umehatake Ume Hatake

Apenas um romance cafona e que meu coração sentiu vontade de fazer. Entre todas as dores que Kakashi já sentiu, essa é uma história apenas de romance. "Aconteceu de repente e não havia nada que os corações deles mais queriam além de ficarem juntos."


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 18 apenas.

#love #Kakashi #Hatake # #Sensei
2
1.0mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todos os dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

O Primeiro Dia Nunca É Tão Bom Assim

A reunião durou pouco, encostada no fundo da sala tentava focar no que diziam. Não era fácil considerando que: era literalmente uma pessoa que vivia no mundo da lua. Coçou os olhos na tentativa de mantê-los aberto, a chatice daquela reunião estava durando mais do que o esperado.

— Não, não vamos abrir os portões para que qualquer um possa entrar. Mesmo agora, a prevenção é a melhor alternativa. — Tsunade afirmava.

Ume respirou fundo, os conselheiros estavam certos de que abrir os portões seria o melhor para terminar de recuperar a economia da vila, entretanto, o novo Hokage que tinha os olhos cansados, não estava confiante com aquela decisão.

— Já disse que iremos manter os portões fechados até segunda ordem, entrarão e sairão apenas pessoas autorizadas. — Kakashi estava farto de toda aquela situação, ele já havia dado sua opinião e visto todas as maneiras para melhorar a economia da vila, e por hora, era o melhor a se fazer.

A sala tinha o clima pesado e Ume tentava segurar os bocejos constantemente, a conversa não era entediante e sim a sua grande falta de coragem de se manter em pé e acordada. A lufada de ar que saiu do peito do homem que se mantinha na ponta da grande mesa a fez acordar com um pulo, assustada, olhou em volta com os olhos castanhos arregalados. "Um dia terá problemas por isso."

— Rokudaime, seja prudente. Abrir os portões dará acesso ao aumento da produção e exportação dos nossos produtos.

O ex-Shinobi e atual Hokage respirou fundo e jogou as costas no encosto de sua cadeira, era comum ter que debater suas escolhas, mas daquela vez estavam passando dos limites.

— Koharu, veja bem: Está aqui apenas para aconselhar, esteja ciente de que não pode interferir nas escolhas do Hokage. — Tsunade não tinha qualquer tipo de paciência, mas Kakashi agradeceu mentalmente pela sua interrupção.

— Princesa Senju, nós estamos pensando no melhor para a vila. Não nos trate como apenas enfeites nessa mesa.

A Senju bateu com força o punho na mesa e o grito de susto que saiu da garganta de Ume, fez com que os olhos de todos naquela mesa se voltassem para ela, havia dormido em pé ao lado de Shizune e Shikamaru. Um buraco seria um ótimo lugar para me enfiar nesse exato momento. — se socou mentalmente por ter ficado até tarde bebendo novamente.

— Eu... eu sinto muito. — Não tinha nada além disso para dizer, se desculpar era o mínimo que podia fazer naquele momento.

Ela colocou uma mecha de seus cabelos negros e curtos atrás da orelha e apertou os papéis que segurava com força exagerada. Ume deixou seus olhos passarem por cada um que ainda olhava em sua direção, tentava pedir desculpas para cada um até que mudassem a direção de seus olhos.

— Muito bem. — Kakashi se pôs de pé e curvou levemente o corpo pegando os papéis que estavam espalhados em sua frente. — Já sabemos o que irá acontecer e como não há acordo, espero o relatório de quem está entrando e saindo da aldeia até que tudo esteja estabilizado. — Ele já não aguentava mais toda aquela discussão sem fim.

Kakashi passou os olhos o mínimo possível em direção aos assessores, sabia que tinha alguém a mais ali e não fora informado. Esticou o braço com os papéis em direção a eles e Shikamaru se prontificou a pegá-los, a nova mulher apenas apertou os papéis olhando para qualquer ponto longe de qualquer um de dentro daquela sala.

— Revise os detalhes da reunião, mande um comunicado a Izumo e Kotetsu para que entreguem um relatório diário.

O assessor voltou para o seu canto e Ume respirou fundo, a vergonha não chegava perto do que estava sentindo dentro daquela sala. Ela seria demitida e tinha total e absoluta certeza disso, os olhos cansados do grande Rokudaime mostravam a inquietação pelo seu episódio dentro de um lugar importante.

Seus papéis estavam terrivelmente amassados, o nervosismo tomou conta de seu corpo quando todos começaram a sair de dentro da sala. Ume continuou parada ao lado dos assessores sem esboçar qualquer movimento que fosse, tentando apenas não chamar nenhum tipo de atenção para si mesma. E como sempre estava errada.

A sala esvaziou rápido enquanto se dirigia até a janela daquela sala de reunião, o cargo que ele havia tomado a mais de cinco anos estava começando a dar dor de cabeça desde que as coisas começaram a se estabilizar. E o dia ainda nem havia começado. — ele coçou a nuca pelo nervosismo.

— Shikamaru. — Chamou antes que ele seguisse a moça que fugiu da provável bronca que levaria por interromper a reunião, escreveu uma coisa rápida e a dobrou entregando para Nara. — Mande este bilhete para sua colega de cabelos curtos e diga a ela para que tenha mais cuidado com suas caídas no sono, já me basta você de preguiçoso.

— Sabia que sobraria para mim.

Ume aproveitou a saída dos participantes para fugir tão rápido que não a veriam passar, abusar de sua pequena estatura era uma de suas pequenas vantagens. Correu como podia para sua sala no final do mesmo corredor que ficava o escritório principal do Hokage e seus aposentos, acostumada a ficar nos andares inferiores começou a se arrepender de sua promoção dentro daquele lugar.

Era só uma secretária — não que ainda não fosse —, mas agora fazia parte da pequena equipe que cuidava de algumas das papeladas que não precisavam passar pelo Hokage. Ume gostava do que fazia, era competente e eficiente, mas os últimos dias tem estado tão perdida e cansada em seus devaneios que tem deixado o álcool do seu velho amigo saquê lhe ajudar a dar sono e assim conseguir dormir.

Era uma enorme besteira e ela sabia muito bem disso, morar sozinha tinha suas vantagens e tem sido assim desde que seus pais morreram em alguma missão. Não tinha tanto tempo assim, a quarta guerra havia levado muitos Shinobis e depois dessa perda tem apenas seguido a vida devagar.

Não era uma Kunoichi e decidiu não participar da academia quando jovem, não se importava realmente com isso, gostava de onde estava e permaneceria assim.

— Ume... — Os papéis em sua mesa foram quase jogados ao chão quando seu, até então, chefe, lhe fez o favor de entrar na sala em que trabalhava. — Tome, não me envolvo com isso, mas da próxima vez... tenta dormir antes de vir trabalhar, não trabalho aqui para entregar recados.

Nara deixou o bilhete amarelado em cima de sua mesa, e saiu antes que pudesse agradecer. O medo de ser um pedido para que se demitisse tomou conta de todo o seu corpo, suas mãos tremeram e suaram como no dia em que foi fazer a maldita primeira entrevista.

O tremor aumentou quando tocou naquele papel dobrado, engoliu o nó que começou a se formar no meio de sua garganta. Abriu o bilhete devagar e mordeu o lábio inferior com força demais.

"Tenha cuidado, use a sala dos arquivos para cochilar, minha sala de reuniões não costuma ser um bom lugar. Me faça o favor de passar em minha sala, preciso dos documentos que esqueceu de deixar em minha mesa."

Att. Rokudaime.

Um surto psicótico em sua sala sozinha seria uma boa ou má ideia?

Tremendo, se afundou em sua cadeira e gritou para si mesma que era uma completa idiota.

Os papéis aumentavam consideravelmente em questões de segundos, em sua sala, esperava o restante dos documentos que faltavam para apenas carimbar já que não passavam de coisas de certa forma "banais" comparadas ao que costumava mexer normalmente.

Já era fim de tarde quando as batidas acanhadas em sua porta soaram baixo, mandou que entrasse e não fez questão de erguer os olhos para o barulho dos passos tímidos que entraram em sua sala. As batidas leves dos saltos que ela usava pararam um pouco antes que chegasse a cadeira que ficava de frente a sua mesa. Kakashi respirou fundo e terminou de assinar o documento que tinha em mãos antes de pegar o próximo.

— Creio que tenha trago os documentos que esqueceu de me entregar...?

— Ume, Rokudaime-Sama, me perdoe. Aqui estão, isso não irá se repetir.

Kakashi esticou o braço para pegar o pequeno bloco de papéis perfeitamente alinhados que ela tentava lhe entregar.

— Assim espero, Ume.

Ela suspirou e Kakashi não conseguiu continuar prestando a atenção em seu trabalho, os redondos e castanhos olhos estavam perdidos, seu rosto tinha um pequeno rubor que começou a se alastrar por parte de seu maxilar e tomar uma área maior. Os cabelos negros e curtos emolduravam seu delicado rosto arredondado. Kakashi esqueceu por um minuto de pensar, qualquer coisa que tinha na mente do Shinobi havia desaparecido de uma forma incomum.

— Rokudaime... — Sua voz macia fez o homem acordar de sua pequena análise sobre o corpo pequeno e curvilíneo da mulher a sua frente, e não notou que ela tentava puxar de sua mão os documentos. — Senhor, meus dedos...

Não havia notado que segurava os dedos dela por cima dos papéis, ele soltou rápido e levou a mão para trás de sua cabeça. Pego de surpresa por sua própria falta de atenção, ela era uma bela mulher, tinha um olhar doce e completamente assustado escondido por um rubor que quase chegava aos lábios carnudos.

Ela deixou os documentos em sua mesa e sem se despedir passou pela porta como um pequeno furacão, Kakashi sentiu uma vergonha que até então não passava por ele a um bom tempo. Ele deixou o ar sair de seus pulmões devagar e puxou a bandana de sua cabeça, estava começando a perder o juízo dentro daquela prisão vermelha que chamava de escritório.

31 de Maio de 2021 às 19:13 0 Denunciar Insira Seguir história
1
Leia o próximo capítulo Tão Firme Quanto Um Saco de Farinha

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 11 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!

Histórias relacionadas