writerphoria Mariana Dermond

Aos olhos de Jimin, Jungkook é tudo o que ele odeia: um idol tatuado, problemático e mimado. Por sua vez, para Jungkook, Jimin é tudo o que ele também odeia: um bailarino que tenta passar a perfeição para todos, como se tivesse saído de um conto de fadas. Entretanto, há uma coisa que une os dois, a saúde mental de Jungkook. Para o idol é muito incômodo saber que alguém que nunca o viu na vida, consegue enxergá-lo muito além do que ele quer mostrar. Para o bailarino é extremamente incômodo saber que atrás de todas as polêmicas que soube sobre Jungkook, existe, talvez, a pessoa mais maltratada que conheceu durante a vida, e que só ele consegue ajudá-lo. "Só porque você pensa algo, não significa, necessariamente, que seja verdade" - Judith S. Beck


Fanfiction Celebridades Para maiores de 18 apenas.

#tcc #jungkook-idol #jimin-bailarino #jimin-psicologo #super-slow-burn #slow-burn #jeonjungkook #parkjimin #btsfic #namgi #vhope #romance #yaoi #lemon #long-fic #psicologia #kookmin #jikook #bts
11
1.4mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todos os Sábados
tempo de leitura
AA Compartilhar

1 | 1. Proposta de emprego

Mais uma vez, Jimin saía frustrado depois de uma audição para uma companhia de balé. Ele não se conformava como podia ser desclassificado toda vez, já que sempre treinava como um condenado para executar as coreografias com perfeição e ser o melhor dos bailarinos.

Ao sair do prédio onde ocorriam as audições, ele correu até o carro do seu amigo e, sem esperar Yoongi lhe dizer qualquer coisa, ele desabou.

Jimin não queria chorar, porém, já estava velho demais, e aquela era, talvez, sua última chance de conseguir o que ele sempre tinha sonhado. Yoongi, um dos amigos que sempre o dava forças, apertou seu ombro e também acariciou seu cabelo.

— Não deu certo, outra vez! — Jimin reclamou, triste e com a cabeça baixa. — Outra vez eu levei um "não" enorme de uma bancada!

— Jimin, calma — Yoongi pediu. — Você vai conseguir.

— Não, eu não vou! — foi pessimista. — Já tenho 24 anos! Sabe o quão velho eu estou para me tornar um bailarino profissional em começo de carreira? Não, hyung, você não sabe! Bem... — Jimin levantou o rosto, secando as lágrimas. — Meu pai vai me mandar voltar para Busan para trabalhar na clínica da minha mãe. E a última coisa que eu quero neste momento é voltar para Busan!

— Eu acho isso de: "estou muito velho para ser bailarino profissional" uma putaria! Você é bonito e jovem ainda, pelo amor de Deus! — Yoongi reclamou. — Quer dizer que não está velho para começar a carreira como psicólogo, mas para bailarino está?

— Você sabe como é o mundo das artes, certo? É quase uma regra que aos trinta anos, um artista já seja considerado velho e seja substituído por um mais novo.

— Eu quero que eles da "arte" vão tomar no cu deles!

— Para, hyung — pediu baixo, passando a mão pelo rosto. — Vamos encarar a realidade. Eu que não devo ser bom o suficiente.

— Você faz balé desde os seis anos, treinando religiosamente por horas desde sempre, e não é bom o suficiente? — o Min perguntou. — Bom o suficiente era ter aprendido a rodopiar antes de andar? Além de você ser muito bom em outros ritmos musicais e outras coisas também. Eles são burros de estarem perdendo uma pessoa tão talentosa quanto você, Jimin!

— Hyung... Obrigado por sempre estar comigo — Jimin agradeceu, olhando para Yoongi. — Desde que voltei para Seul para fazer faculdade, você, Hoseok e Seulgi são as pessoas que mais cuidam de mim, e as quais eu mais confio também. Sempre vou agradecer à Joohyun-noona por ter me apresentado vocês.

— Amigos são para isso — Yoongi tentou cortar aquele clima de declaração. — Vamos erguer a cabeça e...

— Arrumar um emprego que não seja balé? Sim, vamos — respondeu, enquanto Yoongi ligava o carro.

— Oi?

— Eu já estava pensando em como arrumar um emprego. Eu estou terminando a faculdade, e meu pai deixou avisado que vai parar de me sustentar. Agora, eu preciso de algo para me manter aqui ou terei que voltar para Busan — ele olhou para frente, vendo Yoongi fazer as curvas na estrada. — Eu não quero voltar para Busan agora, pois ainda quero tentar mais algumas audições, sabe? Por isso estava pensando se... posso trabalhar com você. Eu posso ser seu secretário e arrumar sua agenda...

— Jimin, se tivesse como, eu te ajudaria — respondeu. — Porém, eu já tenho quem faça isso. Além de editor da minha equipe na RED VELVET, Hoseok que faz essas coisas...

— Posso fazer isso para vocês dois! — Jimin falou com graça, tentando convencer o Min.

— Sem chances.

— Seulgi? — Jimin propôs. — Ela sempre tem muito trabalho. Acho se convencer ela...

— Ela também já tem — respondeu.

— Hyung! — Jimin exclamou. — Seu namorido não tem nada que possa fazer? Ele é idol, não? Idol sempre tem algo para fazer.

— Pega meu celular na minha bolsa.

Jimin fez o que o amigo pediu e o entregou.

Depois de alguns cliques no celular, Yoongi entregou de volta para o mais novo, aberto em uma conversa que ele teve mais cedo com Seulgi.

— Acho que podemos ter um trabalho temporário para você — disse, enquanto Jimin lia a conversa. — Você conhece o Jungkook do grupo LITHIVM, não é?

Jimin deu risada, não acreditando no que Yoongi estava tentando propor.

— Seu filhinho? Aquele que sempre está em polêmicas por causa de brigas e confusão com outros?

— Esse mesmo.

— Ah, não. Obrigado — Jimin bloqueou o celular de Yoongi, não querendo mais saber.

— Mas ele quem precisa.

— Eu não vou trabalhar para uma pessoa mimada, briguenta, idiota e metido a drogado que nem ele, certo? — por algum momento, Jimin perdeu o medo de Yoongi, falando "mal" do filho de criação do cujo — Ele tem uma fama horrenda, é tudo o que eu odeio em uma pessoa.

— Assim, você sabe que a mídia inventa e aumenta muita coisa para vender, né? Ele pode ser uma pessoa muito legal se a gente se aproximar sem um preconceito — tentou ser mais persuasivo. — Você acabou de dizer que Seulgi e eu somos ótimas pessoas, então acha que o colocaríamos em uma roubada? Seulgi é um doce de pessoa e tem uma amizade de anos com o Jungkook, ele nunca foi esse "idiota" com ela.

— Não sei... — respondeu, passando a língua entre os lábios.

— Olha... vai pagar bem, viu? Jungkook só precisa de uma pessoa para ajudá-lo em certas coisas e a lidar melhor com outras. Você já está se formando em psicologia, pode ajudá-lo e com isso ganhar experiência, sim? É só ficar com ele, cuidar dele e não deixá-lo fazer merda.

— Pelo que entendi, eu vou ser babá de um marmanjo?

— É... Um pouco — Yoongi deu de ombros. — Mas você pode lidar com isso, principalmente pelo salário.

— Quanto é o salário?

— Olha, eu te proporia a falar com Seulgi, já que ela está fazendo a seleção das pessoas para esse trabalho — falou. — Só sei que é muito. Quer que eu fale com ela, e ela te põe para conversar com Namjoon?

— Ah, não — Jimin bufou. — Prefiro ser garçom.

— Olha a coisa boa: você vai criar contatos viajando com ele e o grupo. Além de, se conseguir criar uma boa relação com Jungkook, ele pode abrir as portas de várias coisas para você, em um estalar de dedos. Ele costuma ser muito grato com as pessoas.

— Isso seria como uma prostituição? Porque é isso o que está parecendo.

— Os dois são maiores de idade e sabem o que estão fazendo — deu de ombros.

— Vou pensar se quero — fez um barulho com a boca. — Vou ver se tem algo melhor por aí me esperando do que conviver com alguém que pede dez mil toalhas brancas no camarim.

— Jungkook é uma figura! — Yoongi deu risada. — Um dia, ele saiu loucão de um bar e foi fazer uma tatuagem do Homem de Ferro.

— Realmente o tipo de pessoa que eu detesto — fez uma careta, enquanto Yoongi parava na frente do condomínio em que Jimin morava.

— Pensa com carinho, ou vai ter que voltar para Busan e não terá mais oportunidade de virar um bailarino. Pelo menos, com Jungkook, você vai viajar o mundo para evitar que ele beba e faça uma tatuagem na testa.

— Eu deixaria ele fazer se quisesse. O mico seria dele, e eu daria umas belas risadas quando ele acordasse de manhã — riu, logo após suspirou. — Se você achar outro trabalho me avisa. Eu quero ter mais opções antes de aceitar esse trabalho por puro interesse financeiro.

— Pode deixar e, por favor, tente não pensar no que viveu hoje. Da próxima vez dá certo.

— Você está me falando isso há quase quatro anos.

— Então falarei mais quatro.

— Ótimo! — Jimin abriu a porta, sorrindo. — Boa noite, e obrigado por ter ido me buscar.

Yoongi balançou a cabeça positivamente e Jimin saiu do carro.

9 de Maio de 2021 às 22:39 0 Denunciar Insira Seguir história
1
Leia o próximo capítulo 1 | 2. O primeiro encontro

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 9 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!

Histórias relacionadas