rockmepark andy 🎀

{ × EM ANDAMENTO × } 🔞 ❝Uma escola, no qual nosso objetivo é te fazer g*zar Park Jimin não sabia, então seu chofer, Jeon Jungkook resolveu ensiná-lo❞ jikook | (+18) | longfic | flex | BDSM | fetiches


Fanfiction Bandas/Cantores Para maiores de 18 apenas.

#flex #jikook #kookmin #bts #jimin #jungkook #gayxgay #yaoi #bdsm #sexschool
1.6mil
33.3mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 15 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

o n e

— Pode parar uma esquina antes. É humilhante ter uma babá me levando a faculdade.

— Só estou fazendo meu trabalho, Sr. Park. São ordens do seu pai, não posso desobedecê-lo. Lamento muito o senhor estar passando por isso, não é minha intenção lhe desagradar.

— Não me chame de senhor, você é mais velho do que eu! Enfim, não importa. Apenas venha me buscar aqui depois da aula, a última coisa que quero é os outros sabendo sobre você. Não se atrase Jungsoo!

Palavras duramente frias saem através dos lábios carnudos e avermelhados de Park. Ele pega sua mochila preta no banco ao lado, abre a porta do carro e a fecha com brutalidade.

Nem sequer olhou para trás. Nenhum "obrigado" foi dado à pessoa que o tinha trazido à faculdade, muito menos uma despedida educada. Mas o que esperar de um loiro oxigenado que tem tudo em suas mãos?

O chofer, sem se abalar, observou o menor indo em direção ao pátio. Ele seguiu acompanhado por belas garotas que, juntos, fizeram caminho até a entrada do prédio.

— É Jungkook. — disse, sozinho no carro, mesmo sabendo que não adiantaria corrigir seu superior.

Parecia até que ele fazia de propósito para, justamente, não falar seu nome correto. Oras, Jungkook não é tão difícil assim, a pronúncia é fácil. Então, por que Park não conseguia acertar?

Não que isto abalasse o subordinado, de forma alguma! As vezes, gostava de usar os nomes tão criativos que lhe eram dados como pseudônimos.

Sua responsabilidade era deixar seu cliente na porta da faculdade e seguir caminho, mas ele gostava de aguardar a entrada de Jimin. Para se assegurar de sua chegada com segurança à universidade? Não, claro que não.

Apenas porque essa era uma das poucas vezes que ele conseguia observar o traseiro tão carnudo e redondo do mais novo. Mesmo rodeado de mulheres, o rebolado de Park era sobrenatural, pelo menos na percepção de Jungkook.

Ele sequer o fazia de propósito, como um instinto natural. Deixava sua bela bunda ir de um lado para o outro, não notando o impacto na mente do chofer, dono de uma imaginação tão fértil.

Antes de adentrar o local de estudo, ele se aproximou de uma ruiva e apertou suas nádegas fortemente, com as mãos pequeninas.

A feição dela foi de puro prazer, como se aquele toque a fizesse ter orgasmos múltiplos; deveras uma ótima atriz.

Jungkook deu uma risada quase constrangedora, como se a vergonha alheia percorresse todo seu corpo. Será que Park não percebia que aquelas mulheres à sua volta tinham somente interesse em toda sua fortuna? Possivelmente, doidas para darem o golpe da barriga? Era certo de que alguém o deveria avisar sobre a farsa, mas essa pessoa não seria ele.

Após esperar o dono da bela bunda passar pela porta principal, o moreno pôde finalmente dar partida no carro, seguindo para seu segundo emprego.

[...]


Não foi preciso desbloquear o celular para saber que estava cheio de mensagens. Chegavam a cada segundo, uma seguida da outra, mostrando o desespero de alguém pelo seu atraso, ameaçando demiti-lo caso demorasse sequer mais um minuto.

Jungkook estava atrasado. Sabia disso e tinha certeza de que ouviria coisas horríveis vindas de Jimin quando se encontrassem. Desde que começou a trabalhar para a família Park, o mais novo nunca mediu palavras para se referir ao subordinado.

Era como se um filhote de leopardo ameaçasse a sua vida, pois, aquele ser tão pequeno, o dirigia palavras frias e maldosas que provinham do tamanho poder em suas mãos.

Estava em alta velocidade, ultrapassando sinais vermelhos para não piorar a situação. Ainda assim, o que ele poderia fazer quando seu segundo emprego ocupa tanto tempo quanto o primeiro?

Sabia que jamais seria dispensado pelo pai do loiro. Mas, de qualquer forma, não gostava de decepcionar as pessoas. Nem que por um simples atraso.

Quando virou a esquina da universidade, pôde ver Jimin de braços cruzados, com um bico nos lábios. Felizmente, desta vez, não estava acompanhado de nenhuma garota sanguessuga. Vestia seu uniforme de esportes, que consiste em uma regata branca coberta de suor e um short azul escuro largo, deixando suas belas coxas à mostra.

Estacionou o carro ao lado dele e, tentou ao máximo não escarar suas belas curvas para não o deixar desconfortável, mas logo o mais novo abriu a porta e fechou furiosamente, jogando sua mochila em algum lugar enquanto encarava os olhos de jabuticaba tão bem marcados do motorista pelo retrovisor.

— Eu estou esperando há 20 minutos! Isso é falta de responsabilidade, de compromisso e de ética! Como pôde me deixar plantado aqui por tanto tempo?! Isso é inaceitável! — A voz de Jimin estava alterada, seu sangue fervia e seus batimentos cardíacos acelerados por conta da raiva.

"Se não gostou, vá a pé. Ingrato", Jeon pensou e, suspirando, reformulou a resposta que sairia de seus lábios.

— Me desculpe, não acontecerá novamente, prometo. — Em seguida, liga o carro tentando transparecer obediência e respeito, contraditório à sua vontade, que era de mandar o menor calar a boca. O atraso havia sido de, no máximo, 10 minutos. Ele estava fazendo tempestade num copo d'água.

— Como se um simples pedido de desculpas pudesse anular a sua falta de consideração!

— Me desculpe senhor, não sei como me redimir, mas peço que me perdoe. — a voz de Jeon ainda era séria, entretanto não estava realmente preocupado com o perdão de Park.

— Quando chegarmos em casa contarei tudo ao meu pai. Ele decidirá o que fazer com você.

Jungkook já não sabia mais o que responder. Todas as palavras que queria dizer àquele riquinho hipócrita seriam o suficiente para validar uma demissão por justa causa. Então ele agiu como a mãe do menor, deixando-o resmungar sozinho, sem resposta, até se acalmar.

E foi o que aconteceu. Se não ouvisse o resmungar baixinho, quase inaudível, o carro estaria em completo silêncio até chegar na casa — casa não, mansão — dos Park's.

O motorista estacionou o carro e saiu rapidamente, para abrir a porta de seu superior. Entretanto, este já se encontrava fora do veículo, caminhando em direção ao portão principal.

Com o andar bruto, aumentando o rebolado conhecido, Jeon não pôde deixar de admira-lo ao encostar-se no carro. Aquela visão só ficaria melhor se, por algum acaso, ele estivesse sem roupa.

Jungkook odiava ter esse tipo de pensamento sobre seu superior, mas era quase inevitável. Parecia que tudo que ele fazia o instigava. Até as palavras duras que saíam dos lábios de Park faziam com que seu falo ficasse duro.

Qualquer pessoa o acharia um pervertido. Era imoral de sua parte? Talvez, mas ninguém conseguiria ignorar aquela bunda sensacional.

Jimin atravessou a porta de entrada e Jeon alinhou seu terno, que já não estava bem passado como antes - não o tornando menos elegante pelo tal. Seguiu o menor e entrou na tão grande mansão.

Era uma bela casa. A sala, em tons pastéis e móveis para todos os lados. Na entrada, uma escada que parecia ter sido retirada de um filme de tão grande. Ainda no andar de baixo, ficavam a cozinha e o escritório do Park, chefe da família. No andar superior, todos os quartos e, nos fundos, o quarto de Jeon. Naturalmente, ele pouco parava após um dia de trabalho. Ia para seu quarto até dar o horário de algum compromisso ou quando seus serviços eram necessários, transportando seus superiores para todos os cantos.

Ele flagrou Jimin indo ao encontro de seu pai, no escritório. Provavelmente para reclamar do chofer tão dedicado. Jungkook riu, sabendo que todas as reclamações do menor seriam desconsideradas.

Jeon seguiu em direção à cozinha, onde pôde ver suas colegas de trabalho fazendo o almoço tão caprichosamente.

Pegou uma maçã - apesar de preferir bananas - que estava na fruteira e deu uma boa abocanhada, enquanto se sentava num dos balcões dispostos pelo salão.

— O “principezinho” entrou soltando fumaça, nem bateu para entrar no escritório do pai. — disse Hongbin, o secretário de Park, ao entrar na cozinha.

— Eu me atrasei e agora ele ‘tá bravinho. — Jeon deu de ombros, sabendo que aquilo não era verdadeiramente uma preocupação.

— Ele precisa de uma surra, isso sim. É uma má educação sem sentido. — Uma das cozinheiras mais antigas falou, enquanto Jungkook dava mais uma mordida na maçã.

— Eu chamo isso de "falta de um bom sexo". — disse simplesmente, com a boca meio cheia.

Jimin entrou no local quase um segundo depois da última fala. Ele ainda estava com um bico nos lábios e não encarava ninguém ali. Todos no recinto começaram a circular, como se o assunto não fosse o loiro; menos Jungkook, que continuou comendo sua maçã.

— Jungin, meu pai está te chamando no escritório. — avisou-o, sem encarar o moreno, cruzando os braços sobre o peito.

Deu um pequeno sorriso de lado, pois Jungin era um de seus pseudônimos favoritos. Jeon se levantou e ajeitou novamente o terno azul escuro. Percebendo que, pela primeira vez, Park contemplava a movimentação de seu corpo, focando-se no deslizar das mãos alheias sobre o abdômen, alisando suas vestes, deixando-a mais alinhada.

Foi quase imperceptível o olhar do menor, mas ainda assim, Jungkook notou.

Era uma pena Jimin ser hétero.

Caminhou em passos lentos até a porta onde ele se encontrava, encostado ao batente. Ficou frente a frente com Park, mirou o olhar para baixo, avistando um loiro encarando suas íris.

— É Jungkook.

Desviou do menor, continuando com passos lentos e mãos nos bolsos até o escritório de seu chefe. Ao chegar, deu duas batidas na porta.

— Pode entrar. — foi ouvida a voz de Park Pilwoo. O funcionário abriu sem hesitar, fazendo uma reverência ao senhor, que ofereceu um sorriso largo para o chofer. — Sente-se, por favor.

Jeon concordou com a cabeça, acomodando-se rente à mesa.

— Aceita um charuto, filho? — Perguntou Sr.Park, pegando sua gaveta um dos charutos caros, de coleção.

— Não, mas agradeço a gentileza senhor. — Jungkook deu um sorriso fraco. — Quero me desculpar pelas reclamações de seu filho, não era minha intenção deixá-lo na mão.

— Bobagem, rapaz. — O respondeu ao finalizar uma tragada no charuto, dando de ombros. — Foi só um atrasinho; Jimin é muito dramático, conheço bem o meu filho.

— Mesmo assim, não foi certo da minha parte. Vim pedir desculpas formalmente ao senhor. Pretendo me desculpar com o seu filho também. — Jeon mantinha o tom formal, mesmo sabendo que não era necessário.

— Pois não aceitarei suas desculpas, rapaz. Afinal, você estava em seu outro emprego, certo? — o moreno assentiu. — Então não precisa se desculpar. Mas, infelizmente, meu filho é de maior urgência, comparado a isso. Então sempre dê prioridade ao Jimin, nem que envolva sua falta em outros compromissos. Não te prejudicarei lá. Pode sair mais cedo por ele, certo, Jungkook?

— Sim senhor. Posso garantir que a prioridade será, com certeza, seu filho. — Jeon deu mais um sorriso educado.

— Pois bem então, está dispensado, pode ir descansar. E, Jungkook? Muito obrigado pelo seu trabalho... Não, espere um minuto. Preciso te perguntar uma coisa... — suspirou, de expressão séria para o chofer. — Acha que eu engordei?

Jeon o encarou melhor, tentando segurar o riso. — Porquê a pergunta repentina, senhor?

— A minha mulher disse que, se eu engordar mais um pouco, meu pinto vai desaparecer e terei de usar uma lupa e pinça para me masturbar. — disse sério, como se aquilo fosse uma ofensa. O funcionário tentou ao máximo segurar a risada, mas não conseguiu. — Não ria! Será demitido por justa causa.

— Me desculpe — respondeu ao se recompor, mordendo o lábio inferior na tentativa de abafar o riso. Respirou fundo, notando que o superior não tinha vestígios de brincadeira em sua feição. — A Sra. Park só está tentando cuidar da sua saúde, senhor. Não é por mal, acho que é o jeito dela se fazer ouvir.

— Velha maldita, nunca me senti tão ofendido na vida. — cruzou os braços, fazendo um bico. Chegava a ser engraçada a relação dos dois, era literalmente algo bonito de se ver— De qualquer forma, pode ir Jungkook, obrigado novamente.

— Eu que agradeço. — Jeon se levantou, fez reverência ao mais velho e abriu as portas, dando de cara com o loiro.

— Preciso que me leve ao shopping, depois que eu me arrumar. — Avisou, mantendo o bico nos lábios e evitando contato visual com o maior.

Jungkook olhou seu relógio de pulso, observando que não teria tempo de descansar. Mas fazer o quê? Como seu chefe havia dito: "Jimin é a prioridade”.

— Tudo bem, eu te espero no carro. Me desculpe novamente pelo ocorrido mais cedo.

— Tanto faz. — o menor deu de ombros. — Apenas coloque outra roupa, porque vamos pegar alguns amigos meus no caminho e não quero que eles te vejam tão... — desceu o olhar por todo o corpo de Jeon, que estava coberto pelo terno chique. —... Formal. — deu um suspiro quase inaudível, porém o mais velho percebeu. Sempre percebia.

— Certo, que roupa o senhor gostaria que eu usasse?

— Senhor não! Você é mais velho que eu! — disse, batendo os pés como uma criança.

— Me desculpe, novamente. Qual roupa gostaria que eu usasse? — fazia, sabendo que aquilo o deixava furioso. Jeon gostava, chegava a ser fofo.

Só Jimin não entendia que o modo de Jungkook o chamar de "senhor" era, na realidade, uma provocação. De maneira mais sexy, lhe dando total autoridade. Entretanto, ele não percebia, infelizmente.

— Qualquer roupa, como pessoas normais. — deu um sorriso irônico, sem mostrar os dentes.

O pequeno Park saiu batendo o pé pela escadaria tão grandiosa. Jeon não pôde deixar de rir. Mesmo o menor sendo mimado em todos os aspectos, na sua percepção, tudo aquilo era um charme; charme este que, de alguma maneira, atraía Jungkook.

O motorista foi até seu quarto, um tanto simples comparado aos outros cômodos da casa. Tinha uma cama de casal, cabeceira e uma pequena televisão acima desta - que só servia de enfeite, pois nunca fora ligada. Tinha um ventilador na mesa de canto e um guarda-roupa de madeira escura numa das paredes. Mas o ponto alto do cômodo era a prateleira de livros e DVDs, que ficava na parede de sua cama, contendo as melhores obras literárias imagináveis.

Foi até seu armário, escolhendo uma camiseta branca com decote em V e uma calça jeans preta, rasgada nos joelhos, que ficava um tanto quanto apertada em suas coxas definidas. Tirou seu sapato social, calçando um coturno cor de carne no lugar.

Será que estava não-social o suficiente para o loiro? Bem, ele não tinha certeza, mas precisava tentar.

Após passar uma segunda dose de seu perfume -uma fragrância suave de limão- pelo corpo, saiu do quarto, indo em direção ao carro.

Sentou-se ao volante, pegando seu celular, ao qual continha milhares de mensagens vindas das pessoas que frequentavam seu outro emprego.

Conseguiu responder algumas até ser interrompido por alguém, abrindo uma das portas de trás.

O perfume doce, mas não enjoativo, denunciava que Jimin era quem havia entrado no veículo.

E, francamente, ele estava lindo. Usava uma camisa de botões branca com dois bolsos e uma bermuda apertada, junto ao All Star preto de cano médio. Um look normal que, aos olhos de Jeon, dava-o um aspecto ainda mais atraente.

Talvez, na visão de Jungkook, tudo nele fosse atraente.

Park se sentou no banco de trás e, sem dizer nada, entregou um papel para seu chofer, pegou o celular e esperou Jeon ver o que estava escrito. No caso, endereço para o qual deveria seguir.

A caminho do local indicado, Jungkook manobrou o carro pela rua movimentada.

Tudo ficou em silêncio. Ouvia-se somente as notificações - que não paravam de chegar - vindas do celular de Jimin.

A viagem foi rápida, logo chegaram a um prédio laranja simples. Na portaria, a mesma garota ruiva os aguardava, usando um vestido roxo e uma maquiagem marcante demais. Pelo menos para aquele horário.

Ela era linda, o chofer tinha que reconhecer, mas aquela combinação não era apropriada para se usar durante o dia.

A moça, vendo o veículo estacionado à frente de sua residência, deu um sorriso e abriu a porta traseira, encontrando-se com Jimin.

— Oi, senti sua falta. — disse, já sentada no banco e indo em direção a boca rosada do acompanhante.

E assim começou o show de horrores…

Jeon queria rir, pois eles pareciam duas pessoas que estavam se beijando pela primeira vez e, todos sabem que o primeiro beijo nunca é bom.

A ruiva simplesmente deixou sua cabeça parada, enquanto o beijava de olhos abertos. E Jimin, até com uma boca muito habilidosa, manteve suas mãos estáticas.

Como o motorista não sabia qual o destino do “casal”, ficou observando a vergonha alheia através do retrovisor interno. Por um momento, se viu no lugar da garota, experimentando a boca de Park. Imaginou-se sentindo o sabor do interior dela que, provavelmente, seria hortelã - resultado das balas que costumava comer.

Pensou em como mostraria a ele onde colocar seus braços que, pelo menos naquele beijo, estavam mais parados que defunto.

Depois de alguns segundos, o loiro interrompeu o amasso, encarando os olhos de Jeon pelo mesmo retrovisor. Tinha a boca totalmente vermelha, colorida graças ao batom cremoso que a outra usava.

— Pode seguir para o shopping central. — Jimin percebeu que o mais velho o encarava e ficou com raiva. Cadê a privacidade?

O subordinado assentiu e Park logo voltou a atacar os lábios, também marcados, da ruiva.

Durante todo o trajeto, os dois ficaram se beijando de forma esquisita. Em certo momento, a moça pulou para o colo alheio, colocando uma perna a cada lado de Jimin, como se não houvesse um espectador presente.

Jeon queria muito rir daquilo e, ao mesmo tempo, pedir para que a mulher se sentasse ao banco e colocasse o cinto, por segurança. Mas optou por apenas observar a cena, de vez em quando. Talvez, se ele desse uma freada brusca para ela cair, fosse engraçado.

O rapaz poderia muito bem agarrar as nádegas da mulher, pois aquela "posição" quase exigia uma mão boba. Mas as dele continuavam esquecidas em algum lugar.

Depois de mais alguns amassos desajeitados, que certamente não combinavam, Jimin deu início a uma série de chupões no pescoço garota, que gemia muito forçadamente.

Park marcava o pescoço alheio com afinco, da mesma forma que um adolescente faria, orgulhoso daquilo. E as mãos? Continuavam paradas. Por um instante, ele mexeu o braço direito e Jeon pensou um "agora vai" esperançoso, mas o movimento era para, simplesmente, coçar a bochecha.

Será que as mãos dele também ficavam paradas quando se masturbava? Era algo a se pensar.

Quando, finalmente, chegaram ao shopping, Jungkook não sabia se avisava o casal-vergonha-alheia que já haviam estacionado ou se os deixaria continuar. Decidiu, por fim, desviar o olhar. Se é que isso era possível.

— Chegamos. — Jimin disse, finalizando o beijo ao notar aonde estavam. Sua aparência era deplorável, possuía algumas marcas já roxas no pescoço branco e, a boca inchada, coberta pelo batom de má qualidade da ruiva. — Fique aqui, vamos assistir um filme e já voltamos. — direcionou suas palavras a Jeon, que apenas assentiu.

A jovem saiu primeiro do carro, sendo acompanhada pelo loiro, que adentrou o shopping com um de seus braços ao redor da cintura dela. "Olha, os braços dele se mexem" o moreno pensou e deu uma pequena risada.

Era desnecessário esperar o filme acabar, afinal ele poderia muito bem deixar os dois no cinema e buscá-los quando terminasse. Mas, como Park já estava bravo consigo, não discutiu. Ficar sozinho no carro deixava-o pensar melhor na aula de hoje.

[...]


— Hey, acorde, já voltei. — Jimin deu duas cutucadas no ombro do motorista, que tirava um cochilo sobre o volante. Jeon se assustou, sendo motivo de riso pro loiro. — Desculpe, não quis te assustar.


"Olha, ele sabe pedir desculpas", pensou o mais velho.

— Não faz mal.— Respondeu enquanto ajeitava-se no banco, reparando que um solitário Jimin aguardava no veículo. — Só você vai?

— Sim, pode voltar para casa. — soltou simplesmente, pegando o celular do bolso. Jungkook logo ligou o carro. — Não conte a ninguém sobre o que viu, entendeu?

— Não se preocupe, é o meu trabalho. E ele envolve sigilo.

Park nada mais disse e Jeon apenas seguiu caminho em direção à residência de seus senhores. Vez ou outra ele mirava o retrovisor, observando o pescoço do menor com marcas roxas cobertas por corretivo. Durante o trajeto, ficou se perguntando a razão pela qual a ruiva não se fazia presente, mas preferiu não se envolver.

A viagem de volta foi bem silenciosa. O motorista, concentrado no volante, enquanto Jimin não tirava os olhos do celular, digitando sempre. Quando chegaram à mansão, o loiro saiu sem dizer nada.

O chofer manobrou o automóvel e seguiu para seu quarto.

[...]


O relógio de pulso do moreno marcava 1H34 am. Ele estava cercado por pessoas mascaradas. Algumas nuas ou pouco vestidas. Jeon usava seu terno de sempre e nenhuma máscara, afinal, não era necessário. Não para ele.

Os garçons e garçonetes distribuíam champanhe e vinho seco, dentro de seus uniformes. Estes eram compostos por panos finos, que cobriam somente as partes íntimas, e uma máscara preta escondendo seus rostos.

No hall da enorme mansão, encontravam-se algumas pessoas de terno, sem disfarces. Apenas as mais importantes, que não precisavam ter medo de revelar suas identidades e que tinham poder de alguma maneira, se mostravam.

Jeon era uma dessas pessoas.

Ele estava sentado em uma das mesas principais, na companhia de duas belas damas semi-nuas. Uma delas usava uma máscara de unicórnio, enquanto a outra ostentava uma que só cobria seus olhos, na cor vermelha, com glitter dourado em volta.

— Eu preciso de horas extras com o Senhor. Como faço para marcar? — disse a morena da máscara vermelha, cruzando suas pernas à frente dele, que a encarou por um breve segundo, desviando o olhar de volta aos seus papéis.

— Me desculpe, não faço aulas extras.

— Como não? Todos fazem horas extras, por que você não faz? — a loira com máscara de unicórnio questionou, também cruzando as pernas na direção de Jeon que, dessa vez, nem se deu ao trabalho de encarar.

— "Você" não, é "Senhor", certo? — Jungkook corrigiu-a, dando um sorriso forçado para ambas, que assentiram. A morena sentiu seus pelos arrepiarem só pelo comando direcionado a elas. — Vejo vocês na sala. Agora, permitam-me finalizar meus afazeres, senhoritas. — pronunciou, lançando-as uma piscadela.

Mesmo sendo uma pessoa "ignorante", na opinião de alguns, Jeon Jungkook trazia prazer nas palavras à maioria das mulheres ao seu redor. E com as duas que acabara de falar não foi diferente; ambas, assim que saíram de perto do moreno, suspiraram ao relembrar da beleza e dos traços tão bem desenhados do mesmo.

Assim, ele voltou a se dedicar aos papéis na mesa, não se importando com a nudez alheia presente no salão.

O tempo passou rápido e Jeon logo pôde ouvir o badalar alto do sino, tocando sobre a grande mansão. Tinha um som suave, mas elevado, que informava a todos do hall que as aulas estavam para começar.

O chofer nas horas vagas juntou seus papéis, guardando-os na pasta, enquanto seguia para a sala de aula. No entanto, já na metade do corredor, caminhando sobre o carpete aveludado, sentiu seu celular vibrar.

Parou, procurando saber quem havia lhe mandando mensagem. Era Jimin. Não havia nenhum “Olá” ou um “Boa noite”, apenas “Venha me buscar”.

Jungkook respirou fundo, enraivecido por largar sua aula, mas "Jimin era a prioridade".

Pediu para o loiro enviar sua localização, que não demorou muito a chegar. Reconheceu rapidamente o endereço; era uma balada popular na cidade. O que ele está fazendo lá? E como chegou nesse lugar?

Pelo que conhecia, Sr.Park não deixaria seu filho ir a esse tipo de estabelecimento.

Jungkook mudou sua rota, indo até a portaria da mansão, acompanhado de olhares confusos.

— Não dará aula hoje? — um dos porteiros disse.

— Hoje não, arrume algum substituto para mim, até amanhã.

Simplesmente se foi, sem dar muitas satisfações. Afinal, não era necessário.

Seguiu até o carro e teve sorte de não colocar nenhuma gota de álcool em sua boca naquela noite.

O ambiente em si não estava frio, mas haviam poucas pessoas na rua e o silêncio era ensurdecedor.

A balada não ficava tão distante de seu segundo emprego, então Jungkook chegou rapidamente ao seu destino.

Olhou para a rua e viu Jimin, encostado em uma árvore, do lado de fora da balada. Acompanhado pela mesma ruiva.

"De novo não" Jeon pensou, revirando os olhos. Aquilo já estava o deixando irritado.

Parou na frente dos dois, destrancando as portas.

— Boa noite. — sibilou, vendo ambos entrarem no carro.

Jimin estava com a boca inchada e borrada novamente. Possuía, também, novas marcas no pescoço, não cobertas por corretivo. A garota usava a mesma maquiagem, agora borrada por conta do suor.

— Leva a gente pro motel— diz Park, sem olhar o motorista diretamente. Sua voz estava alterada e, após a ordem, atacou os lábios da ruiva. E seus braços? Parados. Aquilo estava deixando Jeon com TOC.

— Mas Ji, eu preciso voltar para casa. — a ruiva tinha uma voz mais fina e falsa.

"Ela não quer transar com você, essa desculpa já é velha." pensou novamente, mantendo-se sério e aguardando instruções de seu superior.

— Então nos leve até a casa dela, não tenha pressa. — enquanto dirigia, pôde perceber que Jimin estava alcoolizado. Na verdade, ambos estavam bêbados. — E não olhe para trás.

Jungkook assentiu, colocando no GPS o endereço já gravado da ruiva.

Quando desligou o carro, já fazia tempo que havia percebido o loiro deitado no banco, e a moça, por cima dele.

O vestido da ruiva já não cobria sua bunda, deixando à mostra a calcinha fio dental branca. Ela atacava incessantemente o pescoço de Jimin.

"Por favor parem, vocês estão fazendo isso errado." O subconsciente de Jungkook suplicava, pois era praticamente impossível não assistir a cena pelo retrovisor.

Principalmente com os baixos sons de gemido do Park. Eram, com certeza, lamúrias de prazer misturado ao nervosismo. Coisa que poucas pessoas iriam notar, mas, como Jeon já tinha certa experiência nisso, percebeu facilmente.

A mulher foi baixando os beijos, dando pequenos selares sobre o corpo coberto de Jimin até chegar à base de seu pênis.

Jungkook viu sua expressão, quando a ruiva abaixou sua calça e cueca de uma só vez.

Como Jeon previa, Jimin estava mole. Nenhum sinal de excitação aparente.

"Tragam um viagra para esse humano, vai ser o único jeito de subir." Refletiu internamente. Nunca fora tão difícil segurar a risada.

A ruiva, não contente, começou a chupar a extensão mole. Apenas com a ponta da língua, tentando, talvez, transmitir um olhar sedutor ao loiro? Jungkook não sabia explicar.

Se a vergonha alheia já estava ruim, só piorou. Jimin tinha a respiração pesada e uma expressão nada boa.

Como se já não fosse degradante o suficiente, a garota insatisfeita colocou-o por completo dentro da boca, mesmo ainda flácido, subindo e descendo.

Jungkook nunca precisou forçar a seriedade por tanto tempo. Park simplesmente não subia e não o culpava, pois a ruiva não estava fazendo direito. Estava muito nervoso também, era visível.

A ruiva era insistente e continuava o oral sem resultado.

— Tá gostando? — o olhar da moça não era dos mais excitantes.

"Claro que não" Jeon pensou, tentando conter a gargalhada.

— Sim — o loiro deu a resposta sem mudar de expressão. Não minta para si mesmo, Jimin, você não está gostando e sabe disso.

Foi aí que Jeon decidiu ajudar o Jimin Jr, pois, se não fizesse algo, era capaz do membro de Park entrar para dentro.

Acelerou e, quando já estava em alta velocidade, fez o que qualquer pessoa faria em seu lugar: freou bruscamente.

Por estar preso ao cinto, o impacto em si foi quase nulo. Diferente da mulher, que caiu do colo de Jimin, indo parar no chão do veículo.

Park apenas arregalou os olhos e se segurou melhor no banco, não dizendo nada.

— Você ‘tá louco?! — a ruiva perguntou, encarando o motorista com os olhos cheios de raiva. — Eu quase morri!

— Me desculpe senhorita, é que um gato estava atravessando a pista. Eu não tive outra escolha a não ser parar desse modo. — manteve seu tom educado, vendo a mulher se sentar ao lado de Jimin, respirando com dificuldade, processa.

— Quem liga para o gato?! Eu poderia ter me machucado a sério, seu imprestável! — começou a negar com a cabeça, mirando o loiro, esperando que ele ralhasse uma bronca no chofer.

Este suspirou, notando o olhar de Jeon para seu membro não teso fora da calça. Sentiu suas bochechas ficarem vermelhas, querendo sair correndo dali.

— Siga para a casa dela, Jungin. — Elevou o quadril, vestindo a calça e ignorando a moça ao seu lado. Só queria chegar em casa o mais rápido possível, depois desse mico que tinha acabado de pagar.

— Como o senhor quiser. — Se pronunciou, deixando sempre o "senhor" soar de um modo mais sedutor. Viu um Jimin incomodado no banco, movendo suas mãos enquanto olhava pela janela.

Começou a ir mais depressa, ansioso para chegar em casa também. Havia sido um dia cansativo e estava exausto.

— Chegamos. — Jeon anunciou.

— Depois continuamos, certo? — sorriu satisfeita, ou pelo menos fingindo estar. O menor assentiu. Deu um último selinho e abriu a porta do carro.

A ruiva saiu do carro, cambaleando e quase dando de cara com o chão. Arrumou seu vestido e o chofer esperou ela entrar em casa para dar partida.

— Para onde vamos agora? — Jungkook perguntou educado.

"Ela não aceitou ir no motel com você, mas eu aceito, não se sinta triste." Jeon perguntava o que se passava com sua mente que, naquele dia específico, estava tão pervertida.

— Para casa, e não conte para ninguém sobre isso, ouviu bem? — Jimin tentava soar autoritário, mas estava vermelho como um pimentão.

— Não se preocupe, senhor. Isto é um segredo. — pelo retrovisor, lançou um sorriso de lado e uma piscadela ao loiro.

“Que ousadia”, Jimin pensou, porém nada disse. Não era como se Jeon tivesse perdido todo o respeito por si, entretanto sabia que, se tentasse falar isso para seu pai, teria de explicar a história toda. Então, esse era o menor de seus problemas.

Diante do incidente, Jungkook não viu problema em começar um diálogo, digamos, mais íntimo...

— Quer mais um segredo? Você estava fazendo errado.

— Desculpe, mas não entendi. — Park, ainda que um pouco alto, estava bem. Lúcido. Franziu uma das sobrancelhas, encarando o moreno.

— Isso que vocês chamam de preliminares. Você estava fazendo errado. — disparou, sem encarar o loiro que só piorou sua expressão.

— Como ousa se meter nesse tipo de assunto? Cuide do seu trabalho! — Criticou o mais velho, ficando tão vermelho quanto um morango. Cruzou os braços sobre o peito, incrédulo.

— Acredite, eu só estou tentando te ajudar. — o moreno deu de ombros — Minha primeira dica é: arrume uma parceira melhor. Não que a senhorita não seja bonita, mas podemos dizer que seus corpos não combinam.

— Eu me recuso a ouvir esse tipo de desaforo! Não se meta na minha vida!

— Minha segunda dica é: relaxe. Nervosismo não vai deixar seu amiguinho subir, e a bebida que a moça estava consumindo provavelmente a fará esquecer tudo amanhã, senão eu tenho certeza que ela espalharia por aí que você tem disfunção erétil. — Jeon continuou seu monólogo. Nem precisava encarar o loiro para saber que este estava com a pulsação acelerada pela raiva por suas palavras.

— Cale a boca! Eu irei contar tudo isso ao meu pai e ele vai te mandar embor... — Jungkook o interrompeu.

— A terceira dica seria para sua parceira, ela estava fazendo um oral completamente errado. Não te culpo por não subir, era só o nervosismo misturado a um oral péssimo. Ah e, já pensou em mexer seus braços na hora do beijo?

— Isso é muito desrespeitoso! Eu não sou obrigado a ouvir essas besteiras, como se você fosse experiente no assunto! Pare o carro, eu vou de táxi. — Jimin soltou o cinto, mesmo vendo que já estavam quase em casa.

— Digamos que eu entenda um pouco disso. — atento ao trânsito, o mais velho sorriu de lado ao ver quanto o assunto incomodou o menor. — mas considerando tudo, você deveria ter comandado a situação. Nem o braço você mexeu, isso é um pecado.

— Ah é? Então como eu deveria ter feito, senhor-sabe-tudo? Você só está falando besteira, como se soubesse de alguma coisa.

"Ah, Jimin, não me provoque, você não vai querer descobrir o que eu sei." Jeon pensou, virando na rua da casa dos Park's. Resolveu não interferir mais, visto que ele já estava bravo o suficiente.

Ao passar pelo portão da garagem, Jungkook previu que o loiro sairia bravo do veículo e, dessa vez ele foi mais rápido, alcançando-o, ficando frente a frente.

— O que pensa que está fazendo? —o menor olhou para cima, já que Jeon estava barrando sua passagem.

— Bem, você me perguntou o que deveria ter feito, então eu vou te mostrar a maneira certa de sentir prazer.

E antes que Jimin pudesse rebater, Jungkook segurou sua cintura fina, levando o mesmo até uma parede, impossibilitando-o de fazer qualquer movimento.

— E-ei! Me solte! — Ele quase grita, assustado com a ação repentina e pelo nervosismo de tê-lo próximo de si. Tão próximo.

— Primeiro, usaria suas mãos. Pela intimidade que você tinha com a moça, poderia começar com isso. — Jeon começou, descendo suas mãos em direção às nádegas fartas de Park, apertando-as. Aquilo era um sonho sendo realizado e saber que elas eram tão durinhas bagunçou seus sentidos.

— EI! — o moreno interrompeu, prendendo-o ainda mais contra a parede. Sabia que Park não estava fazendo força alguma para sair dali, porque, se o fizesse, Jungkook o soltaria facilmente.

— Você não tem boca só para fazer chupões desnecessários no pescoço da garota. Saiba morder, dar leves chupões que não deixem marca. Você não é mais um adolescente. — E assim, o mais experiente se direcionou para o pescoço do loiro, demonstrando na prática exatamente o que acabara de ensinar.

Como previsto, Park tende a relaxar o corpo em suas mãos.

— M-me solte ou... — Jeon percebe a voz entrecortada do mais novo. Em recompensa, apertou fortemente a bunda do menor, encostando suas virilhas ainda mais.

— Vá no ouvido dela e diga o que fará a seguir. Vou te dar um exemplo... — imponente, posicionou sua boca na direção do ouvido de Park, mudando seu tom de voz para um mais erótico, começou.

— Eu vou te levar para o carro, tirar sua roupa e te chupar como ninguém te chupou antes. Você vai gritar pelo meu nome, implorando por um orgasmo enquanto eu te vejo daquele jeito, totalmente entregue a mim. E vou te foder como a vadia que você é, em todas as posições possíveis. Vou te dominar, te marcar, te comer por cima, por baixo. A única coisa que você vai lembrar é do meu nome. O nome do seu dono. Vou deixar todos verem como você grita alto, entregue ao prazer, deixando-os invejados por estar sendo fodida por mim. E, quando você chegar no ponto, vai ser chamando o meu nome, implorando para que eu te coma de novo, suplicando para que eu marque minha mão na sua bunda, a deixando vermelhinha, do jeito que só eu sei fazer. Vou gozar em cima de você. Dos seus seios, da sua boca, de todos os lugares, deixando bem claro que você é só meu.

Àquela altura, Jimin já estava completamente mole aos toques de Jeon. Ele queria imaginar aquilo tudo que o moreno falou, com a ruiva. Mas só se via entregue ao chofer.

Em poucos minutos, com apenas carícias, Jeon tinha feito a ereção de Jimin aparecer. Podia sentir.

— Se quiser mais aulas, estarei à disposição senhor. — Jungkook se desvencilhou do loiro, que quase caiu no chão desprevenido.

A respiração do menor estava ofegante, sentindo seu pênis pulsar dentro da cueca.

— E-espera... — respirou fundo tentando se recompor. Com suas pequenas mãos, esforçava-se a tapar aquela ereção visível por debaixo das calças. Suas bochechas estavam vermelhas, mas não pela vergonha e sim pelo prazer genuíno, como nunca sentiu antes. — Por que diz essas coisas com tanta certeza?

Jeon deu um sorriso lindo e fofo, vendo o estado em que havia deixado o loiro apenas com suas palavras e pequenos toques. Deu de ombros e disse a seguinte frase, indo embora, deixando Jimin sozinho para trás.

— Porque eu sou professor de sexo.

8 de Maio de 2021 às 15:00 31 Denunciar Insira Seguir história
196
Leia o próximo capítulo t w o

Comente algo

Publique!
Alex Evans Alex Evans
eu entro em qualquer plataforma necessária só pra ler essa fic, meu amorzinho todo
Anne Martins Anne Martins
Eu amo tanto essa fic que irei até o fim do mundo pra ler ela sem esse povo cheio de frescura ♡
August 10, 2021, 06:26
miojo apimentado miojo apimentado
nem que eu tenha que ir até o inferno para ler essa fanfic eu vou
July 25, 2021, 05:48
Isabela Cardoso Isabela Cardoso
Mds a hora do carro KKKKKKKKKKK
July 25, 2021, 02:48
atriz da atriz da
Quase morri de vergonha alheia na hora do carro, mas foi engraçado kkkkkkkkkkkkkkkkk
July 24, 2021, 00:31
Aysha Aysha
Que perfeição!!!
June 26, 2021, 22:09
sh sam he
lendo aqui pq achei a plataforma linda te amo Andy, bjs
June 14, 2021, 23:56

  • Alexia Silva Alexia Silva
    Sim cara tive q catar em td pra achar July 25, 2021, 01:06
b bianca
Diga aonde você vai que eu vou junto 😌
May 17, 2021, 02:45

  • Aysha Aysha
    Tô assi KKKK June 26, 2021, 22:09
Soph ⸙༷ Soph ⸙༷
To toda mole mds
May 16, 2021, 20:01
Maria Maria
uau
May 16, 2021, 04:12
Yuki Borges Yuki Borges
Eu simplesmente amo ss :(
May 16, 2021, 03:58
Ruane Ruane
como amo essa fic aaaa
May 16, 2021, 02:09
Grey - Grey -
finalmente tá funcionando aqui aaaaa
May 15, 2021, 23:22
Ariana da Ariana da
Simplismente amo ❤
May 15, 2021, 18:48
Maisa Oliveira Maisa Oliveira
Wow, okay. É a primeira vez que eu estou lendo e já estou ansiosa pelos os outros capítulos.
May 15, 2021, 15:43

Maisa Oliveira Maisa Oliveira
Wow, okay. É a primeira vez que eu estou lendo e já estou ansiosa pelos os outros capítulos.
May 15, 2021, 15:43
KS Kelly Sevani
Olha eu akiiiii kkkkkkkk Eu acho mesmo.
May 15, 2021, 10:16
Yasmin Yasmin
Olha eu aqui pra apoiar a fic em todas as plataformas possíveis
May 11, 2021, 18:08
Amy Vante Amy Vante
Eu aqui de novo para apoiar essa obra de arte! ✨
May 10, 2021, 23:36
Carol Gomes Carol Gomes
Ieiiiiii!!! Apoiando a melhor ff de todos os tempos! Em todas as plataformas.
May 09, 2021, 17:57
K R K R
Mais uma cadelinha chegando, paz do Senhor irmãos
May 09, 2021, 13:42
Rafa Tizoco Rafa Tizoco
Apoiando em todas as plataformas 🥰
May 09, 2021, 11:59
gt gabrielly thaiz
amooo. te apoiar em qualquer lugar 💜
May 08, 2021, 16:57
Nicole Kristhine Nicole Kristhine
lendo ss até por aqui, cadelinha sim ou claro? ❤
May 08, 2021, 16:49
Rh Rue hope
Tô indo onde tu postar kakakakak Te amo❤
May 08, 2021, 16:26
Aggie Aggie
Oii Andy, to vindo dizer q não importa pra tu vá eu vou estar aqui para apoiar! 💕
May 08, 2021, 15:15
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 15 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!