teffychan Lilith Uchiha

Sasuke sempre foi um garoto introvertido. E isso só piorou após perder sua família. Não fazia questão de se aproximar das outras crianças do orfanato onde passou a morar, até que o menino novo chegou. Naruto era o completo oposto de Sasuke. Hiperativo e sorridente demais para alguém que tinha acabado de ficar órfão. Ele acreditava que todos ali eram como uma grande família, pois moravam juntos, dividiam o refeitório e os dormitórios. Sasuke se apegou a essa crença e passou a considerar os demais internos como sua família substituta também até que fosse adotado, finalmente tornando-se mais extrovertido. A ideia parecia ótima no começo. Mas, quando começou a nutrir sentimentos diferentes por um membro da família substituta que ele inventou, aquela crença inocente tornou-se um grande problema.


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 18 apenas. © Todos os direitos reservados

#drama #yaoi #sexo #homossexualidade #nudez #universoalternativo
25
10.0mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todas as Quintas-feiras
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo 1 - Orfanato

Notas Iniciais:

Essa história também foi postada no Nyah! Fanfiction e no Spirit.



______________________________





Sasuke sempre foi um garoto muito fechado. Alguns diziam que ele era apenas tímido, outros que era introvertido, mas se soltaria com o tempo, quando fizesse amigos. Ao contrário do que afirmaram, ele apenas se fechou ainda mais com o passar do tempo. Bem, que criança de quatro anos não se fecharia depois de ver sua família ser morta graças a uma tentativa de assalto mal-sucedida? Ele mesmo só sobreviveu porque sua mãe mandou ele se esconder debaixo de uma tábua solta no piso onde só ele cabia por ser pequeno minutos antes de ser morta.

Depois disso acabou indo parar em um orfanato. Ouviu dizer que o responsável pela morte de sua família foi preso, mas não se importava tanto assim. Isso não traria seus pais e seu irmão de volta.

Os funcionários do orfanato eram gentis e as outras crianças o chamava para brincar com elas, mas Sasuke sequer respondia. Aos poucos elas pararam de tentar conversar com ele e o deixaram sozinho em seu canto. Era como Sasuke se sentia afinal. Ainda que estivesse rodeado de pessoas, elas não eram sua família. Ele estava sozinho.

Até que ele chegou.

Um ano depois um menino da mesma idade que ele chegou ao orfanato. Era o completo oposto de Sasuke. Escandaloso, brincava com todas as crianças e também arranjava briga facilmente. Sasuke imaginou que ele seria adotado logo, ele parecia ser o tipo de criança que as pessoas gostavam. Olhos azuis como o céu, Sasuke poderia passar horas olhando para eles. Um sorriso contagiante, que às vezes quase o fazia sorrir também, embora não houvesse razão para isso. E fazia amizade com todos tão facilmente que às vezes Sasuke se perguntava como ele conseguia realizar aquela façanha, ainda que não desejasse fazer o mesmo.

Mas ele não foi adotado. Provavelmente porque os adultos sempre preferiam adotar bebês. No entanto, estava prestes a realizar sua façanha mais uma vez quando decidiu falar com ele.

— Ei — o menino chamou na hora do almoço — Por que você está sempre sentado aí sozinho?

— Esse é o meu lugar — respondeu sem encará-lo. Sempre sentava na mesma mesa perto da janela. A mesa menor, que só era possível dividir com mais uma pessoa, entretanto mais ninguém se sentava junto com ele.

— Mas todos os dias a gente senta em lugares diferentes. Você não se cansa de sentar sempre no mesmo lugar? — o menino continuou falando. Sasuke o ignorou — Por que você não conversa com os outros? Você sempre foi assim ou só ficou desse jeito depois que veio para cá? Aliás, como veio parar aqui? — continuou bombardeando-o com perguntas, as pernas curtas balançando no ar agitadas, mas toda atenção de Sasuke estava em sua sopa — Sabe, os meus pais morreram em um incêndio. Um bombeiro disse que esqueceram o gás ligado… eu não entendi direito. Mas só eu escapei.

Sasuke continuou comendo, fingindo não prestar atenção, embora sentisse dó do menino a sua frente. Ver seus pais queimarem até a morte devia ser muito traumatizante. E ainda assim, lá estava ele, sorrindo e conversando com todo mundo… como raios ele fazia isso? Será que o trauma foi tão grande a ponto de ele não se dar conta da situação em que estava?

— Eu ouvi dizer que sua família foi assassinada por causa de dinheiro — o menino comentou, alheio aos pensamentos de Sasuke — É verdade?

— Não foi por causa de dinheiro! — Sasuke bateu as mãozinhas na mesa, elevando a voz como não fazia há anos — A gente nunca deveu dinheiro para ninguém. Nunca pedimos nada emprestado. Um ladrão entrou lá em casa. Meu pai resistiu… meu irmão também. Minha mãe mandou eu me esconder embaixo de uma tábua solta no quarto. Eu era pequeno, cabia lá sem problemas. Mas o ladrão também encontrou minha mãe. Quando percebi todos já tinham…

Sasuke não conseguiu terminar a frase. Sentia lágrimas correrem livremente pelo seu rosto, como há muito tempo não acontecia. Nunca tinha falado sobre esse assunto com ninguém, exceto a polícia, quando o assassinato aconteceu. Parecia estar tirando um peso enorme do peito. Não sabia se era porque finalmente estava chorando a morte da família, coisa que só fez na noite do ocorrido, ou porque finalmente estava desabafando com alguém sobre o assunto. Seja lá o que fosse, o fez se sentir bem mais leve.

Despertou de seus pensamentos quando sentiu o menino segurar a mão dele e sorrir, solidário.

— Sinto muito pela morte da sua família.

— Obrigado — Sasuke enxugou as lágrimas com a mão livre — Também sinto muito pela morte dos seus pais.

— Obrigado — o menino soltou a mão dele — Aliás, eu sou Uzumaki Naruto.

— Eu sei. Já ouvi as outras crianças falando de você. De como é sorridente e divertido. Não sei como consegue sorrir tanto estando em um lugar desses — ele respondeu — Meu nome é Uchiha Sasuke.

— Sim, eu sei. Também já ouvi os outros falando de você. Que está sempre sozinho e não conversa com ninguém — Naruto contou — O orfanato não é tão ruim. Todos aqui são legais comigo e é divertido brincar com as outras crianças. Elas são como nossa nova família, até a gente ser adotado. É como se as tias do orfanato fossem nossas mães… e agora parece que eu ganhei um monte de irmãos e irmãs! — Naruto abriu os braços sorridente — Você devia tentar se dar bem com os outros também.

— Eles não são minha família — Sasuke discordou — Meus pais e meu irmão de verdade morreram.

— Eu nunca tive um irmão. Era chato brincar sozinho, e às vezes eu pedia para minha mãe me dar um irmãozinho ou irmãzinha, mas… eles morreram antes — Naruto baixou a cabeça — Minha família de verdade também morreu, mas eu não quero ficar sozinho. Eu moro aqui agora, por isso as outras crianças são minha nova família. E você também — Naruto apontou para ele — Você também faz parte da minha nova família, Sasuke. Não precisa ser amigo de todo mundo, mas eu queria me dar bem com você.

— Certo… acho que posso conversar com você de vez em quando — Sasuke suspirou derrotado. Naruto, por outro lado, abriu um enorme sorriso.

Realmente, aquele menino tinha o dom de fazer amizade com qualquer pessoa. Até mesmo com a criança mais introvertida do orfanato.

Que agora já não era tão introvertida assim.

Por várias semanas Sasuke teve apenas conversas curtas com Naruto. Depois de alguns meses eles passaram a conversar mais, praticamente o dia inteiro. Mas as outras crianças também queriam conversar com Naruto e brincar com ele, e Sasuke não gostava de dividir a atenção do menino. Então acabou se aproximando das outras crianças também. Não tanto quanto de Naruto, é claro, ele foi a primeira pessoa com quem começou a falar desde que chegou ali afinal. E, com o passar dos anos, Sasuke se aproximou de todos os outros. Tanto dos que chegaram antes dele quanto das crianças menores, que chegaram depois.

Mas isso foi um processo lento. Demorou tanto que, antes que percebesse, já eram adolescentes.




___________________________________



Notas Finais:

Essa história se passa nos anos 90. Atualmente os orfanatos são chamados de Acolhimento Institucional.




13 de Maio de 2021 às 14:04 0 Denunciar Insira Seguir história
6
Leia o próximo capítulo Capítulo 2 - Adoção

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 23 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!