t
thiago silva


A humanidade já foi a forma de vida dominante nesse mundo, com nossa tecnológia éramos capazes de dominar tudo no céu, na terra e na água. Mas o universo conspira e revela uma força maior. Há séculos atrás quando estávamos em nosso auge um asteroide carregado com o que hoje conhecemos como bioenergia evolutiva atingiu nosso planeta alterando a flora e a fauna. Se antes éramos o topo da cadeia alimentar, hoje somos a base dela. Quando nosso futuro foi ameaçado olhamos para o passado e recriamos os cavaleiros a última resistência da humanidade em um mundo que já não é mais nosso.


Pós-apocalíptico Todo o público.
0
894 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 30 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

Cavaleiros e animais

Amélia estava na cozinha da taverna em que trabalhava todos os dias desde os 12, lavando pratos e copos que nunca paravam de chegar, sua mente era inquieta e olhar pela janela não lhe trazia calma. Pela janela a jovem olhava a rua do estanho simples barracas com vendedores tentando empurrar qualquer produto a alguém interessado e no fim do dia contas as moedas. Qualquer um poderia morar na cidadela do castelo de Bravestone se puder pagar o preço ou contribuir com trabalhos cruciais, sua mãe Agnes era uma enfermeira mas ao casar com seu padrasto Willian teve de abdicar de viver em uma casa confortável e segura para uma simples cabana fora dos muros da cidadela... Um dia você vai entender era o que sua mãe costumava dizer , mas para Amélia tudo parecia uma ironia, perdida em seus pensamentos e frustrações nem percebeu seu nome sendo chamado ao salão, apenas quando a atendente Abby lhe tocou no ombro que reagiu ao que acontecia.

_ Ei Amy preciso de ajuda para levar pratos e bebidas para uma mesa, muitos cadetes hoje e todos com pressa .

_ Eu tinha me esquecido da temporada do pardal, os filhos da realeza tentando se tornar cavaleiros do reino, o tom de deboche na voz da Amélia nem foi notado por Abby afinal moedas ainda são moedas no fim do dia , Amélia secou as mãos e acompanhou Abby dividindo com ela a tarefa de servir mais pratos e bebidas , a jovem conseguia se imaginar tendo de lavar tudo isso antes de ir embora.

O salão da taverna estava animado com muita freguesia, Amélia resmungava baixo como as gorjetas deviam ser boas na donzela de ferro hoje, se o dono não pegar sua parte... para custos operacionais ele costuma dizer afinal alguém paga pelos uniformes e pratos quebrados moças . Mesas foram unidas para acomodar tantos jovens , chamados vulgarmente de pardais pelos comuns os filhos da elite da cidade ao fazer 18 anos eram forçados a tentar conquistar uma das armaduras feitas naquele ano pelos mestres da forja real se voar bem a honra da família é mantida se fracassar voltam ao ninho , Amélia costumava dizer que se os guardas de nada valem imagina os cavaleiros do reino nunca aparecem para nada, vivem da fama do passado ainda era irritante ouvir Willian seu padrasto contar sempre de como sua vida e a dos outros lenhadores foram salvas de um ataque após os guardas fugirem, a voz de seu padrasto surgia em sua mente

" Vocês deviam ter visto eu jurava ser o meu fim aqueles lobos mutantes Wulfners apareceram em uma matilha, Amir e a Madson foram pegos por eles e para a mata os guardas gritando para o pessoal fugir , eles tinham mais medo do que a gente, dava pra ouvir os gritos dos nossos amigos e aquelas coisas cercando a gente, tentamos correr mas aquelas coisas são rápidas dois guardas tentaram reagir mas foram pegos e quando os Wulfners mordem você ouve o som dos ossos quebrando mesmo com a armadura que os guardas usam. Eu pensei já era vou morrer sem ver meus filhos, fiquei pensando no que diria a sua mãe e caindo do céu como uma providência divina o cavaleiro Stormbreaker , aquela armadura parece eletrificar até o ar você literalmente consegue ver raios e aquela voz imponente dizendo para sairmos que tudo ia ficar até a matilha daqueles bichos sentiu medo e recuou quando os olhos do capacete de Stormbreaker começaram a brilhar e da sua lança um arco elétrico foi disparado contra aqueles bichos no fim até a Madson foi encontrada com vida. Meu padrasto não gosta quando lembro ele de sempre ver a Madson pedindo moedas e comida , afinal ninguém consegue derrubar uma árvore sem uma das pernas, sem utilidade você é um descarte eu dizia e lamentava as vezes como isso o magoava, minha mãe em defesa sempre dizia em resposta não é porque a vida é amarga que você tem que ser azeda, meu irmãozinho Artur rindo me chamando de Amélia azeda...lembrar dele fez um sorriso tímido surgir em Amélia enquanto distribuía os pedidos as mesas quando um comentário dito por um dos pardais a incomodou.

_ Oh criadagem esse prato está horrível , nem animais comem isso_ um jovem alterado pela bebida parecia querer atenção Abby rapidamente se desculpou pela qualidade tentando dizer que sempre elogiam os pratos mas isso pareceu irritar mais o jovem até que Amélia respondeu a ele.

_ Seja bom animalzinho e coma o que pediu senhor.

O jovem para a reação de todos jogou o prato no chão sabendo que uma das moças deveria ir limpar.

_ Opa caiu uma pena você poderia vir aqui limpar serviçal _ Amélia se prostrou para limpar perto demais desse jovem podia sentir seu hálito _ você até que é bonita desse ângulo e aí me diz já saiu com um cavaleiro ?.

Um homem surgiu pegando o jovem pelos cabelos e para a surpresa de todos esfregou o rosto dele pelo que restava da comida no chão

_ Escudeiro pessoas trabalham e se arriscaram por essa refeição que você desperdiça, desdenhar do sacrifício deles me enoja agora coma tudo .

As roupas finas e o manto com o símbolo do reino denunciavam, o homem era um cavaleiro , os outros jovens na mesa rapidamente se colocaram em prontidão assumindo uma postura militar perante o cavaleiro todos em uma única voz.

_ Lord Rowan nós o saudamos com honra e Aço ! .

_ E um hálito enebriado em vinho, uniformes sujos e total falta de etiqueta escudeiros vocês me trazem desonra e me envergonham se retirem e levem esse rapaz abusado quando ele terminar sua refeição.

O cavaleiro caminhou pelo salão com um olhar frio julgando cada alma que lá estava , demorou até a jovem Abby reagir e perguntar como poderia ser útil. Amélia vendo a chance estava a tentar voltar para sua pia de pratos que no momento parecia o lugar mais seguro que o salão até a jovem quase colidir com o dono da taverna senhor Roland, mas que exigia ser chamado de lord Roland, sem ele saber que seus funcionários completavam o título com lord Roland o roliço, o ladrão, o tolo, o rouba gorjetas , tudo variando conforme o momento.

Quando Amélia passou pelo seu chefe um murmúrio foi apenas o que ela ouviu " Frostbite ", algo que ela não entendeu mas no fim aliviada por voltar a seu trabalho ela imagina que essa temporada de pardais foi interessante e que talvez exista alguma utilidade nesses cavaleiros seu padrasto Willian ia adorar ouvir essa história, quem não iria gostar.





29 de Maio de 2021 às 21:09 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo Caminhando ao acaso

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 3 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!

Histórias relacionadas