evy-xx Evy Maze

Park Jimin, um jovem pintor de vinte e seis anos, descobre que está à espera do seu primeiro bebê. Ele vê o sonho de ter a própria família no pequeno teste positivo de gravidez no momento em que o segura entre os dedos, mas a recusa de seu noivo, Yoo Kihyun, põe tudo a perder quando a única saída para o homem é a realização de um aborto. Porém, decidido a seguir, Park resolve manter a gravidez e romper o noivado, e se vê encorajado a persistir na vida que tem dentro de si e retoma sua inteira liberdade a partir de então. Gradualmente, Jimin consegue voltar ao mercado de trabalho com suas telas e seu reconhecimento é instantâneo, mas tudo o que não o faz desistir é o ponto máximo de alegria que é viver cada nova fase com o seu bebê. Mas existe um ditado de que alegria demais, não dura, certo? E bem, numa certa tarde de compras, o Park vê como aquilo realmente é verdadeiro. Sozinho, com dor, à beira da perda. Mas se o destino é quem costura as histórias, porque o Park precisava sofrer assim? Talvez fosse apenas a forma dele mostrar para o jovem que nem tudo é tão ruim assim. | MPREG | FLEX |


Fanfiction Bandas/Cantores Para maiores de 18 apenas.

#namjoon #yoongi #seokjin #hoseok #jungkook #jimin #taehyung #jikook #namjin #pwp #taeyoonseok #mpreg # #gravidez
31
4.8mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todos os Sábados
tempo de leitura
AA Compartilhar

Você será papai

JIMIN

Há alguns dias eu não vinha me sentindo bem.

Há exatas duas semanas, estou sentindo muito enjoo e tonturas.

Fui ao médico e fiz vários exames, meu noivo, Kihyun ficou bastante preocupado comigo, mas não pode fazer muita coisa, porque estava em uma viagem de negócios no Japão.

O resultado dos exames veio no mesmo dia, e foi trabalho do doutor Kim me explicar o que estava acontecendo comigo, e me acalmar, depois do meu surto logo após o resultado.

Estou grávido de 4 semanas, Kihyun ainda não sabe, deixei para contar quando ele retornasse, em dois dias.

Minha mãe, que mora em Busan, surtou quando soube, e se ela pudesse me bater por ligação, teria batido, mas depois de muita reclamação e gritos, ela começou a chorar de felicidade com a realidade de que logo, logo seria vovó.

Pedi para que não contasse nada para a família ainda, queria primeiro contar a kihyun.

Decidi fazer uma surpresa. Comprei uma roupinha de bebê, com o nome papai bem grande na frente, e coloquei em uma caixinha vermelha, em cima da cama. Quando Kihyun chegou a nosso apartamento, o recebi com um abraço cheio de saudade e um beijo gostoso.

— Senti sua falta. — ele disse rindo, deixando a mala de lado, e me abraçando de volta. — Como você está? Melhorou?

Assenti ainda abraçado nele, sentindo uma necessidade absurda de carinho.

— Vou tomar um banho, e pedimos algo para comer em seguida, ok?

Ele me deu um beijo na testa, e seguiu para o quarto.

O segui, louco para ver qual seria a sua reação.

Possivelmente choraria. Nós nunca conversamos a respeito de termos um filho, mas acho que a ideia não parece nada ruim. Acho que ele ficará feliz.

Assim que entrou no quarto, parei na porta, o observando. Ele olhou para a caixa, e olhou para trás, sorrindo.

— O que é isso? — segurou a caixa nas mãos.

— Abre. — Cheguei mais perto, sentindo minhas mãos tremerem em antecipação. Estava muito nervoso.

— É alguma peça de renda? Você sabe como eu amo ver você com elas né? — me beijou e sorri, negando.

— Abre logo seu safado. — ele me olhou uma última vez, e abriu a caixa.

No primeiro momento a reação dele foi neutra. Ele olhou para dentro da caixa, parado, por muitos segundos e me olhou sério. Depois sentou na cama, retirou a roupinha de dentro dela, e colocou na cama. Eu estava tremendo demais, me aproximei tentando tocá-lo, mas ele levantou rápido e se afastou.

— O que é isso? — perguntou de costas para mim, eu estava sorrindo, mas meu sorriso morreu no mesmo segundo. — Jimin, o que é isso?

O olhei assustado. Tentei o tocar novamente, mas ele segurou minhas mãos.

— Jimin... Nós não podemos.

Me afastei. Ele me olhou sério novamente.

— E-Eu pensei q-que nós...

— Não, Jimin, nós não podemos. Eu... não posso.

— Kihyun calma, eu-

— Não!

— E o que quer que eu faça? Kihyun, eu estou grávido. Estou com quatro semanas, amor.

— Quatro semanas? Mas como eu pude me descuidar assim... merda. Jimin eu vou arrumar um jeito ok? Não vou deixar esse... essa coisa mudar tudo.

— Essa coisa? — senti meus olhos se encherem de lágrimas. — essa coisa é nosso filho!

— Não, não pode. E-Eu conheço um ótimo médico que... que consegue arrumar isso. Nós-

— Eu não estou acreditando que está falando isso kihyun. — o interrompi sentindo minhas mãos trêmulas

— Eu estou! — começou a retirar as roupas para tomar banho. — Nós não podemos deixar isso acontecer. Amanhã mesmo nós iremos ao médico e resolveremos.

— Eu não irei a lugar algum. É meu filho.

— Eu não quero essa criança, Park! — falou mais alto, me dando um leve susto pelo tom de voz.

— Mas eu quero, Hyun! O corpo é meu, e nem você, nem médico algum irá tocar nessa criança! — gritei, estava tremendo muito, o que possivelmente não faria bem para o bebê.

Ele me olhou e sorriu de um modo completamente desconhecido por mim, vindo até onde eu estava e parando de frente.

— E como você irá criar essa criança sozinho? Esqueceu que você vive todo esse luxo graças a mim? Se quer que isso continue, será assim. Será assim até o fim.

As lágrimas começaram a descer pelo meu rosto. O homem no qual eu amo, e que estava pronto para formar uma família, estava me humilhando?

— Eu sou um artista e consigo viver com meus quadros. — disse em meio às lágrimas.

Ele riu negando. Meu sofrimento parecia o animar.

— Pare com esse choro, e eu já disse, eu não quero essa criança jimin. Está decidido.

— Eu não irei tirar! — gritei

— Então terá que me esquecer! — o olhei sem acreditar nas palavras. — ou fica comigo enquanto der, ou com esse... com esse bebê e sozinho no mundo.

Me levantei sentindo as lágrimas molharem todo meu rosto e parte do meu pescoço de forma desesperada e fui até o closet para buscar minha mala.

— Irá mesmo fazer isso? — Kihyun perguntou.

Ele estava bem atrás de mim. Abri a mala e coloquei em cima da cama. Voltando para o closet para buscar minhas roupas.

— Jimin, olha o que você está fazendo! Irá mesmo estragar tudo, por causa de algo tão pequeno? Eu te amo, podemos viver bem pelo tempo que temos, só nós dois.

— Você quem está estragando tudo! Você só pensa em você! — Gritei jogando as roupas dentro da mala e olhei-o — Esse era para ser um momento lindo kihyun. Sabe quantas vezes eu chorei em dois dias? Eu imaginei a sua melhor reação! Eu pensei que me amava, e que todas às vezes que disse que eu era a única família ao seu lado, fosse real! Mas não, para você eu sou apenas o namoradinho relaxado que vive do luxo que você proporciona.

— Eu não quis dizer isso, Minnie. Eu-

Passei as mãos pelo meu rosto, enxugando as lágrimas e olhando-o nos olhos.

— Eu tenho uma carreira também, pode não ser grande como a sua, mas é o meu orgulho. Eu estou indo, porque amo o meu filho. Eu o descobri a dois dias, mas já o amo muito e não desistirei de algo que quero por causa de você!

— Você está sendo tolo.

— Eu estou fazendo a coisa certa. Eu pensei que amava um homem, mas amo um covarde. Eu não fiz essa criança sozinho, Kihyun, mas irei cuidar dela, dessa forma.

— Jimin, por favor. — ele segurou meu braço quando fechei a mala, e a coloquei no chão, calçando meus sapatos em seguida.

— Eu venho buscar o resto das minhas coisas depois. — Avisei antes de sair.

Estava chorando, deixando-o para trás e seguindo com apenas minhas roupas, e o meu bebê.

Tudo o que agora eu tinha.

Continua...

16 de Maio de 2021 às 00:02 1 Denunciar Insira Seguir história
2
Leia o próximo capítulo Sozinho

Comente algo

Publique!
Karimy Lubarino Karimy Lubarino
Olá! Faço parte do Sistema de Verificação e estou aqui para lhe parabenizar pela Verificação da sua história. Antes de qualquer coisa, gostaria de parabenizar você pela obra e pela coragem de abordar um tema tão interessante e de uma forma tão natural, sem fazer muitos rodeios ou demonstrar hesitação dos acontecimentos. Ver o quão certeira e direta sua escrita é apenas me marcou desde o início da leitura e me deixou com um gostinho de quero mais, e olha que nem sou conhecedora do mundo e dos artistas de K-pop. A sua história possui também uma estrutura muito interessante. Eu gostei bastante de poder entrar na mente do personagem e ver e sentir as coisas através dele. A escolha de usar o ponto de vista na primeira pessoa fez com que eu me sentisse próximo dele como a de um melhor amigo de infância, principalmente porque a história possui um estilo de confidencialidade muito bacana, como se ele estivesse contando o que aconteceu no dia dele pra mim através de uma mensagem. Também percebi que há uma preocupação sua em mostrar bem quem está falando e fazendo algo, o que ajuda muito a manter uma boa coesão estrutural da fanfic e me ajudou bastante a me sentir situada na história. Eu adorei a forma como você construiu e revelou aos poucos a personalidade dos seus personagens e, pelo pouco que foi apresentado no começo da história, já consegui notar muito fervorosamente uma noção de que poderemos ver esses personagens crescendo durante a narrativa, o que é incrível. Eu confesso que me senti realmente tocada quando Hyun começou a dizer de forma tão brusca que não queria aquele filho. Sei que ainda hoje muitas pessoas precisam passar por situações como essa e, pior ainda, assim como o protagonista da sua história, são humilhadas por não possuírem uma fonte de renda estável e se dedicarem ao lar. Achei realmente interessante você ter escolhido tratar desses dois temais tão fortes e intrínsecos à nossa sociedade logo no primeiro capítulo da história. E me sinto na obrigação de dizer que penso que você o fez com muita fidelidade ao que costuma acontecer na vida real e com um toque impressionante de cuidado na escolha de palavras. Realmente deve sentir orgulho por isso, viu. Apenas senti mais vida ainda nos seus personagens por causa desses detalhes. Com relação à gramática da fic, gostaria de deixar algumas observação, como o fato de que há uso inadequado de vírgula para separar conjunção "e" em frases; "pode" em vez de "pôde"; "meu noivo, Kihyun ficou" em vez de "meu noivo, Kihyun, ficou" e também aconselho fortemente que você acrescente a tag PWP na sua história caso ela contenha conteúdo erótico, porque segundo as regras do site isso é obrigatório para fanfics. São pequenas dicas, mas espero de coração que elas possam te ajudar a crescer ainda mais com suas histórias! Obrigada pela sua dedicação. Sua história certamente já tem um espaço no meu coração e espero que ela seja capaz de atingir muitos outros. Até mais!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 62 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!