brenoo Breno Guilherme

As grandiosas aventuras pelo mundo de Belíria levam ao terror e agonia, em um conflito entre raças gerada a milênios entre elfos e humanos. Ambos as raças anseiam o poder e somente um pode subir ao trono, entre guerras travadas, nações jurando alianças improváveis, a era dos dragões se iniciando, acompanhe o findar do alvorescer de um desses povos, ou a destruição de todos.


Fantasia Épico Para maiores de 18 apenas.

#fantasia #guerras #Cronicas
1
463 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Toda semana
tempo de leitura
AA Compartilhar

Prólogo

O frio de Draesill penetrava até os ossos enquanto subiam a grande parede de gelo de Azrariel ao sopé da montanha. Outrora fora lar dos antigos elfos, deuses mortos na antiga Bellion. A parede fora construída a dois mil anos, uma dádiva dada aos que sobreviveram aos ataques lançados em Bellion.
Brenariel carregava consigo um pequeno odre gasto à cintura enquanto subia ao topo fervorosamente. O vento ali soprava frio. Um momento de descanso era o suficiente para perder completamente o calor de seu corpo, e bastava apenas um deslize para que perdesse toda aquela altura que havia conseguido e atingisse o chão numa queda de setecentos metros. A parede era íngreme, e suas mãos estavam duras demais para que se conseguisse dobrar os dedos. Por um instante deixou-se levar pela fraqueza e seu pé de apoio escorregou afora, caindo alguns centímetros.
–Está ficando lento, irmão.— dissera o irmão Anphoros enquanto o segurava pelo braço, cansado e com fumaça saindo pela boca devido ao frio intenso.— Ou será que estaria eu te superando?
E o puxou para cima, com um hunf esganido
–Ha! Continue sonhando, talvez um dia consiga.—Disse Brenariel, com o aspecto pálido e exausto. Sua manta era de seda e trazia às suas costas uma pesada espada longa, com o punho de marfim envolto de uma fina linha de ouro. A lâmina era longa e fria. Fria em sua cor e aspecto, aparentava um prata escuro, quase negro, e possuia ao longo, pequenos entalhes gravados no idioma antigo. Era chamada de A Não Nomeada, ou algo como "nome impronunciável". Havia lendas as quais diziam que a lâmina pertencera a Azrariel no período da grande guerra contra os humanos.
–Veja! Chegamos! —Anphoros levava um manto de seda às costas, numa bolsa qualquer, velho e gasto com o tempo.
Usava botas de couro cozido e uma grossa calça de peles. Um grande e espesso manto negro caía-lhe sobre o corpo, cobrindo-o por completo.
Brenariel usava vestes mais nobres, com um manto de pele de lince sobre as costas, cota de malha cozida e trabalhada em prata e finas folhas de ouro bordadas ao peito. Dentre os irmãos, era o mais habilidoso, desde pequeno já mostrava aos mestres de armas grandes aptidões com a espada, com lanças e arcos. Suas habilidades com mapas e cartas também supreendia aos meistres, possuía alto conhecimento sobre as histórias do passado, da conquista de Klaus, O imortal, a dois mil anos atrás, até às presentes canções de recentes heróis do mundo atual.
Caminhavam ao encontro da Árvore-mãe, onde jazia o falecido elfo Jaezel, O justo. O último pilar do povo élfico que impedia outros povos de possíveis invasões a Draesill.
—fuuu!! Fuuu!! Aah! Que merda, porquê caralhos têm que haver uma árvore no alto de uma montanha? Isso é loucura!— o irmão suspirava e reclamava sem parar.
—Isso é magia.— explicava Brenariel enquanto prosseguia montanha acima.— tanto a dádiva de Azrariel quanto a montanha são alimentadas por magia. Isto é o que impede os humanos e outros povos de nos atacarem. Nosso povo aprende a dominar a magia desde que nascemos e, com ela, mantemos a dádiva e a motanha como escudos do reino.
—Foi retórico irmão. Conheço a historia de nosso povo.—Anphoros rebateu.— posso não conhecer como você, herdeiro. Mas conheço bastante.
Diferentemente da escalada, o caminho até o topo foi calmo, cansativo devido às tagarelices de Anphoros, mas calmo. Encontraram com o irmão mais novo Pherasmo já em frente a Árvore-mãe, rezando à Jaezel, num cântico qualquer no idioma antigo. Estava bem trajado, com vestes que caíam-lhe bem ao corpo, inteiramente pretas. Possuía olhos purpúreos, diferente dos irmãos que eram verdes. Sua voz soava calma e bela. Ao seu lado havia uma harpa, inteiramente de marfim e cordas de aço.
—Estão atrasados.—foi só o que dissera. Sem nem olhar para trás.
—Você que está adiantado.—disse Anphoros.
—Está aqui desde ontem, não sente frio irmão? Perguntara Brenariel.
—O frio nada mais é do que a ausência do calor. Algo suportável. Uma mente forte é suficiente.—respondeu.— trouxeram o odre?
—Àquela maldita garrafa? Está com Bren. Dê logo à ele e vamos para casa, sim?
O odre foi dado às mãos de Pherasmo, o qual carregou até a sepultura. Juntos, desenterraram o caixão da sepultura, o que levara metade do dia, e o abriram, colocaram o odre junto ao peito do cadáver, o qual soltava um forte cheiro fétido. Haviam larvas saindo pelas orelhas e olhos, juntamente com um líquido pretoescorrendo por todas as cavidades.
—Puta merda!.—exclamou Bren.— Isso tem o seu cheiro Anphoros.—implicou.
—Sim! E seu rosto.—retrucou enquanto torcia o nariz, de repúdio ao ver o defunto.
Anphoros bateu levemente no braço de Pherasmo para assusta-lo, quase o derrubando em cima do cadáver.
—Idiota!—olhou para trás, com o semblante sério e assustado. Ao passo que seu irmão zombava sem parar.
—Vamos enterra-lo de volta e ir embora. Ou morrerei nesse frio. Brenariel suspeitava o que viria a seguir.
—Então não tenhamos pressa, assim posso ser o rei.

7 de Maio de 2021 às 19:48 0 Denunciar Insira Seguir história
1
Leia o próximo capítulo Klaus

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 1 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!