Novo app: Inkspired Writer! Escreva, publique e gerencie suas histórias no seu celular!!. Leia mais.
B
Bereu Chan


Mais uma vez estou aqui, a frente dessa mansão sombria, descendo de uma limusine negra para vê-lo, o grande chefe da máfia: Itachi Uchiha. Eu tento me esquecer dele, arrumar outro alguém, mas não consigo viver longe de seus olhos cor de ônix, de sentir seu cheiro, o sabor de seus beijos e o calor de seu corpo...


Fanfiction Para maiores de 18 apenas.

#romance #itasaku
Conto
0
677 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Louco amor

Mais uma vez estou aqui, a frente dessa mansão sombria, descendo de uma limusine negra para vê-lo, o grande chefe da máfia: Itachi Uchiha. Eu tento me esquecer dele, arrumar outro alguém, mas não consigo viver longe de seus olhos cor de ônix, de sentir seu cheiro, o sabor de seus beijos e o calor de seu corpo.

Desci da limusine, lentamente. Olhava para o enorme portão de cor negra — Itachi ama cores escuras. Seu mordomo — e capanga também — veio me receber pessoalmente.

— O meu senhor a espera, senhora Sakura.

Disse num tom sério, após inclinar um pouco o corpo pra mim, com o braço dobrado e apoiado em seu peito.

— Muito obrigada, senhor Kisame.

Sorri para ele, tentando ignorar o “senhora”. Não gosto muito de ser chamada desse jeito. Porém, se algum deles me chamar apenas pelo meu nome, esse alguém poderá amanhecer com a boca cheia de formigas.

— Siga-me, madame.

Sorri com a cara engraçada que ele fez. O Kisame sabe que não gosto muito de ser chamada de senhora, que ainda aceito o madame.

O segui, e ele foi me guiando até o quarto do meu moreno. Enquanto não chegávamos, eu ia admirando a enorme quantidade de quadros que ele coleciona. Mesmo vindo um pouco com frequência, não consigo deixar de babar por eles.

Ao chegar à frente do quarto dele, o Kisame bateu três vezes, sequentemente, logo em seguida, ouvi a voz do Itachi dizendo: “mande-a entrar”. Com o pedido dele, Kisame se afastou e eu abri a porta, me deparando com uma visão maravilhosa: meu gostoso só de calça, deitado sobre a cama e com um dos joelhos dobrado. Ele estava sem camisa, com o braço direito sobre a cabeça, e estava me olhando de um jeito sexy.

Sorri e logo em seguida fechei a porta.

— Vem, delícia!

Bateu na cama, me olhando de um jeito mais sexy do que já estava. Fiquei vermelha na hora.

Fui me aproximando dele, lentamente, só pra provocá-lo.

— Se você quiser, tenta me pegar, querido. — falei num tom brincalhão e ele riu de volta. — O que foi? Tá com medo de passar vergonha, senhor Itachi?

Ri da cara que ele fez.

— Você vai ver...

Se levantou, fazendo-me ficar louca com a visão maravilhosa de seus músculos.

— Passou longe! — eu disse, ao desviar dele. — Tá me decepcionando, Itachinho.

Fiz cara de descontentamento com ele, enquanto balançava a cabeça, negativamente.

Tcs!

Rosnou de raiva. Ele odeia quando alguém zomba dele. Se fosse outra pessoa, iria se arrepender amargamente disso.

— Ah!

Gritei, ao ser pega por ele. Ele me olhou, dando um sorriso de canto, e logo sem seguida me jogou bruscamente na cama.

— Agora, você vai ver que ninguém zomba de Itachi Uchiha!

Deu um sorriso de canto, enquanto desabotoava o botão de sua calça.

— Nossa! Que punição mais severa. — brinquei, me deliciando com a visão de seu membro, sendo espremido em sua cueca. — Vem, senhor Itachi. — fiz cara de safada. — Venha me punir com esse garanhão. — eu fitava o pênis dele. Ele riu e subiu na cama.

— Sabe o que eu mais gosto em você? — murmurou em meu ouvido. — Esse seu jeito safado. — lambeu o lóbulo do meu ouvido e posteriormente o mordeu.

— Ah!

Gemi ao contorcer o meu corpo para trás. Fico extremamente excitada quando ele faz isso.

— Bandida!

Voltou a murmurar. Ri com o comentário dele.

— Olha quem fala... — sussurrei em seu ouvido, após ter o virado e ficado por cima dele. — O sujo falando do mal lavado. — inclinei meu corpo para frente, encostando-o ao dele. Em seguida, fui lambendo seu queixo até chegar ao seu lábio inferior, onde dei uma pequena mordiscada. Coloquei minha língua entre seus lábios, pedindo passagem para abrir. Fui invadindo com a língua, fazendo-a dançar com a dele, numa sincronia perfeita. — Como você é gostoso.

Falei, após cessarmos nosso beijo. Pude ver um fio de saliva ficar em seus lábios, e o lambi sem pensar duas vezes, enquanto rebolava sobre o seu membro, que começou a ficar mais rígido com o ato.

— Ah!

Arfou, após eu ter dado uma grande rebolada sobre ele.

— Você gosta disso, né, safado?

Perguntei, com a boca encostada ao seu ouvido. Enquanto isso, eu coloquei uma mão em cada coxa e fui retirando o meu vestido, lentamente. Ao chegar à parte da cintura, afastei meu corpo do dele, para poder tirá-lo por completo.

— Que bela visão.

Olhava para meus seios, que estão descobertos. Eles não são muito grandes, mas dão pra quebrar o ganho, se é que vocês me entendem.

— Tem uma que você irá amar...

Fui levando a mão dele até minha intimidade que estava coberta por uma calcinha preta, de renda. Coloquei a mão dele sobre ela e fui mexendo-a, fazendo-o alisá-la.

— Eu sempre amo qualquer parte do seu corpo.

Comunicou, após ter inclinado o corpo para frente. Ele olhava fixamente os meus olhos enquanto falava com o rosto colocadinho ao meu.

Beijei-o, e voltei a rebolar sobre o seu pênis.

— Ah!

Me assustei um pouco após ele ter me virado bruscamente, para ficar sobre mim. Encarei-o um pouco aborrecida. Itachi é muito bom de cama, o problema dele é que, muitas vezes, ele é um pouco brusco.

— Desculpe-me, te machuquei?

Ficou sobre mim, com o rosto colocado ao meu. Ele percebeu que eu tinha ficado um pouco enraivecida.

— Um pouco. — comentei, alisando de leve o meu braço direito. — Então... — comecei a falar fininho. Ele começou a rir, pois sabe que, quando eu começo a falar assim, é pra pedir algo pervertido. — Vou querer que você brinque comigo... — encostei meus lábios no ouvido dele. — Al-ge-mas, chi-co-te e lu-bri-fi-can-te — começou a sorrir.

— Eu não tenho nada disso aqui. — sorrindo de leve. — Com exceção do lubrificante.

Olhou-me com a cara de pervertido.

— O que você faz com um lubrificante?

Ergui uma sobrancelha, enquanto o fitava, desconfiada. Só falei aquelas coisas brincando. Eu não sabia que ele realmente tinha um, e se ele não usa em mim, então, em quem será?

— Nada de errado. — me beijou, ao ver que o fitava com os olhos semicerrados. — Ele tá cheinho. Só comprei para caso um dia seja necessário. — seus olhos me devoravam, carregados de perversão.

— Jamais você precisará dele. — afirmei séria. — Estou de olho, senhor Itachi Uchiha. — espremi um pouco os olhos. — Se você me trair, bolas irão rolar! — falei com tom de ameaça, enquanto o olhava com um olhar de “bad boy”.

— Só espero que não sejam as minhas.

Deu um enorme chupão em meu pescoço. Gemi, cravando minhas unhas em suas costas.

— Itachi! — voltei a gemer. Sua língua foi descendo até chegar ao meu mamilo direito, onde ele lambeu, em movimentos circulares, mordiscando logo em seguida. — Ah! — apertei suas costas ao voltar gemer. Sua língua dançando em meu mamilo direito, sua mão movimentando o meu esquerdo, em movimentos circulares, está me deixando alucinada. — Embaixo... — falei manhosa, empurrando a cabeça dele pra baixo para que ele “brincasse” com minha intimidade.

— Seu desejo é uma ordem.

Riu, percorrendo meu corpo com a língua até chegar até ela.

— Ah! — me contorci ao sentir um enorme chupão que ele deu nela por cima da calcinha. Suas mãos foram para as minhas coxas, segurando-as com força. — Mais! —coloquei as duas mãos sobre a cabeça dele, empurrando-a contra minha vagina. Sua língua começou a dançar sobre o meu clitóris, por cima da calcinha, deixando-me mais excitada. — Tira-a. — mandei, colocando a mão sobre ela. Ele sorriu e atendeu o meu perdido — ou ordem, se desejar. — e a retirou rapidamente.

— Você prefere sem isso, não é, sua safada? — rodou minha calcinha e depois o levou até o rosto, cheirando-a após fechar os olhos. Após isso, ele abriu-os, lentamente, me encarando com cara de safado. — Cheiro que não me canso de sentir. — comentou, jogando-a no lado direto da cama. — Agora, vou continuar de onde parei!

Um enorme sorriso ficou estampado em meus lábios.

— Ah! — abri mais as minhas pernas, puxando sua cabeça pra minha intimidade. Queria que a língua dele se movesse mais com facilidade em minha vagina, para que me desse mais prazer. — Mais rápido, Itachi! — continuei a puxar. Enquanto isso, eu movimentava meus quadris pra cima e pra baixo.

— Vá com calma! — disse, após tirar as minhas mãos de sua cabeça. — Morrer asfixiado em uma vagina até que seria uma ótima morte, mas ainda sou muito jovem pra isso. — me olhou de um jeito pervertido. — Então, se contenha, ok? — fazendo-me ficar extremamente vermelha.

— Idiota! — berrei, virando o rosto para o lado direito.

Ele não precisava ter feito esse comentário.

— Sou idiota, mas você me ama. — dito isso, virei o meu rosto pra fitar o dele.

— Ah! — me contorci ao sentir sua língua novamente na minha intimidade. Voltei a colocar as minhas mãos sobre a cabeça dele, porém com cuidado, pra não voltar mais a puxar demais contra a minha vagina. — Itachi!

Eu rebolava. Quero aproveitar cada segundo com ele, já que amanhã, irá viajar e só voltará daqui a quinze dias.

— Agora eu vou lhe dar uma coisa muito melhor pra você gemer.

Disse, após levantar a cabeça. Ele se aproximou mais de mim, e logo em seguida colocou a cabeça do seu membro sobre a entrada da minha intimidade e começou a roçar.

Quando foi que ele retirou a cueca?

— Enfia logo, Itachi! Enfia logo!

Balancei meu corpo, enquanto pedia de um jeito manhoso. Queria logo o pênis dele dentro de mim, me fodendo com muita força.

Sim, eu sou safada mesmo.

— Quais são as palavras mágicas?

Perguntou malicioso, com um sorriso de canto estampado em seu rosto.

— Me fode logo, viado! — gargalhei após respondê-lo.

— Não eram bem essas palavras que eu queria ouvir... — falou entre os risos. — Mas essas servem também.

Me penetrou com força, fazendo-me dar um enorme gemido.

— Eu sei pedi com jeitinho, — puxei o corpo dele mais pro meu, depois de ter inclinado o corpo para frente. — não é?

— Sim, você sabe. — concordou com ironia, sem deixar de me penetrar.

— Eu sei que eu sei! — fui movimentando os quadris, fazendo uma sincronia perfeita com suas estocadas. — Não basta ser bonito e gostoso, tem que saber foder bem. — comentei em seu ouvido direito.

— Não se preocupe, isso eu sei muito bem.

Itachi foi fazendo movimentos de vai e vem que foi me deixando louca. A sensação de ter o pênis dele me invadindo e saindo, sucessivamente, me deixa em êxtase. Os quadris dele moviam para cima e para baixo, com bastante força, fazendo com que as estocada fossem mais fortes.

— Mais, mais! — balancei meu corpo. — Mais forte, Itachi. Mais fundo! — berrei entre os gemidos.

— Não posso ir mais forte e muito menos mais fundo que isso, sua louca.

Comentou risonho. Lacei sua cintura com minhas pernas e comecei a inclinar meu corpo para cima e para baixo para que o membro dele fosse mais fundo.

— Itachi! — virei o corpo dele, bruscamente, e segurei as grades da cabeceira da cama. Meus quadris iam pra frente e para trás, buscando mais prazer. — Mais, mais!

Fui aumentando os movimentos de vai e vem. Enquanto isso, senti as suas mãos segurarem os meus quadris e, sucessivamente, ele começar a dar estocadas ao mesmo tempo em que eu movimentava.

— Ah! — seu gemido é excitante. — Droga, Sakura! — vi seus olhos cerrarem. — Mais rápido! — pediu, fazendo um enorme sorriso estampar em meus lábios. Lambi meu lábio inferior enquanto o olhava de um jeito pervertido e, logo em seguida, fiz o que ele pediu. Fui movimentando com toda força e rapidez que eu podia. — Ai, delícia! — berrou alto após bater no meu traseiro.

— Assim mesmo, Itachi!

Inclinei o meu corpo para trás após ele aumentar as estocadas. O som safado que o pênis dele faz ao entrar e sair da minha vagina me deixa maluca.

— Eu quero mais.

Disse ao me virar. Senti seu pênis sair de dentro de mim e seu corpo se levantar. Imediatamente, ele se aproximou do meu traseiro e roçou seu membro na entrada da minha vagina por alguns segundos, e depois me penetrou mais uma vez, voltando a dar estocadas.

— Ah! — gemi ao ter seu membro me invadindo de uma vez. Amo quando ele faz isso, porém, só quando estou bastante molhada, claro. Quando não estou muito — coisa rara, já que geralmente, ele faz surgir uma cachoeira lá embaixo. — dói um pouco.

— Como você é gostosa. — Itachi foi aumentando freneticamente os movimentos.

— Itachi, eu vou gozar! — mordi meu lábio inferior e fechei os meus olhos. — Itachi! — joguei minha cabeça no travesseiro. Meu corpo estava ficando muito quente.

— Então goze!

Puxou meu corpo mais para o dele, sem deixar de me penetrar — a velocidade e a força que ele estava usando nas penetrações estavam me enlouquecendo. Depois de algumas estocadas, senti meu líquido quente vazar e meu corpo desabar sobre a cama.

— Ainda falta o seu dono.

Me puxou, deixando de lado, e voltou a me penetrar, enquanto que com a mão direita movimentava freneticamente o meu peito esquerdo. Após alguns minutinhos, o seu corpo desabou sobre o meu.

— Eu te amo, Itachi. — eu disse, e logo em seguida dei um pequeno beijo nele. Ele aproximou o rosto perto do meu e me olhou fixamente.

— Eu também.

Me beijou. Abri a boca, dando passagem para sua língua entrar. Depois de quase três minutos, nos separamos por falta de ar.

— Vou sentir muita a sua falta. — coloquei minha mão direita sobre sua cabeça e o fitei com ternura. — Vou contar com ansiedade os dias pra você voltar da viagem.

— Você não vai... — ergui uma sobrancelha e ele riu com o ato. — Porque você vai comigo, sua boba.

— Idiota! — abracei-o com alegria ao mesmo tempo em que laçava minhas pernas na cintura dele. — Muito obrigada. Muito obrigada. — comecei a roçar meu rosto no dele, enquanto algumas lágrimas de felicidade escorriam.

Eu estava muito preocupada por saber que eu iria passar vários dias longe dele, pois a viagem que ele irá fazer é muito importante, e um pouco perigosa. Pensava que ele não iria me levar de jeito nenhum.

— Não precisa agradecer, sua idiota. — encostou seus lábios no meu. — Que homem seria eu, se não levasse comigo a minha futura mulher?

Indagou, fazendo um enorme coro aparecer nas minhas bochechas. Meus olhos se arregalaram e meu coração acelerou ao escutar o que ele disse.

— O que foi que você disse?

Eu estava espantada, era como se eu tivesse ganhado na loteria, sem acreditar que fui eu mesma.

— Deixe-me ser mais especifico. — ele foi até o lado direito da cama, ainda permanecendo sobre mim, e abriu a primeira gaveta de um pequeno criado-mudo, cor branca, onde fica um pequeno abajur. Ele abriu, tirou uma pequena caixa preta, e a fechou logo em seguida. — Eu queria te pedir no seu restaurante preferido, mas eu não consigo esperar. — abriu a caixinha e me mostrou um lindo anel de brilhante, fazendo meus olhos ficar mais arregalados do que já estavam. — Sakura Haruno, você aceita se casar comigo?

— Você tá brincando, né?

Enxuguei algumas lágrimas. Estou com o Itachi há três anos. Jurava que esse dia jamais iria chegar; que só iríamos ficar nessa de sair pra motéis, restaurantes e pronto. Foi até uma surpresa quando ele começou a me levar pra casa dele há três meses.

— Eu jamais brinco! — sorriu. — E aí, aceita ou não? — perguntou num tom brincalhão.

— Claro que eu aceito! — o beijei enquanto as lágrimas ainda escorriam. Não acredito que finalmente iremos nos casar. Ele tirou o anel da caixa e colocou no meu dedo, fazendo meus olhos brilharem. — Eu te amo! — o beijei.

— Eu também te amo, minha pervertida.

Depois disso, ficamos agarramos por horas, até que finalmente resolvermos nos levantar da cama para tomarmos banhos.

Casar com Itachi — tudo que eu queria. Só espero que minha mãe não enfarte ao saber disso. Mas fazer o quê, se eu não consigo viver sem esse louco amor?

23 de Novembro de 2020 às 18:30 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Fim

Conheça o autor

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~