bolinhofofo Bolinho Animes

Dizem que a solidão acompanha aqueles com grande poder. Permanecendo como um Rei com força incomparável, status, e fama… e muito mais. Eu, que uma vez lutei para viver, me afogava em meu raso trono sem nenhuma vontade ou propósito. Haviam muitos que tinham inveja de mim, mas eu diria de bom grado, “Tirem tudo de mim! Será meu presente!” Um dia, eu finalmente consegui meu presente – uma nova vida. Com uma segunda chance de corrigir meus erros e cumprir meus arrependimentos, permita-me mostrar a você o que um (ex-rei) pode fazer!


Ação Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#romance #fantasia #aventura #colegial #artes-marciais
2
782 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo A cada 15 dias
tempo de leitura
AA Compartilhar

A luz no Fim do Túnel


Eu nunca acreditei em na besteira de "luz no fim do túnel" , onde as pessoas após terem uma experiência de quase morte, e que estava dormindo em meu quarto (que alguns chamam de câmera real).


Alguém me assassinou?


Não me lembro de ter injustiçado ninguém. Mas ser uma figura pública de poder, dá aos outros todos os tipos de razões para me querer morto.


De qualquer forma....


Desde que não parece que irei acordar tão cedo e estou lentamente gravitando em direção á luz brilhante, eu posso muito bem seguir com isso.


Parecendo levar uma eternidade para chegar á luz, eu meio que esperava algum tipo de coro infantil cantando uma música angelical, me chamando para o paraíso.


Em vez disso, minha visão de tudo ao redor se transformou em um borrão vermelho brilhante enquanto sons agrediam meus ouvidos, Quando tentei falar algo, o único que saiu parecia ser choro.


Ouvido vozes abafadas ficando cada vez mais claras, eu ouço um,“Parabéns Senhora, parabéns Senhor, ele é um garoto saudável.”

Espere….

Eu acho que normalmente, eu deveria estar pensando em algo como “M*rda, eu estou nascendo? Eu sou um bebê agora?”

Mas estranhamente, a única coisa que passou pela minha mente foi “Então a luz brilhante no fim do túnel era a luz entrando pela va***a de uma mulher…”

[Spell: Ué ]

[Stromkirk: Mas oq?]

Haha… não vamos mais pensar nisso.

Avaliando minha situação como o esplêndido rei que sou, eu percebi, primeiramente, que onde quer que nasci, eu entendo a linguagem. Isso é bom.

Então, após lenta e dolorosamente abrir meus olhos, minhas retinas foram bombardeadas por diferentes cores e figuras. Levou um pouco de tempo para meus olhos infantis funcionarem. O doutor, ou assim parecia, não tinha um rosto atraente, com longos cabelos e barba grisalhos. Eu juro que seus óculos eram grossos o suficiente para serem à prova de balas. O estranho era que, ele não usava a roupa de um médico, nem mesmo estávamos num quarto de hospital. Parece que eu nasci em algum tipo de quarto de ritual de invocação satânica, porque o quarto estava iluminado apenas por um par de velas, e estávamos no chão.

Eu olhei em volta e vi a fêmea que me botou para fora de seu túnel. Chamar ela de mãe parece justo. Levou mais alguns segundos para ver como ela se parecia, eu tenho que admitir que ela é uma beleza, mas podem ser apenas meus olhos embaçados. Ao invés de uma beleza glamorosa, eu gostaria de descrevê-la como adorável, num sentido bem gentil e amável, com cabelos castanhos avermelhados e olhos castanhos. Não pude deixar de notar seus longos cílios e nariz empinado que me deixavam com vontade de abraçar ela. Ela apenas transmite essa sensação de mãe. É assim que os bebês são atraídos por suas mães?

Eu cobri meu rosto e virei para a direita mal conseguindo distinguir a pessoa que eu suponho ser meu pai, pelo sorriso idiota e as lágrimas nos olhos enquanto olhava para mim. Imediatamente ele disse “Olá pequeno Art, sou seu papai, você pode dizer dada?” Olhei ao redor para ver minha mãe e o médico na casa (por toda a certificação que ele parece ter), revirando os olhos e minha mãe conseguiu zombar, “Querido, ele acabou de nascer.”

[Spell: Gugu dada :3 ]

Olhei meu pai mais de perto e percebi porque minha adorável mãe se sentia atraída por ele. Tirando os parafusos soltos que ele parecia ter ao esperar que um recém-nascido articulasse uma palavra de duas sílabas (Onde vou dará ele o benefício da dúvida, pois acho que ele disse isso pela alegria de se tornar pai), ele era um homem muito carismático. Com uma linha de mandíbula quadrada e barbeada. Seu cabelo, com uma cor marrom bastante acinzentada, parecia ser sempre curto, enquanto suas sobrancelhas eram fortes e ferozes, estendendo-se em forma de espadas que se encontravam e formavam um V. No entanto seus olhos tinham uma qualidade gentil, fosse pela forma como seus olhos curvavam no final ou pela cor que seus olhos possuíam, um profundo azul, quase safira.

No momento que eu terminei de chec… digo, observar meus pais; o médico charlatão se desculpou dizendo, “Por favor continue descansando por alguns dias Senhora Leywin, e me avise se algo acontecer com Arthur, Senhor Leywin.”

As semanas seguintes à minha jornada para fora do túnel foram um novo tipo de tortura para mim. Eu tinha pouco ou nenhum controle sobre meus membros, exceto acená-los sem parar e isso cansava muito. Eu percebi que os bebês não conseguem controlar muito os seus dedos. Eu não sei como explicar para vocês pessoal, mas quando você coloca seus dedos na palma de um bebê, eles não seguram porque gostam de você, eles seguram porque são atingidos no osso engraçado*, é um reflexo. Esqueça a coordenação motora, eu não podia nem mesmo excretar meus resíduos sem discrição. Só… saía. Haa…

[Nota do revisor: Osso engraçado ou Nervo Ulnar e um nervo que vai até a ponta dos dedos, e o mesmo nervo que passa pelo cotovelo e que da “choque” quando batemos em algum lugar.]

Um ponto positivo, foi que fui amamentado pela minha mãe.

Não me levem a mal, sem segundas intenções. É só que o leite materno tem gosto muito melhor do que o artificial okay, e têm valor nutricional maior okay? Er… por favor acredite em mim.

O lugar para a invocação demoníaca parecia ser o quarto dos meus pais, e pelo que eu imagino, esse lugar que estou preso é, eu espero, um lugar no meu mundo, no passado, onde a eletricidade ainda não foi inventada.

Minha mãe rapidamente provou que eu estava errado quando ela um dia curou um arranhão em minha perna, quando meu pai idiota me bateu contra uma gaveta.

Não… não com curativo ou beijo para passar, mas um sopro, uma luz brilhante e um zumbido fraco vindo de suas fodendo mãos que curam.

[Spell: que bebê mais mente sujammm u=u ]

[Stromkirk: Vou deixar só dessa vez pra você não ficar triste u.u]

Onde diabos eu estou.

Minha mãe, chamada Alice Leywin, e meu pai, chamado Reynolds Leywin, pelo menos pareciam ser boas pessoas, para o inferno se não as melhores. Eu suspeito que minha mãe seja um anjo, porque eu nunca conheci uma pessoa tão calorosa e bondosa. Enquanto eu era carregado nas suas costas em uma espécie de berço, fui com ela para o que ela chamava de cidade. Essa cidade de Ashber era nada mais que um posto avançado glorificado, vendo que não há estradas, nem edifícios. Caminhamos na trilha principal de terra onde haviam tendas de ambos os lados com vários comerciantes, vendedores e vendedoras, comercializando todo tipo de coisas, das comuns coisas do dia a dia a coisas que eu não podia deixar de arregalar os olhos, como armas, armaduras e rochas… rochas brilhantes!

A coisa mais estranha com a qual não consigo me acostumar são as pessoas carregando armas como se fossem parte de seu vestuário. Eu testemunhei um homem de cerca de 1,70m carregando um machado de guerra gigante, maior do que ele! De qualquer forma, minha mãe continuava falando comigo, provavelmente para que eu aprenda a língua rapidamente, enquanto fazia compras nas mercearias, trocando gentilezas com várias pessoas que passavam ou trabalhavam nas cabines. Enquanto isso, meu corpo está se voltando contra mim mais uma vez, e eu adormeci… Droga de corpo inútil.

Estando no colo da minha mãe que me acariciava em seu peito, eu estava intensamente focado em meu pai que estava pronunciando um cântico por alguns minutos, que me parecia algo como uma oração para a terra. Eu me inclinei ficando cada vez mais perto, quase caindo do meu assento humano, enquanto esperava uma espécie de fenômeno mágico, como um terremoto cuspindo o chão ou um golem de pedra gigante emergindo. Após o que pareceu ser uma eternidade (confie em mim, para uma criança que tem a atenção de um peixinho dourado, isso foi.) Três pedregulhos, do tamanho de homens adultos saíram do chão e bateram contra uma árvore próxima.

O que em nome de… foi isso?

Eu balancei meus braços para cima em raiva e desgosto, mas meu pai idiota interpretou isso como um “WOW” e com um sorriso estampado no rosto disse, “Seu pai é incrível, não?!”

Não, meu pai era um guerreiro muito bom. Quando ele colocou suas duas manoplas de ferro, até mesmo eu me senti obrigado a abaixar minha cueca (ou fraldas) para ele. Com movimentos ágeis que eram surpreendentes devido a sua estatura, seus socos tinham força para quebrar a barreira do som, mas eram fluidos o suficiente para não deixar aberturas. Em meu mundo, ele poderia ser classificado como elite, liderando um pelotão de cem soldados, mas para mim, ele era só meu pai idiota.

Pelo que aprendi desse mundo, parece ser um mundo bastante simples com magia e guerreiros onde o poder e a riqueza decidem sua posição na sociedade. Nesse sentido, não era muito diferente do meu mundo exceto a falta de tecnologia e a pequena diferença entre magia e Ki.

Em meu antigo mundo, Guerras se tornaram uma forma obsoleta de resolver disputas entre países. Não me leve a mal, claro que ainda haviam batalhas em menor escala e exércitos ainda eram necessários para a segurança dos cidadãos. Porém, as disputas relativas ao bem-estar de um país eram baseadas em um duelo entre os governantes de cada país, limitado a usar Ki e armas de combate de curta-distância, ou uma batalha simulada entre pelotões, onde armas de fogo limitadas eram permitidas, para as disputas menores.

Portanto, Reis não eram homens comuns e gordos sentados no trono comandando os outros ignorantemente, mas deviam ser os mais fortes e inteligentes para representar o seu país.

Chega de pensar nisso.

A moeda desse novo mundo parece ser bastante simples devido às trocas que minha mãe fez com os mercadores.

Cobre era a moeda mais barata, então Prata e Ouro. Enquanto que ainda preciso ver algo custando mais que uma moeda de Ouro, família normais parecem ser capazes de sobreviver bem com apenas um punhado de moedas de cobre por dia.

100 Cobres = 1 Prata

100 Pratas = 1 Ouro

Todos os dias envolviam aperfeiçoar meu novo corpo, dominando as funções motoras que residiam profundamente dentro de mim.

Então um dia tudo mudou....



Créditos: TurtleMe


17 de Fevereiro de 2021 às 16:37 0 Denunciar Insira Seguir história
3
Leia o próximo capítulo A Enciclopédia da Manipulação de Mana

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 13 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!