Novo app: Inkspired Writer! Escreva, publique e gerencie suas histórias no seu celular!!. Leia mais.
B
Bereu Chan


Alguns dias atrás, eu marquei para que o senhor Smith — chefe do Corpo de Bombeiros. — viesse hoje falar um pouco sobre sua profissão para os meus alunos. Porém ele teve uma emergência e tive que chamar nada mais e nada menos que meu irmão Dean. Não sei se fiz o certo, porém foi a única opção...


Fanfiction Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#Humor #sam-winchester #dean-winchester
Conto
0
667 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Meu irmão é um idiota

Alguns dias atrás, eu marquei para que o senhor Smith — chefe do Corpo de Bombeiros. — viesse hoje falar um pouco sobre sua profissão para os meus alunos. Porém ele teve uma emergência e tive que chamar nada mais e nada menos que meu irmão Dean.

Não sei se fiz o certo, porém foi à única opção.

— Olá, alunos! — cumprimentei-os; entrei na sala segurando meus livros que costumo usar para lecionar. Eles me cumprimentaram de volta, enquanto eu caminhava até o birô. Coloquei os livros sobre ele e fui até a frente do quadro negro, ficando à frente deles. — Como vocês sabem, eu tinha dito na semana passada que hoje viria o senhor Smith falar um pouco sobre sua profissão. — olhei sério para dois alunos que conversavam e eles pararam na mesma hora. — Porém, houve um imprevisto, então eu tive que chamar...

— Eu! — meu irmão me interrompeu, já invadindo a sala antes da hora que tínhamos combinado. — O cara mais lindo e gostoso em que todas as minas piram. — piscou para uma das alunas, que começou a sorrir, sendo seguida por outros alunos.

— Dean!

O repreendi.

— O que foi, Sammy?

Odeio quando ele me chama assim.

— Nada...

Engoli um pouco a minha raiva para manter minha compostura.

— Bom, me deixe me apresentar.

Se aproximou mais de mim e depois deu um passo para trás, se encostando ao quadro que eu me esqueci de apagar as tarefas dadas por mim na noite passada.

Sim, eu ensino de manhã e à noite.

— Dean, o quadro.

Me encarava confuso.

— O que tem o quadro? — indagou, se virando para fitá-lo. — Quem foi professor filho de uma puta que se esqueceu de apagar essa porra?! — ele resmungava, passando as mãos em suas costas para ver se limpava a tinta do piloto.

Eu não disse nada, apenas levantei o dedo indicador, e ele arregalou os olhos na mesma hora. Peguei em seu braço, pedi um minutinho aos alunos e o levei até a porta.

— Dá para não fazer esses comentários escrotos aqui, seu idiota?

— Eu não tenho culpa de você ter deixado aquela porra suja. — resmungou.

— Dean!

Fuzilei-o com um olhar mortal, e ele logo em seguida revirou os olhos.

— Ok, ok.

Após concordar forçadamente, voltamos até os alunos.

— O senhor Dean...

— Nossa! — me interrompeu de novo. — Quase fique duro com esse senhor. — fazendo os alunos rirem e uma veia enorme surgir em minha testa.

— Bom, — tentei ignorar para continuar a aula. — o senhor Dean — espremi os olhos quando ele deu uma pequena risadinha na palavra senhor. — irá explicar um pouco sobre sua profissão, mostrando como é a vida de um policial em nosso país.

— Por isso, vocês, virjões, e vocês, gatinhas, agradeçam imensamente por eu ter deixado de coçar o meu saco hoje, que é minha folga, e vim mentir descaradamente em suas caras que eu amo meu trabalho. — comentou e, imediatamente, meus olhos arregalaram.

Forcei um sorriso e tentei contornar a situação.

— Dean! — dei um tapa enorme em suas costas, o fazendo ir um pouco para frente por causa da força, enquanto isso eu dava um enorme sorriso para disfarçar. — Já disse para você parar de brincar, seu bobo. — forcei um pouco mais o meu sorriso.

Tinha que fazer os alunos acreditarem que ele estava brincando. Após ouvir algumas risadinhas, me tranquilizei.

— Desculpe-me, eu não consigo me livrar do comediante que há dentro de mim. — sorriu docemente. Creio que percebeu que eu estava completamente irritado com seu comentário.

— Bom, o senhor pode falar um pouco sobre sua profissão para os alunos? — pedi.

— Claro que sim, senhor Sammy. Com esse sorrisinho lindo forçado nos lábios, eu não consigo negar. — a sala inteira começou a gargalhar.

Respirei fundo, tentando não demonstrar que eu estava enfurecido.

— Então comece. — voltei a forçar o sorriso.

— Como vocês estão vendo, — tirou seu distintivo. — eu sou um homem da lei. — sorriu ao mostrá-lo. — Arrisco minha vida para que vocês possam transar bêbados tranquilamente dentro do car...

— Dean!

Voltei a olhá-lo com um olhar de repreensão.

— Ah, desculpa. Me esqueci que, com 12 e 13 anos, o máximo que fazem é bater uma em frente ao PC. — resmungou.

Eu não acredito que ele disse isso. Peguei-o novamente pelo braço e o levei até a porta.

— Seu irresponsável! Você já se esqueceu de que está falando isso para crianças de doze anos?

— Me desculpe, me desculpe! Eu me esqueci. — comentou, parecendo nem um pouco arrependido do que falou.

Suspirei fundo.

Ah, como me arrependo de ter chamado esse maldito.

Voltamos pra sala, para continuar com a aula.

— Desculpem-nos a demora, alunos.

Olhei para eles. Alguns riam baixinhos, outros nos olhavam espantados e alguns nem dava para imaginar o que estava se passando em sua cabeça.

— Posso continuar, senhor Sammy?

Uma veia enorme brotou em minha testa. O maldito sabe que odeio ser chamado assim, mas faz questão de chamar apenas para me ver enfurecido.

— Sim, senhor Dean.

Eu puxava todas as forças dentro de mim para respondê-lo sem pular em sua garganta.

— Bom, pivetes! — espremi os meus olhos para ele. — Quero dizer: Bom, garotos... Como eu tinha dito, eu arrisco minha vida para que vocês possam viver tranquilamente junto com sua família...

— Mentira! Você disse que arrisca sua vida para que nós possamos transar bêbados tranquilamente dentro do carro. — James comentou.

Respirei fundo e quando abri a boca para dizer algo, o cretino me cortou.

— Qual é o seu nome, gordo? — perguntou. Os alunos começaram a sorrir, e James aparentava bastante constrangido.

— Dean! — o repreendi. Não aceito esses tipos de comentários em minha frente.

— Perdão, perdão! — revirou os olhos. — Como é seu nome, garoto com grande excesso de peso?

— Dean!

Voltei a repreendê-lo ao ver que o garoto ficou mais constrangido com as risadas.

— Isso não pode também? — me olhou confuso.

— Claro que não!

— Bom... Perdão de novo. Me deixe tentar novamente. — suspirou. — Qual é o seu nome, garoto de ossos largos?

— Apenas garoto, por favor. — o menino falou com um tom meio irritado. Pelo seu olhar, provavelmente não entendeu totalmente o que o imbecil estava dizendo.

— Tudo bem, garoto, me desculpe por ferir os seus sentimentos. — comentava com um tom sarcástico. Como odeio isso nele. — Você poderia, por gentileza, dizer o seu nome?

— Meu nome é James.

— James, seu pai já lhe ensinou que não se deve desmentir os mais velhos?

— E seu pai já lhe ensinou a ser menos babaca? — retrucou o garoto. Me segurei pra não rir.

— Ai, moleque! — meu irmão se jogou de costas na minha frente, pegando meus braços e colocando envolta do seu corpo. — Não me segura, Sammy! Não me segura, que agora irei fazer jorrar sangue para todo lado!

Como ele é ridículo.

— Dá pra você parar de brincadeira e continuar, por favor?

Ele nunca cresce.

— Você teve sorte, rapaz. — apontou para o garoto como se tivesse realmente o ameaçando. — Bom, continuando... Eu arrisco minha vida para que vocês possam viver tranquilamente com suas famílias. A vida de nós policiais é complicada, devemos ficar sempre atentos quando estamos em combate para que possamos manter a segurança das vidas dos envolvidos, e claro, para que possamos voltar inteiros para nossas casas.

Finalmente decidiu acabar com as piadinhas.

— Alguns de vocês adorariam fazer alguma pergunta para o senhor Dean?

Eu encarava os alunos.

— Eu, professor. — Elizabeth informou.

Uau! Daqui a seis anos — fez um gesto perto do rosto, com a mão direita, como se fosse um telefone. — me liga! — piscou para a garota que apenas riu.

Era bom pra ser verdade.

— Continue com sua pergunta, Elizabeth!

Quero que isso termine, e esse imbecil suma logo da minha sala.

— Ok, professor. — concordou. — Faz quanto tempo que o senhor é policial?

— Apenas cinco anos.

— E o senhor já matou alguém? — dessa vez quem perguntou foi o Henrique.

— Matei tantos que minha alma já não tem mais salvação. — disse sério, fazendo mais uma veia surgir na minha testa.

Ele nunca matou ninguém. Já trocou tiros com bandidos, mas nunca matou. O máximo que aconteceu foi o criminoso ser levado para o hospital. Decidi não desmenti-lo. Não quero me estressar.

— O que pensasse quando matasse pela vez? — a pequena Mary o fitava.

— Antes você do que eu, mané! — sorriu. Peguei-o novamente pelo o braço e fui o levando até a porta. — Sammy, você está me levando muito até a porta. Cuidado que seus alunos vão pensar que estamos de viadagem.

Ouvi algumas gargalhadas após seu comentário. Decidi ignorar.

— Dá pra parar de dizer besteiras para os meus alunos? — ele revirou os olhos, me deixando mais nervoso. — Que droga é essa de “antes você do que eu, mané”? Quer que meus alunos aprendam o que não presta?

— Calma, Sammy. Você está muito nervosinho, é TPM? — brincou.

Mordi de leve o meu lábio inferior para poder me conter.

— Dá pra você ser sério pelo menos uma vez em sua vida?

— Tudo bem, eu vou tentar.

Voltamos para sala. Decidi acreditar nele, já que respondeu seriamente.

— Continue, alunos. — mandei.

— Dean, o que você mais gosta na sua profissão?

Agora foi a Eliza que perguntou.

— Como eu posso dizer isso sem o Sammy encher meu saco? — coçou um pouco a cabeça, aparentemente pensativo, e eu apenas espremi meus olhos. — Sabe, têm umas gatas que adoram homens de fardas, então como eu sou muito gentil, alimento-as com bastante leite. — sorriu.

— E tem gatos que preferem pessoas que usam farda? — Rosie perguntou inocentemente, assim que eu ia abrir a boca para resmungar algo.

Olhei para os outros alunos, parecem que eles não entenderam muito bem o que ele quis dizer — graças a Deus!

— Sim, princesa. Elas adoram tanto, principalmente quando damos uma mamadeira enorme para elas, até ficarem satisfeita.

Bati na testa, não acreditando nas merdas que ele está falando.

— Mas quem gosta de tomar na mamadeira não são os filhotes? — Alice questionou.

— Os tipos de gatas que damos leitinho gostam de tomar quando são adultas. — voltou a fazer uma cara maliciosa.

Como ele é imbecil.

— O que o senhor mais gosta de comer quando está em serviço?

Tentei mudar a conversa, não estava mais aguentando suas respostas com duplo sentido.

— Bom, tem os Donuts que eu amo e tem também...

— Sanduíches, provavelmente.

Completei, já sabendo que vinha merda pela frente.

— Sim, senhor Sammy. Sanduíches. — me olhou maliciosamente.

Que babaca.

— Você já salvou gatinhos de cima da árvore? — dessa vez foi o Paul.

— Nunca salvei gatinhos de cima da árvore, mas já salvei várias gatinhas da seca. — sorriu com malícia nos olhos.

Mas que filho... Epa! Esqueci que somos irmãos.

— Como assim da seca? — Henrique me interrompeu assim que eu ia abrir a boca para falar. — Dando leite para elas tomarem?

— Sim, garoto. Dou tanto leite até os lábios rosados delas, ficarem todos ensopados.

Dean, eu te mato!

— Eu vi em alguns filmes que os policiais ficam em dupla vigiando para pegar os criminosos. O senhor já vigiou em dupla também?

— Claro! Fiz dupla com vários parceiros de trabalho. Porém, o que eu mais gostei mesmo, foi quando eu fiz com o policial Samuel. — senhor, que não seja o que eu estou imaginando. — Ele ficou na frente, e eu no traseiro. — falou o que eu temia.

Nós dois já transamos juntos com a mesma mulher. Isso foi a minha primeira vez — o Dean me levou para que eu finalmente “virasse homem”.

— Traseiro! — todos os alunos riram. — O certo não seria traseira? — perguntou Annie.

— Oh, traseira boa! — berrou, levantando as mãos para o alto, como se tivesse em uma igreja, louvando. Não aguentei e dei um enorme tapa em sua cabeça. — Por que você fez isso, Sammy? — alguns alunos ainda riam por causa do tapa que o dei.

— Desculpe, tentei matar um mosquito que estava em sua cabeça, mas parece que ele voou para longe. — menti, olhando para ele com o meu famoso olhar “se você fizer merda novamente, vai levar outra”. — Ai! — gritei ao levar um tapa na bochecha esquerda. — Por que você fez isso?

Lancei um olhar mortal pra ele. Com certeza isso foi sua vingança.

— Matei o mosquito que você tentou matar. — soltou sério.

— Você não... — parei ao vê-lo mostrando a palma da mão e um pequeno inseto morto, grudado a ela. — Não acredito que tinha mesmo. — pensei.

— Vai chupar sangue agora na casa da puta que te pariu! — mandou revoltado, fazendo meus alunos rirem. Dei um olhar de repreensão para eles, e todos se calaram.

— Senhor Dean, para finalizar...

— Já? — me cortou.

— Sim, pois logo em seguida será a aula do próximo professor.

Informei, agradecendo que me livrarei do maldito.

— Então continue, Sammy.

Voltei a cerrar os olhos. Ele adora me provocar, me chamando desse jeito.

— Pra finalizar, o senhor poderia deixar algumas palavrinhas para os meus alunos? — questionei, implorando aos céus que ele não dissesse nenhuma porcaria em seguida.

— Claro que sim, senhor Sammy. — revirei os olhos. — Pirralhos... — olhei-o com um olhar mortal. — Quero dizer... Alunos! Quando vocês crescerem, nunca cometam crimes, senão: — tirou sua pistola 9mm. — Hasta la vista, baby! — apontou para os alunos, que o olharam com medo. Não me segurei. Peguei em seu braço que estava segurando a arma, torci para trás, e fui conduzindo-o a força até a porta. — Está me machucando, Sammy. — foi reclamando.

— Nunca mais volte aqui! — berrei após soltá-lo e dar um chute em seu traseiro, fazendo-o ser jogado porta fora.

— Depois você me paga, Sammy! — gritou, se levantando. — Eu ju...

Nem o deixei terminar, e fechei a porta em sua cara.

Arrependo-me amargamente de ter chamado esse maldito.

Fui até o birô onde deixei minhas coisas, peguei tudo e fui até o meio da sala, ficando à frente dos meus alunos.

— Bom... — vi que todos me olhavam com espanto. — Quando vocês crescerem, se tornem ótimos adultos e não virem um como o meu irmão.

Dei um sorriso e me dirigi até a porta, saindo logo em seguida.

— Ainda bem que você saiu, Sammy. — me deparei com o cretino. Ele estava encostado à parede, que fica em frente à porta da sala. O ignorei e fui seguindo o meu trajeto. — Vai me ignorar, Samanta? — parei. Cerrei um pouco os meus olhos e o fitei com toda ira que eu poderia ter no momento. — Samanta!

Repetiu com um sorriso debochado nos lábios ao reparar que fiquei mais que furioso com o seu comentário.

— Você é mesmo um babaca... — resmunguei e voltei a seguir meu trajeto.

— Samanta! — parei novamente, dessa vez com muito mais ódio. Nem fiz questão de me virar para ouvir o que ele ia dizer, apenas fiquei parado. — Me desculpe por eu ter sido um completo babaca com seus alunos. — respirei fundo, virando pra fitá-lo melhor, e vi que ele já estava indo embora. Quando eu ia abrir a boca para dizer algo... — AH! — de repente, ele virou de frente para mim. — Você ainda me paga, Samanta! — apontou para mim com um olhar sério e virou de costas novamente, indo embora.

Já imagino como vou “pagá-lo”. Provavelmente fará alguma brincadeira estúpida comigo.

Ele nunca cresce. O Dean é mesmo um idiota...

23 de Novembro de 2020 às 18:22 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Fim

Conheça o autor

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~