vgg4444 Victor Gabriel Soares

Em Snowville, no norte de Utah, vive Jhonny Dyeus, um jovem que se distancia do comum, chamando atenção não só pelo nome exótico, mas também pelos brilhantes e encantadores olhos cerúleos, e, claro, seu passado sombrio e misterioso. Vivia de forma pacata com sua família adotiva, até que o mundo ruiu de forma cruel e repentina, iniciando as dúvidas no jovem incomum. O caos reinou, uma calamidade nunca vista antes, seus eventos e criaturas que surgiram do cerne da questão. Tudo contrariava a ideia daquilo que os humanos pensavam ser apenas fantasia... até mesmo o próprio Jhonny. Forçado a trazer à tona suas secretas origens divinas, é Jhonny quem precisará desdobrar-se numa solução como o mais novo herói da terra. A missão de salvador, assim como a de encontrar sua família, não poderia ser tão fácil. Os mistérios, as criaturas fantásticas e desconhecidas, e até mesmo o próprio destino continua a atrapalhá-lo. Salvar o planeta, os seres vivos, exterminar a raiz do problema. Encontrar o que o liga com toda questão, o que liga os mundos, o que converge em um só ponto na história. A forma qual a façanha será feita é um mistério até para o mesmo, já que também foi pego de surpresa pelo fim do mundo e suas perdas, sacrifícios. Como então um garoto tão despreparado foi encarregado disso? Por que o peso de todo um planeta foi jogado em suas costas? Uma espada e um artefato mágico serão recursos suficientes para tal trabalho? De que forma ele resolverá os enigmas do destino? O que é a Convergência? O que ele é, afinal? O sangue pode trazer heranças, maldições... ou os dois.


Fantasia Fantasia negra Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#sobrenatural #aventura #mistério #original #apocalipse #ação #32818
33
3.8mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Prólogo

Sua investida foi rápida como um relâmpago, mas sua rapidez não foi a única coisa a me surpreender. O golpe foi mais forte e pesado do que deveria, mal consegui contê-lo com minha lâmina, e demora um tempo até perceber que a dele já atravessou meu corpo. — Assim é a sensação de estar morrendo?

Sempre me senti diferente. Eu sempre me senti fora dos padrões, como se não me encaixasse em lugar algum, em nenhum momento. Já cansei de me perguntar se tudo seria diferente caso eu tivesse nascido em outro século, talvez até outro planeta; só precisava ser outro lugar. A sensação de deslocamento insistente, tenaz, que nunca parece mudar. Perdi minha mãe no meu nascimento e fui adotado pelos Space, que agora chamo de pai, mãe e irmãos. E nessa família, pelo menos, sempre me senti incluso, amado de verdade; me sinto certo. Eles me tratam como um filho legítimo e, por essa razão, lhes devo toda a minha gratidão.

Apesar disso, minha pele e a cor dos meus cabelos são diferentes das dos meus pais e irmãos. Não sou pálido, nem tenho seus cabelos negros e brilhantes, tenho uma pele corada, uma mistura de rosa e bege, talvez. Meus cabelos são tingidos num castanho avermelhado, constantemente penteados para trás, divididos no lado esquerdo. Se tem uma coisa que nós temos em comum é o nome Space e os nossos olhos azuis. Ainda assim, enquanto suas íris brilham com um azul prussiano, as minhas são cerúleas, vibrantes e claras. E, claro, eu sempre travo algumas batalhas por isso. Quem não quer ter os olhos mais brilhantes?

— Jhonny? — Danthe me chama, tentando quebrar a minha auto hipnose com um olhar de preocupação gravado no rosto, arqueando uma sobrancelha. — Você tá bem? Tá com raiva? — Me cutucou com um dos cotovelos, e logo sua expressão confusa se desfez, provavelmente porque a minha fez o mesmo. — Vamos, a gente já tá chegando na escola, Jhonny Boy!

O maldito apelido... Odeio quando ele me chama assim, e ele sabe. Me sinto uma criancinha, ou até mesmo um boneco qualquer. Não seguro — e nem tento — meu olhar irado de desaprovação.

— Você consegue me tirar do sério. Não consigo um minuto de paz nessa merda de vida! — respondi quase rindo, socando o seu braço.

Nós gargalhamos e voltamos a conversar sobre qualquer coisa, como de costume.

Depois da parada do ônibus, finalmente peguei minha mochila e os fones de ouvido — esses, estrategicamente espalhados no banco —, começando a me preparar para mais um dia ordinário e irritante da escola.

Pelo menos até então.



Espero te ver no capítulo 1!

22 de Abril de 2021 às 03:18 6 Denunciar Insira Seguir história
8
Leia o próximo capítulo Capítulo 1: Jhonny Space Dyeus

Comente algo

Publique!
J JasperW
Meta de gramática

Din Reezi Din Reezi
Ortografia em dia, viu?
April 22, 2021, 17:42

Luana Borges Luana Borges
RAM eu vou lá viu
April 22, 2021, 16:42

~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 21 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!