skyxmaze Lua ☾

Hoseok Rafael estava furioso de ingressar em seu colégio novo, o que ele não sabia é que dentro do Elite Way School ja haviam muitos corações rebeldes em chamas. BTS X RBD alternative universe! | Yaoi | Funny | Fluffly | Oneshot Capa: @4nastasya #skyxmazefics no Twitter


Fanfiction Celebridades Para maiores de 18 apenas.

#yaoi #fanfic #oneshot #rbd #bts #jimin #namjoon #jungkook #seokjin #jin #yoongi #hoseok #taehyung #yoonmin #taejoon #vmon
Conto
1
861 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

• un trago •

– Eu realmente preciso fazer isso? – o adolescente perguntou quando o carro preto passou pelos portões do colégio.


– O Elite Way School é um dos melhores colégios do país. – o ruivo revirou os olhos, se encolhendo mais dentro do uniforme mal vestido. Porque diabos ele tinha que usar aquela gravata idiota mesmo?


– E daí? Você não pode me obrigar a entrar. Eu não vou fazer isso. – cruzou os braços, já furioso. Pode ver pela janela alguns alunos entrando no colégio, se despedindo de seus pais e abraçando os colegas de sala. – Eu nem sei falar coreano!


– Aprendeu a ser mentiroso com a sua mãe, também? – o senhor Jung desdenhou, sabendo muitíssimo bem que seu filho falava coreano tão bem quanto sabia dar dores de cabeça. – Vai ser bom para você, Hoseok.


Meu nome é Rafael. – o garoto praticamente rosnou. O carro parou e o motorista, no banco da frente, desceu em silêncio para tirar as malas do garoto do carro. – Sério! Eu não vou entrar nesse colégio de merda, Jung. Eu exijo os meus direitos! Porque ninguém me pergunta o que eu quero?


– Porque isso é o melhor para você, simples. – o homem massageou a própria têmpora, já não aguentando mais ter aquela discussão pela terceira vez. – E você está na Coreia do Sul agora. Sua matrícula foi feita no seu nome de batismo, eles vão chamá-lo de Hoseok aqui.


– E eu não vou responder. – retrucou mais uma vez, desgostoso. Preferia mil vezes “seu nome artístico”.


– Eu realmente espero que você não me traga problemas, Hoseok. – o motorista bateu na janela do carro, indicando que tinha terminado o desembarque das malas. – Eu amo você, filho. Mas não posso permitir que continue se mudando de país a cada semestre para seguir a rotina da sua mãe. E ela concorda comigo, você precisa de uma educação melhor agora.


Pensar em sua mãe, a grande cantora mexicana a qual Hoseok sempre fora tão apegado, fez o coração do menino amolecer. Não é como se ele estivesse feliz com aquela decisão de agora morar com o pai e ser forçado a entrar em um colégio integral, mas sabia que já tinha farreado demais nos anos anteriores. Mas poxa! Hoseok tinha feito tantas coisas incríveis seguindo a mãe em suas tours! Conheceu pessoas famosas, comeu nos melhores restaurantes, viveu em hotéis luxuosos por anos…


Como esperavam que ele se adaptasse com tudo aquilo de uma vez só?


– Boa sorte, filho. – o senhor Jung desejou, indicando que era hora de Hoseok ir embora. O adolescente saiu do carro ainda furioso, puxando sua mochila consigo com certa raiva. Olhou para a enorme construção a sua frente e suspirou. Pelo menos não era um castelo medieval e sim uma estrutura moderna de janelas bem limpas. O garoto ajeitou a mochila em um dos ombros, mas antes que desse o primeiro passo, sua atenção foi chamada novamente pelo pai dentro do carro. – Ah, e antes que eu me esqueça… Eles tem um clube de cultura latina. Eu já matriculei você, para não sentir tanta falta da américa.


– Espera, mas eu não quero… – quase xingou o pai em voz alta, já perdendo de vez toda a paciência que restava dentro de si, mas o advogado se resumiu a sorrir com diversão e subir o vidro do passageiro, dando o sinal para que o carro saísse dali o quão antes possível. – Ótimo. Perfeito.


O rapaz revirou os olhos e passou as mãos pelos cabelos ruivos, já impaciente. Puxou as duas malas de roupa e começou a subir em direção a entrada, desinteressado ao extremo por todas as pessoas que olhavam curiosos em sua direção. Fez o check-in apenas porque não queria ficar plantado ali no saguão, queria uma cama para se jogar e chamar de sua. Talvez se ele se escondesse em algum lugar as pessoas fingiriam que ele não existia? Era uma boa alternativa.


Quando chegou no quarto que tinha seu nome escrito na porta, percebeu que ele estava em uma plaquinha logo abaixo de outros três. Então, além de ser forçado a mudar de país, língua, cultura e escola, ele ainda teria zero privacidades? Inferno.


– Madre de Dios, como odeio esse país! – choramingou em espanhol, abrindo a porta no impulso de coragem.


A primeira coisa que viu, fora o cômodo amplo e iluminado por uma janela lateral que pegava boa parte do cômodo. A segunda coisa, foi uma confusão de cabelos coloridos pulando diante de seus olhos.


– Oi! Você deve ser o aluno novo, né? Eu falei pro hyung esperar você chegar para escolhermos as camas, mas ele é teimoso e já subiu de uma vez. Ranzinza. – um garoto tagarela disse, já o puxando para mais dentro do cômodo e fechando a porta atrás de si. – Hyung!! Ele tem cabelo colorido também! Vamos poder trocar as tintas de cabelo! Você só pinta de vermelho ou já tentou outras cores, também? Eu passei rosa porque é mais alegre para a volta as aulas, né?


– Taehyung, deixa o cara respirar. – Yoongi resmungou no andar de cima, que parecia ter uma cama adicional.


Hoseok olhou para cima, vendo um rapaz pálido e de cabelos escuros acenar lá de cima.


– Ah, é… Desculpa, estou animado. – Taehyung riu, dando alguns passinhos para trás. – Vai fazer uns anos que não temos um novo companheiro de quarto.


– Somos só nós três? – Hoseok perguntou em coreano, já tentando se acostumar com a própria voz naquele idioma. – Parece que vi um nome a mais na porta.


– Hm, tem o Namjoon hyung. Mas ele ainda não chegou. – Taehyung informou, sorrindo amigavelmente para o recém chegado. – Pode escolher uma das outras duas camas e o seu armário. Eu raramente durmo na minha própria cama, então tanto faz.


O comentário esquisito fez Hoseok franzir as sobrancelhas enquanto escolhia uma cama e começava a desfazer as malas. Pode jurar que sentiu um cheiro esquisito de fumaça vindo do andar de cima, a parte mais privativa do quarto, que o tal “Yoongi” já tinha tomado posse. Mas Taehyung continuava pulando ao seu redor e fazendo perguntas, observando cada peça de roupa que ele tirava de dentro da mala de viagem.


Minutos depois, a porta do quarto se abriu e Taehyung deu um gritinho animado. Um estudante alto, de óculos e cabelos escuros passou pela porta, sorrindo e largando as malas no chão quando o menino correu em sua direção, pulando em seu colo em um impulso e lhe dando beijinhos no rosto.


Hoseok riu, um tanto desacreditado. Sempre adorou a piadinha de que todos os rapazes de colégios internos costumavam passar o dia dos namorados bem acompanhados, mas não achou que fosse verdade. Pelo menos, com aquilo não tinha que se preocupar.


– O que aconteceu com você, hyung!? – Taehyung praticamente berrou, quando parou com a sessão de beijos no mais velho. – Eu te mandei mensagem as férias inteiras! Até pedi pro Yoongi hyung me ensinar a usar a caixa de e-mails! E nem isso você respondeu!


– Ficamos sem internet em casa. – o tal Namjoon riu, um pouquinho sem graça e fazendo o garoto descer de seu colo. – E eu perdi meu telefone no trabalho de verão, ele caiu dentro do drink de um cliente, ele fez um escândalo. – revirou os olhos, fazendo Hoseok se sentir mal. Ele certamente teria feito um escândalo e tanto se lhe servissem uma bebida com um celular dentro. – Foi sorte que não fui demitido. Eu precisava da grana pra comprar os uniformes.


– Ah, tudo bem. O importante é que temos muitas aulas para matar hoje e você vai poder me contar tudinho! – o menino acenou com a cabeça, puxando Namjoon de uma forma parecida com a que tinha feito com Hoseok. – Nossa! Hyung! Temos um novo companheiro de quarto, olha! Ele veio do méxico.


– Ele parece bem asiático pra mim. – Namjoon riu baixinho acenando para o ruivo e recebendo um aceno de volta. – Mas ei, não vamos matar aula hoje. É o primeiro dia de aula.


– E daí? Temos que mostrar pro Hosoek os melhores lugares! – ele reclamou pidão e o estrangeiro ficou feliz de saber que pelo menos um de seus companheiros de quarto não era tão moralmente correto quanto ele achou que todos seriam.


– Estou indo! – Yoongi avisou, descendo as escadas. Por baixo da camisa branca do colégio e a gravata desfeita, Hoseok pode ver uma camiseta preta de alguma banda de rock e gostou daquilo. Imediatamente afrouxou sua própria gravata, sentindo-se mais livre depois disso.


– Espera! Vamos com você, hyung. Vem, Hoseok, vamos te mostrar o lugar que compramos as bebidas e os cigarros dos alunos mais velhos. – chamou, sendo imediatamente seguido pelo mais velho. Namjon negou com a cabeça, mas deixou que o garoto o levasse consigo e Yoongi para fora do quarto, sem nem mesmo começar a desfazer suas malas. Passar tempo com Taehyung era mais importante.


Os corredores estavam lotados, os alunos corriam de um lado para o outro e alguns faziam uma baderninha quando viam Yoongi ou Taehyung. Desceram alguns andares até o que parecia ser um subsolo e Hoseok soube que ali era uma das áreas de convivência para os alunos.


Bufou incrédulo quando viu as mesas de sinuca e o que parecia ser uma lanchonete, depois de vários sofás e poltronas coloridos. Que tipo de colégio era esse? Certamente a mensalidade não devia ser barata – não que ele tivesse muitas dúvidas daquilo, também.


– Senhor Jung Hoseok! – deu um pulo no lugar quando seu nome foi chamado por uma voz masculina, um tanto estridente. Se virou e deu de cara com um homem de meia idade, que parecia ser muito rígido e o tipo de adulto que Hoseok adorava irritar. – Eu estava lhe procurando por todo lugar.


– Ahn, achou? – disse um tantinho óbvio. Taehyung segurou o riso atrás de si.


– Sou Bae Youngjoon, coordenador do Elite Way School. Seu pai pediu para que eu ficasse de olho em você. – sorriu, Hoseok já estava odiando o rumo daquela conversa. – Somos bons amigos.


– Bom, você pode dizer a ele que eu não preciso de uma babá. Mas bom conhecer você, Youngjoon! – ele já estava quase virando de costas quando o mais velho pigarreou, exigindo sua atenção.


– Eu gostaria de lembrar a você e seus… Novos amigos, que a aula começa dentro de alguns minutos. E as salas de aula ficam localizadas no terceiro andar do prédio, do lado oposto ao que estão indo.


– Nós vamos guiá-lo, senhor Bae! Não se preocupe. – Taehyung garantiu, abraçando o ruivo pelos ombros e exibindo um sorriso enorme.


– Claro… Talvez seja uma ótima ideia também mostrarem ao senhor Jung Hoseok onde a sala do clube de cultura latina fica. Este ano estamos unindo os projetos de música e dança aos projetos culturais da escola, graças a um pedido feito especialmente pelo senhor Jung. – sorriu mais uma vez, Yoongi coçou a nuca, puto com o que tinha acabado de ouvir. – E eu vou agora mesmo matricular vocês três no clube, para acompanharem o senhor Jung e adquirir créditos extracurriculares. Embora eu espero que não precisem, como no ano passado… – o mais velho suspirou, ajeitando o óculos em seu próprio rosto. – Bom, tenham um ótimo dia, senhores!


– Cultura Latina? Que diabos!? – Yoongi xingou quando o coordenador do colégio se afastou. – Eu odeio espanhol!


– Você pode só tocar bateria, hyung. – Taehyung sugeriu. Yoongi saiu na frente dos demais, xingando aos quatro ventos. Só entrava no clube de música quando precisava MUITO de notas, o que não era o caso atual.


Para Yoongi, o problema era um pouquinho maior do que apenas perder algumas horas do seu dia naquele clube. Ele media 1,73 de altura, tinha cabelos loiros e amigos insuportáveis.


Park Jimin, entretanto, ficou extremamente agitado quando viu na lista quem eram os demais alunos inscritos no clube de cultura latina, a qual ele e seus dois amigos tinham sido transferidos para aquele ano.


As aulas do primeiro dia tinham se encerrado, mas enquanto a maioria dos demais rapazes iam se divertir nas piscinas, badernar nos quartos ou nas salas de convivência, Jimin, Seokjin e Jungkook estavam na sala de música, esperando o professor e os alunos atrasados chegarem.


E Seokjin ODIAVA atrasos.


– Eu vou embora, tenho mais o que fazer. – reclamou, se levantando da poltrona, Jungkook parou de brincar com as teclas do piano para ouvi-lo. – Preciso urgentemente hidratar o meu cabelo, e o meu pré-shampoo tem que ficar uns 15 minutos também, então…


– Boa tarde! – Kim Heechul, o professor de espanhol e do clube de música disse, puxando alguns alunos consigo para dentro da sala. – Eu estava buscando esses fujões! Espero que não tenham nos esperado por muito tempo.


– Ora, mas é claro que…


– Está tudo bem, professor. – Jimin sorriu adoravelmente, Yoongi revirou os olhos. – Nós acabamos de chegar.


– Certo, então vamos começar! Eu tenho planos ótimos para nosso projeto extra-curricular desse semestre, sentem-se, sentem-se! – abanou as mãos fazendo os alunos se sentarem em lugares aleatórios das sala de música.


Jimin e Seokjin se sentaram nas primeiras carteiras, Jungkook sentou ao lado de Jin e suspirou baixinho quando o mais velho cruzou as pernas e ajeitou as madeixas de cabelo cor cobre. Hoseok acabou se sentando no meio, só porque Taehyung puxou ele e Namjoon algumas carteiras mais a frente do que pretendiam. Yoongi se sentou o mais longe de Jimin possível.


O loirinho fez um beicinho quando percebeu isso, mas Jin não deixou que ele se entristecesse com isso, erguendo sua cabeça com uma das mãos quando percebeu o que tinha acontecido. Olhou feio para o moreno no fim da sala, que lhe mostrou o dedo do meio enquanto o professor ainda estava de costas. Seokjin revirou os olhos e ajeitou a estrelinha presa na testa de Jimin, com medo de que ela descolasse com a carinha triste do amigo.


– Este ano, vamos começar um grupo musical! – Heechul disse animado, escrevendo no quadro branco com uma caneta de cor vermelha. – Com músicas totalmente em espanhol! – Jimin levantou o braço, pedindo para falar.


– Vamos poder escrever nossas próprias músicas, professor?


– Eu vou ficar muitíssimo feliz se fizerem isso! – bateu palminhas uma vez, antes de apontar na direção de Hoseok. – Maas, caso não se sintam preparados, eu tenho certeza de que nosso prodígio pode nos mostrar algumas canções da sua mãe!


– Prodígio. – Jungkook resmungou, odiando ouvir aquilo ser dirigido a uma outra pessoa senão ele.


– Precisamos definir um nome! – Heechul se animou mais uma vez, Hoseok cruzou os braços. Seu pai tinha criado um grupo apenas para que ele pudesse continuar praticando seu canto e dança, mas ele não estava gostando nadinha daquilo. – Vamos todos juntos pensar em alguma coisa, que tal?


– Não são todos nessa sala que sabem pensar, professor, infelizmente. – Jin disse irônico, recebendo uma bolinha de papel na nuca logo em seguida. Se virou furioso, mas todos estavam rindo, incluindo o professor. – Quem foi!?


– E se o nome for “Glee”? – Taehyung sugeriu, sorrindo orgulhoso. – Eu vi numa série!


– Vamos pensar em algo mais original, que tal? – Heechul sugeriu, ainda rindo.


– Los Muchachos! – Tae exclamou, fazendo uma dancinha com os ombros no lugar e trazendo risos de seus amigos mais uma vez.


– Eca, parece nome de food truck duvidoso. – Jungkook reclamou, descartando a ideia.


– E se for “Niños Del Elite”? – Namjoon sugeriu, timidamente, e Taehyung já berrou o nome mais uma vez, com expressões faciais que eram impossíveis de serem levadas a sério.


Dios mío, estoy atrapado con un grupo de rebeldes e idiotas*. – Jin reclamou em espanhol, massageando a testa e, dessa vez, foi Jimin quem se assegurou de que a estrelinha holográfica do hyung fosse permanecer no lugar. Pensava no desastre que aquela aula de espanhol e música seria quando uma voz se destacou das demais.


– Esse é um nome legal. – Hoseok disse, chamando a atenção dos demais.


– Idiotas? Poxa, concordo totalmente! – Jungkook respondeu afiado. Se Jin estava nervoso e todos estavam presos naquele projeto por conta do “ruivo prodígio”, Jungkook não tinha motivos para gostar dele, certo?


– Não, estúpido. – respondeu o garoto no mesmo tom de voz, inclinando o corpo para frente. Seu pai tinha pedido para ele não se meter em encrencas, mas isso não significava que ele tinha que ser legal com quem o tratava com descaso. – Rebeldes!


– Uh! Uh! Rebeldes! RBD! – Tae cantarolou, quebrando a tensão dos demais. – R! B! D!


Heechul negou com a cabeça, sorrindo. Aquela turma seria uma zona, isso era claro. Mas, pelo menos, o nome já estava decidido. Combinava bem com eles.


A noite chegou e Hoseok descobriu que precisava correr nas próximas vezes para ser o primeiro a tomar banho. Min Yoongi parecia quieto, mas era espertinho. Além de pegar a melhor cama, também tinha sido o primeiro a tomar banho. Hobi pode jurar que o colégio tinha um toque de recolher e que ele já tinha tocado faziam alguns minutos quando o Min se esgueirou silenciosamente para fora do quarto. Taehyung e Namjoon jogavam cartas, conversando baixinho na cama do mais velho, e Hoseok usou seu tempo nas redes sociais, falando com sua mãe por mensagem e contando do seu dia.


Ninguém perguntou onde o mais velho estava indo, e nem iriam saber tão cedo. O rapaz subiu discretamente até o último andar do prédio, passou pela janela lateral como já tinha feito várias vezes e caminhou pelo terraço, só utilizado pelos funcionários do colégio – na maioria das vezes para monitorar o campus. Dali, era possível ter uma vista ampla de toda a parte externa do colégio, desde o ginásio até a área das piscinas, a biblioteca e o campo de futebol. A porta sempre ficava trancada depois das seis, mas o Min dava seu jeito de entrar e aproveitar a vista.


Tirou um maço de cigarros de dentro do bolso do moletom e um isqueiro, acendeu um para si e esperou, sabendo que era questão de tempo até ele chegar. Afinal, tinha sido assim em quase todos os primeiros dias de aula nos últimos anos.


E dito e feito, Jimin apareceu depois de alguns minutos. O loirinho estava encolhido dentro de um pijama rosa, que parecia quentinho e combinava com suas botas macias de inverno. Yoongi não pode deixar de achar tudo aquilo um exagero, nem estava tão frio assim, mas permaneceu em silêncio.


– Você não precisa me evitar só porque terminamos, hyung. – ele disse, se aproximando devagarzinho até sentar ao lado do mais velho no banco.


– Você terminou comigo. – resmungou, colocando o cigarro na boca. – Pra “aproveitar suas férias na França”.


– Jin hyung tem um monte de amigos! – tentou se defender. – E além do mais, não é como se você se importasse também… Eu te chamei várias vezes para ir com a gente.


– E o que diabos eu ia fazer em um desfile de moda, Jimin? Dormir? – o loiro revirou os olhos, cruzando as pernas e os braços em um reflexo de sua insatisfação. – E o que era aquele negócio brilhante na sua testa hoje?


– Eu e Jin hyung compramos algumas estrelinhas adesivas em Paris, elas são lindas! – disse um pouquinho mais animado. – E antes que você diga qualquer coisa, eu estou em um processo de desconstruir meus gêneros.


Yoongi riu, porque Jimin devia ter tirado essa ideia de alguma marca no gender* do qual devia ter visto algum desfile. Ficaram em silêncio um tempo, até o mais velho terminar o que fazia e Jimin sentir sono.


– Bom, eu só vim falar isso. Principalmente agora que estamos no mesmo grupo. – ele se levantou, batendo as mãozinhas umas nas outras para tirar qualquer resquício de pó que pudesse atacar sua rinite posteriormente. – Não precisa me ignorar, ok?


– Como quiser. – deu de ombros. Achou que Jimin iria embora, mas ele continuou ali, mordendo o lábio um tanto hesitante. – O que foi?


– A gente não rompeu de verdade, né? Tipo, foi por telefone… E eu não consegui pensar em mais ninguém as férias todas, Yoongi. – fez manha, a voz ficando melosa conforme falava. – Mas se você tiver ficado com outra pessoa é melhor a gente romper agora! Nesse instante!


Jimin fez um anel com o indicador e o dedão, mostrando para o hyung com um ar choroso. Yoongi passou um tempinho encarando o menino e então o anel que ele deveria “romper”, caso fossem terminar o relacionamento de vez. Suspirou e ergueu o dedo indicador, descendo lentamente e sem olhar para o desespero que habitava o rostinho do menino a sua frente.


Perto de encostarem os dedos, Yoongi puxou o garoto pelo pulso até que este viesse em sua direção e caísse em seus braços. Não demorou a selar a boca redondinha e brilhante de gloss labial, sabor melanciam e apertar o mais novo em seus braços, matando a saudade. Sua felicidade, porém, durou pouco. Logo o garoto já estava quebrando o beijo e estapeando seus braços.


– Você é um pilantra! Como ousa, chegou tão pertinho! Eu já estava com o coração partido!! – reclamou furioso, Yoongi ria largo diante do ataque de Jimin. – Não faz isso nunca mais, entendeu!?


– Como quiser, majestade. – continuou rindo.


Bem, se Jimin e ele estavam juntos novamente, agora o único motivo para seu ano não ser perfeito era justamente o clube do qual estava sendo forçado a participar. Mas, por algum motivo, sentia que seria diferente do que estava esperando. Talvez algumas brigas rolassem, mas no fim, sua nota já estava garantida – e um entretenimento de qualidade também.

15 de Maio de 2021 às 13:59 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Fim

Conheça o autor

Lua ☾ call me bunny or call me lady | army | 22y | putaria, surtos e fofurinhas 🐾🐰

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~