dggukk Dora⁷

Jungkook era um dos CEOs mais renomados da Coréia,tendo tempo para nenhum relacionamento sério,apenas sexo casual,contudo a sua irmã irá se casar em breve acreditando que Jungkook finalmente havia entrado em algum relacionamento.Jeon se vê sem saída,a não ser que ele saia em busca de um namorado de aluguel por 30 dias,tendo a oportunidade de conhecer Park Jimin,o garoto que vivia vendendo trufas em frente ao seu prédio.


Fanfiction Bandas/Cantores Para maiores de 18 apenas.

#hoseok #jungkook #jimin #taehyung #kookmin #taegi #Jikook #vmin #VHOPE #MENTIRA
14
595 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 10 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

Trufas e contrato

Respirava pesadamente arrumando as planilhas espalhadas por cima mesa do escritório, suspiros frustrados saiam de sua boca de minuto em minuto... Mas um dia e pra variar sairia tarde da empresa. Sentia falta do tempo que tinha encontros com amores casuais por aí até encontrar ele, e depois dele convenceu-se que o amor não era pra si.


Ao contrário do que muitos imaginam ser um renomado CEO de uma renomada empresa não é só luxo, não. Exige muita disposição e muito trabalho, muitas horas sem dormir porque ficou até tarde revisando papéis, acordando mais cedo que o necessário pra checar cada papelada das reuniões pessoalmente qualquer mínimo erro ali poderia levar a empresa a falência ou a fazer subir ao topo em tempo recorde causando mais burocracias pra serem resolvidas.
E era exatamente o caso de Jeon Jungkook o jovem CEO guardava os papéis em cada uma das gavetas.


- Jeon, o carro já está nos esperando. - Disse Namjoon entrando na sala após dar duas batidas na porta. Namjoon era seu melhor amigo e braço direito sem ele Jeon não teria conseguindo desenvolver o sucesso da empresa e se hoje estavam onde estavam era mérito dos dois.


- Certo, certo já estou descendo. – disse pegando todos os papéis restantes trancando-os nas gavetas. Ajeitou a gravata e a camisa pegando sua maleta e seu blazer o suspendendo no braço.
Passou por Namjoon recebendo uma reverência pra logo ser seguido. Foram até o elevador conversando sobre a reunião do dia e de como um dos sócios merecia um soco no nariz pra ver se desentorta nunca na vida viram pessoa mais esnobe.


- Então sairemos mais tarde que o normal. Será se da tempo passar em casa tomar um banho e ir pra balada? – perguntou Namjoon assim que entraram no elevador, ignorando a revirada de olhos que o amigo deu.


- Não sei e não quero saber porque não pretendo ir pra nenhuma balada. – respondeu curto e grosso. Pra falar a verdade Jungkook só queria parar com aquele assunto de balada e namoricos que não lhe interessava nenhum pouco.


- E daí? Eu pretendo ir. E estou louco pra dar uns beijos até minha boca ficar dormente. – devolveu Namjoon na mesma medida curto e grosso. Por mais que soubesse que Jungkook não gostava “ mais” desses assuntos por causa de uma decepção amorosa ele não queria ver o amigo afogado no próprio limbo, pelos céus já fazem dois anos era pra Jungkook ter voltado a dar uns beijos 6 meses depois, mas o moreno só se afogou mais na lástima da decepção começando a viver apenas para ele.


- Certo. Então apenas não trate desses assuntos comigo, comigo apenas o pessoal que se refere a mim, ou o profissional da empresa. – Jungkook odiava dar esses cortes em Namjoon, mas o que podia fazer se achava aquilo frívolo?


Namjoon sempre foi seu único amigo, os outros eram apenas interesses pessoais deles. A única parte que não gostava era a qual Namjoon tentava lhe arranjar amores. Quem precisa de amores? Ninguém... Amor não passa de uma mera ilusão momentânea que o mundo oferta. Fica pior quando tentam usar o argumento sexo. Oras bolas! As mãos de Jungkook faziam um excelente trabalho nele mesmo, pra que alguém pra isso?


Mas no fundo Jeon Jungkook sabia que esses pensamentos eram apenas muralhas pra não se machucar novamente, se ele vivesse pra ele não poderia se auto machucar.


- O contrato de assinaturas ? – Indaguei a Namjoon assim que as portas do elevador se abriram.


- Estão todos aqui.


- Papéis para a troca de dinheiro? – Ouço uma resposta positiva e sorrio de lado satisfeito.


Saíram do elevador vendo os funcionários fazerem uma breve reverência aos seus superiores.


- Voltem para suas atividades de trabalho. – Disse apenas continuando a andar com Namjoon atrás de mim.


Saíram da empresa observando a rua movimentada pessoas indo e vindo, no meio fio o motorista já os esperava abrindo a porta do carro sempre com um sorriso gentil no rosto. Jeon e Kim seguiram o caminho até o carro observando pessoas saindo e entrando em prédios, táxis, lojas de conveniências, e restaurantes.
“ Moço quanto custa a trufa “? Jeon escutou a doce vozinha infantil perguntar, fazendo o moreno virar o rosto na mesma hora vendo o bendito vendedor de trufas mais uma vez ali na calçada do prédio de sua empresa
“ Mas que porra! Quando esse garoto vai ficar entender que porra dessa calçada não é uma doceria ” pensou o moreno. Ahà! Mas ele mandaria dar um jeito naquilo agora mesmo, se tivesse com tempo ele mesmo faria.


- Porque ele ainda está aqui? – murmurou mal humorado para Namjoon enquanto parava de andar apontando com a cabeça para o vendedor de trufas.


- Irei ligar para o chefe da segurança no caminho pra que ele tome as devidas providencias. Agora vamos não podemos nos atrasar. – Respondeu Namjoon fazendo Jungkook voltar andar mesmo que o amigo ainda mantivesse os olhos focados no vendedor de trufas que conversava com o garotinho.


- Faça isso imediatamente. – Ordenou observando o rapaz loirinho voltar a oferecer suas trufas para as pessoas que passavam negando, adentraram no carro esperando o motorista dar a partida. – E diga pro segurança mandá-lo ir estudar isso aí não vai dar futuro nenhum. – finalizou enfim tirando os olhos da calçada quando o carro começou a se movimentar.


- Prazer em conhecê-los. – disse o CEO da outra empresa que os recepcionou assim que entraram o hall do prédio comercial


- O prazer é todo meu senhor Kim. – Sorriu retribuindo o ato vendo o mesmo apontar as poltronas para sentarem. Os olhares que o senhor Kim dava em Namjoon não passaram despercebidos por Jungkook.


- Soube que tem propostas interessantes. – Começou o Kim se recostando na poltrona em que estava sentado. – Porque não começamos por essas ? – perguntou arqueando uma das sobrancelhas como se estivesse blefando.


- E por qual dessas propostas interessantes você gostaria de começar ? – perguntou Jungkook rebatendo o blefe de forma, mas ele não estava ali para entregar os pontos, mas não mesmo.


- Juntas as empresas. Começaremos por essa. – ditou o Kim.


●●●●


- Foi muito bom fechar negócio com você... senhor Jeon?... – indagou curioso


- Jeon Jungkook. – Falou já em pé com sua maleta e com um Namjoon anotando algo em seu bloco de notas.


- Kim Seokjin. – Sorriu curvando-se lhes acompanhando até a saída de sua sala.


Assim que entram no carro Jungkook finalmente pode soltar todo o ar que nem sabia está preso. Finalmente mais um contrato fechado.


- Conseguimos meu caro Jeon. – disse Namjoon animadamente.
- Sim! Finalmente conseguimos. – E pela a primeira vez naquele dia, Jungkook pode dar um sorriso sincero se deixando relaxar a sensação de dever cumprido é revigorante.


●●●●


A primeira coisa que Jungkook fez quando entrou em sua sala foi tirar o blazer e afrouxar a gravata.
A segunda foi se jogar em sua cadeira fechando os olhos por um breve momento até seu celular começar a vibrar.


Era sua irmã


-Jeon coelho? – escutou a voz fina de sua irmã. – Pensei que não fosse me atender nunca.


- Eu já disse que não gosto de ser chamado assim. – não queria estragar o dia glorioso que teve. – Mas diga-me porque me liga . Hoje fechei mais um contrato.


- Eu não ligo, você tem que dar atenção para a sua família!! – esbravejou a mais nova fazendo o moreno revirar os olhos


- Apenas diga do que precisa. - Murmurou


- Como assim o que eu preciso? – Esbravejou mais uma vez. – Eu vou me casar daqui um mês. Você não viu o convite ? – Perguntou indignada
Arregalou os olhos os fechando com força claro que ele tinha recebido mas havia guardado na gaveta para abrir depois, mas nunca o abriu, sempre se esquecia.


- Hum. É claro que eu vi. Mentiu na cara dura.


- E você vem quando? Hoje? Amanhã? No começo do mês? – Perguntou eufórica e logo depois começou a falar das flores que tinha escolhido pra igreja e salão de festas.


Jungkook havia sido convidado um mês antes para participar da dinâmica durante o último mês de noivado, era uma “tradição” de sua família.


“ Somos esquisitos “ pensou o moreno.


- Hum...Eu acho que vou começo do mês, ta? – Falou guardando o convite passando as mãos em seus cabelos já começando a arrumar a papelada das propostas futuras.


Sobraria tudo para Namjoon novamente.


- Ah! Okay! Vai trazer seu namorado, certo?


Franziu as sobrancelhas em confusão


- Como assim namorado? – perguntou levantando-se da cadeira


- Oh...então é namorada? É que saiu uma reportagem com fotos suas indo para vários lugares principalmente festas, sempre estava acompanhado.

Jungkook Pov.


Arregalei os olhos suspirando frustrado passando as mãos pelos cabelos.


Mais tarde me lembraria de demitir os funcionários responsáveis sobre a minha privacidade e segurança.


- Não é nada disso que está pensando. Foram algumas festas de. .. – Fui rapidamente interrompido.


- Então é namorado! Eu e a mamãe estamos loucas para conhecer ele! O traga por favor! – E assim desligou sem mais e nem menos me deixando desesperado, confuso, ansioso e com qualquer outro sentimento que se encaixe na situação.


Eu já havia as decepcionado demais, a casa na Suíça era o sonho delas e eu conseguir realizar com muito esforço o plano era nós mudarmos para lá, mas pura arrogância minha de não querer deixar a empresa nas mãos de terceiros. Lembro até hoje da cara delas quando falei que iria voltar pra Coreia.


Mas estava decidido eu já sabia o que fazer.
Irei pagar um namorado de aluguel.


1 semana depois.


A semana passou mais rápido do que prévia que fosse passar, e junto com ela foi a minha paciência. Por céus! Eu já tinha rodado a cidade inteira atrás de um homem que possa se passar por meu namorado fui a agências, mas os modelos pediam muito mais do que eu estava disposto a pagar, apesar do pacote do “ namorado de Jeon Jungkook” vir com a promoção “ você ganhará uma mala de roupas novas”, os modelos queriam eles próprios escolher as marcas que usariam, ou seja, iriam me falir na certa.


Namjoon me acompanhou em todas as ocasiões e como ele mesmo disse, eu estava mesmo desesperado porque até nos cabarés eu procurei e não achei. Porque era tão difícil encontrar um namorado que se encaixasse nós padrões da família Jeon?


E lá vamos nós! Mais um dia de assinar papéis e ler contratos pra sair tarde da noite, ir casa e apreciar um bom vinho.


O motorista abriu a porta do carro, assim que sai do carro olhei ao redor observando o movimento de pessoas que ia e foi numa dessas que meus olhos pararam em um certo ponto, mas especificamente na calçada do prédio da minha empresa há a apenas alguns metros de mim.


Lá estava ele com sua cesta de trufas sorrindo pra uma senhora que vai parado pra comprar interessada no produto.


Sinceramente a minha paciência já havia ido pras cucuinhas, a semana inteira foi estressante ainda mais essa.


Respirei fundo e fui andando até o garoto que agora entregava uma sacola com as trufas compradas pela a senhora.


- Espero não está atrapalhando, na verdade espero sim está atrapalhando. Até porque você atrapalha e mancha a imagem da minha empresa vendendo essas trufas aqui. – Falei seco sem me importar nem um pouco o olhar espantado que a senhora me dava por estar tratando o garoto das trufas assim.


A senhora mal pagou, pegando o sacola com suas trufas saindo dali rapidamente sem nem olhar pra trás.


- Ande! Pegue suas coisas saia daqui agora mesmo! – Falei sem nem olhar na cara dele.


- Senhor... – O escutei me chamar com a voz doce e melodiosa, virei minha atenção para escutar seus argumentos sem fundamentos, mas essa simples olhada me fez reparar nos detalhes do seu rosto, olhos de falcão bem desenhados, bochechas fofas em contraste com a boca carnuda e vermelhinha.


Será se ? Não sei se devo... Mas ele é o com certeza é o namorado que eu estava procurando. É loucura eu sei! Esse moço não deve nem saber comer caviar ou lagosta, conhecendo minha irmã do jeito que conheço com certeza esse será o cardápio.


- Apenas me deixe aqui! O ponto é bom. Consigo muitos clientes eu preciso do dinheiro pra me alimentar e pra... – Fora interrompido de forma rude.


- Arranje um trabalho melhor então. – Continuei mantendo a pose. – Pelo o menos um cargo de faxineiro uma dessas empresas deve ter.


- Senhor por favor! O Prédio pode ser seu, mas a calçada é pública me deixe ficar. Preciso pagar o aluguel, e a minha...


De repente não escutei mais nada apenas fiquei o observando de cima a abaixo, o modo como gesticulava com delicadeza a suavidade que as palavras saiam da sua boca por mais desesperadas que fossem.


- Seja meu namorado por 30 Dias, pago o suficiente pra quitar qualquer dívida que você tenha e ainda abro uma doceria toda no seu nome pra você sair da minha calçada. – Interrompe toda e qualquer explicação que ele estivesse me dando pra vender trufas na calçada do meu prédio.


- O que ? – Perguntou com os olhos arregalados e desacreditados olhando me como se eu fosse louco.


- É isso mesmo que você escutou. Ou então entro na justiça com liminar lhe proibindo de vender trufas na calçada do meu prédio.


E com o olhar amedrontado e um balançar de cabeça veio sua resposta


- E-eu aceito.


8 de Maio de 2021 às 20:07 0 Denunciar Insira Seguir história
2
Leia o próximo capítulo Encurralado

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 6 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!