alexisrodrigues Alexis Rodrigues

Jacinto é um soldado voltando para casa na cidade Tulipa, com seus companheiros da Força Expedicionária Flosense. Inquieto com o fim de sua missão, ele não sabe como continuar a viver sua vida ao lado de sua noiva, Verbena, assombrado por suas recentes lembranças em campo de batalha. Enquanto luta com seus demônios internos, Jacinto tentará de tudo para ser bom, de alguma forma, na esperança de pagar pelos pecados cometidos em solo estrangeiro. Será, ele, capaz disso?



De Época Para maiores de 18 apenas. © Alexis Rodrigues

#drama #tept #pós-guerra #Cidade-Tulipa
0
1.4mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 30 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

Parte Um

A navalha descia cuidadosamente sobre sua pele. Ele a segurava com firmeza para que sua tremedeira não o impedisse de tirar sua barba adequadamente. Queria estar apresentável para ela e não mediria esforços para isso, mesmo que seu corpo não estivesse disposto a ajudá-lo naquela missão.

Quando seus olhos encontraram seu próprio reflexo no espelho, ele engoliu a seco. Não reconhecia aquele rosto. Aqueles olhos azuis, aquele cabelo louro-escuro, aquele rosto... Eram mesmo seus? Aquelas mãos, manchadas de um sangue que não conseguia lavar, eram suas?

A Guerra havia acabado. Era isso que diziam, mas ele não conseguia enxergar aquilo como o fim, pois não via nada além de morte para todos os lados que olhava. O cheiro de corpos em decomposição, de umidade, de suor, de sangue, de terra. Nenhum perfume que usasse poderia disfarçar aqueles cheiros, cheiros esses que ele não sabia se era o único a sentir.

Deu o melhor de si para terminar de se barbear e enfim se vestir adequadamente. Vestiu sua farda marrom, agora lavada e passada como se nova em folha, calçou as botas e colocou seu boné na cabeça. Estava pronto para voltar para casa.

Estava?

Não tinha como responder aquela questão, nem para si mesmo.

Quando entrou no avião que o levaria de volta para casa, ele esperava que a qualquer momento precisasse se armar e lutar. Sua perna esquerda balançava constantemente para cima e para baixo, e não era o único soldado com aquele problema.

Talvez por isso ninguém tivesse realmente se incomodado quando ele fez. Todos estavam imersos em suas próprias mentes, imersos demais para se preocupar com outros. Ele tentou se lembrar de casa. Tentou se lembrar de sua família. Havia trocado cartas com todos, em especial, com sua noiva.

E, no entanto, ele não conseguia se lembrar de seus rostos naquele momento. As únicas imagens em sua mente eram as do campo de batalha.

Todas aquelas horas no assento daquela avião e ele não conseguia dormir. Tinha medo de dormir. Tinha medo de sonhar. Tinha medo de não estar preparado para agir se fosse preciso.

Mas quando o avião pousou e ele teve que sair, quando ele foi obrigado a deixar o aeroporto, quando foi obrigado a dar passo atrás de passo naquela cidade cheia de pessoas em polvorosa, animadas...

O medo que achava que o deixaria ainda estava lá.

Ele não se sentia mais tranquilo ou mais seguro andando em meio à todas aquelas pessoas em plena luz do dia.

E definitivamente não ficou mais tranquilo quando avistou o rosto de sua sorridente noiva se aproximando.

8 de Julho de 2021 às 09:00 2 Denunciar Insira Seguir história
2
Leia o próximo capítulo Parte Dois

Comente algo

Publique!
Amanda Luna De Carvalho Amanda Luna De Carvalho
Olá! Seu livro é incrível! Tudo que tem a ver com guerras me encanta, ainda mais, quando contêm conflitos internos sobre aquilo que os personagens viveram! Muito impactante realmente!
July 09, 2021, 20:49

  • Alexis Rodrigues Alexis Rodrigues
    <3 muito obrigada <3 fico feliz que tenha gostado :3 espero que goste dos próximos capítulos também :3 July 10, 2021, 08:04
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 1 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!

Cidade Tulipa
Cidade Tulipa

A cidade Tulipa é a principal exportadora de flores do continente Flos, mas o que faz dela especial não são suas flores, e sim os estranhos acontecimentos que tendem a ocorrer em seu solo mágico. Leia mais sobre Cidade Tulipa.