inimigo desconhecido a ser encontrado, ele volta a sentir o vazio da solidão, coisa que havia séculos que não sentia.


Fanfiction Comics Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#Marvel #Inumanos
0
265 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

A Mente Mais Poderosa Da Terra

No meu mundo, eu sou um rei. Os inumanos respondem a mim. A vinte e quatro horas, no cronograma da terra, eu recebi uma mensagem. Eu estava sentado em meu trono quando uma voz ecoou pelo salão escuro. A mensagem dizia que se eu não viesse a seu planeta, todo o meu planeta seria dizimado. Antes que eu pudesse fazer alguma coisa...todos os integrantes da minha família foi morta. Minha esposa, Medusa, morreu nos meus braços. Não sabia como aquilo havia acontecido. Eles simplesmente caíram de joelhos, seus olhos perderam a cor e depois disso pareciam bonecos feitos com pano. Em um ato de desespero, eu voei por volta de todo o meu planeta a procura de alguma coisa...qualquer coisa que fosse responsável por aquilo, mas não, eu sabia aonde realmente procurar. Por isso eu vim até a terra.

Eu então sento em um banco de praça. Crianças passavam correndo, mulheres passavam me olhando de forma estranha, como se eu não pertencesse aquele lugar. Inesperadamente, uma mulher de cabelos vermelhos, uma mecha branca e luvas brancas nas mãos surge ao meu lado. Ela se senta ao meu lado com sua calça jeans e sua jaqueta amarela.

-Você é o Rei, não? Relaxa, eu sei que não pode falar, mas eu sei linguagem de sinais, então me diz, oque faz por aqui? Sua primeira e última visita foi bem benéfica e ao mesmo tempo destrutiva para nós desse planeta. Disse ela com uma voz Incrivelmente confortante.

-Eu sou o Rei dos inumanos. Lembro bem da minha última visita. Um cara prateado tinha condenado o seu planeta, não é? Eu levei o mestre desse arauto pra Plutão e consegui destruir seu capacete, mas condenei Plutão, mesmo que não houvesse vida lá, eu me senti mal por isso. Respondi ultilizando linguagem de sinais.

-Uau, foi impressionante. Eu era pequena quando isso aconteceu, ainda fugia de todos e não tinha um lar... até encontrar um cara que me levou pro meu lar. Disse ela. Mas enfim, por que está aqui, rei?. Perguntou ela.

-Eu só soube que esse planeta havia sido condenado porque minha esposa me alertou sobre isso. Ela sempre amou esse lugar, dizia que era o lugar mais lindo do universo. Ela me pediu pra salvar esse planeta naquele tempo. Eu então lhe contei a história após ver um símbolo familiar na jaqueta dela.

-Meus pêsames... Bom, eu meio que fui designada para acompanhar você até a mansão X. Anda, rei, o professor quer conhecer você. Disse ela.

-Você ainda não me disse o seu nome. Perguntei.

-Pode me chamar de Marie, ou se preferir, me chama de Vampira. Concluiu ela ao começar a caminhar a minha frente.

Após uma caminhada muito agradável, paramos em frente a um grande portão de ferro com vigas prateadas fincadas no chão. Ao lado, uma placa dizia:Escola Xavier Para Jovens Superdotados. Um grande jardim Verde se estendia dos dois lados com uma trilha branca em seu centro. No final da trilha, uma verdadeira mansão feita de madeira escurecida. Ao entrarmos, passamos por salas repletas de alunos, alguns com características bem marcantes fisicamente falando. Ao chegarmos a frente da última sala da mansão, dois homens saiam dali. Um possuia as cores de seu país em seu uniforme, o outro tinha um cabelo virado para cima que conectava a sua barba que nasciam apenas dos lados do rosto. Ao caminharem pela grande mansão, um escudo brilhava nas costas de um deles. Ao olharmos para dentro da sala, Um homem em uma cadeira de rodas nos observava.

-Professor, Eu trouxe o homem. Disse ela ao meu lado.

-Obrigado, Marie. O Pietro pediu para você encontrar ele na quadra de basquete. Disse o homem.

-Certo, qualquer coisa, sabe aonde me encontrar. Disse ela como se fosse uma piada interna.Ela então se despede de mim fazendo um gesto com a cabeça e sai da minha vista.

-Por favor, entre e se sente. Eu era amigo da sua esposa...meus pêsames por ela. Disse ele ao ouvir sua voz ecoar na minha cabeça, ele não mexia um músculo de seu rosto enquanto conversava comigo.

-Ela... Ela teve um funeral digno. Eu vim atrás do responsável, ele será sacrificado perante o meu povo em sinal de justiça feita pela rainha que foi assassinada. Por que o senhor me chamou aqui?. Conclui ao sentar e ficar frente a frente com ele.

-Por sinal, meu nome é Charles Xavier, muito prazer. Eu o chamei aqui porque precisava saber das suas intenções. Você é extremamente poderoso e particularmente, preciso ficar de olho em seres extremamente poderosos. Disse ele.

-Bom, como você está em minha mente e não explodiu, posso ver que possui um poder mental único. Talvez pudesse me ajudar a encontrar o responsável. Respondi.

-É provável que sim, farei o possível, mas atualmente eu estou bem sobrecarregado. Acho que consigo...digamos encontrar possíveis donos da voz que veio da sua mensagem.

-Como você....

-Tenho habilidades poderosas, meu amigo.

Ele então fechou os olhos e colocou dois dedos ao lado de sua cabeça. Após um período com o barulho das aulas a nossa volta, ele finalmente se volta para mim e escreve uma lista com alguns nomes.

-Nessa lista, você tem os nomes de pessoas que podem ser ou não donos dessa voz. A voz estava Modificada, então não pude distinguir entre homem e mulher, mas havia muito poder ali, acho pouco provável que o culpado não esteja nessa lista. Lembre-se, todos tem um potencial para realizar coisas horríveis, mas nem todos fazem porque querem fazer. Concluiu Charles. Depois disso, eu saio da mansão e troco olhares com Marrie enquanto ela jogava basquete com um homem de cabelos prateados e uma velocidade absurda. Resolvo seguir meu caminho em direção ao primeiro nome. Pouco tempo de caminhada e eu já havia chegado ao destino. Uma casa consideravelmente grande, da mesma cor da Mansão X, estava a minha frente. Repentinamente, um homem sai dali e fixa seu olhar em minha direção. Com meus poderes telepaticos, digo as seguintes palavras em sua mente.

-Olá, estou procurando por você. Charles Xavier disse que...que você pode me ajudar com um assunto. Você é Stephen Strange?.

24 de Setembro de 2021 às 01:01 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo O Mago Supremo

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 7 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!