fuyukahideki Adrielle Victória

Hinata vem se sentindo extremamente carente nos últimos tempos, ainda mais depois de perceber que é o único solteiro dentro de seu grupo de amigos — além de Kageyama. Se pegando nessas condições, Shouyou decidiu que deveria fazer algo a respeito. O que ele não estava esperando era escutar na televisão uma notícia sobre a nova moda mundial: O namorado de aluguel. Era tudo o que ele estava precisando.


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 18 apenas.

#kagehina #kageyama-tobio #haikyuu #Hinata-Shouyou
6
1.8mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

O namorado perfeito

Sentir-se carente é uma merda. E disso Shouyou Hinata estava entendendo muito bem do que se tratava. Depois de notar que praticamente todos do seu círculo social estão engajados em algum relacionamento, o sentimento dobrou para pior. Sempre que saíam juntos não podia evitar olhar para toda a dinâmica dos casais ali com ele. Fosse o modo como Asahi fica tímido ao falar de Nishinoya, ou o quão maduros e responsáveis Sugawara e Daichi são, além do distinto par Kenma e Kuroo.

Hinata, no auge de seus vinte e quatro anos ainda não tinha qualquer experiência em um relacionamento duradouro. Foram todos tentativas fracassadas de construir uma relação, e ele, com toda a sinceridade, não saberia elencar os motivos para não ter dado certo, já que o próprio se considera uma pessoa namorável — mas quem não?

Não é o caso do ruivo ser uma pessoa solitária, muito pelo contrário. Ele consegue ter o privilégio de chamar uma boa quantia de pessoas de amigos, aos quais, de olhos fechados, pode contar para qualquer coisa. A questão aqui é a falta de um carinho diferente daquele que uma amizade pode dar. Hinata já experimentou que dizer uma confidência ou compartilhar um objetivo alcançado com seu parceiro é tão bom quanto com um amigo. Há um senso de companheiro muito grande ao fazê-lo. E sendo sincero, o pequeno sente falta disso.

Com o inverno se aproximando, Shouyou não consegue deixar de pensar como seria bom acordar ao lado de alguém depois de uma noite com temperaturas amenas na cidade. Já tentou se distrair com besteiras, no entanto, vem sendo cada vez mais complicado ignorar o fato de que está solteirão até os dias de hoje.

Além dele, há também Kageyama Tobio que não tem ninguém para chamar de seu. Mas, as visões que os dois têm diante disso são completamente diferentes. O moreno não parece importar-se com o fato de “em breve” estarem chegando aos trinta e não terem um relacionamento fixo.

Assim como o amigo, Tobio também já esteve em alguns relacionamentos que não deram muito certo, e por conta desse motivo, hoje em dia, a última coisa que passa em sua cabeça é se interessar por alguém. Com o combo de não cogitar uma relação pelos próximos anos.

O desespero de Hinata chegou ao ponto de ele cogitar baixar algum aplicativo de relacionamento para ajudá-lo a conhecer novas pessoas. Porém, essa ideia foi jogada no lixo quando o assunto foi posto na mesa em uma vez que foi a uma pizzaria com Kageyama. Não havia parado para pensar nos motivos pelo qual as pessoas entram nesse tipo de rede social, e a última coisa da lista de prioridades do ruivo é sexo por isso mesmo.

Agora, nesse exato momento, Hinata se encontra sentado em um restaurante com os amigos. Kageyama — que é definitivamente seu suporte para que ele não segure vela durante esses encontros — não pôde comparecer, sendo assim, hoje o ruivo terá de lidar sozinho com os casais. Mesmo achando isso ruim, Shouyou precisa comemorar o fato de que nenhum deles ficade chamego quando estão todos juntos, talvez em respeito pelos dois solteiros. Hinata nunca questionou a ninguém sobre isso, e também nunca especulou o motivo, por estar ocupado demais prestando atenção nas simples ações que os casais realizavam.

Na mesa estão: Kenma e Kuroo sentados à esquerda do ruivo, Asahi e Noya em sua frente, e à sua direita, Daichi com Suga. Todos rindo e interagindo como qualquer outro grupo de amigos, e apesar de estar se divertindo também, parece que falta algo — e não é somente a Tobio que ele se refere.

Depois que a refeição acabou, que cada um seguiu seu rumo, Hinata decidiu que precisava de uma volta no shopping para aliviar um pouco do turbilhão de sentimentos que está rondando sua cabeça. E foi em uma dessas lojas que entrou e saiu que ele acabou se deparando com uma reportagem do jornal local passando em uma televisão disponível para compra. O título da manchete foi o que chamou sua atenção: Entenda a moda do Namorado de Aluguel.

Hinata estava tentando compreender se realmente estava lendo e ouvindo o que se dizia no noticiário. Namorado de aluguel? Olhando para os lados, decidiu tomar nota sobre o canal que estava passando, não ficaria ali na frente do televisor para entender. Anotando o que precisava, verificando se realmente estava certo, decidiu que já deveria ir para casa, no conforto de seu lar, vasculharia o mundo virtual para compreender o que está acontecendo e como nunca havia escutado falar sobre.

Tomando um banho rápido, não levou mais do que quinze minutos após sua chegada na residência para o ruivo já estar sentado na frente do computador, digitando o nome do programa e data de exibição para conseguir assistir a matéria sem se preocupar se alguém o estaria julgando por ver esse tipo de coisa. E principalmente por estar cogitando contratar o serviço. Colocando os fones, adiantou até onde escutou com nitidez na loja.

“— E para explicar um pouco melhor como funciona o serviço, temos aqui um representante da iniciativa que já domina o mundo afora. — Aâncora do programa tirou os olhos da câmera para encarar o homem loiro ao seu lado. — Boa tarde, senhor Ukai, Por favor, conte-nos, como tudo isso surgiu?

Começou com uma brincadeira — Shouyou pulou algumas partes do vídeo, queria saber apenas como funciona e não por que e como bombou. — Nós temos um sistema onde a pessoa que deseja contratar informará o seu namorado perfeito. Nós focamos muito nos quesitos relacionados à personalidade, porém, o cliente pode e deve fazer uso de atributos físicos também. No nosso site há um formulário que deve ser preenchido e endereçado ao e-mail lá disponível. Demora em torno de três a cinco dias até se receber uma resposta, já que a demanda realmente cresceu— o homem falou mais algumas coisas que não interessavam, até voltar a alguma coisa que o pequeno queria ouvir. — A sexualidade da pessoa deve ser especificada, dessa forma fica mais fácil saber quem está disponível para aquele trabalho.

— E como funcionam os serviços?

— Temos diferentes tabelas de preços para diferentes coisas. Por exemplo, se você quer apenas uma companhia para uma ida ao parque de diversões não vai pagar o mesmo valor de quem quer um final de semana completo.

— E a respeito das intimidades?

— É terminantemente proibido qualquer tipo de contato sexual entre os dois. Enquanto a outras coisas, como beijos, deixamos a critério de quem é o alugado.

Havia o link para o site na descrição do vídeo, Hinata não perdeu tempo em clicar e ler as informações que haviam por ali, já caçando onde estava o tal formulário a ser preenchido. Antes que o dito fosse aberto, uma aba de regras surgiu em sua tela, e o ruivo leu cuidadosamente cada uma das linhas escritas. Precisava entender mais sobre tudo, afinal de contas, não há como explicar todas as coisas apenas com uma entrevista de dez minutos.

Haviam muitos itens a serem preenchidos, desde cor de cabelo até altura, e foi nesse exato momento que Shouyou percebeu que não sabia realmente descrever o que seria um namorado perfeito para ele. Sendo assim, começou escrevendo algumas coisas que achava interessante, ou que lhe chamava atenção quando conhecia alguém que poderia ser um futuro crush.

Moreno, mais alto do que ele, não tendo muita preferência em relação a cor dos olhos, sendo assim, pulou para o próximo item. Não precisa ser ninguém com muitos músculos, mas com o corpo forte o suficiente para envolvê-lo em um abraço, afinal, Hinata é magro e pequeno em comparação aos seus amigos — sendo maior apenas que o Nishinoya.

Quando chegou na personalidade, realmente não sabia o que colocar. Pensou que gostaria que fosse carinhoso — mas não meloso. Que o fizesse rir em horas vagas. Que bancasse o durão na frente de seus amigos, mas que no entanto, é completamente amoroso quando estão à sós. Que esteja disposto a assistir comédias românticas, ficando abraçados durante o filme.

Hinata acabou percebendo quando começou a revisar o que escreveu, que havia descrito o completo oposto de seus ex-namorados. E agora conseguia, mais ou menos, entender o motivo de não ter dado certo. Apesar de não ser uma pessoa exigente quando aos seus desejos, há algumas coisas que não gosta de abrir mão somente para agradar ao parceiro.

Na hora de selecionar qual o pacote que gostaria de contratar, ficou nervoso. Não sabia exatamente o que escolher diante de várias opções que pareciam se encaixar em seus desejos — mas não tanto no orçamento. Dessa maneira, Hinata decidiu escolher aquele que caberia no bolso e que também parece interessante. Olhando o calendário no computador verificou qual o próximo final de semana que não precisaria trabalhar no sábado, e assim, escolheu o pacote contendo os dois dias — para o começo às 10h da manhã. Havia uma observação para informá-lo de que se o contratante optasse por não deixar o namorado alugado dormir em sua casa, o valor da hospedagem seria adicionado na cobrança. Uma grande onda de timidez lhe cobriu o rosto, o coração disparado, mas aceitou que o desconhecido ficasse na residência, tinha um quarto extra desocupado, no final das contas.

Depois de tudo preenchido, com o e-mail aberto e pronto para enviar, Shouyou ficou se perguntando se aquilo era realmente a coisa certa a se fazer, afinal de contas, iria brincar de namoro com um desconhecido, não seria uma situação um tanto quanto constrangedora? Porém, ele preferiu não pensar muito sobre, e tomando uma funda respiração, pressionou o Enter para enviar. Se até o dia que recebesse a resposta desistisse da ideia, apenas responderia com um cancelamento.

Os dias seguintes foram recheados de ansiedade. Hinata trabalha como assistente do time juvenil de vôlei da cidade, e durante todos os treinos que participou, estava completamente disperso, já que não conseguia parar de pensar e tentar imaginar como será a pessoa que a empresa irá lhe enviar. Na página deles não havia sequer uma foto de seus funcionários, e isso se apresentou como mais um motivo de apreensão pela espera.

Foi no quarto dia após o envio do e-mail que Hinata recebeu uma resposta avisando da chegada de seu namorado de aluguel na data marcada, eles precisavam apenas da certeza do contrato em até 24 horas após o envio daquele informativo. Apesar de querer sentar e pensar um pouco a fim de saber se realmente queria, somente se deixou levar e confirmou o desejo de ainda manter o que solicitou. Estava realmente disposto a passar por essa experiência. Poderia ser uma coisa legal, quem sabe uma história divertida para contar — mesmo ele tendo plena certeza de que levará essa coisa toda direto para o túmulo.

Faltapouco mais de uma semana até o dia, e sendo assim, cada hora passada foi uma pequena tortura para o ruivo; na sexta feira ele quase não se reconhecia ao perceber o quanto estava ansioso para o dia seguinte, mas mesmo pensando muito sobre, Hinata não saberia dizer o porquê estava daquela maneira. Porém, conseguia elencar alguns motivos que com certeza faziam parte dessa ansiedade. Um deles sendo o fato de não conhecer a pessoa, e o outro por ter contratado tal serviço para si. Sentia-se tão carente ao ponto de precisar de um desconhecido para lhe abraçar ao assistir um filme ruim?

Às oito e meia da manhã do sábado Shouyou já estava mais do que desperto, mas ainda não havia levantado da cama, encontrava-se com os olhos pregados no teto, pensando e repensando sobre algumas coisas que não teria como adivinhar até conhecer o enviado. O ruivo se perguntava qual cheiro o homem teria, e o quão mais alto que ele seria, também tentava apostar consigo mesmo sobre qual seria a cor de seus olhos. Tinha plena noção do quão bobo soava ao se perguntar sobre, no entanto, era a melhor forma de distração que estava encontrando até então.

Por volta das nove seu celular apitou com uma mensagem vinda de um número desconhecido.

Em breve estarei aí, meu bem.

Um forte tom de vermelho tomou toda a face de Hinata. A mensagem vinha de quem chegaria dali a uma hora. Sentindo o coração batendo forte, levantou da cama em um salto, correndo para debaixo do chuveiro — por pouco não foi possível ver fumaça saindo de seu corpo quando a água fria lhe tocou a pele, afinal, sentia-se fervendo em timidez.

Pondo a cabeça no lugar, decidiu fazer uma pequena refeição para aliviar o buraco em seu estômago. E quando rumou de volta para o banheiro, a fim de escovar os dentes, parou para encarar todas as suas feições de frente para o espelho. Desde os bagunçados fios laranja, até mesmo os olhos grandes em formato de amêndoas. Precisava estar apresentável e sentia-se bem consigo aquele dia. Escolheu uma roupa que não demonstrasse que havia se arrumado, mas que também não parecesse que ele não liga para nada.

Quando a campainha tocou, seu corpo todo pareceu ser submerso em gelo. AH!, gritou internamente, mas não dava tempo de ter qualquer surto. Andou a passos trêmulos até a entrada, assoprando seu hálito na mão para conferir se estava tudo certo, e quando desfez a tranca, tendo acesso ao outro lado, ficou muito mais aliviado ao ver um rosto conhecido. Porém, ele não poderia ter visitas naquele final de semana. Precisava de uma desculpa para livrar-se do amigo.

— Kageyama! — Arregalou os olhos, olhando de um lado para o outro por trás do moreno. A rua estava deserta, ótimo, ainda tinha um tempo. — O que faz aqui?

— Hum? — Tobio ergueu a sobrancelha, sorrindo de lado em seguida. — Algum problema? Não posso fazer uma visita?

— Não, não é isso. É que você não me avisou ou deixou qualquer recado.

— Te conheço há tanto tempo, pensei que já havíamos passado dessa fase.

— Hoje eu não posso, está bem? — Olhou nervosamente para o passeio.

— Esperando alguém?

— Não.

— Tem certeza?

— Por que eu não teria certeza?

— Não vai me convidar para entrar? — Kageyama deu um passo para o lado, Shouyou fez o mesmo para impedi-lo de dar mais um. — O que foi?

— Vou sair, tenho um compromisso.

— Não, você não vai sair.

— Como não? — Oruivo franzia a testa, olhando para cima para encontrar os olhos azuis do amigo.

— Você tem um compromisso, de fato, mas não precisa sair de casa para isso.

— O que quer dizer? — Quando Hinata dobrou a cabeça para o lado visivelmente confuso, o moreno sentiu vontade de rir, não é possível que isso estava acontecendo àquela hora da manhã.

— O quão burro você é?

— Ei!

— Não está claro que foi a mim que eles mandaram?

— Que eles — Quando a ficha de Shouyou finalmente caiu, Kageyama se antecipou para esclarecer o que acontecia.

— Eu sou o seu namorado de aluguel, — segurava o queixo do menor para fazê-lo encarar seus olhos — meu bem.

Enquanto Tobio parecia se divertir, Hinata não tinha palavras para expressar o que estava sentindo nesse exato momento.

28 de Março de 2021 às 00:47 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo Namorado de mentira

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 5 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!