loutommostyles Isa

Harry e Louis namoram, eles são muito diferentes e por isso são perfeitos um para outro. Agora Harry quer dar um passo a mais nessa relação. . .


Fanfiction Bandas/Cantores Para maiores de 18 apenas.

#onedirection #hot #htop #lbottom #lemon #boyxboy #louistomlinson #harrystyles #larrystylinson #larry
Conto
28
664 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Único

Eles não sabem das coisas que fazemos
Eles nãos sabem dos "Eu te amo"
Mas eu aposto que se eles soubessem
Eles só ficariam com inveja de nós




- Aqui está - a moça sorridente me entregou a caixa de veludo azul escuro, meu coração parecia que ia saltar pela boca. Se eu estava assim, imagina na hora H?


- Muito obrigada - eu sorri, eu era mestre em transparecer uma tranquilidade que eu não sentia. Eu era um homem de negócios, minha "poker face" era minha melhor arma. Menos contra Lou, a pessoa mais perfeita do mundo.


Lou tem os lábios finos, mas que guardam o sorriso mais encantador e fascinante, o tipo de sorriso que parece que ilumina o seu dia. Os cabelos eram castanhos e tinham um corte despojado, nem tão curto, nem tão longo. Seus olhos eram de um azul que pareciam o mais lindo oceano, límpidos. E seu olhar ia direto na sua alma. Combinados com pele branca, parecia uma versão moderna da "Branca de Neve".


- Branca de neve não - me respondeu a primeira vez que eu falei isso - Bela, ela é muito mais legal!


Então virou uma piada nossa, sou a Fera e Lou a Bela. Até o toque do meu celular, quando minha Bela liga, é a música do filme, "Sentimentos são". A primeira vez que isso tocou numa reunião de negócios foi no mínimo constrangedor. Eu esqueci de pôr no vibra call como sempre e tive que pedir desculpa para os demais. Obvio que ninguém falou nada, pelo menos não na minha cara, quem ia me enfrentar ali? Mas Gemma, minha irmã, fez questão de passar na minha sala depois da reunião.


- O que a Bela queria? - ela perguntou me provocando.


- Me lembrar que hoje temos que jantar com os amigos da faculdade - eu respondi tentando ignorar minha irmã esparramada no meu sofá.


- Que fofo! Mas por que você está com essa cara?


- Além de que você está matando serviço para me azucrinar? - eu perguntei com uma careta, mas ela apenas riu.


- Sim, além disso.


- Entre os amigos, tem um convidado que não vou muito com a cara.


- E quem é esse ser que desperta a fúria do meu caro irmão?


- Stan - eu disse entre dentes.


- O ex? - ela se assustou - Você avisou pra Bela que você é a pessoa mais ciumenta do mundo e que é um perigo manter o ex e você no mesmo lugar?


- Eu não sou a pessoa mais ciumenta do mundo! - eu tentei me defender.


- Harry, você é sim! Você mantém o Lou do seu lado o tempo todo quando saímos - ela falava como se aquilo fosse obvio.


- Isso não quer dizer nada, apenas que, como um bom namorado, gosto que o Lou tenha todo o conforto e gosto de lhe dar atenção. Você nunca me chamou de ciumento antes.


- Mas você nunca foi assim. Quando você namorava a Camille, aquela insuportável, era até liberal demais - Gemma sempre fazia careta quando falava da minha ex-namorada.


Camille era muito bela, alta, cabelos loiros compridos, corpo que chamava atenção. Para mim nosso relacionamento era satisfatório, ótimo sexo, uma boa companhia para eventos e aparições públicas, não me enchia o saco com conversas desnecessárias.


O total oposto de Lou, pelo menos na maioria das coisas.


Lou dá aulas numa faculdade nos cursos de comunicação, sempre parecer ser uma pessoa expansiva e extrovertida, mas tem uma timidez no fundo. Esse negócio de conversas desnecessário não faz parte de seu vocabulário, se acha que temos que conversar sobre um assunto, temos que conversar. E não precisa ser algo relevante, pode ser desde a estrutura hierárquica das formigas (nós realmente passamos horas debatendo sobre isso no último domingo) até sobre qual o rumo do nosso relacionamento.


Foi naquele momento que percebi o que realmente tinha que fazer. Nossa relação foi difícil no começo, muitos problemas e descobertas, regadas a insegurança de ambos os lados, mas por motivos diferentes. Eu não poderia correr o risco de perder a pessoa que mais amo apenas por capricho do meu ego, por questão de imagem.


Bolei mil pedidos, mas nenhum parecia bom o bastante. Tinha que ser a nossa cara, com um toque de romance, mas sem ser meloso. Ideias eu tinha e ficava me torturando tentando entender qual era o melhor.


Eu gostava de comparar Lou a um furacão, entrou na minha vida e arrancou tudo do lugar. Quase que literalmente, ás vezes eu perco horas procurando algo no meu apartamento porque Lou, simplesmente, resolveu que ficaria melhor em outro lugar. No começo eu ficava extremamente irritado, mas Lou ligava? Nem um pouco, ás vezes até ria de mim. Agora, se eu estou procurando algo e não encontro, apenas vou assistir TV e espero Lou chegar.


Nos conhecemos em um bar, eu estava acompanhando Gemma que tinha acabado de terminar um relacionamento e resolveu que queria encher a cara. Lá encontramos alguns amigos dela, todos bebendo. Eu estava numa semana ruim, me sentindo insatisfeito com tudo. Para ser sincero, não era uma semana, já fazia um tempo que me sentia assim, mesmo que na empresa tudo estivesse bem, minha vida social continuava boa, mas eu não tinha ânimo para nada.


- Mais uma! - Gem bateu seu copo na mesa, rindo junto com os outros.


- Não acha que já bebeu demais? - perguntei para ela.


- Deixa de ser chato - ela retrucou mostrando a língua - Eu posso fazer o que quiser!


- Encha a cara então - eu revirei os olhos e ela bebeu mais uma dose.


- Vou mesmo! Harryyyyyyyyyyy - ela disse naquela voz arrastada, não por estar bêbada, mas porque queria algo.


- O que? - perguntei desconfiado.


- Busca mais um desses? - disse segurando seu copo vazio - Por favor!


- Ok - eu disse revirando os olhos de novo e me aventurei atravessando o bar, que estava lotado, estava quase chegando ao meu objetivo, já próximo ao balcão.


- Eu já disse, eu tenho namorado, que saco! - alguém trombou em mim, tentando escapar de outra pessoa.


- Cadê ele? - um cara que parecia um pouco bêbado perguntou, cercando quem tinha trombado em mim, eu só conseguia ver cabelos escuros - Aposto que deve estar aproveitando por aí, você deve estar levando chifre e nem sabe - ele puxou a pessoa pelo braço, com tanta força que achei que marcaria e pele branca.


- Me solta! Eu já disse que não quero! Me solta! - eu só estava assistindo, eu não era de interferir, mas algo não me deixou ficar de telespectador. Quando dei por mim, eu já tinha os afastados.


- Algum problema? - perguntei, por um segundo os dois ficaram me olhando sem entender, até que braços envolveram meu pescoço num abraço apertado.


- Amor! Que bom que você chegou! - então sussurrou no meu ouvido - Obrigado!


- Seu namorado? - o cara bêbado perguntou, prepotente. Ele era aparentemente mais forte que eu, mas se enganava se achava que podia me meter medo.


- Sim - os cabelos negros se afastaram do meu rosto e eu pude, finalmente, ver a face da pessoa que me abraçava apertado. Ter levado um soco no estômago seria menos impactante e surpreendente do que me deparar com o rosto mais lindo que eu já tinha visto.


Parecia um anjo, a pele clara contrastando com os cabelos castanhos e os olhos extremamente azuis, lábios que pareciam terem sido desenhados de tão perfeitos. Eu nunca tinha me perdido apenas olhando para alguém, mas aquilo tinha acabado de acontecer.


- Então você é o "namorado" - o cara parecia estar disposto a meu provocar, ele quebrou me transe. Ele sorria por ser um pouco mais alto que eu e "bombado" - Sabe que quem vacila, perde.


- E eu vacilei no que? - Enlacei a cintura do anjo que estava ao meu lado e puxei para perto - Amor, vamos pegar alguma coisa para beber?


- Claro! - o sorriso em resposta foi de alívio e alegria.


- Já? Porque não conversamos mais? - ele disse irônico e malicioso.


- Me erra! Já falei que não quero nada com você - disse apontando para o bêbado prepotente, mas o bêbado, que, obviamente, queria que eu quebrasse sua cara, segurou seu braço.


- Que isso florzinha, por que nós não...


- Já chega! - eu empurrei o cara - Presta atenção, porque não sou de repetir o que falo, ok? Chegue perto de novo, fale de novo, encoste de novo e vou quebrar cada osso do seu corpo. Não ache que só porque é alguns centímetros mais alto ou porque usa anabolizante, para parecer mais forte do que eu, você tem alguma chance contra mim. Não quero acabar a noite na delegacia respondendo por tentativa de homicídio, então cai fora e seguimos como se nada tivesse acontecido, entendeu?


- Si... sim...


- Muito bem! - me virei, enlaçando a cintura do anjo, que ainda me olhava sem acreditar, e fui nos conduzindo para o bar - Você está bem?


- Sim - um sorriso se alastrou pelo seu rosto. Era aberto, feliz, impressionado... acho que nunca encontrarei palavras suficientes para descreve-lo - Me chamo Louis e você?


Não pude controlar o sorriso com essas lembranças, enfrentamos muita coisa para ficarmos junto, mas era por isso que nossa história era perfeita: não era um conto de fadas, mas era a melhor história de amor que alguém poderia imaginar.
Pode me achar exagerado, mas era isso. Estávamos juntos a quase três anos e mesmo assim eu tinha aquele choque com a perfeição do seu rosto, ainda sentia o ciúme de ver alguém lhe tocando desnecessariamente (não que alguma vez fosse realmente necessário), ainda ficava puto quando era provocado e com sua risada por se divertir com isso, ou ficava louco quando o simples toque de seus lábios me fazia esquecer tudo a nossa volta. E, definitivamente, eu ainda ficava louco só de imaginar seu toque, de sentir seu corpo contra meu ou com palavras surradas no meu ouvido.


Mas eu não podia ficar lembrando de cada vez que nos apertamos um contra outro, agora eu tinha trabalho a fazer. O dia, ou noite no caso, tinha chegado. Olhei o terraço e estava perfeito, até fiquei admirado que eu tivesse conseguido fazer tudo aquilo, mas consegui e sozinho!


Eu fiquei muito orgulhoso de mim, orgulhoso para caralho!


Agora era só descer e terminar o jantar, além de rezar para que não chovesse.

Eu estava na cozinha, a lasanha estava quase pronta, o vinho estava gelando, minhas mãos suavam e tremiam, meu coração estava martelando para fora do meu peito, mas eu não podia entrar em pânico. Tinha que usar minha melhor pokerface, logo Louis chegaria, tudo era uma surpresa.


- Eu preciso ir pra casa - me disse numa noite a alguns meses, estávamos deitados na minha cama depois de uma louca sessão de sexo que envolveu chantilly, sorvete e tequila.


- Mas está tarde - apertei seu corpo contra o meu, beijando seu pescoço.


- Eu... eu preciso... eu realmente preciso... Harry! Pare, se não eu não vou conseguir raciocinar direito - esbravejou comigo e eu ri contra sua pele - eu tenho que trabalhar amanhã.


- Tem roupas suas aqui, dorme comigo e eu te levo no trabalho amanhã.


- Mas e minhas pastas com minhas coisas para dar aula?


- Também está aqui - eu continuei passando meus lábios pela sua pele.


- Minha pasta? Mas e meu...


- Lou - eu interrompi - não importa o que você lembrar, provavelmente está aqui.


- Ok, acho que vou dormir aqui então - deu de ombros rindo e meu ocupei em beijar sua boca. Estávamos agarrados e nos beijando a um tempo, quando Lou se afastou de repente espantado- Harry, todas as minhas coisas estão aqui, eu to me mudando para cá e não percebi?


Eu apenas sorri de canto e lhe ataquei de novo.


- Amor, cheguei! - ouvi sua voz vindo da porta da sala, me apressei em verificar tudo, só mais um ou dois minutos - Cadê você?


- Cozinha - gritei em resposta. Se controla, Harry! Se controla!


- Que cheiro maravilhoso! Já fiquei morrendo de fome - entrou na cozinha e me beijou. Nunca me cansaria de seu beijo, por isso os quero para o resto da minha vida - Lasanha? Amo lasanha!


- Eu sei - dei de ombros como se não estivesse prestes a morrer de um ataque cardíaco - como foi seu dia?


- Legal, mas eu queria que você tivesse ido junto - se sentou num dos bancos do balcão, tinha estado numa reunião de professores o dia todo, depois saiu para um Happy Hour com alguns amigos, normalmente eu ia junto, mas dessa vez inventei uma desculpa e fiquei em casa.


- Eu vou na próxima - prometi bebendo água para ver se controlava meu corpo. Até o final da noite eu vou desidratar até morte, eu sentia isso, eu estava suando muito.


- Bom mesmo - fez careta - não quero meu namorado me largando por aí.


- Pode apostar que não - eu recebi em troca o sorriso mais bonito do mundo - mas não disse como foi hoje.


- O de sempre, fomos naquele barzinho de sempre, conversamos sobre muitas coisas, Bebe está namorando de novo e já acha que encontrou o amor da sua vida, de novo - revirou os olhos e eu ri.


- De novo?


- Sim, acho que é o terceiro do ano, mas adianta falar alguma coisa? Depois termina, me liga chorando e fica dizendo "Por que eu não posso encontrar alguém e ser igual você e o Harry?" - imitou a amiga - Mereço?


- Igual você e eu? - perguntei servindo um pouco de vinho


- Sim, minhas amigas me xingam muito, só porque somos o casal perfeito - riu e me puxou para perto de si - isso porque eu não conto nem metade do que fazemos na cama - disse beijando meu pescoço, me arrepiando - e não digo o quanto eu gemo cada vez que você usa boca em mim - passou os dentes na minha pele - ou quando me faz gritar quando entra cada vez mais forte e...


- A lasanha está pronta! - me afastei na hora, minha calça já estava ficando apertada e eu tinha outros planos além de jogar Lou contra a parede e foder duro.


- Podemos comer depois - me abraçou por trás, encostando sua boca no meu ombro e suas mãos espalmando meu abdômen, cada vez mais pra baixo.


- Não! - escapei de novo - Porque você não toma um banho rápido, bem rápido, enquanto eu sirvo a lasanha para nós?


- Tá tudo bem? - me olhou com desconfiança.


- Claro - sorri, sei que saiu meio forçado, Louis nunca deixa escapar nada e sabia que eu estava escondendo algo, mas resolveu entrar no jogo.


- Ok, vou tomar banho, depois você me explica o que está rolando - me beijou e foi para o nosso quarto.


Servi a lasanha correndo, quase derrubando tudo e me queimando no processo. Mas eu não podia xingar, não podia perder tempo, coloquei tudo na porra da bandeja que não queria ficar certa e sai rumo ao terraço. Equilibrar tudo, enquanto corria escada acima foi quase impossível, mas de algum jeito eu consegui e dei os últimos retoques no tapete fofo que cobria parte do chão. Voltei ao apartamento a tempo de ouvir o chuveiro ser desligado, um minuto depois Lou sai do quarto e me encontra parado no corredor, com o maior sorriso do mundo (e possivelmente tremendo de nervosismo).


- O que está acontecendo? - sorriu para mim, mesmo sem entender.


- Quero te mostrar uma coisa, me acompanha? - estendi minha mão.


- Claro - ainda sorrindo e ainda sem entender, pegou na minha mão e me seguiu para fora do apartamento, subimos as escadas e a cada passo meu coração batia mais forte e mais alto, eu podia jurar que meu namorado o ouviria - Harry, amor, porque estamos indo para o terraço?


- Você vai ver! - antes de abrir a porta, mesmo que naquela quase escuridão, me virei e olhei em seus olhos - Eu te amo, mais do que tudo!


- Eu também te amo! - beijei seus lábios levemente, sem aprofundar o beijo, eu não podia arriscar a perder o controle.


Abri a porta e deixei Lou passar, trancando a porta atrás de mim (pensamento que tive na hora: se eu trancar não correr o risco de haver fugas. . .talvez meu nervosismo tivesse me fazendo ficar louco).


Louis estava bem a minha frente, de costas pra mim, observava o lugar, sem se mexer. Acho que nem respirava, o que começou a me deixar preocupado.


- Harry - se virou para mim e havia muitas lágrimas em seus olhos - isso tudo é lindo! Perfeito!


No centro tinha um tapete branco bem fofo, em volta dele havia centenas de pétalas de rosas espalhadas e, para iluminar o lugar, velas por todos os lados. Montei vários varais com fotos nossas, fotos que contavam nossa história, com pessoas que amávamos, só minhas, só do Louis, nós dois. Lou tocou em algumas, sorrindo com as lembranças.


- Pra que tudo isso? - me perguntou finalmente, ainda com lágrimas.


- Hoje é o aniversário do dia que nos conhecemos, merece ser especial - eu sorri e me aproximei - Vamos comer?


- Claro - seu riso foi levemente abafado pelas lágrimas que derrubava.


Eu servi o nosso jantar, ficamos ali sentados no tapete, curtindo o nosso momento. Eu já tinha pensando em desistir e voltar atrás milhões de vezes, mas depois resolvia seguir meu plano. Bem, eu até podia levar um "Não", mas fugir o Louis não ia (eu tranquei a porta, lembra?)


- Harry, esse é o melhor aniversário de todos! - Louis disse depois de comermos, estava com sua cabeça sob meu peito, enquanto eu fazia carinho em seus cabelos.


- Mas está apenas começando - se virou para mim, sem entender, eu sorri então puxei uma caixa que imitava um baú - abre.


- Mas Hazz, nós combinamos de não comprar presente, você disse que...


- Só abre! - eu interrompi e Louis estreitou os olhos pra mim, tive segurar a gargalhada.


- Grosso! - resmungou, mas obedeceu e abriu - NÃO ACREDITO! - gritou e seus olhos brilharam, parecia uma criança ganhando o presente de Natal - TA BRINCANDO! SÉRIO?


Louis foi tirando as coisas, tinha um baralho de Game Of Throne, uma caneca em formato do BB8 (Star Wars), um jogo de xadrez com os personagens da Marvel (Dani gritou muito quando viu), o box das temporadas de Teen Wolf e o box comemorativo com todos os livros de Harry Potter.


- Hazz - Lou abraçava tudo, ou pelo menos tentava - eu nem posso acreditar! Eu... amor isso é muito... amor... aí meu deus! - pulou sobre mim, me derrubando e caindo sobre mim - Eu te amo! Não precisava de tudo isso, mas eu te amo! Te amo muito! Muito mesmo!


- Lou... - eu ria.


- Amor! Eu não acredito...


- LOUIS - eu tive que gritar para chamar sua atenção - tem mais uma coisa.


- O que? - arregalou os olhos - Não! Não precisa de mais! Eu não vou aceitar!


- Ah, vai sim! Esse você vai ter que aceitar! - eu estreitei os olhos - Presta bem atenção, você vai fazer o que eu disser, ok?


- Ta - concordou com a cabeça.


- Primeiro quero que guarde seus presentes - Lou fez uma cara muito contrariada, mas o fez - agora quero que levante e olhe para as luzes da cidade lá embaixo.


Lou o fez, se encostando na mureta e olhando para cidade a noite iluminada apenas pelos pequenos pontos de luzes espalhados por todas as ruas, como um céu na Terra, era uma visão que sempre adorara.


- Você está feliz?


- Sim, demais, esse é dia mais perfeito que eu... - Louis se virou para mim, mas paralisou no lugar ao se deparar comigo ajoelhado na sua frente - O que você está fazendo?


- Em toda minha vida, nunca achei que realmente fosse me apaixonar, que pudesse encontrar o amor. Mas aconteceu e eu nunca fui tão feliz. Nos últimos três anos sou eu de verdade, descobri o que sorrir de pura felicidade, rir de tanta alegria, mas aprendi que o vazio pode machucar mais do que qualquer outra coisa. Na vez que quase terminamos e você foi embora, eu senti meu coração sendo arrancado do meu peito, me senti sem ar e estava mais que disposto a desistir de tudo, até mesmo de viver, se não fosse para ter você comigo. Quando pude te beijar de novo, prometi que sempre estaria com você, que nunca iria te deixar escapar de novo. Eu sei que não somos fáceis, somos teimosos que brigam o tempo todo, mas de tão teimosos, teimamos em ficar juntos, mesmo que a maioria das pessoas dizendo que nunca conseguiríamos. Mas essas pessoas não sabem pelo o que passamos, não nos conhecem como nos conhecemos, eles nem devem saber o real significado de "Eu te amo", porém não posso julga-los, eu só conheci quando você entrou na minha vida. Meu anjo, meu furacão, minha Bela - eu respirei fundo, olhando em seu rosto banhando de lágrimas silenciosas – Louis William Tomlinson, aceita se casar comigo?


Foi apenas um segundo, mas foi o suficiente para que eu pensasse todo tipo de besteira, Lou dizendo Não, indo embora e...


- SIIIIIIIIMMMMM - pela segunda vez na noite, ele pulou sobre mim, me derrubando - SIM! COM CERTEZA! SEM DÚVIDAS! HARRY, EU TE AMO! EU TE AMO! TE AMO!


- Eu também te amo! - eu o beijei o mais intensamente possível, para sempre, pelo resto de nossas vidas, ele seria meu e eu seria dele.


- Eu não acredito! - ele falava enquanto eu colocava a aliança em seu dedo e ele colocava no meu - Eu quero contar pra todo mundo! - ele correu até mureta e gritava - EU VOU ME CASAR! ELE ME PEDIU EM CASAMENTO! EU VOU ME CASAR! - eu apenas ria, mas era de pura felicidade.


- Hey - eu o chamei - vem cá, tem um jeito mais fácil de contar pra todo mundo.


- Como?


- Senta aqui - ele sentou entre minhas pernas, tirei o celular de bolso e tirei fotos nossas, mostrando as alianças e sorrindo para câmera. Não que sorrir fosse difícil, o problema ia ser parar de sorrir depois daquela noite - Pronto, fotos postadas em todas as redes sociais, o mundo sabe que somos noivos e vamos nos casar!


- Eu ainda não acredito - ele sorria, ria, chorava, tudo ao mesmo tempo. Meu peito rugia de felicidade - Harry! Temos que comemorar!


- Como? - dessa vez era eu que não tinha entendido.


- Eu consigo pensar em um jeito - ele se virou para mim com o sorriso mais malicioso do mundo e se deitou em cima de mim, me beijando loucamente, depois sua boca foi para o lóbulo da minha orelha - na verdade, eu consigo pensar em vários jeitos de comemorar.


Eu sorri malicioso também, éramos assim: dois loucos, dois teimosos, dois tarados um no outro, dois orgulhos, dois amantes, dois apaixonados.


- Sabe que estamos no terraço e podemos ser vistos? – eu falei, mas eu realmente não me importava. Não dava para pensar em qualquer coisa que não fosse o Lou e sua mão abrindo os meus jeans.


- Verdade – ele disse empurrando minha calça até abaixo da minha coxa – então vamos fazer um espetáculo aqui!


Ele tirou a camiseta e abriu os botões da minha, Louis tinha aquele jeito inocente, mas olhos de quem sabia o que ia fazer. Ele começou a beijar meu pescoço, baixando os beijos até meu abdômen, enquanto suas mãozinhas abriam minha calça.


— Lou, me deixa te...


— Você vai fica quietinho aí, minha vez de agir — ele falou puxando meu pau para fora da cueca e me fazendo gemer.


Louis não perdeu tempo, ele me colocou em sua boca e começou a me chupar com força, me levando até o fundo da garganta. Ele começou a se masturbar e, a cada gemido que ele dava, as vibrações iam direto para o meu pau, me dando mais prazer.


— Eu preciso te preparar — eu ofeguei quando ele se levantou e tirou sua calça e cueca.


— Eu fiz isso no banho, enquanto pensava em você. Pensei que poderíamos ter um 69 de comemoração, mas isso vai ter que ficar para mais tarde, porque preciso de você dentro de mim agora!


— Você tinha lubrificante no bolso? — eu ri.


— Sempre prevenido! — ele deu de ombros e me beijou, enquanto espalhava o gel no meu pau. Eu o puxei para mim e logo ele estava no meu colo, fodendo a si mesmo com o meu pau — HARREEEEHHHHH


— Baby — eu segurei na sua cintura, o ajudando a pegar o ritmo, era mais lento no começo, mas logo ele estava acelerado, gemendo o que podia, Louis sempre foi muito vocal nessa parte e eu amo isso. Ele não tem medo de dizer o que quer e quando quer.


Eu estava cada vez mais perto, chegando a borda, meu limite acabando e quando Louis gozou, foi o meu fim. Gozei muito e gememos juntos.


— Impressão minha ou estamos cada vez melhores nisso? — ele perguntou sorrindo, depois que voltamos a respirar normalmente, ou quase.


— Imagine então daqui a dez anos — eu o provoquei.


— O quarteirão inteiro vai nos ouvir, vamos ficar famosos e vamos dar aulas sobre isso!


Eu sorri e o beijei, eu o amava tanto que nunca entenderia como isso era possível.

Dizem que não podemos tudo, mas eu tinha Louis e ele era o meu tudo e eu o teria para sempre.

15 de Maio de 2021 às 08:25 2 Denunciar Insira Seguir história
10
Fim

Conheça o autor

Comente algo

Publique!
A Alex
Eu amei esse app, para ler é muito parecido com o wttpd ent se quiser mudar para aqui tem todo o meu apoio como sua leitora
May 18, 2021, 06:42
KS Kpopeira Snow
MARAVILHOSO COMO SEMPRE ISA Gostei muito dessa nova experiência no app, se quiser postar mais, tem o meu apoio (•ө•)♡
May 18, 2021, 04:44
~