honjok Just Ignore

Dizem que o Sono é o primo da Morte. Quão oportuno isso sempre me soou...


Poesia Para maiores de 18 apenas.

#fim #reflexão #morte #sono #angústia #ideações
Conto
4
1.2mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

...

ATENÇÃO

A obra a seguir não fez, faz ou pretende fazer quaisquer apologias, mas talvez possa ocasionar gatilhos, então leia por sua conta e risco.


Ouvi falar que o Sono

É o primo da Morte.

Então... Que sorte,

Eu suponho:

Em minha covardia,

Essa é minha hora favorita

(Secreta)

De todos os dias...

É quando coloco os fones,

Escuto algumas melodias

E fecho meus olhos

Enquanto a mente se abre,

O coração se escancara

E a alma se rasga

Conforme o corpo se encolhe

E cada pensamento recollhe

Os inúmeros pedaços

De tantas reflexões;

(Mutilações)

E os olhos se fecham

Na esperança singela

De talvez não se abrirem

Nunca mais...

(Será que haveria paz?)

É assim há mais tempo

Do que me lembro

E só piorou

Conforme o tempo passou

(Voou)

E tudo necrosou

Por dentro.

Não sou hipócrita:

Sei que lá fora

Tem uma multidão

Incalculável

Em uma situação

Absolutamente miserável

Em comparação

À minha.

Porém, julgo igualmente

Deprimente

Ter que me sentir bem

Só porque alguém

Está com maiores dificuldades

Ou sofrimento.

Eu penso

Que é como dizer

"Nossa, você se fodeu

Mas antes você do que eu!"

Com um sorriso sarcástico

(Cômico, se não fosse trágico)

E um tom irônico na voz

E isso vale para todos nós...

Talvez eu precise de terapia;

Ainda prefiro a poesia:

Escrever é sonhar acordado

Enquanto os pesadelos prosseguem

Em suas múltiplas frentes

E camadas

E reviravoltas

Sequer imaginadas,

Sem trégua,

Sem volta,

(Sim, é uma merda)

Mas depois do ponto final

E da postagem,

Segue a viagem

Por esta paisagem

Em um destino incerto

Beirando ao sucursal

De um verdadeiro Inferno

Em potencial.

(Têndencia ao desastre)

Ainda assim, prossigo

Por este louco caminho

De certo modo, sozinho

(Tantas vezes; é como me sinto)

Fazendo o que posso

À deriva entre os destroços:

Um banquete para a Escuridão,

Ainda no olho do furacão...

É o que é,

É o que há

Por ora.

Todavia, agora

Preciso ir:

É hora

De dormir.

6 de Junho de 2021 às 10:47 1 Denunciar Insira Seguir história
5
Fim

Conheça o autor

Comente algo

Publique!
Ruana Aretha Ruana Aretha
Primeiramente, obrigada pela leitura. Que personagem obstinado apesar das muitas faces dele perante a vida, mas todas essas faces o ajudam. Eu me encontrei nessa parte da tua poesia '' Escrever é sonhar acordado enquanto os pesadelos prosseguem em suas múltiplas frentes e camadas e reviravoltas sequer imaginadas, sem trégua, sem volta''. Penso que a gente cria a nossa armadura para lidar com o 'muito que pode vir a aparecer' e para mim a escrita é isto, uma armadura consolidada por tudo o que há em ti ' sonhos, fantasia, desejos ...' Inté.
June 07, 2021, 21:29
~