kehi_sanchez Kehillah Sanchez

Azra Barret, é uma jovem vampira que ao visitar uma biblioteca se encontra atraída pela atendente do local, contudo apenas na véspera do dia dos namorados, elas se aproximam.


LGBT+ Todo o público.

#lgbt #amizade #desafio # #Diasdosnamorados #amordecinema
Conto
3
979 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo Único

Sempre perguntei qual era a sensação em que os seres humanos sentiam ao receber um presente da pessoa amada, pois apesar da sensação de ter o mundo aos meus pés, afinal de contas, eu sou a Azra Barrett, a filha dos mais poderosos vampiros da cidade de Bradshaw, uma pequena e pacata cidade, mas que escondia os maiores crimes horrendos e paranormais.


Mas, apesar de ter tudo o que dinheiro pudesse comprar, sempre havia aquele sentimento que faltava algo em mim.


Por inúmeras vezes me perguntava o porquê de me sentir tão infeliz, se na concepção de todos, eu tinha a vida perfeita, mal sabia eles que trocaria essa vida para ser considerada uma garota normal, com direito até de ter o coração partido pela primeira vez.

Contudo, sempre fingia ser uma pessoa que não sou, vivendo uma vida que odiava, e tudo isso para acatar as vontades da mamãe que insistia em sua estúpida teoria que quanto mais poderes conquistados, mais poderosos os Barrets se tornavam entre a sociedade.

E exatamente por ser uma vampira, os meus pais sempre me lembravam que em hipótese alguma teria a mesma vida que uma garota normal.

E aqui estou eu, em plena véspera do dia dos namorados, buscando entre as imensas prateleiras empoeiradas, um livro que pudesse tornar a minha vida o mais normal possível.

Tinha a plena consciência da loucura que era trocar a imensa biblioteca na mansão por uma localizada no inferior da cidade, mas, desde que avistei pela primeira vez a dona dos olhos avelãs mais cativantes e penetrantes que já pude presenciar, era como se ela pudesse me atrair apenas com um olhar, o que soava um pouco engraçado dado o meu poder de vampiro em hipnotizar as suas vítimas.

Apesar das inúmeras visitas na biblioteca, nunca tinha arriscado uma aproximação, pois era tímida demais para arriscar iniciar qualquer que fosse a conversa.

Enquanto mexia em alguns livros na categoria romance, o meu olhar se deparou com ela, mas ao ser pega em flagrante, dei alguns passos para trás assustada e envergonhada, no entanto para a minha surpresa a garota deu um "olá" com a mão e um sorriso encantador. Tentei retornar a minha atenção a sinopse de um livro qualquer de ficção científica, porém a minha mente se encontrava congelada naqueles olhos de avelãs.

— Olá, sou a Jasmine, posso ajudá-la? — perguntou uma voz delicada.

Ela tinha dado a volta e parado logo atrás de mim. Instantes depois estávamos frente a frente, a jovem se encontrava a uns três passos de distância, mas para mim era como se tivéssemos a apenas alguns centímetros, pois podia sentir o aroma de almíscar branco ao mesmo tempo em que observava uma gota de suor trilhar um trajeto da testa até o pescoço consequência da ausência de ar-condicionado na sala cuja decoração desgastada escondia incontáveis histórias repletas de amores proibidos a crimes macabros.

— Vou considerar isso como um não, mas...

— Não, desculpas... — mencionei antes que ela pudesse idealizar a imagem de uma garota retardada que mal conseguia processar uma resposta para uma simples pergunta. — só estava procurando um livro que unisse romance de época com ficção científica.

Somente percebi a minha estupidez após ter falado. De onde fui tirar a ideia de unir dois gêneros totalmente distintos entre si?

— Confesso que tem um gosto bem exigente. — Jasmine respondeu com um entusiasmo forçado em sua voz.

— Bem, acho que me equivoquei um pouco. — respondi tendo a plena certeza que o meu rosto estava mais vermelho que um tomate.

— Não, que isso. Aprecio pessoas com gostos peculiares. — a jovem enfatizou bem a palavra "peculiares", mas sem sarcasmo.

— Será que agora é uma boa hora para admitir que adoro catchup na pizza? — perguntei enquanto andávamos entre as prateleiras sem dar muita importância aos títulos à nossa frente.

— Não acredito. — silabou Jasmine.

— Você deveria ser presa por cometer um crime culinário assim. — resmungou ela na medida em que tentava conter os risos.

— Você está bem? — Jasmine perguntou me encarando de lado.

Somente após ouvir a voz dela que tinha percebido que encarava há um bom tempo a capa do livro, o título "Noite de Namorados" escrito em vermelho sobre uma capa de camurça preta.

— Saiba que seria um ótimo presente para presentear alguém. — acrescentou Jasmine.

Busquei na memória quem eu poderia presentear com um livro, visto que na minha família ninguém apreciava leitura como algo prazeroso e proveitoso, os meus poucos amigos estavam mais preocupados em viver a sua vida intensamente, e por fim o meu futuro marido se dependesse dos meus pais, jamais abriria mão da vida agitada por ser filho do governador para relaxar lendo um livro.

— Quem sabe na próxima vez, mas eu gostei deste.

Mostrei o livro sem ao menos saber do que se tratava, somente quando ela arqueou uma sobrancelha ao me encarar que presumir ter cometido mais uma estupidez.

— "Como Matar Meu Namorado?". — citou Jasmine o título do livro.

— Será que eu já posso me preocupar com a minha segurança? — perguntou a garota em tom de sarcasmo.

— Eu tento ser uma boa menina. — mencionei um pouco tímida, ainda tentava me acostumar com o jeito espontâneo e dinâmico da garota ao meu lado.

— Isso é uma pena, pois para mim, as garotas más são as mais interessantes. — confessou Jasmine.

Ela manteve uma expressão no rosto que nunca havia visto ao conversar com alguém, se bem que as únicas pessoas com quem conversava sem precisar incluir sangue ou poder, eram os empregados mais antigos da família, os quais já tinham conhecimento sobre a nossa origem de vampiros.

— Okay, não precisa me encarar como se eu tivesse acabado de cometer um crime. — disse Jasmine.

No instante em que abria a boca para contestar o comentário dela, agarrei ao corpo de Jasmine ao sentir algo passar pelos os meus pés.

— Desculpas... — afastei-me o mais rápido que pude.

— Que isso, deve ter sido algum visitante noturno que insiste em aparecer. — Jasmine mencionou aos risos.

— Talvez esteja tentando encontrar algum presente para a namorada. — falei enquanto colocava o livro na prateleira.

— Ok, isso soou patético demais.

— Não soou, sabe que até gostei? — indagou a garota estampando o sorriso mais lindo nos lábios.

— Okay. — silabei ainda incrédula.

— Então, já encontrou o seu presente do dia dos namorados? — Jasmine perguntou oscilando o olhar entre mim e a prateleira a frente, onde ajeitava alguns livros que estavam fora do lugar.

— Uma solteira não tem essa preocupação.

Nem sei o porquê mencionei no mesmo tom de voz da atendente.

— Sendo assim, podemos nos encontrar amanhã para assassinamos algumas pizzas juntas, o que acha?

"O que eu acho? Sensacional, muito mais que perfeito. "

Precisei conter a minha euforia para não transparecer uma garota em desespero.

— Legal.

Logo após ter marcamos o lugar e a hora, peguei um táxi em direção à mansão. Ainda estava tão absorta com o fato que sairia apenas como amigas com a Jasmine que não percebi que tinha entrado no carro com o mesmo sorriso de alguns minutos atrás.

— Encontrou o grande amor de sua vida, foi? — perguntou o motorista, ele me encarava através do espelho da frente.

— Não sei, eu gosto muito dela. Mas, acho que ainda é cedo para afirmar algo assim.

— Mas, eu queria que ela fosse o grande amor da minha vida. — mencionei com o semblante abatido.

Sabia que nem a mamãe, sequer algum membro da minha família aceitaria o meu relacionamento com alguém que não fosse vampiro.

— Encontre o presente perfeito, dependendo da reação da garota, ela pode ser ou não o amor de sua vida. — comentou o taxista.

— Mas, como posso encontrar o presente perfeito? — questionei mesmo ciente do quanto a pergunta havia sido estúpida.

— Na hora você irá perceber, mas a princípio tente presenteá-la com o seu melhor. — respondeu o taxista.

Sinceramente, foi uma das coisas mais sábias que alguém já disse para mim.

***

Enquanto a maioria dos casais procuravam de alguma maneira declarar o seu amor a pessoa amada, os meus pais continuavam com a mesma rotina, como se fosse mais uma data qualquer.

Mas, por favor, não me julgue, pois sou apenas uma jovem vampira na terceira loja da cidade em busca do melhor presente. Porém, me sentia mais perdida que agulha no palheiro, visto que quanto mais procurava, mais as dúvidas cresciam. Alguns atendentes até opinavam algumas dicas, mas pelo pouco que conhecia a Jasmine, ela não iria se agradar com uma caixa de chocolate ou urso de pelúcia, era apelativo demais. Entre entradas e saídas de lojas, encontrei uma jóia com um pigente de um cavalo, pois lembrei-me de uma das histórias dela que tinha ganhado um cavalo de presente, na época em que ainda morava numa fazenda pequena.

No entanto, fiquei com receios de aparecer apenas com uma caixinha nas mãos em nosso suposto "encontro", por isso acabei levando o urso de pelúcia, branco com um laço vermelho em volta do pescoço.

Em seguida, peguei um bondinho para chegar na Biblioteca Singular, o lugar que teria o meu primeiro "encontro", por mais que tivéssemos concordado que não haveria nenhuma pressão ou tradição no encontro, ou seja não seria um momento compartilhado por duas pessoas que se amam, no entanto decidimos fazer uma simples troca de presentes.

Logo que entrei na biblioteca, um garoto pediu que subisse até o último andar, após agradecê-lo, subi os três lances de escada com o coração prestes a sair pela boca de tão nervosa que estava, mas ao me deparar com ela apoiada sob o parapeito da sacada, um sorriso singelo se formou em seus lábios, mas logo se desfez assim que o seu olhar pousou sobre o urso de pelúcia que eu abraçava.

— Oi, caramba, você realmente levou isso muito a sério. — comentou Jasmine a dois passos de distância.

— Desculpas, acho que me empolguei... — falei envergonhada.

Não era essa a reação que estava aguardando dela.

— Relaxa aí, garota. Só estava brincando. Vem, se não as pizzas esfriam. — ela me deu as costas abraçada ao urso.

Ao passo em que a seguia, passei a observar o pequeno jardim repleto de diversas flores no canteiro, alguns pontos de luzes eram os únicos responsáveis por iluminar o lugar, e para finalizar o esplêndido cenário, a sacada dava para um belíssimo ponto da cidade.

— Suponho que este seja o meu lado. — disse ao notar uma caixinha vermelha sobre a mesa.

— E o que te faz pensar isso? — Jasmine perguntou logo após servir-me com uma pizza que era quase o mesmo tamanho do prato de porcelana.

— Bem, só tem a gente aqui, e você ainda não entregou o meu presente.

— Bem, os visitantes ainda estão chegando, então sinto muito se estava querendo um momento a sós, e depois não crie muita expectativa, porque a grana estava curta.

A última parte a garota mencionou com o semblante sério, parecia está acanhada, o que era uma novidade para mim que estava habituada ao jeito extrovertido.

— Poderia me dar um alfinete que para mim seria o melhor presente.

— A, se eu soubesse disso antes, é brincadeira. Agora, come um pedaço e me diz se já posso mudar de profissão. — pediu Jasmine, dessa vez com o sorriso estampado no rosto.

— Por favor, isso não. Pois, quem vai entender os meus gostos literários mais estranhos?

— Eu iria mudar de carreira, não de cidade. Então mocinha, você não vai se ver livre de mim tão cedo. — argumentou Jasmine.

— Acho que posso me acostumar com isso, até porque o meu paladar agradece os seus esforços.

— E nem precisou você assassinar a coitada da pizza que não tem culpa do seu péssimo hábito de enfiar catchup em tudo.

Encarei o rosto de Jasmine sob a pizza, e não podia mais negar, estava apaixonada pela garota a quem havia trocado poucas palavras em menos de vinte e quatro horas, pelo ou menos era esse o diagnóstico dos romances que li.

— Sabe, da primeira vez que te vi na biblioteca, pensei que fosse mais uma garota esnobe. — confessou Jasmine.

— E por quê?

— É o que todos dizem por aí, mas depois da sexta visita, deduzi que uma esnobe jamais pisaria os pés num lugar como este.

— Fico feliz em saber que não me vê mais assim, até porque prefiro ser vista como uma garota má.

Um sorriso singelo desenhou os nossos lábios.

— Quer abrir o seu presente, agora? — perguntou Jasmine sem desviar os olhos avelãs de mim.

— Sim. — respondi encarando a caixinha em minha mão.

Antes de abri-la, retirei a caixinha preta que estava guardada em minha tiracolo.

— Espero que goste.

— Poxa, assim vai me deixar sem... — Jasmine tentou argumentar.

— Não precisa ficar sem graça, agora abre. — ordenei apontando a caixinha a ela que pegou um pouco acanhada.

Ao mesmo tempo que abrimos o presente, o meu era uma correntinha dourada com um pingente de coração lapidado e uma flecha que cortava ao meio.

— Simplesmente, adorei. — comentei contra o olhar inquisitivo de Jasmine.

— Sério, ninguém nunca havia me dado algo tão lindo assim.

Quer dizer, nunca havia recebido um presente durante a minha existência.

— Vem, deixa eu colocar para você.

Jasmine estava tão próxima a mim, que pude sentir o seu perfume de almíscar. No momento em que ela se afastou o suficiente para me encarar, ela sorriu. Aquele sorriso que era a minha perdição e salvação.

— Sua vez. — disse me posicionando atrás dela para colocar a correntinha que ela comentou ter adorado por lembrá-la do Trovão, o seu antigo cavalo.

Em seguida, voltei a ficar em frente a ela, nos encaramos até ela brincar com o pingente da minha correntinha. E sem ao menos esperar ela puxou-me até os nossos corpos ficarem colados de tão próximos.

— Eu gosto de você e vou entender...

— Me beija. — ordenei antes de sentir o calor dos lábios dela ao tocarem os meus.

De repente o beijo casto se tornou tão intenso que exploramos a boca da outra como se fosse piratas em busca do tesouro perdido.

Não foi o presente, e sim o beijo que ela me deu, que fez tudo se tornar perfeito.

Fim!

15 de Junho de 2021 às 17:30 20 Denunciar Insira Seguir história
11
Fim

Conheça o autor

Kehillah Sanchez Para alguns sou um pouco tímida, para outros sou extrovertida, mas para todos sou uma eterna sonhadora cujo objetivo ainda não foi encontrado. Eu até revelaria a minha idade, mas prefiro manter a tradição, sou de Salvador e escrevo com amor!😂😂😂

Comente algo

Publique!
Inkspired Brasil Inkspired Brasil
Olá, Kehilla Sanchez! Primeiramente, gostaríamos de agradecer a sua participação no #amordecinema! Sabemos que você, como membro da embaixada, tem muitas outras coisas para fazer, sem contar seus afazeres no dia a dia, mas mesmo assim você tirou um tempinho para nos prestigiar com uma obra sua e nos alegrar com um romance lindo. Muito obrigada mesmo por ter sido tão querida. Echo of Love é um romance que nos fisga desde o começo, em principal por termos uma personagem forte e que ama literatura se apaixonando por uma bibliotecária. Confessamos que um dos pontos altos da história foi justamente ver as duas interagindo dentro da história. Enquanto elas conversavam, podíamos realmente imaginar as duas falando e agindo dentro das cenas. Parabéns de verdade por isso. A forma com que você fez a abordagem do tema com uma conversa casual deixou a história bem diferente e com uma sensação de que, se ela encontrasse, seria o mesmo que acertar na loteria! Foi uma abordagem diferente, mas não menos interessante por isso. Foi genial, ainda mais quando desde o começo já simpatizamos com a personagem. A ambientação da sua história está muito boa, Kehillah, no entanto nós teríamos gostado de descobrir mais sobre a vida e a família da nossa querida vampira, para entendermos ainda mais sobre a realidade dela. Além disso, achamos que algumas informações na história ficaram um pouco confusas, como por exemplo o fato de elas terem conversado apenas uma vez antes do encontro, mas parecer que já tinham interagido muito mais vezes, etc. São coisas que provavelmente passaram despercebidas, mas que queremos pontuar para contribuir com seu crescimento na escrita. No entanto também não podemos deixar de falar sobre a criação das suas personagens, que tanto nos encantaram. Em primeiro lugar queremos parabenizar mais uma vez sua criação de diálogos, que é linda e nos faz imaginar os personagens interagindo bem na nossa frente. E depois queremos parabenizar pela criação de personalidades sólidas e marcantes, que fazem toda a diferença na construção dos seus personagens. Com relação à gramática e ortografia esperamos poder ver sua evolução com o passar dos desafios. Confiamos no seu empenho e acreditamos no seu crescimento. Gostaríamos de agradecer pelo seu carinho e dedicação ao participar desse desafio como membro da embaixada, saiba que para nós todo apoio que vocês dão são mais que o suficiente e somos muito gratos por isso. Esperamos que fique muito tempo conosco e desfrute cada vez mais dos desafios que propomos com muito carinho para os usuários. Obrigada pela sua participação, foi muito bom poder contar com você neste desafio e esperamos poder vê-lo em outros. Os resultados serão divulgados em breve nas nossas mídias sociais. Fique de olho e boa sorte!
June 19, 2021, 15:04

  • Kehillah Sanchez Kehillah Sanchez
    Bem, esse é o segundo desafio que tive o privilégio de participar, e realmente, foi um pouco complicado para mim, por conta do aumento de trabalhos, porém desde o primeiro desafio que pude participar, aprendi que existem certas coisas da qual somente aprenderemos através das tentativas e erros. Por isso, sempre procuro sacrificar um pouco do meu tempo, para lá na frente, saber onde estou errando e o que posso fazer para melhorar! E mais uma vez, agradeço a oportunidade de aprender um pouco mais com os desafios propostos pela embaixada! Obrigada 💕 June 19, 2021, 17:06
Ellen Batista Ellen Batista
Ummmmmmm É muito amor envolvido, as vezes a pessoa em si é o melhor presente, parabéns.
June 19, 2021, 13:36

Rodrigo Martins Rodrigo Martins
Fofinho, bem escrito, com ritmo. Parabéns.
June 18, 2021, 18:03

  • Kehillah Sanchez Kehillah Sanchez
    Olá, migo! Muita gratidão por ter gostado da minha história, não sabe o quanto significa para a sua participação! 💚 June 18, 2021, 18:51
Luana Borges Luana Borges
Ahhhhhhhhhh Que fofinho 😍 demais Eu amei essa história, foi diferente e leve. Sua escrita é tão leve e boa, parabéns Autora :D
June 17, 2021, 15:08

  • Kehillah Sanchez Kehillah Sanchez
    Oi, Lu! Satisfação pela sua participação, e um obrigado seria muito pouco para expressar o quanto sou grata por ter apreciado a minha história!☺ June 17, 2021, 21:09
Ursula Lieselotte SanDaniels Ursula Lieselotte SanDaniels
Amei a fofura da história!
June 17, 2021, 14:15

  • Kehillah Sanchez Kehillah Sanchez
    Caramba, é uma honra e muito gratificante saber que gostou da história, fiz ela com tanto carinho, mas nunca imaginei que traria resultados tão positivos! ☺☺☺ June 17, 2021, 21:05
Verônica Ashcar Verônica Ashcar
Ain que fofurinha meu Deus! 💚💚💚💚💚💚💚💚 Gostei muito do seu texto, primeiro por trazer uma vampira fofinha e depois por uma atendente ácida! 💚💚💚💚 Estou feliz e quentinha, parabéns pela história eu amei as personagens elas são incríveis! 💚💚💚💚
June 17, 2021, 13:05

  • Kehillah Sanchez Kehillah Sanchez
    Nossa, não sabe o quanto foi importante para mim ter a sua participação por aqui, e ainda mais por saber que a minha história causaram efeitos positivos em você! Obrigada, de coração! 💕 June 17, 2021, 21:02
Alexis Rodrigues Alexis Rodrigues
AAAAAA história de romance entre vampira e humana toda fluffy ♡♡♡♡♡ adorei! eu me surpreendi mesmo quando ela disse que nunca tinha ganhado um presente '-'
June 16, 2021, 21:08

  • Kehillah Sanchez Kehillah Sanchez
    Saiba que é um enorme prazer te ver por aqui, e fico feliz por ter gostado. E brigadão pelo comentário! June 16, 2021, 22:03
Karimy Lubarino Karimy Lubarino
Que história mais fofa, cara! E melhor de tudo: ainda com uma personagem vampira. Adorei. Olha, sinceramente eu achei que teríamos mais histórias LGBT+ como a sua participando do desafio, já que estamos no mês do Orgulho LGBT+, então eu quero que vcoe saiba que sua história fez toda diferença no #amordecinema só por ter trazido algo nessa categoria. Muito obrigada pela participação e por esquentar meu coração com essas personagens tão cativantes 💖.
June 16, 2021, 17:36

  • Kehillah Sanchez Kehillah Sanchez
    Caramba, estou há um bom tempo encarando os comentários sem acreditar ainda nos efeitos que a história causou, confesso que não esperava um retorno tão gratificante assim. E de coração, eu agradeço seu elogio! 💕 June 16, 2021, 18:23
Ruana Aretha Ruana Aretha
Obrigada pela história! Encontrei tudo em um tom tão calmo, tuas palavras tão reconfortantes, me senti abraçada e que personagens amáveis. Uma leitura que se tornou um presente para o coração <3
June 16, 2021, 12:23

  • Kehillah Sanchez Kehillah Sanchez
    Nossa, eu que lhe devo muitos agradecimentos, tanto pela sua participação, como pelos elogios! De coração, fico feliz por ter gostado! ☺☺☺ June 16, 2021, 12:29
˖๋໋⁺᎒Bruna Santos᎒⁺˖๋໋. ˖๋໋⁺᎒Bruna Santos᎒⁺˖๋໋.
Ahhhh, eu simplesmente ameiii, está muito perfeito, sério. Parabéns!!!
June 15, 2021, 19:19

  • Kehillah Sanchez Kehillah Sanchez
    Que isso, eu que agradeço de coração o seu comentário! Obrigada pela sua participação!😘😌😘 June 15, 2021, 19:24
~