patykastanno Patricia Kastanno

[Suayeon • Sua Top • Siyeon Power Bottom • Romance • Universo Alternativo • Fantasia Medieval • ABO/Híbridos • Threeshot] Kim Bora é uma rainha vaidosa que estava caçando na floresta, quando acabou encontrando uma cabana e nesta, Lee Siyeon, uma transmorfo de lobo que perdeu seus pais e vive sozinha. Com isso, a jovem lupina é levada para o palácio e lá, passa à ser cuidada pela monarca, mas eis que diante disso, surge um inesperado cio na híbrida.


Fanfiction Bandas/Cantores Para maiores de 18 apenas.

#siyeon-bottom #sua-top #híbridos #suayeon #dreamcatcher #kim-bora #sua #rainha #abo #au #lee-siyeon #siyeon #yuri #medieval
0
1.2mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Lobo ou Menina?



Notas Iniciais:


Olá pessoal :)
Cá estou eu novamente com outra yuri. Sim, resolvi fazer uma com o ship supremo e respeitado de Dreamcatcher, Suayeon ♥
Sem delongas, vamos às observações:
* Tradução do título: A Rainha e o Lobo;
* Trilha sonora: Wolves de Selena Gomez;
* Ship principal é Suayeon, então se você não shippa ou gosta, NÃO LEIA;
* Contém cenas não recomendadas para menores de 18 anos;
* Narrada na terceira pessoa;
* Threeshot, ou seja, somente TRÊS CAPÍTULOS;
* Aborda tema de hibridismo e universo ABO. Dúvidas serão respondidas nos comentários;
*Postada em Wattpad e Spirit;

E é isso, vamos começar essa fofurety aqui. Espero que gostem, boa leitura!
P.S.: TODOS OS CAPÍTULOS SERÃO POSTADOS HOJE;


***


Capítulo I - Lobo ou Menina?


Os cavalos seguiam na floresta, logo após a jovem rainha ter capturado com seu arco e flecha um belo cervo, o qual seria servido no jantar mais tarde, além de ter sido um bom treino para suas habilidades naquela tarde ensolarada de caça.

Contudo, o que Kim Bora não esperava, era que em meio à sua sugestão de descansarem nas margens do rio, acabaria se deparando com... uma cabana. A mesma que ficava escondida, praticamente camuflada nas folhagens ao redor, tendo uma porta de madeira e uma janela apenas.

Desde quando esteve ali, na tal humilde residência, a monarca não soube dizer, mas estava mesmo curiosa com quem poderia estar vivendo dentro daquela casinha e por isso, em gesto silencioso aos seus soldados, pediu que cercassem o imóvel e que a porta fosse batida.

Uma, duas e três vezes e nada de resposta do morador e assim, o jeito era entrar à força e vasculhar, afinal poderia muito bem ser um inimigo, se abrigando nas terras do reino Kim para atacar posteriormente e isso, era função da jovem governante descobrir, no entanto...

Assim que os soldados percorreram todo o perímetro de metros quadrados dentro da moradia, ao lado da Kim, perceberam não haver muitos pertences ali ou objetos no geral. Era apenas um pouco de lenha, algumas vasilhas de barro, um poço e roupas esfarrapadas, além de pele de animais, numa improvisada cama.

- Parece que não faz muito tempo, que esteve aqui. - especulou um dos homens, indicando a lenha quente e Bora se pôs em alerta.

- Quantos vivem aqui? - perguntou perspicaz.

- Não dá para ter certeza, majestade. Presumo que não muitos, em vista do tamanho e condições, talvez apenas um. - sondou jocoso.

- Não deve ter ido longe. - outro dos guardas pontuou.

- Com certeza, n-não... mesmo. - um soldado tremelicou apontando em certa direção e Kim se virou rapidamente, vendo que de longe, surgiu um lobo todo negro e... - Proteja-se, suserana! - o homem a protegeu e um alvoroço se iniciou.

Soldados foram para cima do lobo feroz. Este, que possuindo grandes patas, dentes afiados e pêlos acinzentados, rosnou partindo sobre os humanos, com fúria, no intuito de instinto genuíno.

Uma cena de digno horror para a rainha, presenciando as presas dilacerarem todos e conquanto, sem espera, empunhou sua espada com gana e avançou para fora da cabana. Não iria assistir seus homens morrerem, era uma guerreira e defenderia-os.

- Ei, você , lobo! - chamou a atenção do bicho que ao ouví-la, largou a perna de um dos soldados e rosnou em sua direção. - Se aproxime mais e irei matá-lo e levá-lo para o jantar, junto à minha caça. - ditou apontando o arco na mira do oponente.

E para o grande espanto da monarca ou talvez não, já que era um animal irracional, suas palavras não surtiram efeito e ao invés disso, a fera avançou em passadas corridas para si, focada em matar, mas...

Como prometido segundos antes, o canídeo ganhou uma flecha nas costas peludas e ganiu, caindo agitada e banhando o ferimento com sangue de imediato.

- Eu avisei, aish! Não quero te matar, bichinho. Só estamos mesmo atrás do dono desse casebre. - ditou impaciente.

- Tem de matá-lo, majestade. Acabar com o sofrimento dele e também quem sabe, trazê-lo para os aldeões, vão gostar do banquete. - sugeriu um dos combatentes à sua superior, contudo...

Dito isso pelo militante, um alto rosnado surgiu e com isso, algo inesperado ocorreu, diante dos olhos da dupla e dos outros soldados feridos, que ainda respiravam vivos. Em uma espécie de transformação, com direito à ossos se estalando e dentes rangendo, o lobo escuro se ergueu nos quatro apoios.

Mas não parou por ali, prosseguindo em se abaixar e logo... a pelagem começar à cair em chumaços, dando lugar à... pele?

- O que está... acontecendo? - a soberana franziu o cenho confusa.

- É um... humano. - constatou o líder dos armíferos.

E ao fim de todos os burburinhos e olhares de alerta, a figura nua e encolhida, se revelou com um ferimento no mesmo local do lobo, debaixo da silhueta magra e feminina, pele clara e cabelos compridos e escuros.

Logo então, a rainha pôde vislumbrar com clareza a criatura em sua nova forma: uma moça.

- Uma humana, melhor dizendo. - Bora corrigiu piscando aturdida para a garota, que cobriu os seios e encarou à todos lentamente, para então sorrir sôfrega, diante da ferida.

- Sou eu... q-quem vivo nessa cabana. - revelou com a fala melodiosa e um olhar intenso sobre a imperatriz, todavia...

Tão cedo quanto se pronunciou, a jovem garota desabou no chão, exausta, ofegante e agonizando pela perda considerável de energia e sangue, provinda da luta com a pequena tropa. Esta, que bem ali, se entreolhou com ar perdido.

- Q-que fazemos, majestade? A-a matamos? - um dos homens balbuciou incerto. E nisso...

- Não. - Bora elevou o braço, impedindo-os. - Vamos levá-la conosco. - determinou por fim convicta.

- O que?! Mas nem sequer sabemos o que... é isto. - o oficial gesticulou confuso.

- Uma humana, não vê?! - a mais baixa deu de ombros com displiscência.

- Ela era lobo, minutos antes. - salientou outro dos serviçais, com ceticismo.

E sim, era notável que a rainha tivesse de fato, visto toda a metamorfose de camarote, claro, no entanto... era exatamente por isso, que precisava conduzir aquela garota consigo.

Ela nitidamente era uma ameaça. Uma da qual, desconhecia estar existindo bem ali, em proximidade de suas terras e ainda, sendo tão perigosa, como provado ali.

- Vamos interrogá-la e saber como estava vivendo aqui e portanto, cuidá-la antes, para manter viva. - Bora ditou instrutiva.

Por alguma estranha razão, sentiu em contra partida, certo interesse naquela moça, que agora estava desmaiada e sangrando diante de si, sendo socorrida e amarrada por seus defensores.

O que seria ela afinal? Não sabia, mas gostaria de descobrir e definitivamente, iria. Entretanto, tomando as precauções necessárias à seu alcance e a mantendo no castelo, para questionar eventualmente. Isso claro, com a colaboração que esperava ter.

[...]

E mais tarde...

Com a ajuda de cavalos, a moça foi mantida no castelo, abrigada na enfermaria assim que chegou ao reino, junto da escolta e da guarda real, causando certa estranheza em todos que a viram.

- Foi encontrada na floresta, majestade? - a médica inquiriu jocosa.

- Sim, estava sadia e lutou com os soldados, se transformou em lobo e nos atacou. - esmiuçou a rainha com descaso, contudo...

O moça dona de fios claros riu com ar descrente.

- Desculpe majestade, mas disse... que se transformou em lobo? - a morena assentiu. - Isso não é possível, digo... lobos são lobos e humanos são humanos. Ela me parece bem humana e... - foi cortada de sua sentença.

- Está me tomando por mentirosa, senhor Yoohyeon? - a esculápia negou em aceno frenético, assumindo uma postura rígida de palidez.

- N-não, de jeito nenhum, m-majestade. Eu só quis dizer que... - pela segunda vez foi interrompida.

- Pois trate dela até que desperte e caso não tenha competência para tal, eu farei questão de trazer outro médico para cá. - externou numa carranca.

- D-de jeito nenhum, eu farei meu melhor. - curvou-se obediente.

- Ótimo. - sorriu fria. - Lee Yoobin! - chamou voltando-se à empregada, que veio em reverência polida.

- S-sim, senhora. - sorriu branda, ajeitando o avental no corpo fransino.

- Prepare uma refeição para quando ela acordar e me chame. Estarei no banho. - relatou concisa, antes de sair em passos estridentes, sob as cabeças baixas e respeitosas dos súditos.

[...]

E eis que horas depois...

A alteza Kim relaxando em sua banheira, após o exaustivo dia de caça e também relendo papéis, pois sendo a governante do reino, eram muitos decretos de lei para serem assinados. A dura rotina de herdeira direta da dinastia Kim, que sempre prezou por bons valores de liderança.

Porém, entretida naquela sessão de relaxamento, a morena teve uma interrupção abrupta.

- Majestade? - o som de batidas na porta soou, seguido pela voz de uma das serviçais do palácio, com certa urgência.

- Entre. - autorizou firme e a mulher entrou cautelosa, numa reverência.

- Desculpe majestade, mas... a jovem garota da floresta acordou finalmente. - noticiou sucinta e a Kim sorriu breve.

Parece que depois de tantas obrigações, teria com o quê se distrair. Um mistério prestes à ser desvendado.

Vestiu então o robe sobre o corpo semi-nu e foi ao quarto, de encontro à sua mais nova distração, porém quando ainda estava no corredor, ouviu gritos estridentes soarem. Apressou os passos e ao entrar, viu a caricata cena da moça desperta, além de vestida numa túnica e sendo segurada por dois membros da guarda real e... rosnando, como um animal feroz.

O que talvez ela fosse, de fato, dadas as circunstâncias. Porém quando as orbes castanhas pousaram na figura recém chegada ao recinto, a fúria pareceu se intensificar.

- Você, me solte! - gritou em estrondosa exclamação, remexendo-se com os homens a privando.

- Te soltar?! - a monarca riu seca. - Ainda não, mocinha. - sorriu com descaso. - Soltem ela. - gesticulou por fim, para o espanto de todos.

- M-mas majestade... - um dos homens arregalou os olhos, perdido.

- Mandei soltar. - entonou firme e em obediência, enfim soltaram a jovem. Esta, que sem delongas avançou na rainha, com gesto irritada e...

- Se afaste da rainha! - a comanda foi dada pelo líder dos soldados, porém Siyeon estava inconformada com aquele tratamento e apenas fuzilou o mais alto com olhar raivoso, o fazendo recuar levemente.

- Como está o machucado? Você se recupera bem rápido. - a voz da bendita governante soou atraindo sua atenção.

- Quero ir embora daqui. - rebateu ignorando a interrogativa da mais baixa, portando uma coroa pequena e bonita nos fios acobreados e ondulados.

- Mas não vai. - rechaçou séria. - Você é uma raridade e ficará no palácio. Devia estar agradecida por isso. Poupei sua vida e está instalada em um lugar melhor que sua cabana. - findou risonha, todavia...

- Não serei prisioneira, tampouco cobaia aqui. - retrucou ultrajada. Quem aquela jovem rainha pensava ser, para obrigá-la à ficar ali? Lee sempre foi livre e não seria agora que isso mudaria, não mesmo. Se tivesse de brigar por liberdade, o faria ou morreria tentando.

- Mais respeito com a rainha, garota. - um dos fiéis guardas relembrou, porém a mencionada fez gesto sutil para que os mesmos saíssem e mesmo sob um silêncio de hesitação, estes foram saindo. - Estaremos aqui se precisar, suserana. - complementou o homem com ar eficiente.

E quando estavam sozinhas, Bora tomou a palavra, se achegando na maior com tranquilidade.

- Qual o seu nome? - questionou sucinta e Siyeon a olhou analítica.

- Lee Siyeon. - verbalizou estufando o peito.

- Muito bem. Você será minha hóspede e sendo assim, terá teto, comida e roupas, em troca de cooperação. Também vou te dar obrigações leves para não se entediar se quiser, mas não pode sair do palácio. - estabeleceu sólida e a Lee emudeceu incrédula, para então...

- Eu não sou como vocês, humanos. Sou uma transmorfo como viu na floresta. Bastaria me tornar lobo e matar todos, inclusive você, "rainha". - zombou em ameaça e a morena sorriu ladino, com desdém.

- Pois tente. - provocou faceira. - Você não me assusta, lobinha. - acrescentou num sorriso largo, antes de sair do local, comandando aos soldados para retornarem e fazerem como preescrito pela mesma, apesar dos fortes rosnares de Lee Siyeon em ser contida.

Aquela garota era atrevida, isso era nítido. Mas como rainha, Bora estava habituada à insubordinação e desobediência constante e portanto, estaria bem atenta à tudo que acontecesse.


***


Notas Finais:


E aí, gostaram? Podem comentar à vontade :D
E vamos ao próximo, let's go!

27 de Maio de 2021 às 04:19 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo Desavenças

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 2 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!