naylabrabel Ketlen De

Dissem que o ódio é a vingança podem mover um mar revolto, mas que o amor e o ódio vivem em equilíbrio. O que será mais forte nessa balança ?


LGBT+ Fantasia histórica Para maiores de 18 apenas.

#romance #reinos #lgbt #guerras #cherylblossom # #Riverdale #Choni #madnessa #tonitopaz
1
583 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todos os dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

Desastre

Antoinette topaz point of view

Passos rápidos minhas botas de couro afundava na areia branca meu cetro me dava apoio para caminhar minha capa voava cada vez com mais violência a se aproximar do mar .


O cheiro de animais marítimos mortos sobre a praia e o cheiro de Maresia embrulhou meu estômago, várias pessoas aglomeradas presas a situação era terrível as águas cristalinas que um dia foram assim estavam cobertas de óleo é combustível, me aproximei de um grupo de pessoas que dava ordens, era um absurdo que desde a madrugada até este momento a situação não tivesse sido resolvida .


- O que está acontecendo ?- me dirigi ao primeiro que me respondesse, eles fizeram uma breve reverência totalmente perdidos e longe de resolver a questão .


- Um navio encalhou com fugitivos mortais e o combustível está vazando pela costa alteza - uma jovem disse com cabeça baixa, olhando para um ponto fixo .


- O que estão esperando para resolver a situação ? - silêncio completo não se moveram - tenente - chamei uma de minhas guardas pessoais .


-Sim alteza - a mulher de farda negra com uma espada e arma padrão da guarda real se aproximou aguardando instruções .


- Quero dois navios da marinha ao redor do vazamento, apoio de aviões para saber até onde se estendeu, transportes urgente .- A tenente concordou com a cabeça e se afastou voltei meu olhar para as pessoas a minha frente


- Façam uma contagem e registro desses fugitivos, aliás por que o navio encalhou ? - segurei com força o metal em minhas mãos, irritada com o fato.


- Navios da senhora da guerra os perseguia e danificaram não ultrapassam nossas fronteiras, estão parados. - olhei ao redor respirando fundo .


- Limpem a praia, tragam mais soldadas para ajudar coloquem os fugitivos nos transportes de comida, água . O que eles precisarem. - eles se curvaram e se afastaram, olhei para trás e meus guardas abriram caminho para que minha conselheira se aproximasse .


- Que horror esse lugar era lindo - a mulher de cabelos negros, bem vestida com alta custura disse .


- Sim - começamos a caminhar pelas areias - vero supervisione esse problema e me informe se precisar de algo - ela concordou com a cabeça .


- Falar com a rainha não seria mais apropriado, Toni ? - suas palavras sábias encheram meus ouvidos.

O barulho do metal se encravando no chão era a única coisa que não me fazia querer perder a razão .


- Sim, vou espero que ela venha na coroação é que se desculpe pessoalmente. - Verônica negou com a cabeça e com um sorriso nos lábios .


- Não acho que ela é o tipo que se desculpa - As palavras foram firmes, verônica conhecia as outras duas rainhas, da qual eu só conhecia uma. - É um desastre o que aconteceu nesse bioma mas tem que ser profissional .- Afirmou


- O que quer dizer?- perguntei mesmo sabendo a resposta .


- O passado fica no passado - passei a mão sobre meus fios de cabelos brancos .


- Não quero o trono dela. - falei com convicção .


- Mas quer as terras mortais, você sempre às quis Alexsandra.- Mordi meus lábios inferiores, me aproximei nervosa.


- Você sabe que não deve me chamar por esse nome! - Meu nome mortal, que um dia o possui ser uma filha de reis mortal é imortal não era algo que eu gostava de pensar ser uma mestiça, não era algo aceitável é eu era .


- Está vendo seus olhos, eles ganham outro tom. - ela apontou discretamente, olhei ao redor e algumas pessoas encaravam a conversa mas voltaram ao seus trabalhos ao meu olhar cair sobre eles .


- Eu vou ser paciente, afinal, não foi ela quem tirou o trono de mim. - Não estava com humor para discussões morais e políticas com Verônica.

Ela era muito persuasiva, mesmo se os fatos não existissem era capaz de fazer qualquer pessoa acreditar que eram reais .


- Você mente mal !- negou convencida, me virei dando as costas seguindo meu caminho com verônica naquele local tudo ficaria em ordem .


Andei alguns metros acompanhada por minhas guardas reais, subi com calma no cavalo de raça puro sangue de pelo negro firmei as redias, mesmo um pouco distante da praia a poeira incomodava.


Por isso, puxei a parte de detrás da capa branca sobre meu rosto cobrindo, não pretendia ser o tipo de rainha distante de seu povo que vive em um palácio, meu povo conhecia meu rosto sabiam que me importava, caminhava nas mesmas ruas que eles sabia das necessidades ao passar o caminho era aberto


Cerca de sessenta guardas me acompanhavam as ruas eram pavimentadas mas o verde era presente uma mulher tentava passar, era impedida em seus braços uma criança a guarda a tratava com certa violência, meu cavalo galopou me aproximei, dispensei a soldada com um simples olhar .


- O que foi senhora? por que tenta passar? - perguntei a mulher que curvou e segurou a criança com firmeza .


- Minha criança é especial - Olhei para crianças - Ela já está na idade de se iniciar - desci do cavalo que foi segurado por uma de minhas guardas, retirei o tecido que cobria parte de meu rosto .


- Qual é a idade dela?- perguntei olhando para a criança de cabelos cacheados, entreguei meu cetro para a soldada montada no cavalo não havia perigo o cetro só respondia aos meus comandos .


- Seis anos - a mulher respondeu, estiquei meus braços segurando a criança em meu colo, os olhos se abriram, levei minha mão coberta com luvas até o rosto da criança mente blindada com fluxo, estranho sem treinamento era estranho .


- Ela tem poderes mentais - a mãe concordou - Você é muito rara criança - A multidão deixava a mente da criança confusa não tinha controle, por isso leva a mão aos ouvidos com frequência, toquei na testa da criança a adormecendo era melhor para a criança que poderia enlouquecer com tanto barulho .- Ela é preciosa pode se tornar parte a elite da minha guarda - Disse a mulher segurei o pulso da criança lendo a identificação .


- Quanto está disposta a pagar para ter minha filha ?- fiquei surpresa com a fala da mulher, a retirada para o treinamento era um momento doloroso, para toda mãe já que não veriam mais as crianças .


- Suponho que não sabia, mas sua família terá assistência até a criança se formar, está ciente que me entregando a criança ela não vai mais ter contato com a família é que perde seus direitos como mãe ? - para ter poderes como mentais o sangue era puro aleatório, o que era raro ou genética como os meus, quanto mais forte a genética mais forte era os poderes, por isso a união do mesmo sexo tornava minha guarda mais do que poderosa crianças puro sangue nasciam das uniões, não eram só soldadas eram esposas é em uma batalha protegeria a mulher ao lado com devoção .


- Sim, quando ela se formara ? - perguntou.


- Quando ela se casar - A mulher assistiu, dei ordens para uma de minhas soldadas fazerem o registro da mulher, subi no cavalo com cuidado, pois a criança estava em meu colo .


Uma soldada se aproximou de meu ouvido e disse .


- A herdeira do trono da senhora da guerra está no palácio, alteza a espera. - Suspirei fundo, cobri a criança com parte de minha capa, cavalguei sem pressa para o palácio, levaram horas para tentarem resolver a situação o que seria alguns minutos esperando?


[•••]


Sentada em meu trono, a capa branca se contrastava com o vestido da mesma cor que se arrastava no chão, meu centro em mãos os portões da sala do trono foi aberta.


A princesa, caminhava a jovem com cabelos ruivos na altura dos ombros, olhos verdes, um vestido púrpura definindo bem o corpo acompanhada de soldados que tinham armas de fogo, não me surpreendia que esse tipo de armamento fosse eficiente em mortais .


- Espero que tenha feito uma boa viagem princesa. - disse minha voz ecoou pelo salão .


- Sim, mas venho tratar de negócios.- Ela disse seca, era claro que a jovem princesa não queria estar aqui .


- Negócios? Kristal ou como sua armada destruiu a maior praia do meu reino? - a princesa, cruzou os braços e respirou fundo.


- Espero que entenda que acidentes acontecem, a marinha perseguia foragidos e a visibilidade era baixa, quase zero quando avistaram sua frota se afastaram. - explicou .


- Entendo o mar e instável, a minha frota relata que mesmo depois de serem vistos seus canhões dispararam. - ela sorriu, negou com a cabeça e voltou a encarar .


- Vou verificar a informação e os responsáveis serão punidos - ela tinha total direito de duvidar mas ser uma boa mentirosa não estava em minhas qualidades .


- Verifique se vamos acertar os preços da indenização - respondi o olhar da princesa mudou .


- Indenização?- O olhar de deboche surgiu nos lábios da jovem .


- Eu esperava que no mínimo, sua rainha aparecesse para resolvermos a situação e ...- a princesa me interrompeu .


- Peço que tenha respeito, hoje é um dia triste para meu povo aniversário de morte da minha mãe, minha rainha se isola, eu fico no comando, como princesa regente. - Uma sensação estranha percorreu meu corpo como se aquela garota não chamasse a rainha de mãe .


- Sinto muito por sua perda que os deuses a ajudem com a sua dor - Disse com sinceridade, eu sabia melhor do que ninguém que perder uma mãe era como perder parte de si .


- Obrigado. - Ela sussurrou - Faça um orçamento de seus gastos é se necessário enviarei soldadas para ajudar. - compreendi que ela não queria estar ali, que queria acabar com tudo o mais rápido possível .


- Não é necessário o envio de tropas e sim transportes para os fugitivos, segundo a contagem são quatrocentos e seis - disse explicando a situação - apenas metade deles irão para as terras mortais, espero que entenda que preciso de garantias .


- Pedirei os transportes que em algumas horas estarão aqui. - Concordei com a cabeça .


- Princesa é bem vinda para assistir a coroação e ficar até o problema ser resolvido.- A convidei já que muito provavelmente a rainha não viria .


- Agradeço é cheryl viria se não fosse por esse fato. - Com certeza a princesa não era próxima da mãe, talvez a fama faça juiz a pessoa .


18 de Setembro de 2021 às 00:36 0 Denunciar Insira Seguir história
1
Leia o próximo capítulo Memórias

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 4 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!