Problemas técnicos - estamos enfrentando alguma sobrecarga do servidor, causando grande lentidão no desempenho - seja paciente enquanto resolvemos os problemas.
k
karolinekurama karolina


Naruto uzumaki, ou melhor Lightning, é louco por videogames e se dedica a produzir vídeos para a internet sobre seu jogo favorito: Analogic. Um de seus maiores orgulhos é a colônia virtual que construiu por lá. Lightning passa tanto tempo no computador que é quase como se morasse em sua criação. Mas e se um dia isso se tornasse possível? Dois mundos, um herói é uma aventura fantástica que leva você para dentro do universo de Analogic, na companhia de LightningFox. O susto de acordar do outro lado da tela é grande, mas a diversão é ainda maior. Nesse mundo de pixels ele encontra todos os pequenos amigos que criou: inclusive uma versão de si mesmo. E quando um terrível mal ameaça destruir a colônia, Lightning se torna a única esperança. Usando sua criatividade, nosso herói vai ter que enfrentar com as próprias mãos os inimigos que estava acostumado a vencer com o teclado e o mouse. Baseada no livro do youtuber rezendeevil Publicada também no: wattpad, Spirit fanfics, fanfiction.net, fanfics Brasil, sweek, noveltoon, nyah! Fanfiction e dreame


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 18 apenas.

#Naruto
0
1.4mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todos os dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

#Selfie

Notas do Autor


NARUTO TEM 19 ANOS E MENMA TEM 15
Atualizada semanalmente e postei no wattpad também


"Mas o que eu vou dizer nesse evento? Eu gosto mesmo é de jogar!"

Passei a semana inteira com essa pergunta na cabeça. Só que, a caminho da Superultramegablaster Rio game show, ao lado do meu irmão, Menma, ela martelava cada vez mais forte.

—Tá nervoso, Naruto? Relaxa, só vai ter gente legal lá! É na nossa cidade, todo mundo se amarra nos seus vídeos, é só chegar e começar a falar — diz ele, tentando me animar.

Na verdade, essa vida de streamer famoso ainda é novidade para mim, mas ser convidado para um evento desse porte é a oportunidade perfeita de mostrar aos meus pais e amigos que largar o futebol e apostar tudo nas lives foi uma boa. E jogar no computador é o que eu mais gosto de fazer. Sabe o que parece? Que estou entrando em outra dimensão. É muito louco, cara! A maior viagem. Então, por que não participar da Rio e trocar uma ideia com a galera seguidora no meu canal?

— Tem razão, Menma. Até que você é esperto, pra um pirralho — respondo, tirando uma com a cara dele.

Crachá no pescoço, é hora de entrar. Jesus! Nunca vi um evento tão cheio. Estandes lotados, todo mundo na maior adrenalina, encarando altas filas para jogar quinze minutinhos dos games mais irados. Mas eu não podia imaginar o que me aguardava: no auditório onde vai rolar o bate-papo, tem gente sentada até no chão. No chão! Faltou cadeira.

No palco, acabo me acalmando. Fixo o olhar no Menma, que está em pé, gravando tudo bem na meiuca, e dá certo. Quer dizer, tudo está dando certo. Até que... Caramba, quem é aquele cara sinistro ali do lado? Sabe um tiozão meio mistura de Gandalf com Dumbledore? Então, ele é igualzinho, só que muito feio.

— Lightning? O Aaron, de Rio Branco, está esperando a sua resposta. Quer uma água? Ou um suco de maçã? — o apresentador me traz de volta a realidade rapidinho. Sinto um calafrio, fecho o zíper do meu colete, e não dá outra: fico todo arrepiado. Cara! Que isso! Mas eu não posso dar mole e virar motivo de piada.

— Foi mal, Aaron! Pode repetir? É que quando eu estou num lugar grande assim, começo a pensar em quantas paredes precisaria ter para construir um espaço igual no jogo, sacou?

"Ufa, essa foi no improviso", penso.

O Gandalf Toscão da Grifinória continua me encarando. E, quanto mais ele me olha, mais frio eu sinto. Volto fixar o olhar no Menma e começo a relaxar. Não posso surtar no palco, não é? Só que, neste exato instante, depois de duas horas de bate-papo, o apresentador avisa: só temos tempo para uma última pergunta.

— Quem tem uma pergunta diferente para o lightning? A hora é agora!

Adivinha quem levantou a mão? O velho, claro! Ai, meu Jesus Cristinho, o que esse velho sinistro quer comigo? Tenho uma ideia: vou despistar.

— Olha, aquela morena de branco ali na esquerda levantou a mão. — aponto.

Só que, enquanto falo isso, o apresentador olha para o lado... direito. E escolhe outra pessoa.

— Passa o microfone para o vovô ali do fundo, pessoal! Vamos dar voz a quem tem experiência, não é, Lightning? Afinal, tem muitos pais, tios e avós que jogam com os mais novos!

Sabe aquela voz que parece sair das profundezas? Aquela voz meio God of War, mas como se o dublador do Kratos tivesse uns cento e cinquenta anos? Era a voz do velho. O cara é tão rouco que, apesar de eu estar apavorado, quase ofereço a ele uma pastilha, um xarope, uma água...

— Liiiiiiiiightniiiiiiiing, você acredita em universos paralelos? — manda o velho, na lata.

— Poxa, seu Gandalf, o senhor não tem uma pergunta mais fácil? Melhor, não tem aí uma bola de cristal para prever o futuro? — respondo, sem pensar demais.

Todo mundo começa a rir. Prontinho, escapei dessa! Será?

— Liiiiiiiiightniiiiiiiing... Liiiiiiiiightniiiiiiiing, você acredita em universos paralelos? — repete o velho, com a voz ainda mais cavernosa. Caramba, ele precisa mesmo de uma pastilha para a garganta!

— E aí, Lightning? Sim ou não? — questiona o apresentador já se metendo para encerrar de vez a questão.

É aí que eu me lembro do meu pai. Ele é professor de cursinho pré-vestibular e sempre me disse que precisamos responder a todas as perguntas, mesmo quando não sabemos a resposta.

— Olha, seu Gandalf, acreditar, eu acredito, mas nunca vi um universo paralelo sem ser num game. O senhor tem um aí no bolso para mostrar?

Todo mundo cai na gargalhada de novo, maravilha! Agora é só descer do palco, tirar umas fotos com a galera, e está tudo no papo. Opa... Ainda não tiraram o microfone do Voz Profunda?

— Liiiiiiiiightniiiiiiiing... Você acreditaria se alguém dissesse que existem universos paralelos e que neles alguns poucos mortais têm versões equivalentes?

Antes de eu abrir a boca para responder quaquer coisa, o Dumbledore do Rio de Janeiro continua, sem mudar o tom de voz:

— Liiiiiiiiightniiiiiiiing... Você é inteligente o bastante para acreditar num universo parecido com o do jogo dos seus vídeos, onde tudo que você cria no computador é real? Ou prefere viver na ignorância?

E agora? Como eu saio desta? Melhor levar na zoação, assim ninguém percebe que eu fiquei surtando com esse cara! Será que ele sabe onde eu moro?

— Mas é claro, seu Gandalf! Se eu não acreditasse, não estaria aqui! Na verdade, eu vim desse universo aí que o senhor mencionou. É ou não é, galera? Eu sou LightningFox, primeiro e único!

Noto pelo canto do olho que o apresentador está pedindo para tirarem o microfone do vovô. Mas ele não solta o troço de jeito nenhum!

"Lá vem mais bomba", penso.

— Me salva — peço ao meu irmão, torcendo para ele ser bom em leitura labial. Mas ele é ruim pra caramba e não entende nada! Ô, desgraça! O povo ainda ri quando o personagem deO Senhor dos Anéisse agarra ao microfone e diz suas últimas palavras:

— Liiiiiiiiightniiiiiiiing... E se você fosse convocado para ir a esse universo? Você honraria sua palavra e iria até as últimas consequências?

Agora até o apresentador fica nervoso. Nem preciso responder: ele já vai logo encerrando o evento, convocando a turma para o próximo painel, sorteando brindes e pedindo para todo mundo se organizar na fila. E o Gandalf? Quando procuro por ele antes de descer do palco, não o encontro mais. Só enxergo uma luz. O cara se escafedeu, evaporou, sumiu no ar. Ou quem sabe voltou para esse tal universo.

Mais de duas horas e quatro sucos de maçã depois (falar de mais da fome, viu?), finalmente consigo sair do evento. Quero ir a pé para casa, mas até o Menma fica preocupado: e se o velho for um doido e estiver esperando a gente na saída? E se quiser me sequestrar e me levar sei lá para onde? Tá doido! Melhor não arriscar...

Resolvemos pegar um táxi, e não dá outra: na esquina seguinte, vemos o Gandalf Toscão recostado num muro. Os vidros do carro são escuros, mas sabe a visão além do alcance? Enquanto passamos, ele levanta os óculos, como se nos enxergasse. Desvio o olhar, e, quando resolvo espiar através da janela traseira do táxi, o homem já não está mais lá. Vejo apenas um clarão bem forte, apesar de já ser noite — só pode ser resultado da mistura de adrenalina, cansaço e suco de maçã.

Como demoramos mais do que o normal, nossos pais já estão dormindo quando chegamos em casa, e não quero acordar os coitados. Quando estou sem sono ou sem vontade de fazer nada, o que eu faço? Acertou quem disse que eu jogo! Então pego um suco de maçã na geladeira e sigo para minha sala de games, a antiga biblioteca do meu pai, onde eu costumo jogar e gravar os vídeos.

Sinto um calafrio e resolvo fechar a janela... Mas, quando eu olho para fora vejo o velhote de novo, recostado no muro. Deus do céu! Só pode ser perseguição! Saio correndo para o quarto do Menma. Será que devemos chamar a polícia ou acordar nossos pais?

— Cadê ele? Estou olhando aqui pela persiana, mas nao estou vendo ninguém! Acho que você bebeu suco de maçã demais. Está afetando seu cérebro! — afirma meu irmão.

Cara! Como pode isso? Uma hora o velho está lá, na outra não está! Fico pensando: "Será que eu tenho superpoderes de visão paranormal? Mas todo mundo viu o homem no evento. Será que todo mundo naquele auditório tinha visão paranormal?"

Ao contrário do que muita gente diz, eu acho que jogar antes de dormir é relaxante. Pego o teclado e o mouse sem fio e me estico no sofá — atrás dele há um pôster enorme do jogo, colado na parede. É o meu preferido, porque mostra todos os universos que eu criei. Depois de um tempo, acabo tirando um cochilo. Ah, que atire a primeira pedra quem nunca cochilou no sofá e acabou babando no teclado. Acordo de madrugada, com o monitor ligado e uma luz diferente. Parece que algumas letras estão se formando na tela. Pixel a pixel, elas se juntam enquanto eu esfrego os olhos:VOCÊ ACREDITA?

Tenho a sensação de que aquilo não passa de um sonho, então fecho os olhos de novo. De repente, levanto num pulo, porque surge uma luz bem forte vinda do monitor, da janela, do corredor, de todos os lados! Não consigo enxergar nada além da luz. Será que transferiram o réveillon do Copacabana para o Flamengo e ninguém me avisou? Que ano é este? Mano, a luz está ficando mais forte! Cada vez mais! E este barulho... De onde vem? Quem ligou essas britadeiras? Não enxergo nada! Melhor fechar os olhos! O sol desabou na Terra! Será que eu estou ficando cego?

Epa. Peraí. Acho que já dá para abrir os olhos. A luz esta diminuindo. Vou abrir. Preciso ir ao quarto do Menma e ao dos meus pais para ver se estão bem.

Não. Não pode ser. Eu estou preso? Por que o Sol está nascendo 3D?

Caramba! Tudo parece... 3D!

13 de Fevereiro de 2021 às 22:29 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Leia o próximo capítulo Esclarecer

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 14 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!