cxxt Salem Cxxt

Esse conto é baseado nas obras dos Irmãos Grimm, pode conter gatilhos emocionais pois contem assuntos sensíveis, não leia se for muito pesado, o intuito é apenas mostrar os contos de fadas de outra forma, como eram as histórias dos Grimm antes de adaptadas a Disney. Não tem a intenção de ofender ou romantizar nenhuma pessoa ou situação.


Horror Histórias de fantasmas Para maiores de 18 apenas.

#conto #fantasmas #horror #terror #grimm #IrmãosGrimm
Conto
1
2.3mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Show De horrores

A morte condena aquele que duvida da sua força, a história que vos conta hoje, é um conto trágico que se passa no século passado, aproveitem bem e se possível, rezem antes de dormir.


Oria LeBlanc, aos 12 anos viu a vida desmoronar com a perda de seus pais, a família de alta elite que possuía muitas terras, agora haviam sido deixadas para a menina que teria herdado toda a fortuna de seus antepassados. Sua vida parecia ter melhorado com a chegada de seu tio paterno, Joseph LeBlanc, um homem de 56 anos, cuja aparência não era nada agradável, seus dentes eram amarelos, sua barba falha e rala, pele flácida e manchada, seu hálito de cigarro era marcante, mas na cabeça de Oria, a única coisa que importava era que não estaria mais sozinha com seus fantasmas...Ou era o que pensava. Aos poucos, o velho homem se mostrava frio e calculista, se interessava apenas pela herança, a menina estava mais sozinha do que nunca.

Com 18 anos, a jovem havia se tornado bonita, uma ''adolescente'' inteligente e apaixonada pela vida, mas a beleza estonteante não passou despercebida pelo tio, porém a atenção exagerada e repentina do homem também foi notada. Oria estranhava tal ato, principalmente quando seu tio lhe visitava as noites em seu quarto e se despedia com um beijo molhado e nojento na testa. As atitudes de Joseph começaram a assustar a jovem, o velho sentava-se toda toda noite na ponta de sua cama e ficava a observar até a garota cair nos braços de Morfeu, entretanto os olhos maliciosos e demoníacos percorriam o corpo pequeno, mesmo que cobertos, sentia os arrepios e choques' como se os demônios se grudassem em sua alma e rasgassem cada pedacinho de si, e novamente, saindo do quarto o ritual' ' é feito, com um beijo molhado e nojento na testa, a porta do quarto se fecha.

No dia seguinte, os LeBlanc se juntam a mesa para o café da manhã, vestindo uma roupa simples, a sobrinha espera Joseph sentar para comerem juntos, vagarosamente ele se senta ao lado da menina, o que desperta uma confusão em Oria, já que normalmente, o homem sentaria na outra ponta da mesa. Dado o cumprimento matinal, um silêncio se instala no local, sentindo uma mão pesada em sua coxa, a adolescente paralisa e olha desacreditada para a alma' ao seu lado, levanta-se rápido e corre para o quarto o trancando, passa o dia repensando o que aconteceu e o por que aconteceu, tentava ler como de costume mas os pensamentos intrusos continuavam fazendo palco em sua mente, ódio a consumia, mas não sabia como resolver, uma garota jovem não deveria passar por isso, mas infelizmente aconteceu… A noite chega mais uma vez, todos os seus afazeres estão terminados, pronta para dormir, deita na cama se concentrando para não se perder em pensamentos negativos, o barulho da fechadura sendo destrancada a assusta, por que ele está com uma chave reserva? O coração acelerado, a respiração perde o ritmo, ela sabia que dessa vez não teria uma despedida rápida. Sua pele sente o frio que vinha da janela entreaberta quando sua coberta vai ao chão, o desespero toma conta de seu corpo, a primeira lágrima caí seguido de um choro assustado, Oria estava aos prantos, seu consciente se desliga, sua pureza havia sido arrancada sem piedade alguma, cada centímetro doía, Joseph se levanta e caminha até a porta, já vestido, teve a ousadia de se despedir como das outras noites mas antes de fechar a porta, murmura

—Boa noite sobrinha.—E então a deixa sozinha.

Essa noite se repetiu outras vezes, era como um show de horrores, mas a apresentação principal iria começar e seu mundo viria a desabar, uma gravidez que além de não planejada também era muito indesejada e odiada. As violações e violência cessaram, não por conta do feto mas sim porque aquele demônio que se denominava tio, foi pego pelos populares do vilarejo, visto que era num lugar pequeno, o homem foi julgado em praça pública, chamado de profano, o maioral do local dizia que Joseph, era uma reencarnação do mal, isso porque a sobrinha não foi a única a sofrer nas mãos do velho, palavras da Bíblia eram proferidas pelos moradores e o homem riu em deboche enquanto olhava para todos com um ar' de superioridade. Foi enforcado no dia 21 de julho de 1886 sem o direito de dizer nada e mesmo que pudesse, sentia-se superior demais para contestar qualquer miserável daquele lugar pútrido.

Com 6 meses de gestação, as dores fortes se faziam presentes, Oria sentia medo de pedir ajuda e sair da casa, pois tinha medo de encontrar o fantasma de seu tio vagando pelas ruas, mas ao contrário do que pensava, ele estava mais perto do que imaginava. Desde que houve o julgamento na praça, toda madrugada o inferno imperava, um barulho alto de uma corda rangendo fez a mulher se levantar e ir em direção da escada do casarão velho da família de dois andares, olhando para o andar de baixo, ouve atrás de si, passos pesados e numa tentativa de fugir, seus pés travam e sua cabeça gira em conjunto com todo o ambiente quando caí escada abaixo.

Quando acordada sente seu corpo latejar e algo molhado escorre entre suas pernas, a bolsa havia rompido, em desespero, corre até rua gritando por socorro e a vizinha, também parteira a recolhe para dentro de casa, passou minutos que pareciam horas tentando constatar vida, mas nenhum sinal foi dado, alegando então que o feto não havia resistido, com um ferro parecido com uma pinça, o companheiro da parteira, que era médico do vilarejo, realizou a curetagem no ventre da moça. Oria recebe em seus braços, Anna, o nome escolhido para quando nascesse, entre lágrimas de ódio e nojo, segurava forte o corpo mole contra seu peito, o seu sentimento de repulsão era tão forte que o pequeno ser virou uma pedra de gelo. E então três dias se passaram desde esse episódio e o quarto de Anna se encontrava em total melancolia, o corpo petrificado foi mantido no berço, após tudo isso acontecer, Oria escutava todas as noites, choro de criança, fazia seu caminho até o quarto do bebê e cuidava, cantando uma música de ninar, o choro parava e uma voz grossa chamava seu nome, durante o dia podia sentir o cheiro de cigarro barato e ouvir uma risada macabra que ecoava pelo cômodo infantil.

Cansada de tanta pertubação, a mulher decide dar um fim em tudo, ao entrar nos aposentos da “filha” se depara com uma paisagem’ horrível, Joseph estava enforcado acima do berço da criança. As experiências pareciam não ter fim, durante os cochilos alguém sentava em sua cama e depositava um beijo molhado e nojento em sua testa, atormentada com os acontecimentos, decreta sua morte, se posiciona ao lado da cama, sobe em uma cadeira e coloca a corda no pescoço, sua última visão foi de seu tio com o mesmo olhar de domínio e superioridade, enquanto gargalhava por conseguir o que queria. Fim.

―Fim? Só isso? ― Um turista emburrado pergunta ao guia do passeio.

― Bem, faz muito tempo desde que isso aconteceu, essa casa guarda essa história desde que o vilarejo começou a “ser parte” da cidade grande. Estranhamente depois que a dona da casa foi achada pelos vizinhos, a corda que foi usada no julgamento do velho LeBlanc, estava lá no quarto junto a Oria. ― Olhos curiosos e medrosos o cercam. ― O ar de tristeza e raiva permanece até hoje, às vezes eu sinto a presença do homem, o cheiro do tabaco, os lamentos da moça… ― Um suspiro pesado envolve alguns dos turistas parecem desdenhar do relato como outros parecem ficar com mais medo. ― Mas se desejam saber se é verdade e que não estamos inventando histórias para atrair dinheiro, durante todas as noites é possível testemunhar o som das cordas rangendo, enquanto num ciclo eterno os LeBlanc revivem suas mortes...

20 de Maio de 2021 às 20:56 2 Denunciar Insira Seguir história
2
Fim

Conheça o autor

Salem Cxxt Ainda sou uma escritora amadora, qualquer ajuda é sempre bem-vinda, espero fazer desse lugar minha nova casa.

Comente algo

Publique!
Lunéler Elias Lunéler Elias
Olá. Gostei muito da obra. Arrepiante. Me deu aquele sensação de "justiçamento" quando li sobre o enforcamento do tio. Uma pena que ela tenha tido o mesmo fim. É um texto bem pesado, da maneira como gosto. Sua escrita é ótima. Parabéns pelo enredo, bem construído.
August 03, 2021, 16:49
NíngYì Mèng NíngYì Mèng
不可思议!宏伟!恭喜你写这样的东西。❤ É uma verdadeira tristeza que a história da pequena Oria tenha chegado ao seu fim de tal forma. A menina Anna deve ter sofrido muito ao crescer. E, me sinto muito inconformada, como os turistas não prestavam atenção a uma história tão interessante? Que pessoas bobas, não sabem o que perderam. Ok! Agora eu vou começar a falar sério: Primeiro, sua escrita é incrível, apenas uns erros de ortografia, mas nada que alguém vá se incomodar. Segundo, eu só vi vídeos dos contos dos Grimm e devo dizer que sua obra é tão boa quanto a deles. Terceiro, enquanto lia, nunca pensei que fosse algo contado para turistas, então, amei este plot-twist. Quarto, a capa "casa" muito com todo o enredo. Está muito bem feita. Quinto, eu definitivamente estou apaixonada por isso. Espero ver mais criações suas em nossa plataforma e muito obrigada por compartilhar conosco! 💕 吻,NíngYì 姐姐! 😊
May 26, 2021, 00:25
~