nispussine Raissa Alves

As raças de todo o mundo entraram em guerra. Humanos, elfos, vampiros, mestiços, lobos; todas e quaisquer raças lutavam entre si, uma guerra travada quando a primeira herdeira do trono nasce. Dona de longos fios, sorriso presunçoso e olhos ralos, a herdeira perdera a mãe aos sete anos. Passou, então, a ser criada totalmente voltada ao trabalho, assumindo o trono aos quatorze anos. Foi um fato bastante conhecido que a princesa tratava as outras raças como inferiores e isso provocou suas iras. Como num jogo, ela foi pondo todos uns contra os outros, de modo que começassem uma guerra. E, logo após, fugiu. Ninguém sabia o paradeiro da jovem princesa, mas diziam que ela escondia-se em grutas, os piores lugares para alguém da mais alta nobreza. Tempo depois, quem herdou o trono foi uma mulher de traços muito parecidos com a antiga princesa. Ambiciosa e arrogante, embora complacente. Apesar de não ter sequer tentado parar a guerra, Jingu foi uma ótima imperatriz. Apesar dos boatos falarem que ela era adorada por todos, ela colocava medo nos mestiços como ninguém conseguia; era como se tivesse planejado tudo para perturbá-los imensamente, aterrorizando-os. Pelo enorme trabalho que ganhara, a rainha "dividiu o trono", de modo que ainda tivesse poder absoluto, mas, ainda assim, outras pessoas lhe ajudassem. Após a última noiva de sacrifício ser morta, foi Jingu que passou a fornecer as pessoas para os herdeiros Aguard, sendo, estas, das mais variadas raças. Garotos, garotas, qualquer um que fosse lá acabava morto e isso tornou-se um problema para a imperatriz que, já exausta, pediu que April, a representante dos mestiços, enviasse-lhe dois de sua raça.


Fantasia Épico Para maiores de 18 apenas.

#Primeiro-livro #sereias #rainhas #imperadores #imperatrizes #revolução #fadas #elfos #anjos #demônios #april #avalon #Yamamoto #fantasia-épica #fantasia #lgbt+
0
534 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 15 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

Prólogo - A carta.

April poderia facilmente dizer que aquela era a pior notícia do ano -ou até mesmo de todos os anos que se passaram desde que Jingu assumiu o trono. Relendo a carta, sentia sua mão trêmula e sua visão já embaçada pelas lágrimas que preenchiam seus azuis olhos. Uma de suas mãos passou por seu rosto, ao que a outra depositou a carta na mesa de ébano. Um soluço escapou pelos seus lábios e, então, não tardou e a sereia despencou na cadeira de seu escritório, o rosto escondido entre as mãos, e foi quando ouviu a porta ser aberta bruscamente. Eloah adentrou na sala sem sequer bater na porta, um sorriso largo no rosto -e, de tão largo, parecia até mesmo falso. Foi quando ela parou no meio do cômodo e olhou para April. O sorriso desapareceu instantaneamente, dando lugar a uma feição neutra, como se não se importasse. Entretanto, a sereia sabia; sabia perfeitamente que a feição seria seguida de um abraço apertado e permissão para molhar-lhe o ombro com seu choro.

—April, meu amor. O que foi? — Questionou ao que se levantava, levando a ruiva junto consigo.

—A carta, Eloah. — Foi tudo o que ela disse -e tudo o que conseguia dizer, já que os soluços escapavam-lhe constantemente da garganta. Ao observar a confusão no rosto da rósea, April rapidamente apontou para a carta aberta em cima da mesa.

Eloah distanciou-se de April, suspirando brevemente e, então, apanhou o papel. Leu-o cuidadosamente, não deixando escapar nenhum detalhe, nem mesmo a assinatura no final. Aquela bela letra, traçada delicadamente em um tom dourado, junto àquele símbolo tão conhecido.

“Jingu Yamamoto”

April viu a mão de Eloah tremer -entretanto, não podia ver-lhe o rosto. Não sabia se ela estava neutra como sempre, ou apenas sorrindo falsamente -como sempre.

Pobre e ingênua April.

—April. — Chamou, a voz quebradiça. A ruiva aproximou-se, tocando o ombro da mais alta. Foi quando Eloah virou-se para si. Os olhos lacrimejavam, o sorriso fora-se embora e, por fim, tudo o que a sereia pôde fazer foi abraçá-la.

Como se o mundo pudesse acabar a qualquer momento, ambas abraçaram-se demoradamente. Lágrimas insistiam em descer pelas bochechas de April, colorindo-lhe o nariz e as bochechas, enquanto a rósea permanecia calada.

Já em outro lugar, uma mulher observava tudo. Olhos afiados e azuis-celestes notavam até mesmo as minuciosas coisas, demorando-se nos mínimos detalhes. Cabelos curtos e pretos sequer caíam até os ombros, a pele negra-avermelhada parecia brilhar sob o lustre e, por fim, o vestido aberto em ambos os lados caía perfeitamente bem, como se tivesse sido feito exatamente sob suas medidas

Avalon Elysium.

Seu posto não combinava com seu nome e isso era claro para todos. A representante dos demônios, a mais impiedosa da guerra, a cavaleira da noite, e mil e outros codinomes que lhe davam. Ela não ligava -por que o faria, afinal? Quando dava os bailes em seu castelo, era apenas Avalon, a representante dos demônios. E este título não lhe era exatamente um fardo -era cansativo, claramente, mas nada que não pudesse lidar com.

Foi quando a viu.

A dama que passava de braço em braço em meio à dança. Cabelos dourados que caíam em uma cascata levemente ondulada; pele que parecia de prata e, por fim, os olhos.

Olhos do mais profundo cinza.

Avalon não ousou expressar nada quando a moça retribuiu seu olhar. Sequer arqueou uma sobrancelha, como tão costumeiramente fazia. Entretanto, não pôde deixar de tomar um gole do vinho em sua taça, rapidamente entregando-a ao garçom que passava perto de si naquele momento.

Uma desconhecida trazendo-a para a dança! Quão irônico o destino poderia ser, não?

Com o cuidado de um predador, a mulher de madeixas negras foi se aproximando. Sorriu com toda sua ironia e arrogância, arrancando um arquear de sobrancelha da jovem que dançava.

Foi quando ela entrou na dança, tomando a loura em seus braços. Os passos dela eram graciosos o suficiente, porém não o suficiente para serem comparados com o andar preciso e tentador de Avalon, que, conforme trajava seu destino pela dança, movia seu quadril de um lado ao outro, chamando a atenção dos pares que dançavam. Nenhuma das duas falou nada por um bom tempo. Foi quando a demônia notou que, se quisesse questionar, teria que iniciar a conversa. Sem sorrir ou expressar qualquer coisa, ela suavemente perguntou-lhe;

—O quê um anjo faz nestas terras, minha rainha?

A moça riu.

3 de Junho de 2021 às 16:21 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo Capítulo 1 - A seleção

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 1 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!