roberto-ornelas1608100811 Roberto Ornelas

Paixão Animal Este thriller conta a história de Sheila, uma mulher sedutora, fogosa por natureza, de corpo escultural, era bem casada, tinha tudo, mais se sentia solitária, vivia em uma casa afastada da cidade, rodeada por uma floresta linda, com uma variedade de pássaros e animais… Varias montanhas… Uma cachoeira com quedas d'Águas maravilhosas que davam sequência ao Rio das Pedras Redondas, conhecido por suas pedras esculturais e lisas de águas cristalinas e mansas… Que daria um belo cartão postal! O marido Rodrigo, estava quase sempre viajando a trabalho… Sheila, que adorava cão, pede para Rodrigo adotar um para faze-lhe companhia na sua ausência a trabalho, mas Sheila tinha um segredo adormecido… Passando a ensinar e manter relações sexuais com Rex um pastor alemão enorme, na ausência de Rodrigo, Sheila adorava sexo e era quase insaciável… Porém, as coisas tomam proporções incontroláveis, por um acaso seu segredo é descoberto por Rodrigo numa manhã no rio… Rex enlouquece fugindo pela mata escorraçado por Rodrigo e retorna para se vingar, sedento por sexo e sangue, aterrorizando os moradores da pacata Cidade de Brejo da Mata, Sheila revelaria ter outros desejos, por trás daquele rosto angelical. Este thriller tem um final inusitado, surpreendente, uma história com ‘suspense’, mortes, romance e muito sexo… Obs.: Desaconselhável para menores de 18 anos Deixe a história viver em sua mente, como vive na minha. Roberto Ornelas


Erótico Para maiores de 21 anos apenas (adultos). © Todos os direitos reservados

#lesbicas #traição #aduterio #zoofilia #sexo #tara #cão #Rex
0
1.0mil VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todas as Quartas-feiras
tempo de leitura
AA Compartilhar

Paixão Animal Primeiro Capitulo


A casa de Sheila e Rodrigo dentro da mata

Rodrigo e Sheila estavam casados a quase cinco anos, não tinham filhos, moravam em uma casa confortável distante alguns quilômetros da cidade, um lugar com muito verde e silencioso, um riacho e uma pequena cachoeira próxima era o som natural, misturando com os cantos dos pássaros, por ser muito deserto Sheila que gostava de cão desde sua infância convenceu Rodrigo a adotar um filhote de pastor alemão que cresceu rápido, com liberdade e muito carinho por Sheila, sendo sua segurança particular.


Rex era muito esperto, grudado em Sheila, fazendo companhia na ausência de Rodrigo a serviço da empresa onde trabalhava, era coordenador geral de projetos e contratos, Sheila desistiu dos estudos para ser dona de casa, era uma morena muito bonita, corpo sensual e muito fogosa, aonde passava chamava a atenção dos homens.


Rodrigo gostou de sua decisão dela de ficar em casa, dando um tempo nos estudos e trabalho, se dedicando a casa e ao casamento, trabalhando na rua, iria lhe dar bastante dor de cabeça com os assédios masculinos no trabalho e faculdade, não que não confiasse na esposa, mas não queria imaginar sua esposa sendo cortejada, era apaixonado por ela. Mas as coisas não estavam muito bem com eles, a rotina e a ausência de Rodrigo por vários dias, às vezes semanas culminavam com as brigas frequentes e as cobranças eram inevitáveis, a ponto de falarem em separação, ainda mais que Rex o mordeu em defesa de Sheila em mais uma discussão calorosa.


— Veja! Ele me mordeu Sheila — Rodrigo mostrar o braço com um pequeno arranhão.

— Saia Rex, vá deitar. — Sheila fala com calma com Rex , que atende e corre para o quintal.

— Acredito que vou para um hotel na cidade Sheila, vou deixar você esfriar a cabeça. — Rodrigo fala indo para o quarto pegar algumas roupas e coloca na mala.

— Pode ir… — Sheila sai da casa correndo chorando para rua, com Rex atrás acompanhando.


Rodrigo resolveu fica na cidade em um hotel por alguns dias depois daquele episódio, porém, tinha se passado mais de dez dias. Decidiu então dá um basta naquela situação, amava a esposa e queria reconquistá-la.


Em um sábado pela manhã, saiu do hotel cedo, rumo a casa em sua Pagero prata, após trinta e cinco minutos avistou a casa, o Jipe vermelho de Sheila estava lá, sinal que estava em casa, estacionou o carro, desceu devagar, os últimos acontecimentos, veio ao pensamento:


— Você só pensa em trabalho e dinheiro Rodrigo, sou jovem, meu sangue ferve nas veias, quero sair, dançar, ir ao cinema, quero viver… Gosto daqui, mas estou ficando entediada. — Ela desabafava.


Rodrigo tentou esquecer estas e outras palavras de Sheila, respirou fundo e subiu a escada da varanda. A porta da casa estava entre aberta, entrou olhando tudo, estava como deixou, procurou nos cômodos e não a encontrou, foi no fundo da casa, viu a casa de Rex com o portão aberto.


Andou até lá e para sua surpresa encontrou a aliança de Sheila jogada no chão perto do portão, pegou colocando no bolso e saiu a procura dela, deveria estar por perto, talvez estivesse no rio se banhando, o dia estava lindo para um passeio, pensou.


Andou quase quinhentos metros e entrou em um atalho pela mata que daria em uma cachoeira deserta, lugar que Sheila adorava, e que algumas vezes ficou a vontade com ela. Muitas árvores, rochedos e montanhas faziam parte da paisagem, o sol entre as árvores dava um tom todo especial e, ao mesmo tempo, meio sinistro, ouviam-se os cantos diversos dos pássaros e o barulho contínuo das águas descendo pelo riacho, ele ouve a voz de Sheila.


— Venha Rex, venha brincar comigo, estou aqui. — Sheila falava alto, quase gritando.


Os latidos de Rex ficavam mais nítidos, e se ouvia a voz de Sheila com mais nitidez, estavam por perto, andou mais rápido em direção dos latidos com ansiedade, abriu os galhos dos arbustos em sua frente com as mãos, foi espetado por um espinho, deu um palavrão e chupou o lugar ferido, avistou Sheila, e não acreditava no que estava vendo, esfregou os olhos, mas era tudo muito real.


Sua esposa estava de quatro em cima de uma esteira e Rex a lambia com maestria, e extrema habilidade, ela se empinava para dar mais vasão a sua língua enorme. Rodrigo pasmo olhava a tudo com raiva e, ao mesmo tempo, ficou excitado, continuou observando aquela cena incomum, inusitada, quase paralisado, anestesiado era a palavra ideal.


Sheila pegava a pata do animal e o puxava para cima dela, Rex sobe em suas costas com extrema facilidade e tenta desenfreadamente penetrá-la em vão, ela o puxa mais um pouco e ai sim! Rex, fogoso ajusta suas patas em suas coxas e acoplar seu órgão uma, duas vezes, fica enfiando no entra e sai cadenciado, delicioso, Sheila se virava toda para vê Rex lhe possuído, parecia bem acostumado com aquela situação, tanto ela como aquele cão desgraçado, Rodrigo quase morria de raiva.


A mulher estava delirando recebendo o membro vermelho de Rex na sua vagina toda molhada, era um membro enorme e grosso, por isso Rex a defendia tanto, ele nunca gostou mesmo daquele cão, Rodrigo pensava com raiva mortal.


— Vamos Rex! Vamos meta toda garoto. Sheila pedia para possuí-la, Rex enterra tudo na sua vagina, obedecendo a sua dona – Isso garotão, enfie mais, goze dentro Rex… isso, aiiiii, vamos Rex. Ela incentivava, instruindo o animal, que fazia sua vontade, acelerando as estocadas.


— Isso garoto, muito bom. Rex, aprendeu direitinho como se faz, assim aí, devagar garoto, vai me arranhar toda, isso.


Sheila adorava controlar e incentivar o cão, que parecia enlouquecer com suas palavras, metendo com toda rapidez que podia. Rodrigo se aproxima devagar, Rex sente a sua presença, rosna mostrando seus caninos afiados, mais não para de penetrá-la, continuava no coito rápido e selvagem, no tira e bota endiabrado, querendo gozar de qualquer jeito e goza muito, como sabendo bem o que estava fazendo.


Sheila se vira devagar satisfeita de prazer e vendo Rodrigo em pé aos uns seis metros, ela estava se deliciando ainda de prazer, meio sem jeito esboça um sorriso, estava nervosa e envergonhada, Rodrigo é tomado pela raiva e tesão, ela tira Rex de cima delicadamente que ainda lambia o esperma que escorria de suas pernas.


Ela acaricia e beija a cabeça do animal. - Bom menino, fez um bom trabalho, agora vá passear - Ela diz baixinho para Rex, dando um petisco para ele. Rex rosna mais uma vez para Rodrigo e entra na mata parecendo alegre, latindo alto,


Sheila levanta-se e vai ao riacho tomar banho, Rodrigo continua em pé se refazendo da cena, olhava para os lados, tentando achar uma explicação para tudo aquilo e se tinha alguém por perto olhando, sem saber o que fazer ou dizer, coloca as mãos na cabeça, mas estava só com sua esposa devassa.


Sheila retorna maravilhosa do rio, linda e gostosa, sacode a esteira deixando sua bela bunda morena ser admirada propositadamente e deita-se a luz do sol, que faz ressaltar ainda mais seu corpo moreno com as gotículas de água brilhantes que deslizava pelos seus seios duros, com marca de biquíni, ela estava nervosa, apreensiva, mais fez de conta que não estava acontecendo nada, Rodrigo não era um homem violento.


Rodrigo não aguenta ver a esposa nua, mostrando seu corpo lindo e desejado, cai de joelhos a sua frente e abri as pernas dela devagar, Sheila olha e permite, meio desconfiada, Rodrigo abri o ecler da bermuda, pula para fora um pênis monumental rígido, ele deita em cima de dela que olhava para aquele membro enorme e viril, ela se abri um pouco mais para receber aquele torpedo, que encontra o alvo rapidamente.


Rodrigo fode gostoso, misturando muita raiva e paixão, ela delira, gritando ao receber o varão por inteiro, ouve-se um rosnado, um uivo ensurdecedor, era Rex que tinha voltado com os gritos de prazer de Sheila, olhava para os dois, late uma, duas vezes.


— Saia daqui a seu desgraçado, eu te mato, se você aparecer de novo, eu te mato... — Rodrigo gritava jurando Rex, Sheila não disse nada, observando Rex, que tinha um olhar estranho.


Rex percebe que não teria mais espaço para ele naquele lugar, desaparece na mata uivando feito louco. Rodrigo pega a aliança no bolso da bermuda e coloca no dedo de Sheila sem dizer nada, ela o olha com espanto e certo remorso, Rodrigo a põe de quatro devagar, Sheila se vira sem recusar e é penetrada, recebendo em sua anca morena a rola de Rodrigo mais uma vez, que goza em abundância feito louco em sua bunda, seria mais raiva que prazer, goza no seu...


Rodrigo estava uivando feito um cão, um animal ferido, marcando o seu território, ainda se ouve distante o uivo de Rex que perecia responder e entender o que estava acontecendo.

Ele termina seu coito animal.


13 de Janeiro de 2021 às 16:22 0 Denunciar Insira Seguir história
1
Leia o próximo capítulo Paixão Animal Segundo Capítulo

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 5 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!