deusadibo Vera rocha

Todos juntos vamos construir um mundo melhor , por mim, para ti e para todos respeitando cada ser , cada pessoa e amando sem descriminar ninguém. Amate respeita-se e respeita o próximo. o mundo fica melhor na vibração do amor.


Infância Todo o público.

#o-amor-não-tem-cor #ida-a-praia
0
477 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

A ida a praia

Era uma vez uma menina, que se chamava Luana, e vivia, numa casa amarela cor de rosa, num monte alentejano em Évora, era alentejana.

Ali os vizinhos davam-se todos bem, tudo ali era um mundo cor de rosa.

desde as pessoas e os animais e os objetos ,ali Luana era uma menina feliz e alegre.

Chegaram as tão desejadas férias e ela estava toda contente, porque agora era só brincadeira com os seus amigos , ora brincavam a bola , apanhada e as escondidas , ao carolo e outras brincadeiras sem fim.


Ali o tempo parecia que não passava ,havia sempre tempo para mais uma brincadeira.


Os pais de Luana chama-se Cristina e o João, e nesse dia prepararam uma supresa para ela.


Luana diz o pai hoje vamos ter um dia diferente vamos a praia ,vai preparar o teu saco não te esqueças de levar o balde a pá e a estrela do mar e também a bola para poderes jogar e o balde para poderes fazer bolos e castelos na areia molhada.


A luana ficou muito feliz e contente ia ter uma nova aventura e conhecer e fazer amigos novos.


Chegamos a praia, os pais de luana pousaram as coisas e começaram a preparar tudo, abriram o chapéu amarelo igual ao sol, e estenderam as toalhas da cor do arco iris todas.


2 A Luana começou logo a brincar com os brinquedos que tinha levando fez um castelo e disse aos pais que ia apanhar conchas na areia molhada ok não te afastes muito fica por perto.


Levou seu balde vermelho e todas as conchas que encontrava com ajuda da sua pá azul, colocava dentro do balde.


Na sua aventura na areia encontrou um animal marinho que se chamava Caranguejo, ficou muito feliz e correu a chamar os pais.

Para verem a sua descoberta e queria por dentro do seu balde.


Os pais dizerem-lhe que ele vai ser mais feliz se o deitares novamente no mar que é a casa dele não concordas luana?


Sim pai tens toda a razão, mas quero lhe dar um nome diferente, vou chamar-lhe chico sorriso, porque está sempre a sorrir.


-Olá meu amiguinho chico gosto muito de ti tens uma cor vermelha muito bonita.


O pai explicou a LUANA que o chico tinha que ficar no casa dele era a praia e o mar era ali que era feliz junto da sua família e amigos e que nos temos de preservar e respeitar a mãe natureza , não deixando lixo no mar nem plásticos , porque os animais marinhos depois ficam doentes e ficam encolados no lixo e acabam por morrer.


-O chico sorriso pergunta a Luana se ela promete fazer a parte dela para proteger a natureza e o meio ambiente ao qual a luana responde que sim prometo e vou cumprir a promessa.


ASSIM o amigo chico entrou pelo mar a dentro na certeza que tinha feito uma amiga que iria, cuidar do mar e das praias preservar o paraíso azul.


Depois disso a luana voltou para a toalha e pôs-se a brincar na areia com o seu balde e pá na continuação da construção do seu castelo quando uma bola veio parar aos pés dela , era uma menina de cor de chocolate , mas gostaram logo uma da outra.


Olá como te chamas ,eu chamo-me Raissa e tu?

Vamos ser amigas queres brincar?


Claro que sim , assim começou uma brincadeira fizeram castelos na areia e jogaram a bola escreveram os seus nomes, na areia com um coração a volta , riram muito e com cada brincadeira , estavam realmente felizes.


As duas meninas eram de cores diferentes, mas para elas isso não importava

era amizade e sentiram-se felizes uma com a outra.


A luana pergunta a raisa onde vives?

Eu vivo numa cidade chamada lisboa e tu onde vives?


EU vivo em Évora no Alentejo no campo, onde temos ar puro e acordo todos os dias a ouvir os passarinhos , tenho muitos animais e onde o tempo parece não passa.

Nas cidades grandes como Lisboa que tu vives as pessoas andam sempre com muito stresse a correr de um lado para o outro cheias de presa.


Todos somos diferentes e todos somos iguais temos que aprender a respeitar todos porque aos olhos de Deus não há diferenças


Ama-te respeita-se e respeita os outros, para também seres respeitado.


Assim vamos todos juntos ajudar a contruir um mundo melhor por ti, por mim, por todos.


porque o amor não tem cor .


29 de Agosto de 2021 às 19:26 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Fim

Conheça o autor

Vera rocha Nasceu em Portugal em 29/07/1976 , considera-se uma pessoa como tantas outras cheia de sonhos e que um dia resolveu realizar um ! Pos mãos a obra e escreveu um livro que se chama o que comanda a vida espirando e baseado em poemas do dia a dia. Com o passar do tempo escreveu mais um livro Memorias de uma menina tornou mulher baseado em factos reais da sua vida. Os livros surgiram como uma necessidade de fazer as palavras um vinculo de transporte de emoçois.

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~