fairydoll6s kah holland

No mundo do crime não há amigos, mas sim aliados. Todos querem roubar o que outros possuem, sendo amigo ou inimigo, para isso basta fortalecer laços, um casamento por exemplo. Uma união totalmente instável, cercada por ódio e ambição, esse agora é o mundo de Hanna e Zayn. A partir do momento que anunciou-se "eu vos declaro marido e mulher", acredite ou não, tudo mudou. Um casamento forçado, sem amor, nutrido e unido por apenas um sentimento o ódio. Mas quem pode garantir que haja uma atração um dia? O perigo é cada vez mais doce e mais atrativo; quanto mais perigoso, mais atraente e é assim que ele vê a relação dos dois. Um casamento por ódio. Uma atração por conta do perigo. Mundos diferentes. Regras a serem seguidas, não podemos confiar em ninguém neste mundo.


Fanfiction Celebridades Para maiores de 18 apenas.

#fanfic #378 #ação #zayn-malik
0
1.1mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso
tempo de leitura
AA Compartilhar

Prologue

ZAYN MALIK | ATLANTA, 23h12

Faltava pouco para chegar a linha de chegada. Pelas grandes ruas do submundo de Atlanta, competia um racha com três caras e, para ganhar, dirigia minha Lamborghini branca em alta velocidade.

Logo à minha frente, um carro capotou, sobrando então apenas eu e mais dois caras. Consegui dar um perdido em um deles e agora faltava apenas 1 km para chegar à linha de chegada. Porém, o último que havia sobrado era um cara que dirigia um Bugatti e ele era praticamente um fodido.

— Desista Malik, você não vai ganhar. – o cara sorriu cinicamente, mostrando seus dentes de ouro puro. Olhei para ele e, num único movimento, consegui prender seu carro contra a parede.

— Esquece. – continuei a prensar seu carro fortemente.

— Filho da puta! – grunhiu ao sair contra a parede. Voltei meu olhar para frente e sorri, prensando seu carro novamente, ocorrendo que sua porta amassasse.

— Nunca mais chame minha mãe de puta. – fiz um sinal de continência e aumentei a velocidade, o deixando para trás.

Quando cheguei a linha de chegada, todos foram ao delírio. Saí do carro e uma morena que usava um short extremamente curto e um cropped que dava valor aos seus seios, veio em minha direção e me agarrou pela cintura.

— Parabéns Malik. – olhou para mim e sorriu logo tomando meus lábios em um beijo. — Eu sabia que ganharia.

— Duvidar de mim seria um erro. – fui frio em minhas palavras e saí de perto dela indo para perto das grandes caixas de som. Naquela hora, todos me olharam e começaram a me parabenizar por mais uma vitória. — Aí! Hoje será tudo por minha conta, se divirtam! – exclamei e todos gritaram mais ainda.

Olhei para o DJ e fiz um sinal para que ele colocasse uma música e assim ele fez, não demorando para todos começarem a dançarem. Comecei a dançar também e algumas garotas me cercaram, para dançar junto comigo. A dança começou a esquentar enquanto elas desciam e rebolavam em mim, ri do que estava acontecendo e me afastei delas.

— Deixa para depois garotas. – fiz um sinal com as mãos para que elas parassem e sorri ao ver o desapontamento delas antes de sair da pista de dança. Aproximei-me do meu carro e me sentei no capô, admirando a bela paisagem — que obviamente eram mulheres dançando sensualmente, o que me deixava excitado.

— Filho. – Jamal parou em minha frente atrapalhando minha bela visão.

— Jamal, calma aí, eu estou ocupado. – fiz cara feia.

— Tudo bem, eu tinha um serviço para você, mas… Já que está ocupado… – deu de ombros, se virando para ir embora. Ele sabia que eu não recusava um serviço, principalmente quando tinha um mandando de matar.

— Pai… Que tipo de serviço? – saí de cima do capô e cruzei os braços.

Pai? Como você é interesseiro, Zayn. – o mais velho olhou para mim e riu sarcástico.

— Fala logo o que você quer!

— É o seguinte: fiquei sabendo que a filha do Andersen tem uma herança e eu pensei que talvez você fosse o cara certo para pegar tudo…

— E quem eu tenho que matar primeiro?

— Você não tem que matar ninguém. – franzi o cenho.

— Então o que eu tenho que fazer? – peguei um cigarro em meu bolso e o acendi.

— Se casar com ela. – pegou o cigarro de minha boca e o colocou na sua. Abri a boca, ficando estático ali mesmo. — Você está disposto? – me encarou desafiador. Desviei meu olhar do dele e ri sarcástico, sorrindo ladino.

Por grana eu vou até o inferno. – peguei a arma que estava em minha cintura e a destravei. Voltei a olhar para Jamal, que olhava para a arma. Ele olhou para mim e sorriu.

— Bom serviço então. – deu um leve tapinha em meu ombro antes de ir embora e sumir entre a multidão.

18 de Julho de 2021 às 20:57 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo Chapter One

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 18 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!