u15857794161585779416 Maria Jéssica

Era muita coisa para pensar, ela precisava sair dali. Ele a assiste arrumar as coisas dela, se aproximar, lhe dá um selinho e partir. Ele sabia que se a soltasse ela iria embora.


Conto Todo o público.

#casal #hetero #romance #Autoral
Conto
0
434 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

EU SOU SEU

HELLO, HELLO, HELLO!

Bem, eu nunca escrevi nada por aqui. Mas ai pandemia, eu sempre escrevo quando estou com pensamentos demais, mas eu sempre escrevi sobre meus sentimentos. Só que dessa vez saiu uma historinha que é meio imaginação, meio baseado em fatos reais, mas com muita liberdade criativa. Enfim, espero que alguém leia e me fala se gostou. Ate esse momento esta finalizada, aberto mesmo, não sei como vai acabar essa historia então deixei aberto mesmo. Esse ele e ela, sem nomes são propositais, porque podia ser qualquer um ai, mas eu os nomeio depois. Sem mais, vamos para história.


Desculpa ai qualquer erro.

---------------------------------------





EU SOU SEU



Os gemidos dela estão mais arrastados e chorosos, ele a toca como quem toca um instrumento já conhecido, as pernas entrelaçadas de lado, ela empina o quadril um pouco mais para facilitar as investidas, ele a segura pela cintura com força, porque ela gosta de ser apertada. A outra mão conduz a cabeça dela para um novo beijo necessitado, selvagem e cheio de luxúria.

Ele investe mais forte, mais lento, para prolongar um pouco mais, ela geme e implora.

- para de me torturar me deixa gozar – ela pede.

- você sabe que eu gosto de ouvir você implorar.

Ele a beija novamente rapidamente e desce a mão que conduzia o beijo para afagar os seios da mulher em seus braços, beijando o pescoço da moça que geme chorosamente, ela esta sensível já é a terceiro orgasmo que ela vai ter o fim de semana realmente promete, o aperto na cintura fica mais forte e as investidas também, ela usa as mãos para acariciar os cabelos dele, eles estão muito perto.

- Eu gosto muito de foder com você. - Ele diz e geme junto, trocam alguns beijos e acabam gozando.

Ele se retira, mas não mudam de posição, ficam embolados daquele jeito mesmo esperando respirar com mais calma, o que acontece depois de alguns minutos. Ele se afasta para descartar a camisinha e volta pra cama, ela se vira e eles deitam um de frente para o outro.

- Você esta tentando me matar? Porque se estiver e for desse jeito que acabou de fazer, eu topo - Ela diz lhe depositando um selinho demorado e sorrindo em seguida.

- Só quero que se divirta meu bem. Aliais, estava com saudades. - Foi à vez de ele a beijar.

Ele ainda segurava apertado agora sobre o seu peito como se soubesse que a qualquer instante ela levantaria e sairia se ele a soltasse, eles ainda estão um pouco ofegantes. Aproveitando os carinhos e o momento gostoso em que estão, eles trocam um olhar e sorriem um para o outro ela se aconchega melhor para aproveitar as carícias no cabelo e suas costas. Então ela quebra o silêncio

- isso foi legal, não foi. - Ele concorda e responde.

- Valeu a pena esperar você. - Ela soltou uma gargalhada e ele ri junto e dessa vez ela quem concorda.

- Valeu a pena esperar você. - Ela diz e sai de cima dele, deitando ao lado e o silêncio volta, mas não são desconfortável, eles não sentem que precisam preencher tudo com conversa.

- preciso de um banho e de comida. Eu vou indo para o banho, você pede a comida e me encontra no chuveiro. - Ela fala dando um selinho nele e já vai levantando em direção ao banheiro.

- Você é muito mandona, só porque é uma grande gostosa.

Ele escuta ela rir. Depois de fazer o pedido ele entra no chuveiro e abraça ela por trás beijando pescoço, marcando, ela solta um pequeno gemido, afinal depois do que fizeram está sensível ao toque dele, ela se vira e de frente um para o outro se beijam com a intimidade, com carinho acomodando ambos no chuveiro.

Ela acaricia as costas dele enquanto durante o abraço. Um pouco arranhada, mas ninguém tá ligando para isso agora e quando eles precisam de ar ele aproveita e fala.

- a gente não pode demorar senhorita “lacaio, peça comida e me encontra no banho”. – ele a imita e ela rir gostosamente e responde.

- lacaio lave as minhas costas. Ela fala se virando, pega a esponja e o entrega.

Ele lava as costas dela, aproveita para dar uma tapa na bunda dela e uma leve mordidinha no ombro. Como punição pelo 'lacaio'. Ela sorrir e eles ficam entre namorinhos e risadas. Ela sai do banho primeiro se veste com uma calcinha e uma camisa dele, alguém bate na porta, deve ser a comida, ela vai lá buscar, se cobre com um roupão estilo hotel, o roupão não vai revelar nada, então vai assim mesmo, pega a comida, quando ela fecha a porta nota que ele observa.

- não precisava ir buscar você tem um lacaio.

- não tem problema querido, vamos comer. – ela diz deixando a comida na mesa de centro, ela o olha e vê que ele ainda não se mexeu. Ela o abraça por trás dá um beijo no pescoço dele.

- fala logo. - Ela diz

- não é nada, só é estranho minha namorada na porta, pelada! - Ele fala, ela o solta.

- primeiro que eu não estava pelada e eu não sou sua namorada, vamos comer. - Ela responde.

Eles sentam próximos a mesa de centro pra comer, ela ainda usa o roupão ele com a toalha enrolada na cintura, e começa a comer, o clima mudou um pouco, eles se encaram e ela sorrir para ele, mas ele não sorrir de volta.

- a comida esta gostosa. - Ela tenta iniciar uma conversa leve.

- a gente não tá namorando? - Ele pergunta.

- A gente não esta namorando. - Ela responde.

- A gente tá aqui para um fim de semana romântico e a gente não tá namorando?

- não.

- certo. - Ele finaliza.

Comeram sem conversar sobre isso, ela fica só com a camisa branca dele e uma calcinha preta e ele colocou uma Box preta também, depois voltaram para a cama, abraçados, colocaram um filme qualquer ficando em uma posição confortável. A troca de carinhos foi ficando mais quente, o olhar direto, o beijo mais lento, o encaixe mais apertado, ela subiu em cima dele e ele suspirou e hesitou, ela parou.

- Jesus! Fala logo para gente poder foder gostoso de novo. - Ele sentou com ela no colo e tudo, ela com as pernas de cada lado do quadril dele.

- Por que você não quer namorar comigo? Na verdade eu achei que a gente meio que já estava namorando então isso não vai acontecer hora nenhuma?

Ela o abraçou ainda no colo dele suspira e fala.

- Não sei... Você quer falar sobre isso agora? Mesmo?

- Se a gente não falar agora quando que vai falar? - Ele completou.

- Então tá bom. - Ela diz, saindo do colo dele e sentando ao lado.

- vamos conversar sobre isso, eu achei que a gente já estava resolvidos, somos amigos e a gente tem essa química fodida. Eu achei que isso já estava tudo certo. Não sei por que você quer mais afinal, você já me teve e não me quis. - Ela falou em um tom tranquilo. Ele ouviu atento e se surpreendendo.

- Como assim eu já tive você não te quis? Explica direito. - Eles se encararam e ela riu sem humor.

- A gente era para se divertir aqui. - Ela avisa.

- Vou perguntar de novo. Você tem certeza que ia falar sobre isso agora? A gente pode perfeitamente conversar depois. - Ela falou beijando o pescoço dele. Ele suspira e responde

- quero, não tenta me enrolar espertinha. - Ela apenas concorda com a cabeça.

- Lembra quando a gente se conheceu? E a gente começou a ficar. - Ele concordou e ela continua.

- Eu achei. Que tínhamos alguma coisa, que ia dar em alguma coisa. Eu gostava muito de você. Eu gosto. Eu queria você para mim e queria ser sua. - Ela pausou e lhe deu um selinho rápido ele prestava atenção em cada palavra.

- Mas você não me quis. A gente até curtiu um tempo e eu achei que você só estava confuso. Mas quando a gente parou você começou a ficar com outra pessoa logo em seguida. E teve um relacionamento sério com essa pessoa e tinha me falado que não estava pronto pra isso. Eu entendi que você só não me queria. - Ele baixou a cabeça, ela acariciou os pelos da nuca dele.

- Então baby, você já me teve. E não me quis. Eu achei que agora entre nós seria só isso diversão, como foi antes, então eu não o vejo mais assim, para um compromisso. - Ela suspirou e continuou.

- Quando eu te vi de outra forma além de amigo eu só me machuquei. Para mim você só me quer agora porque não deu certo com outra pessoa e não estou tentando me vingar nem nada, eu fiquei chateada, mas eu entendi que eram as minhas expectativas. E que você fez certo em falar a verdade e por mais que me frustrasse eu tive que lidar com isso, é isso, desculpa se eu te dei a entender outra coisa, mas eu achei estava tudo claro. - Eles se colocaram de frente um para o outro em silêncio e ele perguntou.

- por que você tá aqui comigo? – ele questionou.

Ela levanta e vai em direção à cozinha para pegar uma água, ele desliga a TV, ninguém esta prestando atenção mesmo e ela volta a falar.

- como eu te falei, quando isso aconteceu me magoou, mas eu superei. Já faz muito tempo, eu não ia passar a vida guardando mágoas. - Ela bebe um pouco da água e continua – eu gosto de você, gosto da gente junto, a gente se diverte, você é muito bom de cama – ela pisca pra ele – e eu superei tudo que aconteceu, simplesmente só não era pra ser. – Finaliza sentando na cama novamente de frente pra ele.

Ele estende a mão pedindo a água e ela passa a garrafa pra ele. Ele bebe um pouco suspira e abre os braços e ela se acomoda no peito dele abraçando novamente. Ela com a cabeça apoiada no ombro dele, ele beija o pescoço dela e começa.

- me desculpa, por tudo. – Ela segura a cabeça dele com as duas mãos e o olha nos olhos enquanto responde.

- ei! Para com isso, já falei que isso tá no passado, éramos pessoas diferentes. Você não tem culpa de nada, ninguém tem. Talvez se tivéssemos ficado juntos naquela época hoje a gente nem olhasse na cara um do outro - ela pausa, ri e depois continua – você foi sincero e isso foi o certo. Se não estivesse tudo bem eu não estaria aqui com você. – Ela o beija e volta a falar depois. – eu vejo você como meu amigo, alguém que eu confio, só não te vejo como um relacionamento agora. Eu vou entender se não for o suficiente pra você. – Finaliza ainda olhando-o nos olhos.

Eles se encaram por algum tempo, os olharem grudados um no outro, ele a senta no colo dele novamente, ela acaricia o rosto dele e ele a puxa pela cintura para grudar seus corpos um pouco mais, ele arrasta o nariz do ombro dela ate o pescoço deixando beijinhos pelo caminho, ela acaricia as costas dele, passando as unhas de leve acariciando, subindo a mão para o cabelo dele, ele coloca as mãos por dentro da camisa que ela esta vestindo para acariciar a pele macia, ela suspira com o toque e beija o rosto dele, eles se encaram novamente e se beijam com carinho.

A camisa que ela esta vestindo é removida com delicadeza, os beijos descem para os seios, a bunda é apertada e um gemido é sussurrado ao pé do ouvido. Ele chupa um dos mamilos e acaricia o outro e ela geme mais alto. Ela sente o membro dele endurecendo abaixo de si e rebola um pouco se esfregando nele, ele a beija novamente enquanto a deita na cama. Ele remove a calcinha dela e a acaricia com a mão notando-a já bastante úmida ali.

- gosto quando você fica assim pra mim – ele fala.

- gosto que você me deixe assim – ela sorri.

Ele remove sua Box e pega uma camisinha, se colocando entre as pernas dela, ele agacha e começa a chupar do jeito que sabe que ela gosta, ela geme e acaricia o cabelo dele.

- Edu, pa..para, eu vou gozar se você continuar, mete em mim, por fa..favor – ela fala ofegante.

- só porque você falou com jeitinho – ele responde colocando a camisinha no seu membro duro – senta em mim.

Ele se acomoda encostado na cabeceira da cama e ela o monta, se encaixando, e ambos gemeram com a penetração. Eles se beijaram, ele apertava a cintura dela e ela se movimentava, rebolando, para cima e para baixo, gemeram, desesperados para gozar logo, ele beijava os seios dela e ela puxava o cabelo dele, gemiam.

- eu estou perto – ela avisa.

- eu também – ele fala, penetrando-a, deixando tudo mais intenso.

E em meio a tudo isso gozaram, abraçados, tentando recuperar o ar.

- por mim você não saia do meu colo – ele fala depositando um beijo na bochecha dela e ela sorri.

- eu estou exausta, vamos nos preparar pra dormir, já passa das 23h, quero ir para praia amanhã.

- vamos, também estou cansado. – fala meio incomodado por não finalizar o assunto anterior, mas acha melhor voltar o assunto depois.

Eles se arrumam pra dormir, conversando amenidades, nenhum dos dois falou mais sobre o passado e embora o sexo tenha sido muito bom, eles sentiram que tudo tinha um clima diferente depois da conversa, deitaram juntos, trocaram alguns beijinhos e umas conversas e dormiram.

Quando Edu acordou pela manhã eles estavam dormindo meio abraçados, Amanda parecia tranquila em seus braços, ela se mexe, acordando também e ele a abraça forte, não era o que ela esperava, mas ela não fala nada, eles esperam, abraçados e ele respira fundo sem solta-la e então começa a falar.

- bom dia!

- bom dia só depois de um café – ela fala de olhos fechados e eles riem.

- eu gosto de você desde o dia em que você derrubou a água na sua mesa – ela riu, isso já tem mais de dez anos – e eu estou apaixonado por você desde o dia em que vi você balançando as pernas porque seus pés não alcançavam o chão naquela cadeira. E eu fiquei tão assustado porque eu já gostei de outras pessoas, mas não como eu gosto de você, não tão rápido quanto o que eu gostei de você e isso me assustou e eu fiz algumas escolhas, não digo erradas, mas que talvez eu fizesse diferente se tivesse a chance.

- de novo esse assunto Edu? A gente não já tinha finalizador esse assunto? – ela fala despertando de vez e continua - você não tem que me explicar nada. Só falei porque você queria saber, não era para fazer você se sentir mal – ela fala interrompendo-o.

- eu sei, mas acho que você merece saber algumas coisas e é melhor falar logo que deixar pra depois.

- que droga! Eu não queria falar sobre isso mais, pra que ficar revivendo coisas do passado? – ela sai do abraço e tenta sair da cama, mas ele a segura.

- me escuta Amanda, a gente conversa hoje e não fala sobre isso nunca mais se você quiser – ela não fala nada e ele continua – eu senti tanto a sua falta, eu guardei fotos nossas com outras pessoas me enganando que eram recordações, mas era só porque você estava lá, patético! – ele ri sem humor – e eu não sei como tive coragem para falar com você novamente porque achei que eu nunca ia ter chance de chegar perto de você de novo e depois a gente ficou e eu senti como se estivesse voltando pra casa, isso é tão estranho – ele parou.

- eu não sei o que dizer, não quero ser a babaca aqui, eu realmente achei que estava tudo claro. – ela falou sem olhar pra ele.

- eu não quero nada que você não esteja pronta pra me dar, eu só estou sendo sincero, colocando na mesa os meus sentimentos e agora é com você decidir o que a gente vai ser daqui pra frente, isso pra mim não é suficiente. Eu não consigo mais, eu quero mais com você. E o que você decidir eu vou respeitar.

Eles se encaram em silencio.

- acho que eu devia ir para casa – ela fala.

- não precisa Amanda, vamos pra praia, ainda somos amigos. – ele fala se aproximando.

- esta tudo bem Edu, eu só preciso pensar e acho que você também. Eu vou embora agora e a gente se fala depois. – ela fala levantando.

- certo, certo, tudo bem. Só tem mais uma coisa que eu quero que você saiba. – ela para o olhando esperando ele acabar de falar – eu estou pronto para ser seu se você me quiser, de certo modo, uma parte minha sempre foi sua.

Era muita coisa para pensar, ela precisava sair dali. Ele a assiste arrumar as coisas dela, se aproximar, lhe dá um selinho e partir. Ele sabia que se a soltasse ela iria embora.

------------------------------

Foi isso.

Até mais!

21 de Junho de 2021 às 08:26 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Fim

Conheça o autor

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~