teffychan Lilith Uchiha

Durante a festa de Natal da classe, Naruto decide se declarar para o rapaz por quem é apaixonado há três anos. E para conseguir fazer isso seus amigos resolvem dar um empurrãozinho. O problema é que esse pequeno empurrão acaba se tornando um desastre quando Naruto acaba ficando ébrio e Sasuke não sabe se deve acreditar na declaração.


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 18 apenas. © Todos os direitos reservados.

#christmas #yaoi #naruto #sasuke #narusasu #sasunaru #homossexualidade #natal #colegial #universoalternativo #sns #álcool #anonovo
8
2.8mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo 1 – Natal

Notas Iniciais:

Essa é uma twoshot especial de fim de ano. Este capítulo é narrado pelo Sasuke.

Feliz Natal para todos!


________________________________



Eu observava em um canto da enorme sala o quanto meus colegas aproveitavam ao máximo a noite de hoje. Essa é a última festa de Natal que teremos juntos. Já estamos no terceiro ano, logo iremos nos formar e estudar em lugares diferentes. Todos querem apreciar ao máximo o tempo que ainda possuem juntos, em todas as datas comemorativas.

Esse foi um dos motivos que me convenceu a vir a esta festa de Natal (mal) organizada por Naruto e Kiba. Lhes sobrava empolgação, mas eram desajeitados demais. Se Sakura não tivesse ajudado com a comida e Ino com a decoração, tenho certeza de que ideia para a festa não teria saído do planejamento.

— Foi ótimo você ter vindo hoje, Sasuke! Sua família sempre viaja durante os feriados, achei que seria igual nesse ano — Naruto comentou sorridente ao meu lado.

— Meus avós vieram passar as festas de fim de ano conosco, por isso ficamos na cidade — expliquei.

É claro, também havia isso… ou melhor, ele. O outro motivo de eu ter vindo até essa festa. Nunca fui muito sociável, mas era meu último ano no colégio então eu quis vir, mesmo não sendo muito próximo de ninguém em particular. Mas com Naruto… era tão fácil conversar com ele. Naruto era alegre e espontâneo, mas parecia sorrir ainda mais quando estava perto de mim. O que era um pouco estranho, pois éramos completamente opostos.

— E você, Naruto? Não quis passar o Natal com sua família?

— Ah, todos os anos a turma se reúne para comemorar o Natal então meus pais já estão acostumados — Naruto contou — Kiba e eu ficamos encarregados de preparar a festa esse ano, mas Sakura e Ino ajudaram.

— Pelo que eu ouvi dizer elas cuidaram de quase tudo — ergui uma sobrancelha.

— Bem, elas ajudaram bastante — Naruto riu sem graça — A família da Ino tem uma floricultura, mas também tem outros tipos de plantas lá, por isso pedimos algumas para a decoração — ele apontou para o teto da sala, onde havia viscos pendurados por toda parte.

— Agora entendi de onde veio todo esse visco .

— Ei, Sasuke… você não acha o Natal uma data romântica?

— O que?

— Bem, é que… muitos casais se declaram no Natal, não é? — Naruto comentou como quem não quer nada, mas era óbvio que tinha segundas intenções. Começava a se balançar na ponta dos pés para frente e para trás — E também tem aquela velha tradição… de duas pessoas terem que se… beijar… quando estão debaixo de um visco, sabe? — o rosto dele corou tanto enquanto tentava formar a frase que estava parecendo um tomate.

— Conheço a tradição — respondi, me perguntando se ele estava mesmo tentando chegar aonde eu pensava ou se era apenas um delírio da minha cabeça — Então foi por isso que pendurou visco por todos os lados? Naruto, por acaso você…

— Eu… eu vou pegar algo para a gente beber! — Naruto gaguejou e saiu correndo, o rosto mais vermelho do que era humanamente possível.

Suspirei, frustrado por não conseguir concluir a frase. Eu sabia que aquilo era apenas uma desculpa esfarrapada e que Naruto não iria voltar com bebida nenhuma, então me joguei em um canto do sofá, pensando no que ele havia dito.

Aquilo não tinha sido uma declaração, não é? Pelo menos não completamente… eu precisava responder àquilo? Ou eu talvez só estivesse imaginando coisas e na verdade Naruto havia reunido todo esse visco para tentar incentivar alguém a se declarar por causa da tradição. Céus, quem seria idiota o suficiente para beijar outra pessoa porque está debaixo de um visco e usar isso como motivo para se declarar?

Bom, acho que Naruto seria.

Antes que conseguisse chegar a alguma conclusão, meus pensamentos foram distraídos por uma pequena algazarra que começava a se formar no centro da grande sala, onde estava a mesa com comidas e bebidas.



— Não sei se é uma boa ideia…

— Não é uma boa ideia, é uma ótima ideia! — Kiba exclamou — Escute aqui: Nós armamos essa festa especialmente para isso e você falhou miseravelmente. Não vou permitir que tudo isso tenha sido em vão — falou em tom de censura — Seu plano careta não deu certo, então vamos tentar do meu jeito.

— Não é careta, é romântico! — Naruto protestou — E eu não sei como isso pode me dar coragem — acrescentou.

— É só para te ajudar a se soltar um pouquinho — Kiba deu uma piscadela — Quer ficar com ele ou não?

— Você sabe que sim! Eu só… estou esperando o momento certo para contar…

— Você está adiando isso há três anos — Shikamaru observou — Desse jeito iremos nos formar e você vai perder sua chance.

— Isso nunca! — Naruto exclamou, parecendo assustado com alguma coisa. Em seguida pegou um copo que estava em cima da mesa, encheu com o ponche e bebeu tudo de uma vez. Tossiu um pouco, fazendo Kiba rir.

— Assim é que se faz! Saúde! — Kiba pegou um copo também e brindou com Naruto, que já ia para o segundo.



— Essa não — ouvi Shino dizer ao meu lado, sobressaltando-me um pouco. Ele era quase tão calado quanto eu, mal notei sua presença ali — Mas que droga, ele está fazendo de novo.

— O que houve?

— Esse péssimo hábito do Kiba beber demais… sempre acaba dizendo bobagens para as pessoas. Ou convencendo elas a fazer bobagens — Shino levantou-se — Preciso ir dar um jeito no Kiba antes que ele acabe estragando a festa.

Shino caminhou até aonde Kiba estava e começou a tentar afastá-lo do ponche, com alguma dificuldade. Observei os dois por um momento, pensando que duas pessoas opostas talvez combinassem afinal.

Mas que droga eu estou pensando?

É por isso que não gosto de festas. Além de precisar interagir com as pessoas mais do que o normal, me faz pensar em coisas que costumo deixar em segundo plano. Levantei e fui para um canto mais afastado, tentar esfriar a cabeça. Não queria pensar nessa história de opostos, nem visco, muito menos na conversa constrangedora que ouvi de Naruto…

— Sasuke…

— Naruto? — me sobressaltei ao escutá-lo chamando meu nome. Ele caminhava na minha direção e parecia um pouco tonto — Você está bem?

— Estou ótimo — Naruto riu. As bochechas estavam levemente coradas — Por que você está aqui sozinho? Venha beber um pouco de ponche comigo — ele segurou minha mão e tentou me arrastar de volta para a sala.

— Acho que você já bebeu ponche suficiente por hoje — afastei a mão dele gentilmente — Talvez seja melhor você voltar para casa, está embriagado. Quer ajuda para voltar?

— Ah Sasuke, você é tão cavalheiro… é por isso que eu te amo! — Naruto atirou os braços ao redor do meu pescoço, me abraçando com força. Não parecia pensar no que falava ou fazia devido ao seu estado ébrio, mas aquela simples frase fez meu coração dar um salto. Naruto estava falando sério? Ou era a bebida falando por ele?

— Naruto… o que foi que disse?

— Olha, Sasuke. Visco — Naruto apontou para o teto acima de nós, mas, antes que eu pudesse ver se havia mesmo ou não algum visco ali, ele me segurou pelo queixo e me beijou.

Demorei um instante para processar o que acontecia. A mão de Naruto segurando meu queixo com firmeza apesar da embriaguez enquanto os lábios se moviam desajeitados contra os meus. A intenção de Naruto era óbvia, mas ele não sabia o que estava fazendo, ou pelo menos não sabia como fazer. A outra mão, que abraçava meu pescoço, começava a enroscar os dedos no meu cabelo, mas ele não era tão comprido para isso então os dedos de Naruto sempre escapavam. E vez ou outra ele prensava os lábios contra os meus, como um pré-adolescente aprendendo a beijar.

Eu sentia vontade de fazer muitas coisas naquele momento. De rir da tentativa frustrada dele de me agarrar. De afastá-lo, eu sabia que precisava fazer isso, Naruto estava fora de si afinal. Mas também sentia vontade de continuar… ah, essa maldita vontade de corresponder aos toques desajeitados dele… era impossível resistir.

Passei a língua pelos lábios de Naruto, fazendo com que ele parasse de prensá-los contra os meus e os abrisse. Mal o fez e invadi sua boca com a língua, sentindo o sabor do ponche do qual ele havia bebido mais cedo.

Eu sabia que ele só estava agindo assim porque bebeu ponche demais. Eu era o único sóbrio ali, precisava parar, mas parecia uma missão impossível. Meu corpo correspondia naturalmente às carícias dele. Eu o fazia gemer e sabia muito bem que não era de desconforto. E droga, como aquilo me deixava satisfeito!

Quando ficamos sem ar me afastei dele apenas o suficiente para poder encará-lo nos olhos. Naruto estava com as bochechas mais coradas do que antes e ofegava tanto quanto eu.

— Você sabe que não podemos fazer isso, não é, Naruto? — comentei, encostando a testa contra a dele.

— Por que? Você não gostou? — ele me olhou de volta. Parecia um filhotinho fofo carente por afeto. Céus,como era difícil resistir.

— Não é isso — acariciei a bochecha dele — Você está bêbado. Não está pensando direito e pode se arrepender disso amanhã…

— Eu não vou me arrepender! — Naruto me interrompeu — Sasuke, eu quero isso já faz tempo!

— Naruto, eu estaria me aproveitando de você se fizesse algo com você nesse estado…

— Então se aproveite de mim! — Naruto exclamou, fazendo com que eu recuasse um passo tamanho foi o choque — Pode me beijar, me agarrar… pode até tirar minha roupa se quiser! — para minha surpresa ele mesmo tirou o próprio casaco, ficando só de camiseta. Segurei seus pulsos antes que ele tirasse o resto.

— Naruto, para com isso! Eu não vou tirar a sua roupa! — sibilei, preocupado que alguém pudesse nos ver.

— Ah, tudo bem. Podemos fazer isso depois — Naruto deu de ombros — Mas fica comigo, Sasuke. Por favor — ele apoiou a cabeça no meu ombro. Eu não sabia o que fazer. Como poderia considerar aquilo uma declaração com Naruto naquele estado de ebriez?

Antes que pudesse chegar a alguma conclusão senti algo molhado no meu pescoço. E então a gola do meu suéter foi puxada para baixo e percebi que era a língua de Naruto passeando pela minha pele.

— Para com isso Naruto… — o pedido era contraditório, visto que eu tinha virado a cabeça para que ele tivesse maior acesso ao meu pescoço. Droga, por que aquilo era tão bom?

— Mas a sua pele tem um gosto tão bom… eu não quero parar — Naruto tinha subido em direção à minha orelha — É tão macia que dá vontade de morder.

— Naruto, não me provoque…

— Mas essa é a intenção — Naruto riu maldosamente e assoprou de leve no meu ouvido.

Chega. Isso é demais para mim. Eu tentei resistir. Tentei fazer a coisa certa, de verdade. Mas até as pessoas mais contidas possuem um limite e Naruto acabou de destruir o meu.

Eu o segurei pela cintura com ambas as mãos inverti nossas posições, prensando-o contra a parede e uni nossos lábios novamente. Dessa vez foi Naruto quem demorou para reagir. Tudo que conseguia fazer era soltar gemidos enquanto nossas línguas se misturavam. Me perguntei se estava exagerando, até que senti ele atirar os braços ao redor do meu pescoço outra vez me puxar para mais perto. Bem, se ele estava de acordo com isso então eu não ia me conter. Não depois de ele ter me provocado tanto.

Deslizei as mãos pelo corpo dele sem pressa, apreciando a musculatura, agora mais evidente por baixo da camiseta fina. Nunca havia prestado atenção em como ele era forte. Apertei de leve as laterais do corpo, arrancando-lhe um gemido baixo e recebendo de volta um puxão de cabelo. Aparentemente Naruto tinha gostado muito do meu cabelo.

As mãos escorregaram de volta para a cintura. Isso está ficando perigoso… eu não posso exagerar. Não deveria nem estar fazendo isso. Fiz um esforço enorme para me afastar dele. Naruto soltou um muxoxo decepcionado.

— Já está sem ar? — ele perguntou.

— Não, não é isso.

— Está preocupado comigo? — Naruto arriscou — Eu aguento!

— Naruto… estou preocupado, mas não é por isso — passei a mão pelos cabelos bagunçados — Eu não devia estar fazendo essas coisas com você bêbado desse jeito.

— Por que? Você parecia estar gostando — ele se aproximou devagar, me fazendo desviar os olhos. Eu estava mesmo gostando, não podia negar isso.

— Sim, mas… isso é errado — expliquei novamente — Você está confundindo meus sentimentos. Você diz que me ama, mas eu não sei se é verdade ou se só está dizendo isso porque está bêbado. E, se for por causa do ponche… eu estaria me aproveitando de você, e não quero fazer isso. Entendeu?

— Entendi — Naruto balançou a cabeça, muito sério. E de repente segurou minha mão, voltando a sorrir — Nesse caso é só você beber ponche também!

— O que?

— Bem, você disse que não quer se aproveitar de mim porque eu bebi ponche demais… mas, se você beber também então nós dois ficaremos bêbados! Daí não terá problema. Certo?

— Você é inacreditável — não consegui evitar de rir. E então segurei seu rosto com a mão livre — Não é o ponche que eu quero.

— Mas Sasuke…

— Eu espero mesmo que você não se arrependa disso amanhã — tomei seus lábios novamente e dessa vez Naruto correspondeu de imediato. Finalmente havia pegado o jeito da coisa, embora ainda me deixasse conduzir o beijo. Na verdade estava tão entregue em meus braços que provavelmente me deixaria fazer qualquer coisa. Céus, como ele podia ser tão irresponsável?

Mas talvez não fosse só a bebida falando. Definitivamente havia luxúria em suas ações, mas eu também podia notar gestos de carinho na forma como ele me abraçava ou em como variava entre acariciar meu cabelo e puxá-lo de repente.

Mas o que eu sentia? Era tanta coisa acontecendo. Ainda restava uma pontinha de culpa lá no fundo por agarrar Naruto enquanto estava embriagado. Mas o prazer fazia valer a pena. Não consegui resistir em adentrar a barra da camiseta dele com as mãos e tocar seu abdômen, fazendo-o suspirar. Cada reação dele fazia meu coração bater mais forte, meu rosto esquentava a cada novo toque. Naruto estava bêbado por causa do ponche e eu estava ébrio por causa de Naruto.

Naruto não era o único que não podia se arrepender amanhã. Torcia para que eu não me arrependesse também.



_______________________


Notas Finais:

Essa história também foi postada no Nyah! Fanfiction e no Spirit.





24 de Dezembro de 2020 às 03:11 2 Denunciar Insira Seguir história
3
Leia o próximo capítulo Capítulo 2 – Ano Novo

Comente algo

Publique!
merida790 Oliveira merida790 Oliveira
Ammmmeeeiiiii ♥️♥️♥️♥️ Essa história salvou meu dia 😄😁 Ansiosa pro próximo capítulo 🤩🤩🤩
December 24, 2020, 13:44

  • Lilith Uchiha Lilith Uchiha
    Oi! Muito obrigada! Fico feliz por ter animado seu dia <3 O próximo deve sair perto do ano novo^^ Kissus e feliz Natal! Obrigada por comentar^^ December 24, 2020, 14:01
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 1 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!