patykastanno Patricia Kastanno

[Jikook • Jungkook Top • Jimin Bottom • Romance • Drama • Barriga de Aluguel • Adultério • Longfic] Park Jimin é um rapaz recém-formado que após ser rejeitado numa agência, consegue um emprego numa lanchonete como atendente, porém seu cheiro de ômega lúpus é chamativo demais e o faz ser despedido. Diante disso, um estranho que observava a situação lhe faz uma proposta de emprego inusitada: ser uma barriga de aluguel para um casal de amigos seus que desejam ter um filhote. Jimin fica temeroso à princípio, mas decide aceitar e conhece Jeon Jungkook, um alfa lúpus belo e sedutor e sua esposa, Jeon Jieun, uma linda e delicada beta. No entanto, durante a gestação, na qual Jungkook se dispõe em ajudar o pai de seu filhote, as coisas parecem fugir do controle dos três envolvidos, que não contavam com imprevistos emocionais pelo caminho.


Fanfiction Bandas/Cantores Para maiores de 18 apenas.

#jimin-bottom #jungkook-top #bts #jikook #kookmin #jeon-jungkook #jungkook #jjk #yaoi #abo #iu #jimin #park-jimin #lee-jieun #pjm #mpreg #drama
7
1.2mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todos os Sábados
tempo de leitura
AA Compartilhar

Prólogo



Notas Iniciais:


Olá, sejam bem vindos à essa história que tanto queria postar logo, pois é um plot antigo que acabei deixando de lado, mas que eu amo ♥

Bom, abaixo seguem algumas observações:
* Tradução do título: Romance de Aluguel;
* Trilha sonora: The pain that kills you too de Solar Fake;
* Narrada em terceira pessoa;
* Focada no ship Jikook e com menção à Jungkook e IU, portanto se não gosta, NÃO LEIA;
* Universo alternativo ABO e suas respectivas características;
* Pode se considerar um trio amoroso e com temática em gravidez/barriga de aluguel;
* Conteúdo sensível para menores de dezoito aninhos;
* Postagem semanal;
* Plágio é crime, então não copie ou adapte essa fic;
* Postada em Wattpad e Spirit;

Agora que já estão cientes de tudo, vamos começar.
Espero que gostem, boa leitura!


***


Prólogo


Depois de muitos anos de dedicação e horas à fio de treino, além de alguns tombos, a recompensa chegou: finalmente o ômega Park Jimin havia se formado em sua maior paixão: a dança contemporânea. Seus professores sempre o elogiaram, dizendo que ele seria um ótimo dançarino e seus colegas até o invejavam por sua exímia desenvoltura nos movimentos, ele já parecia um profissional de fato.

E poderia dizer que sua trajetória até o tão esperado diploma não fôra fácil, teve de enfrentar a movimentada e desconhecida Seul aos seus desesseis anos, com apenas alguns wons em sua carteira, as roupas que pôde trazer na mala e muitos documentos exigidos pela faculdade onde cursaria. Sua família o apoiou, eram muito receosos em relação ao mundo de classes superiores à do pequeno e ingênuo Jimin, mas não poderiam privá-lo de seu sonho e por fim aceitaram.

Durante o curso na faculdade, se lembrava claramente dos betas e alfas o insultando ou assediando por ser um garoto dançarino, de modo que isso parecia ser uma "especialidade" de garotas, mas Park não se deixou abalar por isso também, até achava graça no quão fúteis os vangloriados alfas e betas eram por pensarem assim.

Todavia, repensou em ignorá-los quando encontrou um alfa certa vez em pleno cio no corredor dos banheiros, aquilo foi um choque e tanto para si. Ele sabia de tudo que envolvia o período... na teoria, pois na prática era muito diferente. E ele também não previu na época quando o alfa o avançou desesperado, tentando algum contato que é claro, foi negado por um Jimin ruborizado.

De certo daria um bom livro escrever todas as aventuras que viveu naquele prédio, ele apreciou cada pequeno momento ali, era uma parte de sua história. Contudo, agora era um dançarino e não usufruiria mais da república onde viveu os três anos até então com colegas, era chegada a hora de iniciar uma nova etapa de sua vida: procurar um novo lar e também um emprego para se manter, afinal ele não pretendia retornar para Busan apenas com o certificado e sim com uma carteira assinada, queria mostrar seu valor, dar orgulho aos progenitores e ao irmão.

- É aqui. - suspirou o jovem ajeitando os cabelos negros que se contrastavam tão bem com sua pele alva. Diante de si estava um alto edifício envidraçado onde um letreiro dourado se destacava com o nome "Pop Entertainment", a agência onde poderia estar sua primeira oportunidade. Muitos falavam bem deste lugar, era famoso e cheio de trainees ômegas e betas, não teria como dar errado. - Com licença. - chamou ele se aproximando do balcão branco, onde duas moças estavam e pelo cheiro e aparência, eram ômegas.

- Bom dia, posso ajudá-lo? - uma delas o encarou interessada, tinha cabelos acobreados presos num coque e ostentava um pequeno sorriso cortês, além do cheiro de amêndoas que a acompanhava.

- Bom dia, e-eu estou procurando um emprego e... sabe, me recomendaram esta agência. - explicou o mais novo tentando soar calmo e a moça rapidamente acenou em sinal de compreensão e logo passou a digitar algo em seu computador.

- Vou chamar a responsável, ela pode lhe informar melhor. - foi tudo o que disse a mulher e não demorou nada até uma senhora de meia-idade aparecer no saguão limpo e vazio da agência. - Senhora Lee, o rapaz está procurando uma vaga em sua turma. - explicou a recepcionista enquanto a tal senhora Lee fitou Jimin analítica.

- Muito prazer, sou Lee Sooa e você, como se chama? - perguntou a mulher estendendo a mão de unhas compridas e bem pintadas. Seu tom era firme e logo ficou claro que era uma beta, por isso não possuía cheiro algum.

- Park Jimin, prazer. - retribuiu sem demora o recém-formado e a mulher assentiu indicando uma direção com a cabeça. Ele apenas a seguiu e ambos foram parar num elevador que os conduziu direto para uma grande sala de espelhos. Jimin já conhecia bem esses ambientes, era uma sala de treinamento e alguns alunos estavam ali, ensaiando alguma coisa muito bem produzida e trabalhosa.

- Então senhor Park, qual a sua formação? - perguntou a beta enquanto ainda estavam parados em frente à sala, os trainees eram jovens e pareciam entretidos demais para notarem o visitante ali presente, então Jimin sorriu apanhando de sua pasta o diploma e seus históricos de colégio.

- Terminei minha graduação em dança contemporânea e fiz alguns anos de balé clássico e hip-hop. - detalhou o moreno enquanto a mulher lia os papéis em suas mãos. Um curto silêncio seguiu-se até ela o encarar com os olhos semi-cerrados.

- Muito bem, e qual a sua classe? - questionou ela e Jimin sentiu-se ansioso pela primeira vez desde que adentrou aquela agência, a mulher parecia enxergar qualquer emoção com aquele olhar sério e compenetrado.

- Sou ômega, senhora. - ditou o rapaz e a mulher assentiu, devolvendo-lhe os documentos.

- Eu sinto muito em lhe dizer isto, mas nossa agência não contrata ômegas do sexo masculino, damos prioridade às mulheres e também temos o dilema da classe estar cheia por ser a mais procurada. - a decepção ao ouvir tais palavras sobreveio, Jimin sentiu-se triste por ter depositado toda a sua esperança ali, tinha plena confiança que conseguiria uma vaga, mas jamais esperou que seu sexo fosse atrapalhar.

Era de se esperar que as mulheres tanto ômegas quanto betas tivessem prioridade. Jimin era um espécime raro na atual sociedade, onde prevaleciam os líderes natos denominados alfas e alfas lúpus, em sua maioria homens, os subalternos betas de ambos os sexos, que eram qualificados para qualquer cargo e possuíam uma série de vantagens sobre os outros lupinos e por fim, os frágeis e delicados ômegas e ômegas lúpus, que tinham a divina função de perpetuação de espécie por sua natureza reprodutora e ainda, eram em sua maioria... MULHERES!

Sim, a porcentagem de ômegas homens era de aproximadamente cinco por cento em toda a população da classe e como se não bastasse, Jimin ainda possuía outro detalhe importante em seu DNA: era nada mais nada menos que um ômega lúpus, tornando-o consideravelmente raro, aproximando-se dos um por cento da proporção da classe.

Porém não era uma característica que o afetava, visto que os alfas lúpus também eram igualmente raros e muito valorizados por sua força e sensualidade. Talvez o único e preocupante problema relacionado à sua classe rara, era que seus períodos de cio eram mais severos e impactantes que os outros, pois seu cheiro não era nada sutil se comparado com um ômega comum.

- O-obrigada assim mesmo, senhora Lee. - agradeceu num muxoxo e uma breve reverência e se direcionou à saída do prédio onde as duas recepcionistas de antes o encararam desconfiadas, mas seu semblante deixava evidente o quão abalado estava e ele apenas acenou fraco antes de suspirar, já do lado de fora do local.

Era uma tarde fria de outono em Seul e o lúpus permitiu-se sentar em um banco numa praça próxima para pensar. A mochila que carregava consigo foi deixada de lado e pegando seu celular, respondeu à mensagens de seus colegas e também de sua mãe, sentindo-se um pouco mais motivado.

- Aish, não posso desistir, preciso continuar procurando. - Jimin já estava à uns bons metros do edifício da POP e apesar de sua frustração, não podia se deixar levar, precisava deste emprego à todo custo e mais ainda, precisava de um lugar para dormir naquela noite fria que já dava seus sinais.


***


Notas Finais:


E aí, curtiram esse começo? Se sim, só deixar seu comentário aqui registrado, obrigada.

Bom, quero fazer duas observações mega importantes:
* A primeira é um agradecimento mais que especial para capista @Yoonminishot e projeto @TopJKProject pelas capas wattpad e essa, além do banner que ficaram tão lindinhos e perfeitos para a fanfic, muito obrigada ♥
* E a segunda é que essa belezinha de história ficará fora do cronograma regular por um tempinho, ou seja, não vou atualizar logo. Mas não se preocupe, eu pretendo continuar ela o mais rápido possível, ok?

Era isso. Um beijão pra vocês nesse domingo, obrigada por ler até aqui e... votem com consciência, ayo.

27 de Maio de 2021 às 03:00 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo Capítulo 1 - Emprego Fácil?

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 18 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!