2minpjct 2Min Pjct

Com o tempo, após anos de casamento, Park Jimin e Park Yoongi se veem no impasse de deixar tudo escapar pelas mãos ou tentar reerguer o relacionamento que lutaram para manter por tanto tempo. Com o desejo de voltar a ser o que eram antes, aventuram-se em dois dias acampando, na esperança de que sentir a natureza seja o bastante para os reconectar.


Fanfiction Bandas/Cantores Para maiores de 18 apenas.

#bts #yoongi #jimin #yoonmin #sugamin #minimini #suji #2min #acampamento #minmin #sujim #bottom-jimin #2minpjct #top-yoongi
0
705 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Recomeço

Escrito por: @Park_louy/@Park_louy


Notas Iniciais: Olá, olá

Como estão?

Essa é a minha primeira fic postada no projeto e, talvez, eu seja suspeita para falar sobre a história. Porque, sinceramente, amei escrever e gostei mais ainda do resultando (risos, risos)

Espero que possam ler cheios de interesse com relação ao desenvolvimento do casal, sobre o avanço que eles fazem no decorrer da história e que gostem tanto quanto eu, hihihi.

Boa leitura ♡


~~~~


Jimin não gostava de fazer viagens de carro, odiava a ideia de não poder se esticar e, por vezes, não ser capaz de esquivar da luz solar que batia em suas pernas. Mas, naquele dia, o sol parecia se esconder e apenas restava o céu completamente limpo, sem qualquer nuvem; sentia-se bem ao olhar pela janela e avistar a imensidão azul, que o trazia certa paz, mesmo não sendo o bastante para o desviar do clima ameno que tomava o carro.

O homem ao seu lado parecia absorto demais enquanto segurava o volante com força, sem desviar os olhos da pista, como se Jimin sequer estivesse lá. O ruivo sentia-se perdido, de forma que parecesse não dever estar ali, como se o loiro não passasse de um mero desconhecido. Doía. Realmente machucava sentir na boca do estômago que toda a intimidade que tinham, parecia sumir a cada segundo que passavam juntos. Sentia vontade de rir por se ver em uma briga interna sobre iniciar ou não um assunto, podia sentir um imenso frio na barriga, que o amedrontava sobre começar uma possível conversa com o próprio esposo.

Estava sentado de forma desajeitada sobre o banco, com as pernas jogadas em cima do painel do carro ao que, de forma ansiosa, girava a aliança dourada no anelar. Queria pedir para que Yoongi parasse o carro e desse a volta, desejava estar em casa e chorar dentro de seu escritório. Estava com medo. Temendo que o final de semana não fosse o bastante para os fazer relaxar e compreender um ao outro de forma mais clara.

— Você está bem? — Yoongi perguntou, olhando-o de forma rápida, logo voltando sua atenção para a pista movimentada.

De imediato, Jimin não soube o que responder, até chegou a gaguejar ao que tentava formular uma frase. Realmente sentia-se no ensino médio, quando mal tinha confiança para falar com qualquer pessoa. Mas estava dentro do carro com alguém que conhecia bem, tanto quanto a palma da própria mão, mas, ao mesmo tempo, temia não saber o bastante para dar uma resposta.

— Estou — tentou ser firme.

Após isso, apenas fora capaz de escutar o barulho de várias buzinas e do ar-condicionado. Ajeitou-se sobre o banco e manteve a coluna reta, como se estivesse pronto para qualquer diálogo ㅡ mesmo que não passasse de uma mera pose mentirosa ㅡ, estava com medo, sentia-se inútil por não ser capaz de responder com sinceridade e dizer que queria abrir a porta do carro e vomitar, tamanho o nervosismo que sentia.

Virou-se para a janela e, manteve o olhar fixo nas árvores que passavam de forma rápida, não sendo capaz de acompanhar os galhos esverdeados e grandes. Tentou focar em como o céu parecia extremamente azul e límpido, mas apenas manteve a visão desfocada, enquanto deixava a mente divagar sobre milhares de possibilidades. Ainda girava a aliança de forma nervosa, tentando se manter fixo em algo real o bastante; queria acreditar que seu casamento fosse uma realidade e, não uma possibilidade.

Sequer conseguia se imaginar em uma possível realidade em que não estivesse casado com Park Yoongi. Sentia a testa queimar ao pensar em não o terconhecido e desfrutado de sua presença e amor e, mais ainda, se recusava a pensar em ter sentido na ponta da língua a realidade de amá-lo e simplesmente ver tudo ir embora sem razão alguma. Queria se firmar em pensamentos positivos, tentando ao máximo, manter viva a esperança de que fariam dar certo, que Yoongi também estava lutando para que tudo voltasse a ser como antes.

— Você… — Yoongi começou, dando uma pausa ao que mordeu o lábio de forma nervosa. — …Acha que isso vai dar certo? Passar um tempo a sós, sem usar qualquer desculpa para conversar?

Jimin rapidamente o olhou, abrindo e fechando a boca várias vezes, sem saber ao certo o que responder. Quis ser firme e dizer que, sim, iria dar certo; que sentir a natureza fosse ser o suficiente para os unir e esquecer das incertezas do mundo, mas, simplesmente, não tinha certeza. Certo era que estava tentando ao máximo ser otimista e pensar que sairiam do final de semana com outros olhos, novos pensamentos, mas a incerteza de não saber como agiriam diante um ao outro, o deixava fraco.

— Estou torcendo para que tudo dê certo, Yoon — fora sincero, logo voltando a olhar pela janela.

Não fora capaz de ver, mas Yoongi o olhou com medo nos olhos, temendo perder tudo aquilo que havia construído por tantos anos. Sentia-se tão sem rumo quanto o ruivo, como se nada mais fizesse sentido e, realmente não faria se já não tivesse Jimin ao seu lado; queria poder parar o carro e chorar contra o volante, deixar sair toda a dor que estava sentindo, poder gritar que não aguentava pensar na possibilidade de perder o amor de sua vida, mas que, mesmo que tentasse, não poderia ser certo ao dizer o que fazer para encaixar todas as peças, as quais haviam caído pelo caminho.

Queria poder amar Jimin e que o amor fosse o suficiente para manter seu casamento intacto.

Park Jimin não se considerava amante assíduo da natureza em sua realidade, achava belíssimas as inúmeras paisagens que Busan poderia oferecer e realmente gastaria horas de seus dias apenas olhando, para tentar se desligar do mundo. No entanto, não é exatamente como se pensasse em passar um final de semana acampando, isso, de fato, fugia de sua vontade de estar ligado com a mãe Terra. Porém, diante as circunstâncias, não ousou reclamar, quando a psicóloga sugeriu que tirassem alguns dias para estar ao ar livre, sentir o cheiro da terra e escutar os pássaros.

Yoongi, completamente diferente de Jimin, amava tirar alguns dias de férias para pescar e ficar em completo silêncio diante a natureza. Estava de fato animado para passar esses dias com o ruivo, sem que houvesse quaisquer empecilhos para os manter unidos, fosse com relação ao trabalho ou qualquer outra coisa, que geralmente usavam como desculpas para não conversar. Desde o início, quando resolveram que fazer terapia em casal fosse o primeiro passo para a solução de todos os problemas, estava disposto a dar tudo de si para que as coisas caminhassem de forma aberta e sincera.

Queria, mais que tudo, poder voltar a viver em completa harmonia com Jimin, retomar aos dias em que nada parecia o suficiente importante, além de estarem bem um com o outro. Por isso, sentia-se culpado por não saber, exatamente, quando tudo havia ficado sem vida, sem saber ao certo, onde erraram para que não houvesse mais diálogos e concordância em suas atitudes e palavras. Depois de cinco anos usando o sobrenome de Jimin, realmente, chegou a acreditar que nada seria o bastante para os afastar.

Contudo, quando simplesmente não tinham mais tempo um para o outro e pelas vezes em que Jimin chorava e gritava o quão sem rumo se sentia, todos os anos de união equiparavam-se ao vazio, como se nunca tivesse acontecido. E, realmente, sentia-se fraco ao escutar que Jimin já não sabia por onde caminhar dentro da própria casa, como quando soltou de forma desesperada que já não possuía mais segurança em beijá-lo. Estavam distantes, seguindo por caminhos solos e sem uma real intenção de incluir um ao outro.

— Você sabe que eu tenho medo de formiga — Jimin lembrou, assim que viu a placa indicando que haviam chegado na reserva para acampamentos.

Yoongi ousou soltar uma risada quando o olhou de forma rápida, apenas por achar engraçado a forma como Jimin segurava o cinto de segurança, com certa preocupação.

— Relaxa, vou forrar bem o chão e ficar atento em qualquer formiguinha que tente se aproximar — brincou, virando o volante, para estacionar um pouco ao final da área para carros.

O local era completamente aberto e possuía uma pequena casa ao lado do estacionamento, ao irem direto a ela, descobriram não passar de uma recepção para que dessem seus nomes e pagassem uma pequena taxa para passar dois dias ali, apenas para ajudar na preservação do lugar e animais. Ao organizar tudo com relação a isso, Yoongi tratou de pegar algumas coisas do porta-malas do carro, sendo ajudado por Jimin, que logo pegou as bolsas e garrafas d'água.

Seguiram por uma trilha aberta e caminho de terra, Yoongi indo na frente e Jimin o seguindo, caminharam por cerca de dez minutos até que chegaram a uma área que acharam interessante para ficar. Ficava perto de um lago, com a trilha por perto e algumas árvores, que o loiro julgou serem pés de limão. Durante o caminho até lá, viram algumas outras pessoas espalhadas aqui e ali e, Jimin pôde se sentir mais tranquilo por saber que não ficariam exatamente sozinhos no meio do mato.

— Você lembra como se monta isso? — questionou, olhando para os pedaços que iriam formar a barraca. Como resposta, Yoongi apenas o olhou de forma tranquila, com um sorriso nos lábios e pegou as hastes cobertas pelo tecido escuro.

— Eu acampava quando menor, meu pai sempre me levava, você sabe… Faz um tempo, mas eu ainda me lembro de várias coisas.

— Okay, gênio, entendi.

E ele realmente não estava mentindo, quando Jimin sentou sobre um toco de árvore, Yoongi tratou de montar a barraca de forma rápida e minutos depois, ela estava pronta, grande e bonita. Após isso, pegou um dos cobertores que haviam levado e forrou o chão, alcançou o pequeno colchão, próprio para a barraca e, colocou sobre os panos, juntou a última coberta e jogou por cima de tudo. Não haviam levado travesseiros porque o loiro havia decidido que a experiência seria melhor assim, sem tantas mordomias.

Depois, ainda precisaram voltar ao carro para pegar a caixa térmica com as comidas que haviam separado, além do pequeno fogão a lenha, que decidiram comprar exatamente para essa ocasião. Voltaram de forma rápida e organizaram tudo frente à entrada da barraca, deixando as garrafas d'água do lado das duas cadeiras de praia, que pegaram para quando fossem pescar.

Jimin realmente nunca havia pescado, sempre recusava quando seu pai o chamava para ir junto de seu tio, preferia passar o dia jogando a ficar horas esperando um peixe que estivesse a fim de morrer. Porém, não iria desfazer de quaisquer planos que Yoongi tivesse, assim como sabia que o loiro não iria se recusar a fazer algo que quisesse.

Quando terminaram de montar tudo, o céu já estava escurecendo, o relógio de Jimin marcava exatas cinco e meia, por isso, decidiram que era hora de caminharem para achar alguns galhos para acender uma fogueira, além de que, também precisavam cozinhar alguma coisa. Antes de sair, Jimin lambuzou todo o corpo com repelente e Yoongi caiu na risada quando viu o rosto alheio completamente esbranquiçado pelo produto.

— Você acha que irá aparecer mosquitos gigantes para te devorar? — questionou, ao passo em que se aproximou para espalhar o produto de forma tranquila. — Por que sempre tão exagerado? — continuou, passando os dedos sobre as bochechas e depois na testa.

Jimin manteve-se em silêncio, completamente atento aos movimentos alheios. Sentiu-se nervoso com a proximidade que mantinham, mas não escondeu a satisfação ao sentir as mãos de Yoongi deslizarem por seu rosto com tanto cuidado e afeto. Manteve os olhos fixos no rosto à sua frente, caminhando pelos olhos afiados e depois para a boca pequena, sentiu vontade de beijá-lo, nada forte, apenas um selo simples. Contudo, não ousou se aproximar mais, apenas deixou que um vazio ficasse quando Yoongi afastou-se com um olhar perdido.

Depois disso, foram atrás dos galhos e alguns pedaços maiores de madeira, coisa que fora um pouco difícil de encontrar, mas nada impossível. Jimin ficou responsável por pegar os galhos menores e Yoongi tratou de pegar aquilo que iriam usar para a fogueira, assim que acharam o suficiente, refizeram o caminho e foram organizar tudo. O loiro juntou todos os pedaços grandes de frente para a barraca ㅡ distante do fogão ㅡ, alinhou um sobre o outro e deixou em um formato que fosse pegar fogo de forma rápida; colocou também algumas folhas para ajudar na queima e buscou pela caixa de fósforos que haviam levado.

Acender a fogueira não fora lá muito fácil, visto que o fogo apenas pegava nas folhas e não transferia para a madeira. Jimin já havia montado o fogão e olhava Yoongi quebrar a cabeça para acendê-la. Estava sentado no mesmo toco de antes, com as pernas cruzadas e o rosto apoiado na palma da mão.

— É, nós vamos morrer de frio — afirmou, olhando Yoongi que mantinha uma feição interrogativa ao olhar para o fogo que mais uma vez havia apagado.

— A sua motivação ajuda tanto minha força de vontade — havia algo em sua voz que Jimin não fora capaz de identificar.

— Não é exatamente mentira, você está, literalmente, perdendo para a fogueira.

Yoongi não o olhou, mas estreitou os olhos enquanto tentava, mais uma vez, manter o fogo aceso. Sentiu-se extremamente falho quando viu a faísca apagar novamente e mais ainda, quando Jimin soltou um estalo com a língua, fazendo completo desdém com a situação que já esperava.

— Por que você é sempre assim? — começou, ao passo em que se levantava e encarava o ruivo. — Sempre agindo como se eu não fosse capaz de fazer absolutamente nada de bom, bom o suficiente para você.

— Eu não faço isso — defendeu-se.

— Você sempre faz, está fazendo agora!

Jimin arrumou a postura e olhou para o loiro, capturou sua feição cansada e entristecida, quis perguntar o porquê de ele achar que em todas as vezes não estava o suficiente interessado ou por pensar que não fosse capaz de fazer seja lá o que fosse. Porém, não fora capaz de tal, não quando não possuía certeza sobre fazer ou não esse tipo de coisa, visando que sempre discutiam por coisas fúteis e sem nexo.

— Eu não queria…

— Você nunca quer — fora interrompido por Yoongi, que não tratou de esconder o tom ácido e magoado.

Jimin encolheu-se e abaixou a cabeça quando viu Yoongi voltar a pegar a caixa de fósforos. Sentiu vontade de chorar por não ter uma resposta boa o suficiente para o dar, por não ter a certeza de, nos últimos tempos, ser o tipo de pessoa que desmotiva e não dá apoio. Cruzou os braços e os apertou para tentar ser firme e não desabar ali mesmo, estava com medo, temendo serem tóxicos um para o outro, no nível de dizerem coisas pesadas sem nem se dar conta.

Queria ser bom o bastante com palavras, para poder conseguir conversar consigo mesmo e encontrar a linha tênue entre ser bom para si mesmo e, principalmente, para Yoongi. Simplesmente não saberia o que fazer caso já não fosse a âncora do loiro, seu lar e tranquilidade ㅡ ao menos era assim que o outro o descrevia ㅡ, gostava de lembrar o fato de Jimin ser sua casa, tranquilo no ponto em que se sentia livre para ser ele mesmo e poder ter liberdade para poder errar sem medo.

E se já não fosse mais o lar de Yoongi?

— Eu quero fazer dar certo, sabe? — assustou-se quando Yoongi começou a falar. — Mas eu realmente não sei como fazer, se já nem tenho confiança o suficiente para fazer algo ao seu lado, com medo de errar e receber seu olhar decepcionado e sem esperanças.

Foi como uma facada. Jimin não se sentiu capaz de segurar as primeiras lágrimas que caíram com violência. Sentiu-se sujo por passar esse tipo de visão para Yoongi, por fazer tais coisas ㅡ mesmo que realmente sem intenção ㅡ e, principalmente por fazer sem nem mesmo se dar conta. Quis encontrar palavras boas o suficiente para se desculpar, mas nada fez, além de chorar em silêncio ao que sentia o olhar do outro sobre si. Coisa que apenas o fez chorar mais por desejar que Yoongiestivesse o abraçando, dizendo que sairiam daquela juntos e, que tudo daria certo no final.

No entanto, Yoongi manteve-se de pé, distante do homem que tanto amava e já não sabia como ler com um simples olhar. Sentiu a garganta arder tamanha a vontade de desabar junto ao ruivo, mas se manteve firme, enquanto o via chorar de forma desesperada. Quis abraçá-lo e sentir a quentura de seu corpo, mas estava magoado demais para tal coisa; realmente não estava mentindo sobre se sentir de tal forma, já não tinha confiança para fazer nada para Jimin, sentia-se sem chão.

Após isso, mantiveram-se em silêncio e Yoongi seguiu tentando acender a fogueira, até que o fogo pegou e passou para a madeira. Ficou orgulhoso de si mesmo por ter conseguido acendê-la, por isso, não tirou o sorriso do rosto e Jimin notou, tanto que se sentiu mais tranquilo por perceber que já não estava mais chateado, pelo menos não aparentava. Jimin buscou por alguns macarrões instantâneos dentro da caixa de comida e colocou no fogo, dentro de uma das pequenas panelas que haviam levado. Os dois sentaram de frente para a fogueira na hora de comer; o fizeram em silêncio, mas ficaram lado a lado enquanto comiam.

Já passava das nove da noite quando Yoongi entrou na barraca para organizar tudo para dormir, o dia seguinte, enfim, seria sábado e, aí sim, teriam um final de semana para aproveitar.

Por volta das dez da noite, ambos entraram na barraca e deitaram, um de frente para o outro, ficaram em silêncio enquanto se encaravam de forma simples, sem quebrar o contato quando se olhavam nos olhos. Para os dois, era realmente confortável ficar em silêncio naquela situação, estando ligados, de certa forma. Por isso, Yoongi se sentiu livre para aproximar-se e colocar uma mecha de cabelo de Jimin atrás de sua orelha, sem quebrar o contato. Chegou pertinho e fechou os olhos ao deixar um selar simples nos lábios fartos.

Jimin não ousou recusar, sentiu os músculos leves quando a mão de Yoongi tocou seu rosto para aprofundar o beijo, pôde sentir borboletas no estômago quando o beijo se aprofundou e deixaram as línguas se tocarem com urgência. Juntaram as testas e se beijaram como há muito tempo não faziam, com desejo. O loiro não se sentiu acanhado ao segurar a cintura de Jimin e apertar o local com certa pressa, queria estar mais perto, tocá-lo como antigamente.

Em pouco tempo, Jimin estava sentado no colo de Yoongi e rebolava de forma apressada, como se dependesse da proximidade do corpo alheio, queria senti-lo a todo custo. Segurava os fios descoloridos e os apertava a cada toque que sentia em seu corpo, Yoongi fazia questão de apertar as coxas e bunda de Jimin, arfando sempre que sentia os dedos cheios da carne alheia; estavam presos naquela proximidade, a barraca parecia minúscula e sem ar, mas eles realmente não estavam dispostos a quebrar o contato. Estavam acesos demais para ignorar a situação, não queriam simplesmente passar por cima da vontade que sentiam.

No entanto, quando Yoongi fez menção de tirar a blusa de Jimin, o ruivo quebrou o beijo para olhá-lo nos olhos, suspirou de forma medrosa e levou os dedos até o rosto fino, passando de forma lenta. Deixou que Yoongi visse quando seus olhos se encheram de lágrimas, e logo o abraçou de forma rápida e desesperada.

— O que houve? — Yoongi questionou, ainda segurando a cintura alheia com firmeza.

Por alguns momentos, não ouviu qualquer resposta de Jimin, este estava concentrado em chorar de forma abafada ao que segurava o pescoço do loiro, como se temesse o perder.

— Nós não podemos simplesmente fingir que nada está acontecendo e transar, não podemos, Yoongi.

Este manteve-se em silêncio, sentindo o peso de Jimin sobre suas coxas, ao mesmo tempo, em que a respiração alheia batia contra seu pescoço. Desejou dizer qualquer coisa e ir contra, seguir com as carícias e transar na maldita barraca que cada vez mais parecia encolher. Contudo, não ousou ser egoísta ao ponto de discordar. Realmente não poderiam fazer isso sempre, transar e fingir que não havia uma bola de neve para ser contida, precisavam se olhar nos olhos e deixar sair tudo que estivesse preso.

Por isso, mesmo que estivesse completamente duro e com uma vontade imensa de foder com Jimin, segurou na cintura alheia com calma e apoiou o queixo no ombro disponível. Fechou os olhos e suspirou ao poder sentir o cheiro do shampoo de baunilha que o ruivo sempre usava; colocou certa força nos braços, apenas por poder se sentir em paz ao tê-lo tão perto. No entanto, quando estava prestes a dizer que se sentia bem ao estarem em tal posição, escutou a voz de Jimin soar quebradiça:

— Eu não consigo fazer isso, não quando não tenho certeza sobre seus sentimentos — por fim, disse de forma medrosa.

Yoongi seguiu olhando para frente, sem entender onde Jimin queria chegar, afrouxou o aperto em sua cintura e o puxou pelos ombros de forma leve, para o olhar nos olhos. Sentiu o coração pesado ao notar os olhos inchados e bochechas vermelhas, odiava vê-lo assim, tão frágil.

— Eu realmente não entendi… Meus sentimentos sobre você? — interrogou, logo recebendo um aceno positivo do ruivo. — Mas eu te…

— Não é sobre isso, Yoongi! — Não deixou que o loiro seguisse adiante.

— E então?

Silêncio. Jimin sentia a ponta dos dedos formigando, falar sobre sua maior insegurança o deixava sem chão, sem saber como ser claro o suficiente. Chorou mais ainda ao lembrar de quando começou a suspeitar de tudo, sentindo o peito doer ao pensar na possibilidade de já não ser o suficiente para Yoongi.

— O Hoseok… — começou, tendo toda a atenção de Yoongi — Você está… dormindo com ele? — Não se atreveu a olhar para o outro, doía demais pensar em tal possibilidade.

Yoongi, no entanto, sentiu o rosto esquentar ao escutar as palavras alheias, sem saber ao certo de onde havia tirado tal assunto. Como, por tudo que jurava ser importante, Park Jimin ousava pensar que o estivesse traindo, logo com Jung Hoseok?

— Você está brincando com a minha cara? — sua voz soou de forma chateada. — Como você pode me perguntar algo assim?

— Você está ou não? — Ignorou tudo dito anteriormente.

Yoongi passou a palma da mão no rosto sem acreditar que estavam tendo tal conversa, parecia irreal demais escutar em Jimin pensando tão baixo de si. Nunca, em toda sua vida ao lado do ruivo, pensou em algo do tipo, nunca; tudo por amá-lo mais do que poderia contar na ponta dos dedos, por sentir que não precisava de mais nada além de seu amor, porque Jimin lhe era suficiente.

— Me dói, dói muito, escutar que você pense tão baixo de mim, Jimin. — Pela primeira vez, deixou que algumas lágrimas caíssem. — Não, eu não estou te traindo com Hoseok.

Após isso, fez menção de levantar e Jimin saiu de seu colo, saiu da barraca e buscou pela sandália que havia deixado na entrada, pegou uma das lanternas que levaram e seguiu, andando rumo ao lago que ficava próximo. Não tinha forças o suficiente para seguir no mesmo espaço que Jimin, não quando tudo havia chegado a tal ponto. Deixou-se chorar todas as lágrimas que se forçou a segurar e soluçou de forma desesperada ao que olhava a água escura do lago.

Sentou na beira e deixou os pés, descalços, tocar a água fria. Ficou ali, por tempo o suficiente até que voltasse para a barraca e visse Jimin dormindo, virado para o lado esquerdo, suspirou pesado ao que entrou e deitou-se exatamente de costas para o ruivo, sem uma real intenção de querer senti-lo naquele momento.

Quando o dia amanheceu, Jimin não fora capaz de encontrar Yoongi dentro da barraca, apenas avistou as bolsas no canto, onde ele, certamente, havia dormido. Espreguiçou-se de forma tranquila ao passo em que tirou o cabelo da frente dos olhos e buscou impulso para se levantar, saiu da barraca e de cara, encontrou o par de olhos felinos e miúdos que Yoongi sempre transmitia durante as manhãs. Não soube ao certo o que fazer, por isso, apenas acenou e sentou-se em uma das cadeiras que estava vazia.

— Coma rápido 'pra gente ir fazer a trilha, temos que ser rápidos para conseguir chegar na cachoeira.

Ao contrário do que Jimin esperava, Yoongi não fora frio em suas palavras e nem deixou de o olhar nos olhos, tentou entender se estava tudo mais ou menos depois da conversa na noite anterior, mas sabia não poder esperar um mar de rosas. Ainda se sentia inseguro sobre estar ou não sendo traído, mas, acima de tudo, acreditava nas palavras do loiro. Tudo por saber que este nunca mentia quando se tratava de assuntos sérios, ainda mais quando o olhava nos olhos; embora, por mais que quisesse, não poderia deixar de se sentir inferior e temeroso, ainda mais, quando, nos últimos dias, Yoongi sequer o tocava direito.

Dessa forma, comeram aquilo que Yoongi havia preparado e em pouco tempo, juntaram tudo que precisariam levar para fazer a trilha — além de roupas limpas e toalhas —, visto que tinham em mente tomar banho na cachoeira que havia no fim da mata.

Jimin olhava tudo atentamente, mantendo os olhos fixos na variedade de tons verdes que o lugar oferecia, sempre com brilho e uma ponta de algo que o fazia encher o peito de ar, para soltar de forma lenta e sem qualquer preocupação. Podia sentir a brisa fraca cercar seu corpo ao passo em que fechava os olhos para escutar os sons da natureza, sem que mais nada fosse o suficiente importante para o fazer estar ligado com uma parte do mundo a qual não dava tanta liberdade para cantar. Andava em passos lentos, seguindo Yoongi de forma tranquila, ao mesmo tempo em que tentava se manter um pouco distante.

Desde o início, o foco para estarem ali, devia-se unicamente em poder passar o tempo sem que usassem qualquer desculpa para não conversarem, poder se olharem nos olhos e deixar que o amor falasse antes de qualquer coisa. Porém, antes de tudo, deveriam saber respeitar o espaço um do outro e, naquele momento, Jimin sentia não ser necessário falar nada; sabia que nada do que falasse fosse fazer sentido, mas que Yoongi entendia o silêncio sobre aquele assunto.

Todo o caminho fora tranquilo, Yoongi seguia a trilha e tinha em mãos um pequeno mapa do lugar para não se perder, andava em passos suaves, sabendo que Jimin o seguiria na mesma frequência. Assim como o ruivo, sentia não ser necessário conversar durante o caminho, no tempo certo falariam sobre a noite anterior. Por isso, não se preocupou com nada além da longa caminhada que fizeram, cerca de meia hora até que pudessem escutar o barulho da água caindo e batendo com violência contra as pedras.

O lugar era simplesmente lindo, os dois ficaram encantados enquanto olhavam cada pedacinho do ambiente. Haviam inúmeras árvores ao redor e no centro estava a cachoeira, que se iniciava num ponto alto da montanha e escorregava em um rio até o fim da mata, seguindo uma trilha de água tão clara que Jimin pôde ficar olhando o próprio reflexo. O lugar estava completamente vazio, coisa que o casal não esperava, levando em consideração ser um dia de sábado; pensaram chegar ali e encontrar várias famílias espalhadas pelo local, mas estavam enganados e, nem mesmo acreditavam ser por conta da hora, já que passava das onze da manhã.

Procuraram um lugar em que houvesse sombra e logo, Jimin tirou da bolsa uma espécie de manta para colocar no chão, esticou e colocou as mochilas em cima para que o pano não saísse voando. Yoongi sentou em uma das pontas para poder tirar os tênis e, em seguida, retirou a blusa e não se acanhou em ficar de pé e tirar a bermuda que usava, ficando apenas de peça íntima. Jimin o olhava atentamente, sem ser capaz de desviar os olhos do corpo magro; era inevitável sentir o corpo esquentar ao vê-lo de tal forma, mais ainda quando ele tirou a peça e vestiu uma sunga de forma lenta.

Yoongi sabia estar sendo secado por Jimin, era capaz de sentir seu olhar queimar em suas costas. Por isso, realmente não evitou em demorar no processo, sendo vagaroso ao subir a sunga pela bunda redondinha. Dessa forma, o ruivo seguiu os passos do outro e logo trocou de roupa e as dobrou para guardar dentro da bolsa, calçou a sandália que havia levado e levantou-se para dar uma volta pela cachoeira.

Haviam inúmeras pedras e todas de tamanhos diferentes, algumas lisas e outras cobertas por musgo, esteticamente, realmente era bonito; Jimin achava incrível a junção do verde-escuro com o cristalino da água que corria por perto. Não fora muito longe, mas o suficiente para dar a volta e achar a entrada para uma caverna que ficava exatamente escondida atrás da cachoeira, como se a água fosse uma espécie de cortina. O lugar era realmente muito lindo, sendo iluminado pelo teto que possuía algumas rachaduras, além da iluminação da água.

Enquanto olhava as paredes de pedra, pensou em chamar Yoongi, mas não fora realmente preciso, o loiro o havia seguido e logo apareceu no lugar, olhando tudo com a mesma emoção e surpresa que Jimin. O espaço não era lá muito profundo, mas grande o suficiente para fazer eco.

— Eu sinto vontade de morar aqui — Jimin confessou, fechando os olhos para poder escutar a água caindo contra as pedras.

Yoongi não ousou dizer nada, mas estava de total acordo com o esposo. Facilmente moraria em um lugar tão bonito e tranquilo como aquele.

Ficaram por mais algum tempo dentro da caverna — tirando o momento em que Jimin saiu para ir pegar o celular e tirar algumas fotos — e logo voltaram para frente da cachoeira. Naquele momento, de fato não havia uma real preocupação entre os dois, apenas lhes era importante escutar a água caindo e o som de alguns pássaros que estavam próximos. Pouco tempo depois, Yoongi resolveu subir um pouco acima das rochas coladas à cachoeira para poder pular e, rapidamente, Jimin gritou para que ele desse a volta e saísse de lá.

— Você não tem medo de morrer? — gritou, olhando totalmente temeroso para a pose convencida que Yoongi fazia.

— Não estou tão alto, vai ser de boa.

E, de fato, ele não estava em um lugar tão alto. No entanto, não é como se Jimin fosse concordar com a ideia. E se ele caísse de cara em uma pedra? Iria ficar viúvo porque seu esposo não passava de um machão teimoso?

— Se você morrer, eu juro, por tudo, que vou atrás de você 'pra comer sua bunda na base da porrada — ameaçou.

E Jimin realmente achou que dizer tal coisa fosse o fazer mudar de ideia, no entanto, apenas o viu sorrir e virar de costas ao que empinou a bunda de forma convidativa. E, logo após isso, virou-se e pulou, gritando completamente esganiçado. Por estar perto, Jimin acabou molhando-se todo, visto que Yoongi havia caído extremamente perto de onde estava. Fazendo água voar longe o suficiente para molhar até mesmo a manta que haviam colocado no chão.

Segundos depois, Jimin o viu colocar a cabeça para fora da água e com tão pouco, pôde sentir o coração balançar. Yoongi mantinha os olhos avermelhados por conta da água, as bochechas e boca estavam igualmente da mesma cor; o cabelo estava jogado para trás, deixando visível o undercut que ele recém havia feito nas laterais. Estava lindo, gostoso 'pra caralho.

— Tem algum bicho na minha cara? — questionou, sorrindo de forma serena ao notar a forma como Jimin o olhava sem nem piscar.

Jimin, por sua vez, não ousou respondê-lo. Apenas balançou a cabeça e fechou os olhos para desviar qualquer tipo de pensamento que o desviasse do foco de estarem ali. Não poderia simplesmente ignorar toda a bagunça que estavam vivendo por um mero capricho, deveria ser forte e manter em mente o real motivo do final de semana no meio do nada.

— Vem ‘pra cá — Yoongi chamou, colocando o braço esquerdo na beira, ao que passava a palma da destra no rosto, tentando tirar a água dos olhos.

Jimin o olhou de onde estava e se perguntou se realmente deveria ir, talvez devessem ficar um pouco distantes e, apenas apreciar a companhia um do outro. No entanto, mesmo sem saber estar fazendo o certo, sentou na borda do rio e entrou na água aos poucos. Yoongi afastou-se o suficiente para que o ruivo pudesse entrar e voltou a ficar perto quando Jimin colou na beirada. O ruivo estava literalmente com as costas na parede do rio, quando Yoongi o fechou e apoiou os braços atrás de sua cabeça, ficando extremamente perto.

Yoongi não parecia desconfortável com a situação, diferentemente de Jimin, que mantinha uma feição preocupada ao ter o esposo tão perto, tanto que segurava a respiração sem nem perceber e desviava dos olhos felinos.

— Você está com medo de que? — Yoongi soprou rente a orelha alheia, quase encaixando o pescoço na curvatura disponível.

— Não estou com medo — Tentou ser firme.

— Então por que não está me olhando nos olhos?

Jimin não fora capaz de responder, engoliu em seco e passou a mão no cabelo, o jogando para trás.

Por longos minutos ficaram nessa, Yoongi o encarando e passando a ponta dos dedos pelo rosto redondo e Jimin sem o olhar de fato. Até o momento em que o loiro deixou um selo no canto dos lábios carnudos, sorrindo fraco ao ver a expressão alheia. Porém, mesmo que fosse evidente a vergonha do ruivo, Yoongi não teve medo de fechar os olhos e deixar um beijo simples na boca que parecia o chamar cada vez mais. Por estar de olhos fechados, não fora capaz de ver quando Jimin fechou os seus, suspirando de levinho ao sentir a quentura alheia.

Permaneceram na mesma posição, com Jimin completamente preso nos braços de Yoongi, quando um beijo calmo se iniciou. Não era exagerado, mas havia sentimento demais, completamente cheios de tudo que estavam sentindo. Aos poucos, o ósculo tomou velocidade e as línguas passaram a se enroscar de forma violenta, sendo possível escutar alguns estalos. Yoongi atreveu-se a fechar a mão no pescoço exposto e não deixou de sorrir ao escutar Jimin gemer entre o beijo.

— Você é tão lindo — confessou, tomando distância o suficiente para poder olhá-lo, enquanto ainda o segurava de forma contida pelo pescoço.

Com a mão livre, passou o indicador sobre os lábios inchados sem, em momento algum, desviar os olhos dos de Jimin. E este mantinha-se completamente entregue, com a boca entreaberta e os olhos fracos, quase fechando a cada novo aperto que sentia na cintura e no punho que ainda o segurava pelo pescoço.

— Eu te amo tanto, tanto, Jimin.

Estava sendo completamente sincero, tanto que se permitiu fechar os olhos e grudar as testas, ao que o soltava do aperto anterior. Não havia palavras melhores para descrever o que sentia, porque era simplesmente isso; o amava tanto que chegava a doer, queimava de forma intensa e real. E, se fosse preciso, iria dizer quantas vezes fosse necessário até que Jimin finalmente entendesse que não havia ninguém no mundo que o pudesse substituir. Porque era ele quem tinha seu coração, porque Park Yoongi apenas tinha olhos para Park Jimin.

— Eu quero muito você agora, nesse instante, mas estou com muito medo de algum bicho entrar na minha bunda — Jimin sussurrou e Yoongi berrou alto, jogando a cabeça para trás.

Eu vou entrar na sua bunda, bobinho.

E o ruivo nada fez além de rir muito, com seu jeitinho todo atrapalhado que Yoongi tanto amava, não sendo capaz de ficar sério com Jimin jogando a cabeça para trás e engasgando com a própria saliva.

Minutos depois, voltaram a se encarar e Yoongi realmente sorriu tranquilo ao poder ter Jimin tão perto, senti-lo com tanta intensidade quanto naquele momento. E Jimin, completamente diferente da noite anterior, sentia-se em paz ao estar ali, cercado pelos braços do homem que amava. Porque, naquele instante, ㅡ com o barulho da cachoeira e dos animais que estavam próximos ㅡ realmente sentiu ser o único na vida do loiro. Pelo simples fato de poder o olhar nos olhos e ver o mesmo brilho de quando haviam se casado, porque sentiu ser amado de tal forma que não experimentava há algum tempo.

Por isso, mesmo que estivessem com medo de alguém aparecer ou de algum bicho inconveniente atrapalhar, não se impediram de voltar com os beijos e carícias. Não deixando de sorrir a cada novo contato, sempre com Jimin suspirando manhoso com os toques de Yoongi, que apenas sorria de forma orgulhosa por sentir o esposo tão entregue. Estavam presos na bolha a qual haviam criado e, nada seria o suficiente importante para os impedir de se amarem naquele momento.

Tudo correu de forma tranquila, Yoongi afundou na água para tirar a sunga de Jimin e abaixou a sua até as canelas; tomaram impulso e em um passo, o ruivo tinha as pernas envolta da cintura do loiro, tão quentes que nem a água fria era o bastante para afastar o calor que sentiam.

Jimin gemeu, fechando os olhos quando Yoongi tocou sua entrada, completamente entregue, quando sentiu o membro do loiro entrar aos poucos. Agarrou-se no pescoço alheio quando, finalmente, fora invadido por inteiro e apenas pôde gemer baixinho por se sentir completamente cheio, como há muito não se sentia. Yoongi mantinha os olhos fechados e mordia os lábios para controlar a vontade de ir cada vez mais fundo, não queria machucá-lo.

— Amor, por favor, com força — Jimin pediu, completamente certo do que queria.

Já não se tocavam há tempo o suficiente, queria poder sentir Yoongi ir completamente fundo. E o loiro realmente não ousou ir contra. Segurou a cintura fina com força e aproveitou o fato da água os manter boiando, para investir de forma rápida e violenta, fazendo com que a água batesse e fizesse um barulho característico.

Por vezes, Yoongi apertava a cintura e bunda de Jimin, ao mesmo tempo, em que este o segurava pelo pescoço e apertava os fios descoloridos. Mantinham uma velocidade boa, o suficiente para fazer Jimin gemer manhoso contra o ouvido alheio e revirar os olhos a cada nova estocada. Estavam indo bem, sentindo as mãos formigar e os dedos dos pés contraindo, bom o bastante, até o momento em que Yoongi acertou o ponto de Jimin e o escutou gemer arrastado e puxar seus fios com mais força.

Isto fora o bastante para que voltasse a acertar o mesmo lugar e, em pouco tempo, sentiu a entrada contraindo e um gemido sôfrego escapar dos lábios alheios. Logo em seguida, não sendo capaz de sustentar por mais tempo, Yoongi gozou de forma lenta, apertando a cintura de Jimin, enquanto mordia o ombro exposto para abafar um gemido que, certamente, soaria alto demais.

Após isso, colaram as testas, enquanto tentavam regular a respiração, mantendo os olhos fixos um no outro.

Transar na barraca realmente não seria a melhor coisa a se fazer, pelo simples fato de não estarem cientes o suficiente sobre os sentimentos um do outro, porque aquele não era o momento, o fariam apenas para silenciar um assunto que não deveria ser esquecido. Transar dentro da droga do rio realmente estava distante de tudo isso, justamente por terem feito por necessidade, porque precisavam sentir um ao outro como uma simples prova de que eram o suficiente; por se amarem o bastante ao ponto de deixar claro que nunca haveriam outras pessoas e que sempre estariam ali um pelo outro.

Dessa forma, depois de se limparem e estarem devidamente vestidos, saíram da água para comer aquilo que haviam levado e passaram o resto do dia brincando e aproveitando do lugar. Completamente alheios a qualquer tipo de problema e dificuldade que o mundo pudesse oferecer. Tiraram fotos o suficiente para lotar a galeria e se curtiram o bastante para não pararem de sorrir.

Ao fim da tarde, voltaram pelo mesmo caminho e acenderam a fogueira; fizeram uma mistura de tudo que haviam levado para comer e ficaram juntinhos até a hora de dormir. Quando entraram na barraca, não havia o mesmo clima da noite anterior, estavam ligados e felizes demais para que algo os fizesse ficar afastados.

Naquela noite, dormiram juntinhos e prometeram ir pescar de manhã cedo por não aguentarem mais comer macarrão instantâneo. Seria o último dia ali, iriam aproveitar ao máximo.

— Você, definitivamente, não faz a menor ideia de como se usa isso — Jimin disse com total convicção, olhando para Yoongi que tentava desenrolar a vara de pesca.

— Como não? — Olhou-o feio, enquanto erguia a vara. — Eu nasci pescando, além de que uma vez por mês, vou pescar com Seokjin hyung.

— E então, por que você está tentando fazer ela funcionar há quase uma hora? — Mordeu o pão que recém havia preparado, não deixando de cruzar os braços.

— Porque eu preciso desenrolar a braguilha pra ter corda o suficiente na hora de jogar… viu? — Mostrou a linha pendurada com o anzol na ponta.

Jimin nada disse, voltou a sentar na cadeira, esta que haviam colocado na beira do lago e, seguiu comendo o pão sem dar um piu. Não iria voltar a estressar Yoongi, se ele disse saber fazer aquilo funcionar, então iria acreditar e ponto. Recusava-se a ser tão inseguro como no primeiro dia ali, confiava no loiro. E realmente sentia-se orgulhoso de si mesmo por se pôr a pensar de forma diferente, por, antes de qualquer coisa, colocar o ponto de como Yoongi iria se sentir com tal questionamento; sobre a forma correta de usar as palavras que não soasse desdenhoso, de maneira a desencorajá-lo.

Não poderia dizer já ser um expert sobre como seguir diálogos sem que houvesse algum tipo de discussão desnecessária, isso é fato. No entanto, poderia dizer com tranquilidade que realmente possuía um pouco mais de confiança para olhar nos olhos de Yoongi e dizer com as palavras certas sobre como se sentia, bem como sempre fora e nunca deveria ter mudado. A grande verdade é, que nenhum dos dois, esperava que dois dias distantes da sociedade fosse fazer milagre no relacionamento que tinham, sabiam que não poderiam simplesmente sair dali como se todos os problemas nunca tivessem existido; e esse realmente nem era o ponto, não eram tão inocentes assim.

O que deixava Jimin um pouco mais leve, era justamente saber que possuíam maturidade o suficiente para reconhecer que haviam, sim, muitos pontos a serem encontrados e que os dois dias a sós apenas servia como base para que pudessem os reencontrar aos poucos. E simplesmente seria dessa forma, porque Yoongi de fato estava orgulhoso do progresso que haviam feito no dia anterior, uma paz imensa o tomava por saber que Jimin ainda confiava em si tanto quanto nos primeiros anos de namoro.

— Se não conseguirmos pescar nada, vamos morrer de fome — Yoongi voltou a dizer, sem tirar os olhos da vara de pesca —, porque eu simplesmente me recuso a comer coisa enlatada de novo.

— Vamos caçar umas lagartixas e assá-las na fogueira — Jimin falou como quem fala do vento e Yoongi, automaticamente, o olhou assustado.

— Você é esquisito, 'pra caralho. — Ainda o encarava com uma feição enojada, seria engraçado se Yoongi, realmente não soubesse que Jimin faria algo do tipo.

E o ruivo apenas deu de ombros, não seria capaz de discordar. Terminou de comer o pão enquanto o loiro terminava de regular a sua vara de pesca, coisa que não demorou muito, em pouco tempo, estava tudo pronto e Yoongi não perdeu tempo ao sentar do lado do esposo e jogar a linha da vara em uma distância considerável dentro do lago. Jimin, em consideração, demorou bons minutos até que conseguisse jogar a sua da forma correta, deixando a linha embolar algumas vezes, fazendo o outro rir de forma esganiçada por vê-lo tão perdido em algo, aparentemente, simples.

— Pescar é muito sem graça — Jimin confessou, olhando para o lago com preguiça, enquanto mantinha o rosto apoiado na palma da mão, de forma completamente desleixada.

Yoongi riu, balançando a cabeça em negação quando viu a pose alheia. No fundo, não seria capaz de ir contra, pescar realmente poderia ser sem graça para quem não possui paciência o suficiente para esperar o momento certo do peixe morder a isca. Por vezes, se via completamente entediado quando saía para pescar com Seokjin e, a grande verdade é que nem mesmo poderia dizer amar o hobby com todas as forças; apenas era tranquilo poder ficar em silêncio, admirando a paisagem.

E ali, naquele momento, com Jimin o olhando com confiança e soltando comentários engraçados, realmente se sentia tranquilo o suficiente para esperar o quanto fosse preciso. Lhe era confortável estar ao lado do único homem que fazia seu coração errar as batidas, podendo escutar a voz alheia mesclando com o vai e vem da água que molhava seus pés. Não saberia dizer ser justo, acreditar fielmente que tirar dois dias para desligar do mundo fosse o bastante para os manter unidos, no fundo, sabia ser necessário muito mais, no entanto, sentia-se vitorioso por terem conseguido dar um grande passo.

Apenas ele sabia do medo que tinha de perder Jimin, sobre todas as vezes em que chorou no colo de Seokjin por já não ser capaz de se sentir bom o suficiente para o esposo. Estar na beira daquele lago com Jimin, às vezes em silêncio e por outros momentos rindo de coisas sem nexo, lhe assegurava e trazia calma por ainda serem capaz de estar em paz ao lado um do outro. Isso, de todas as formas possíveis, significava tudo.

E Yoongi realmente entendia Jimin, todos os seus medos e dúvidas, mesmo. Por isso, não ousava ser egoísta ao ponto de não reconhecer muitas coisas das quais escutou durante todas as brigas que tiveram. Não se considerava dono da razão e por isso, por se sentir tão falho, acreditou finalmente estarem seguindo pelo caminho certo; não seria tolo de imaginar que tudo voltaria às mil maravilhas, mas estava disposto a lidar com os tropeços, até serem, suficientemente, capazes de voltarem a andar em linha reta, sem vacilar.

A manhã seguiu de forma tranquila, com Jimin fazendo Yoongi rir e quase cair da cadeira ao passo em que esperaram por longas horas até que a linha da vara do ruivo fora puxada e, depois de muita luta para mantê-la firme, um grande peixe pintado apareceu preso ao anzol.

— Eu disse que ia pegar um peixe antes de você — gabou-se, mostrando a língua.

Yoongi apenas o olhou desacreditado, justamente pelo fato de o esposo ter passado toda a manhã falando sobre como iriam morrer de fome; riu contido, por vê-lo tão animado com o peixe em mãos e um sorriso nos lábios rosados. Jimin era realmente inacreditável, era verdade. E Park Yoongi simplesmente amava isso, lidar com a personalidade divertida de Jimin o fazia gastar horas do dia rindo, porque Park Jimin apenas era assim, perfeito aos seus olhos.

Voltaram a acender a fogueira e em pouco tempo, depois de limpar e temperar, o peixe estava assando sobre alguns galhos de madeira. Jimin reclamou, falando sobre como não era nada higiênico comerem daquela forma, mas no fim, acabou aceitando e apenas deixou que Yoongi preparasse o resto da comida, dando a desculpa de que os mais velhos devem alimentar os mais novos. O loiro não ousou ir contra, gostava de cozinhar, ainda mais quando era para o ruivo.

No fim, tudo deu certo e por volta das duas da tarde, ambos voltaram a sentar de frente para o lago e comeram em total silêncio, apenas desfrutando da companhia um do outro em junção ao som magnífico que rondava todo o ambiente. Passar um tempo ao ar livre era realmente tranquilizante, Jimin pensava; apreciava o barulho das árvores balançando com a brisa que andava pelo lago e batia em seu rosto, sem uma real necessidade de falar algo para que o clima não ficasse desagradável. Guardou, em diversas memórias, a visão de Yoongi completamente alheio à natureza com um sorriso doce nos lábios, às vezes com os olhos miúdos após uma linda risada.

Estar ali o fazia bem, tanto fisicamente quanto psicologicamente. Lhe trazia uma sensação de não ser necessário pensar em nada além do futuro que poderia e, iria construir com Yoongi; estava realmente contente, sem resquícios do medo que o tomava no dia em que chegaram ali.

— Eu estou sentindo uma paz tão grande — O céu já estava escuro quando Jimin confessou em tom baixo, mas alto o suficiente para que fosse ouvido.

Ambos estavam sentados de frente para a fogueira, segurando espetos com marshmallows nas pontas, girando os palitos apenas até que o doce ficasse levemente derretido. O clima estava fresco e alguns vaga-lumes voavam por perto; estava realmente bonito, com a lua bem alta e tão brilhante como nunca haviam visto.

Naquele momento, Yoongi não achou necessário dizer algo, apenas deu um sorriso doce e seguiu olhando para outro com paixão nos olhos. Estava perto o suficiente para levar a mão até a bochecha alheia e passar os dedos de forma suave pela pele macia, deixando um leve aperto quando Jimin sorriu de forma simples, mostrando os dentinhos da frente.

— Eu te amo, muito — voltou a dizer, como no primeiro dia ali. No entanto, sem o medo de que Jimin o fosse recusar, porque o grande sorriso que recebeu significava muito além de tudo que pudesse ouvir.

— Você é, simplesmente, tudo 'pra mim, Yoon.

Havia tanta verdade e sentimento em sua voz, que Yoongi realmente não fora capaz de segurar algumas curtas lágrimas que beiravam seus olhos, deixando um suspiro pesado sair, por se sentir totalmente amado e aliviado.

Não eram perfeitos, é verdade. Estavam longe de ser. Porém, no fim de tudo, isso realmente estava a quilômetros de distância de ser importante, tudo porque estavam dispostos a lidar com as imperfeições que carregavam, por não se deixarem desistir e estarem ali, lutando para que tudo voltasse a correr de forma correta. Yoongi não poderia dizer que não voltariam a discutir em algum momento, claro que não. No entanto, estaria pronto para poder lidar com as indiferenças, pois dessa forma deveria ser, sempre atentos e despertos a enfrentar todo tipo de dificuldade.

Jimin o amava, amava muito. E não precisava dizer com palavras, porque seus olhos brilhantes e miúdos deixavam evidente o quanto o queria, pelo simples fato de Yoongi ser tudo aquilo de que precisava para ser feliz. E, se fosse preciso, daria tudo de si para que aquele final de semana não caísse no esquecimento, porque ele significava paz; fora ali, em meio ao brilho da lua e calor do sol, que puderam voltar a encontrar as pontas do fio vermelho que os conectava. Contudo, por mais embolado que ele estivesse, como alguns nós no meio do caminho, faria o possível e impossível para desfazer cada bolo, até que finalmente a linha voltasse a ser tão lisa e simples como deveria ser.

Eles fariam dar certo, da forma como viesse acontecer, independentemente de como a chuva pudesse ficar mais intensa no decorrer do campeonato. E realmente estavam orgulhosos de tudo que haviam conquistado com tão pouco, felizes, enquanto trocavam um beijo singelo e cheio de amor. E, por mais que Jimin detestasse admitir, passar dois dias no meio do mato, os havia feito voltar a enxergar o caminho que outrora esteve tão apagado.

Naquela noite, eles não se perderam em coisas supérfluas, deixaram-se sorrir para a lua e comeram marshmallows até Jimin confessar estar sentido a barriga doer. Dormiram agarradinhos e, no dia seguinte, carregavam sorrisos sinceros por terem conseguido vencer mais uma etapa. Deixaram a reserva com a certeza de que o casamento não poderia estar seguindo por um melhor caminho, com animação de sobra e com momentos que nunca deixariam cair no vazio.

~~~~


Notas Finais: A capa incrivelmente linda, juro que tive um surto quando a vi pela primeira vez, feita por: @TMESSI

E a betagem super trabalhosa (e cheia de paciência) por: @mygsyl

4 de Agosto de 2021 às 23:28 0 Denunciar Insira Seguir história
1
Fim

Conheça o autor

2Min Pjct Projeto de fanfics do shipp Yoonmin (Yoongi & Jimin) do grupo sul coreano BTS. Nos encontre também no Wattpad (https://www.wattpad.com/user/2MinPjct), Spirit (https://www.spiritfanfiction.com/perfil/suji05), ao3 (https://archiveofourown.org/users/2minpjct) e twitter.

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~