atherabeckman Ruana Aretha

O sufrágio tomou dos brasileiros o que restava, '' as escolas'', nesse país não há conhecimento, não há livros, não há palavras, a comida falta a mesa porque sem conhecimento algum você não consegue trabalho, enquanto os ricos deleitam-se sobre livros que farão os com pouco intelecto acabrunhar-se sobre restos de alimentos. Os votos tiraram os miúdos dos brasileiros, o que nos resta, revoltar-se ou calar-se?


Conto Para maiores de 18 apenas.

#distopia #brasil #Brasilumpaísdetodos #revolte-se #políticaporquenão? #somosbrasileiros
0
2.7mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso
tempo de leitura
AA Compartilhar

Oh Brasil... brasileiro

-Capitão, o que senhor manda para hoje ? Perguntava Queiroz.

- Temos que pensar em como derrubar aquela barricada do outro lado para ir no supermercado, os filhos do Brasil tem fome ... Embora haja uns que se lambuzam com leite condensado . Respondia o Capitão Machado.

- Vamos nos reunir com os rebeldes para pensar no que fazer ... Queiroz dizia contemplativo.

O Brasil havia passado pela inibição de tudo , era o momento mais nefasto de todos os governos que já haviam passado. O presidente havia feito lavagem cerebral em muitos , ou diria que foi apenas uma palavra que tinha convencido milhões a passarem fome e miséria , o voto que salvaria vidas , reergueu o martírio de muitas outras que falecem todos os dias nas ruas e são jogados como porcos nas valas.

O insalubre , o desespero nas faces de cada um , a palavra que abateu muitos foi "escola", o governo havia prometido o que muitos esperavam , mais do que comida , porque diziam que o conhecimento repassado poderia gerar renda a família e assim a comida viria para a mesa.

Nesses tempos , a "escola" era somente para os políticos e para quem era filho deles e somente isto , vivia-se na era do inferno. O pouco que deveria ser , não se tinha.

Clarice andava pela rua desiludida, quando o capitão Machado a avistou e a perguntou.

- O que faz aqui criança ?

- Nas ruas temos palavras de protesto pelos muros , ao menos isso eu posso ler. Em casa não temos livros , tudo fora tirado de nossas mesas , não tenho nenhum escondido. Me sinto triste por não ter memórias de algum livro e muito menos escrever podemos. Dizia a Clarice.

- Me resta andar pelas ruas e ver o restante de lápis e canetas gastos como sufrágios ... Chorava Clarice.

- Não se desgaste por um erro que não é seu, tuas palavras me entristecem, mas não temos culpa de votos que não foram nossos. Peço que olhe dentro de você e guarde as palavras que vou te dizer ... Respirava fundo Capitão Machado.

- Amanhã, nesse mesmo horário e lugar eu vou te trazer um presente, me aguarde e você ficará feliz.

Clarice disparou nos pulos, ela era leve como o seu vestido azul de cetim. Por um momento o Capitão Machado podia ver que em uma criança havia um fio de esperança e zelo por quais palavras escolher , pois naquele fim dos tempos muitas pessoas não possuíam palavras , apenas desgosto.

14 de Fevereiro de 2021 às 22:10 0 Denunciar Insira Seguir história
1
Leia o próximo capítulo Clarice

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 1 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!