liafersa Lia Fersa

Subtítulo: The most yaoi kpop group in the World Eternal Greatness Entertainment 00:00 de 01/01/2019 Mais uma vez a EG Entertainment resolveu inovar o mundo da música. Um novo ano começa e novas oportunidades são disponibilizadas para novos talentos. A criação de uma nova boy band. Preencham suas fichas e leiam as regras com exatidão. Garotos entre 16 e 21 anos, está na hora de investirem em seu talento. . Autoria: Acura Pome & Lia Fersa


LGBT+ Para maiores de 18 apenas.

#lgbt #Kpopers #kpop #idols #idolos #homossexual #gay #dança #coréia #lemon #coreanos #canto #yaoi #musica #abuso #tragedia
2
721 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todos os Sábados
tempo de leitura
AA Compartilhar

Prólogo

Pov narrador

Coreia do Sul, Incheon

Ryo Sook já estava acostumado com conhecer novas pessoas, ter de se apresentar para os outros, e com as câmeras. Após dois anos como trainee, era sua chance de mudar e finalmente conseguir o que sempre quis.

Soube das inscrições por seu colega de trabalho, Min Dae, que o havia avisado sobre as audições da Eternal Greatness Entertainment, uma das maiores empresas de entretenimento do continente asiático, e assim que recebeu a mensagem, pelo WhatsApp, correu para o notebook e fez sua inscrição.

Ele, um jovem de 18 anos, de cabelos castanho-escuro sempre bagunçados, e olhos da mesma cor. Nascido e crescido em Incheon, em uma família de classe média alta, teve direito a várias aulas de especialização em dança e canto, além de aulas de inglês e japonês. Filho único, em outro momento já havia sido muito mimado e desobediente, acreditando que sempre teria seus pais para o bancar, mas, após a morte de seu pai, sua realidade se tornou outra e assim, o garoto nascido em "berço de ouro", teve que se firmar em algo. Começou a trabalhar cedo, era alguém com talento e bem instruído, por isso foi facilmente contratado, finalizando à pouco dois anos com trainee na empresa, onde muitas vezes atuava em doramas e filmes, como coadjuvante.


Coreia do Sul, Daegu

Lee Tae Woo, desde os 15 lhe falavam de sua beleza, seus cabelos negros, quase em tom azulado, e olhos castanho-claros contrastavam ainda mais sua beleza, apesar dele não se achar tão bonito como diziam. Começou quando o diretor de sua escola pediu para que fosse o garoto propaganda em troca de um pagamento, sua mãe, solteira e dona de um restaurante conhecido, aceitou sem o consentimento do filho, mas o garoto o fez, sabendo que traria alguma renda. Logo que sua imagem foi exposta, uma ligação veio à escola, procurando por aquele rosto e quando Lee Tae Woo soube que era uma agência de modelos querendo contratá-lo, sentiu um pouco de receio, não se achava um Ulzzang, mas aceitou quando viu os negócios de sua mãe caírem e eles precisarem de dinheiro. No início de sua carreira, seu rosto já estava em várias publicidades e lojas renomadas, causando inclusive suspiros ao público. O dono da agência o tratava como jóia, e quando descobriu seu talento com a voz, decidiu investi-lo ainda mais, e aos 17 anos, quando viu a EG Entertainment anunciar a procura por novos artistas, o inscreveu, colocando como observação, que se escolhessem Taewoo por mérito, iriam ganhar o patrocínio da agência, mas apenas por mérito, não iriam querer que a agência fosse manchada por um modelo que não fosse bem nos palcos. Taewoo ainda estava na escola, mas não podia negar que aquela oferta de ser um k-idol não lhe fosse atraente, todavia não sabia se iria querer enfrentar aquilo sozinho.


Coreia do Sul, Busan

Kim Young-Nam, com 19 anos, tinha cabelo preto, olhos ainda mais escuros, lábios naturalmente rosados e pele um pouco mais morena do que a que os coreanos normalmente tinham. Nasceu em Seul e se mudou para Busan aos 5 anos, um garoto animado e espontâneo. Sempre procurou se aventurar sobre as situações e dificuldades da vida, superando a maioria com bastante esforço e sacrifício. Foi criado, junto com sua irmã mais velha, por sua mãe, mulher que, por seus dizeres, "era a mais forte e guerreira que poderia ter conhecido", que havia morrido de tuberculose quando Young-Nam possuía 14 anos, com sua guarda indo para sua irmã, que tinha 20 anos e estava na metade da faculdade. Young-Nam era inteligente e sagaz, adorava fazer rap, coisa que sua irmã criticava e dizia que não ia o levar a lugar nenhum, e cada vez ele ia fazendo mais, até está bem afiado e ter feito várias letras de música.

Em um momento, enquanto olhava suas redes sociais, encontrou o site da EG Entertainment e ficou interessado. Leu tudo e ficou extremamente animado, assim se inscreveu e começou a se preparar para a sua apresentação.


Coreia do Sul, Jeonju

Chin Mae, tinha 17 anos, mas já estava perdido, sem saber o que fazer da vida. Morava com a avó por seus pais terem o abandonado para viver nos Estados Unidos, apesar de sua avó ainda insistir na doce mentira de que eles haviam ido fazer compras, Mae compreendia sua avó que sofria de Alzheimer, porém ninguém faz compras por 16 anos. Sua mãe era coreana, o que explica os cabelos castanhos escuros típicos, porém seu pai era estadunidense, o que o fazia ter olhos um tanto esverdeados e maiores, o chamavam de bonito e fofo, por parecer um boneco, mas nunca ligou muito para esse tipo de coisa, sua avó costumava pensar que era uma menina por isso, até continua achando durante seus surtos de Alzheimer, se acostumou com isso e vive uma vida boa na casa de campo com ela, e duvidava que seria melhor com seus pais. No entanto, seu problema maior é o que iria fazer da vida, precisava de um emprego, trazer dinheiro para sua avó aposentada que já tinha custos demais por conta dele, mas ela dizia que enquanto ele cantasse e dançasse animadamente como fazia, seria um pagamento e tanto, e toda vez, sorria pela inocência de alguém tão sábia. Em um dia, ouviu no rádio juntamente com sua avó que uma empresa de entretenimento estava procurando por talentos, a avó na hora falou para o pequeno ir, achando que não tinha talento nenhum negou e ela bateu com o jornal em sua cabeça dizendo-o para ir e que tinha talento sim e que deveria tentar, mas não era permitido esquecer de sua avó. Negando esquecer de alguém tão importante, decidiu que iria tentar.


Coreia do Sul, Gyeongju

Tae Mun-Hee, garoto de 16 anos, nasceu em uma família de classe média baixa, em Gyeongju, tendo olhos em uma cor pouco comum, sendo azuis, tão claros quanto às águas que banham a ilha Navagio, na Grécia, e cabelo em tom castanho claro, quase ruivo. Sofreu bullying na escola em que frequenta, por ser "pouco coreano", desde os seus 7 anos. Apesar disso o afetar e o incomodar, nunca tentou revidar uma agressão, física ou moral, sempre se mantendo quieto e afastado dos outros, ao máximo que podia. Na escola era chamado de: mariquinha, viadinho e variados, mas seu pai sempre respondia o mesmo: "filho meu não pode ser comparado a esses seres abaixo das pessoas como nós, normais."

Mun-Hee, veio de uma família convencional e extremamente homofobia. Sua avó e avô, ambos Sul Coreanos, mas com algumas heranças europeias, ensinaram tudo a sua mãe, que não podia imaginar um de seus filhos tendo algum relacionamento com uma pessoa do mesmo sexo, e seu pai, um Sul Coreano "puro" tinha o mesmo pensamento. E automaticamente seus irmãos e irmãs também, mas aquele tipo de visão não o afetou, no entanto, só fez sua vida ficar pior. Tinha dois irmãos mais velhos e uma irmã mais nova, todos estudavam na mesma escola, entretanto agiam como se não fossem da mesma família, afinal, "quem quer ser relacionado a alguém que é sempre o alvo da escola?", era o que seus irmãos normalmente lhe diziam.

Assim como seus irmãos mais velho, começou a trabalhar aos 12 anos. Metade do que ganhava tinha que dar a seus pais e a outra metade podia gastar como quisesse, mas ele sempre guardava para quando finalmente tomasse coragem de admitir que ele não era o que seus pais esperavam que todos seus filhos fossem.

Estava na sala de estar com seus pais e seu avô materno, assistindo o jornal, quando uma das jornalistas falou sobre a novidade da companhia EG Entertainment. Naquele momento, Mun-Hee, que não estava dando a mínima para o jornal, começou a se interessar até seu avô dizer "esse tipo de coisa é para menininhas, quem vai ser o homem de verdade que fará um negócio desse?". Aquilo baixou as expectativas e esperanças do jovem Tae. No dia seguinte, após a escola, recebeu uma mensagem de seu tio, irmão de seu pai, o convidando para almoçar com sua esposa e filhos. Mun-Hee aceitou e avisou a seu irmão mais velho que deu de ombros e assim o menor foi. Após o almoço, seu tio Tae Kyu o chamou para ter uma conversa. Disse que queria que ele participasse da audição, que sabia do talento que ele tanto escondia, Mun-Hee negou, mas Kyu insistiu, assegurando que nada aconteceria com ele e que pagaria tudo para Mun ir, e, se tivesse que voltar, o que o tio duvidava muito, pagaria também. Mun-Hee acabou aceitando e ele e seu tio foram fazer a inscrição.

O irmão mais velho dele não avisou aos pais dele e quando ele voltou para casa o pai dele bateu no pequeno e doce Mun, que perguntou ao tio se podia ficar na casa dele, Kyu disse que sim, e então ele saiu de casa no meio da noite, pegando tudo que podia e achava importante e foi ficar na casa do tio, que ficou o escondendo até chegar no dia da viagem.


Coreia do Sul, Seul

Park Sang Woo, conhecido, por quem o conhece, como frio e solitário, por quem não conhece, como neutro e afastado. Tudo se deve por ter vivido em uma família desestruturada, fazendo-o fugir de casa, assim que completa os estudos, com 19 anos. Sem saber o que fazer, começou a fazer apostas, e usando a inteligência, vencia os jogos toda vez, ganhou simpatia por um senhor, dono do bar onde faziam as apostas, o considerava o pai que nunca teve, mas em certo dia, quando chegou ao bar o encontrou morto e com o cofre revirado, em um ataque de fúria foi à procura dos homens, encontrando um homem contando dinheiro com as mãos sujas, foi até ele e o espancou, quebrando costelas e as pernas. Ameaçou dizendo que se falasse alguma coisa do que aconteceu, terminaria o serviço. Park só percebeu o que fez quando chegou ao seu apartamento alugado e deu socos na parede, temendo ser descoberto, mas deixou aquilo como mais uma briga de beco, em que os policiais não dariam atenção. Passou-se um ano, Sangwoo tinha 20 e soube da procura da empresa de entretenimento por talentos jovens. Já havia entrado em batalhas de Rap na escola, se considerava bonito, com cabelos e olhos castanhos escuro, além de que achou que seria interessante ir até lá, vai que tire seu tédio e sua vida, que considerava um lixo, mude.

26 de Abril de 2021 às 13:16 0 Denunciar Insira Seguir história
2
Leia o próximo capítulo Capítulo 1

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 9 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!