jjikookie_ Kay

Jungkook estava definitivamente encrencado quando foi chamado pelo FBI por hackear informações confidenciais, para sua sorte recebeu uma proposta de acordo trocando a prisão por serviços na investigação da mafia mais procurada de toda Chicago. Até ai tudo bem, todavia, o Jeon não imaginava que seu melhor amigo de infância desaparecido, estivesse entre os integrantes da perigosa The rose. Jikook! au • jikook¡flex • Comédia #NegocioDosPark @JKPERSEUS @PJMISROSES | Capa por: @busanpie_


Fanfiction Bandas/Cantores Para maiores de 18 apenas.

#bts #Jikook # #jikookflex #flex
13
635 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 15 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

Não seja um hacker.


O bolo de aniversário com a figura dos personagens principais do Toy story, velas datando a idade de 12 anos, docinhos e salgados espalhados sobre a mesa, a mamãe, minha irmã, vovó e tia Vanessa sorriam batendo palmas animadas cantando a canção que todos no mundo devem conhecer. Sopro as velas metalizando o mesmo pedido de todos os anos anteriores.

Eu desejo encontrar o Bon-hwa.

🌹


JEON JUNGKOOK


Eu estou muito fudido.


Não no sentido literal da palavra, infelizmente, e sim "fiz malabarismo com ovos" ou "fiquei na chuva e agora estou com uma senhora pneumonia". Não foi por falta de avisos e puxões de orelha de Hoseok e Chaehoo, ou da televisão, filmes ou notícias. Eu deveria ter obedecido e parado de hackear, e não estaria nessa situação, algemado com o olhar julgador de um Detetive? Policial? Delegado? Napoleão Bonaparte? Minha avó? Não sei, e nenhuma das opções era algo bom.


— Você está encrencado, mocinho.- Jura? Se você não me dissesse não saberia. — Hackear informações confidenciais do governo é um crime grave.


Hoje enquanto andava tranquilo pelas ruas de Chicago em busca de abastecer meu estoque de salgadinhos, fui parado por um grupo de polícias me dando voz de prisão. Eu corri para caralho, nunca corri tão rápido, e eles foram ainda mais ágeis que o pobre Jeon aqui. Por sorte estava afastado do bairro da minha família, se você soltar um pum todo mundo corre e vai contar para sua família, esse povo fofoqueiro. Falando nisso, peço desculpas a minha mãe, minha avó, minha irmã, meu melhor amigo, meu pássaro, amigos e familiares menos importantes, meus professores que colocaram coisas boas nessa cabeça vazia, ao Naruto que nunca me deixou desistir, o Timão e Pumba que me ensinaram o "hakuna matata", e ao Toy story que simplesmente é o melhor desenho do mundo, prometo a todos que quando sair da prisão irei me redimir, talvez eu me torne uma pessoa boa e faça comerciais falando sobre minha trajetória e como agora sou bem sucedido, um verdadeiro vencedor, porém se eu não sair?


Meu santo Itachi, estou mais frito que uma coxinha esquecida no óleo.


— Ei garoto, em que mundo você está? Não está me ouvindo ? — Nego com a cabeça fazendo o homem chutar a cadeira, tadinha poxa, ela não tem culpa de nada.


— Ela te fez alguma coisa? Acho que não, então deixe ela no lugar. — O grisalho me olha confuso demorando a entender que se tratava da cadeira.


— Você é louco. — Obrigado, mas não sou agressor de cadeiras. — Conhece a The rose? — Perguntou mudando drasticamente de assunto.


— Não sei de nada até você pedir desculpas a cadeira. — Falo sério, agressão nunca, nem ao menor dos objetos. — Não estou brincando.


— Eu estou começando me arrepender de ter entrado nesta sala, péssimo dia para ser o diretor do FBI, é cada doido que me aparece. — Com cuidado coloca a pobre cadeira no seu antigo lugar, me encarando tanto que comecei a cogitar ter alface em meus dentes. — Satisfeito?


— Falta o pedido de desculpas, mas irei me contentar. — Ajeito meu corpo ficando ereto, pensei maldade agora então vamos corrigir para 'to reto na cadeira, meus pulsos algemados estavam me incomodando, eu não sou um criminoso perigoso tornando elas desnecessárias.— Já ouvi falar, toda Chicago aliás, mas não trabalho com eles, eu apenas vendo as informações que consigo em um leilão virtual, sem saber os compradores e destino delas.


— Eu sei, não estamos te acusando de trabalhar para eles. — Meu raciocínio é de uma ameba, pois não estou entendendo. — Estamos sugerindo um acordo, você não será preso por invadir nossos sistemas e vender informações.


— Não? — Meu queixo está no chão, cuidado para não pisar ok, vou pegar ele de volta daqui a pouco. — Então eu posso ir embora? Afinal, não sei o que estou fazendo aqui, eu sou inocente de tudo, ninguém tem provas contra mim, cadê meu advogado? Vou chamar minha avó e ela vai te dar uma bengalada.


— Você mesmo confessou a minutos atrás. — Minha boca grande sempre me colocando em enrascadas. — Em troca da prisão você irá trabalhar em uma das nossas investigações protegendo o sistema e invadido o deles, com sua ajuda poderemos finalmente acabar com os Park, e toda The rose.— Ele proferiu calmante me deixando espantado, esses caras estão metidos até o pescoço com assassinato, tráfico de drogas e armas, mexer com eles é um pedido de ida para morte. — Um simples atendente em uma pequena padaria pertencente à sua família, localizada no subúrbio de Chicago, quem poderia imaginar que se tratava do famoso Perseu, um hacker famoso do submundo virtual, você tem muito talento e não iremos desperdiçar isso.


Não querendo me gabar, mas, fazendo isto, eu sou bom para caralho, comecei aos dez aninhos invadindo o sistema da escola¹ para trocar a data de uma prova que eu não estudei, e pasmem, deu certo. Depois aprendi pacientemente tudo sobre programação, me fodi nas provas acadêmicas ganhando uns tapas da minha avó e mãe, com um tempo comecei a ganhar vantagens em jogos e fazendo serviços para uns conhecidos como invadir o celular do namorado para saber se estava traindo, eu sei que é errado, mas não se compara com que comecei a fazer anos depois, a história só fica mais cabulosa parceiro. Aos dezessete anos eu era membro de um grupo secreto, onde você apenas conseguia entrar se o invadir, bizarro pra caralho, alguns temem a The rose outros nós temem, os Wolfs, porém nunca nós metemos nos assuntos pertencentes deles, inclusive evitamos por ordens de uns dos líderes o Pink Panther, eu não faço ideia de quem ele seja, pois não conhecemos a verdadeira identidade dos membros, nós identificamos por nicknames, o meu é Perseus, gostou? Eu não sou o mais famoso, mas estou no caminho, ou estava, quanto mais sua reputação cresce mais tarefas são dadas a você e consequentemente irá ganhar mais dinheiro, e foi por este motivo que permaneço em tal ilegalidade, não 'to querendo ficar podre de rico e gastar dinheiro com uma privada da Gucci². Quando minha avó recebeu o diagnóstico de Estenose aórtica³, que em poucas palavras se trata do "estreitamento de uma válvula que reduzido o fluxo o sanguíneo", minha mãe estava desempregada na época e nossa única fonte de renda era a padaria da família, o preço do tratamento era exorbitante, as dívidas batendo na porta, eu não poderia deixar minha família em tal situação, comecei a usar meu talento para algo. Havia um pedido para derrubar um site e descobrir informações sobre o criador, foi muito fácil e a quantia recebida seria suficiente para boa partes das contas, obviamente eu não cheguei para minha velha e entreguei o dinheiro, ela me esfolava se descobrir a verdade, discretamente eu inserir uma pequena quantia no caixa, nunca agradeci tanto por trabalhar na padaria após a escola, ou na conta da minha mãe, que estava com a cabeça cheia demais para perceber $50 dólares além do antigo saldo, acredite isso dá certo até hoje, possuo uma conta secreta em um banco da Coreia tem dinheiro guardado suficiente para cuidar da minha família por um tempo, contudo, temo o surgimento de contratempos, afinal a vovó Jiwoo ainda não estava completamente curada, e se ela é uma idosa e problemas sempre surgem, se ela me ouvir a chamando de idosa pode esperar um Jungkook bem frito no almoço, estar preparado é o essencial. Sempre quis poder parar e usar todo meu conhecimento para o bem era meu sonho, hacktivismo sabe?


Talvez seja minha oportunidade, né?


— Eu irei ganhar algo fazendo isto? Money money money? — Ele concorda com a cabeça, e pretendia começar falar, porém, eu levanto minhas mãos para cima para ele parar. — Ei! Será que você não sabe nada?


— O que você quer dizer, garoto? — Ele arqueia a sobrancelha irritado.


— Não é óbvio? Não se fala o valor, se anota em um papel e mostra a outra pessoa, cadê seu conhecimento em filmes? — Esbravejo completamente chocado com a falta de pudor, nem sei se a última palavra citada faz sentido nesta frase.


— Eu não tenho papel aqui comigo, e as pessoas não fazem isso na vida real. — Fecho minha cara fazendo um grande bico, como ele ousava? — Está bem, um minuto, seu pirado, você é pior que meu filho.


Ele sai da sala me deixando sozinho, quem diria, Jeon Jungkook trabalharia para o FBI evitando ser preso, auge da minha vida, talvez isso me ajudaria a encontrar o Bon-hwa, algum detetive tem habilidades necessárias para encontrar uma pessoa desaparecida. Vou fazer amizade com o meu parceiro nesse caso, eu sou muito esperto, o rei da inteligência, o próprio Einstein. O grisalho entra novamente na sala segurando um pequeno papel em sua mão, enquanto a outra segurava folhas que acredito ser um contrato, ele o coloca ambos na mesa murmurando algum tipo de ofensa contra minha pessoa, as letras bonitas indicam um valor menor ao que ganharia por alguma informação vendida, mas seria suficiente para manter todo mundo se juntasse com o dinheiro que já tenho.


— Caso você aceite assinará um contrato de acordo, com uma cláusula específica de sigilo, ninguém saberá sobre seu trabalho para manter sua segurança. — Eu concordo mostrando as algemas com pedido silencioso para ser solto, e ele o faz. — Ao romper algo no contrato você vai direto para prisão, e um conselho, caras como você não se dão bem naquele lugar.


— 'To ligado, meu velho. — Me ajeito na cadeira e começo a ler devagar e com atenção, tem cada palavras aqui me faz me sentir burro. — Eu vou ter um treinamento, né? Uns jiu-jitsu, karatê, yaaaahh. — Bato minha mão na mesa simulando um golpe resultando apenas em dor.


— Não, você não irá precisar, talvez um psicólogo seja o melhor. — O que ele está insinuando?


Ao terminar de ler tudo, é importante sempre fazer isso, pois nunca se sabe quando irá cair em um golpe como estar comprando um hambúrguer com picles, cruz credo eu odeio, assinei tudo certinho e esperei ser liberado pelo detetive, apenas quero ir para casa tomar um 'banhozinho porque se alguém chegar perto de mim, irar desmaiar, colocar um kpop é ficar fazendo carinho na minha cacatua até eu dormir em paz. Ele sorri, andando em direção a porta, escuto o chamar de dois nomes que não faço ideia de quem são, será meus parceiros no caso? Ou alguém gritando pegadinha?


Eu acho que vou continuar trabalhando aqui, que droga.


Dois homens altos, fortes e bonitos entram na sala, os pais deles devem não ter um pau e sim um pincel para pintar essas obras divinas, um deles possui um semblante mais sério com o maxilar travado, isso para mim é sinônimos de "estou puto da vida", usando uma blusa branca social dobradas até os cotovelos, acompanhado de calça jeans preta apertada, e uau, acho que eu devo estar babando, pois o outro não parava de rir, e este também não ficava para trás com seus traços músculos e corpo visivelmente malhado vestindo uma camisa laranja e calça branca rasgada, seu sorriso era o melhor completo do pacote, mais casual e completamente gostoso a melhor definição. Eu sou um pobre viadinho que não aguenta ver homem bonito, mas se um deles se mostra verdadeiramente interessado por mim eu corro mais que o Papa léguas.


Meu itachi, será que eles vão ser meus parceiros no caso?


— Jungkook, estes são Namjoon e Jackson, seus parceiros no caso The Rose. — Meu cú criou mãos e bateu palmas, ele apontou para o gostosão sério e depois o homão da porra casual, respetivamente.


— Infelizmente. — A voz do que julgo ser Namjoon me fez tremer todinho, não me fazendo importar com a ousadia.


— Olha como fala com o fofinho, Joon. — Sorrio diante a defesa do outro e me levanto esticando meu braço em cumprimento a ele.


— Não precisa me defender, bebê. — Ele segura mão, a sua sendo firme e macia, ao separamos estendi ela a outro que apenas ignora saindo da sala batendo a porta, ai se a dona Jiwoo ver isso.— O que deu nele?


— Ele vive brigando com mundo, a culpa não é sua, depois ele fica de boa. — Fico confuso, pode concordo com a cabeça. — O que ele tem de bonito tem de bravo.


— Senhor, me ajude e me guarde. — Me benzo olhando a porta, e faço um sinal de cruz.


— Parem de namorar e vão trabalhar, eu quero aqueles bandidos presos ainda esse mês. — Murmurou o grisalho, nossa como ele e o Jackson eram parecidos.


— Eu não vou embora? — Ambos riem cúmplices saindo da sala me deixando o sozinho. — Não entendi o motivo da risada oras.


Acho que terei um dia longo pela frente.


__________


¹: Me Insipirei no hacker mais novo do mundo, Wang Zhengyang, o invadiu o sistema de escola porque não queira ficar horas fazendo o dever de casa.


² : Referência ao filme um espião e meio.


³ : É uma doença cardiovasculares, esse estreitamento impede que a válvula se abra completamente, reduzindo o fluxo de sangue para o corpo e dificultando o funcionamento do coração. Fonte: Google.


#NegocioDosPark

Meu TWT: @jjikookie_

TWT e IG do JK: @JKPERSEUS_

TWT e IG do JIMIN: @PJMISROSES


Olá, meu povo e minha pova, como vão? Bem vindos a The rose, uma fanfic bem louca com uma escritora com falta de parafusos na cabeça. Enfim, gostaram?


Explicação rapidinha e importante, o Jungkook acredita que o Jimin se chama Bon-hwa, isto será explicado nos próximos capítulos.


Até a próxima.



9 de Maio de 2021 às 14:27 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo O (in)feliz negócio dos Park

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 15 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!

Histórias relacionadas