lualua_ Lua Silva

Uma vida às sombras da irmã mais velha e um relacionamento de aparências mantido por pressão dos pais, essa era a vida de Emma Flóridi até que a chance de entrar numa missão humanitária soa para ela como um escape, um escape da tempestade que sua vida havia se tornado quando ela resolve se libertar de todas as amarras que a aprisionavam. Do outro lado do temporal se encontra o reconhecido Capitão Carter, com uma vida marcada por traumas que lhe deixaram grandes feridas no coração e tentativas de recomeçar. Duas vidas que se encontram quando a esperança do raiar do sol parecia perdida. - Romance Cristão


Romance Religião ou Espiritualidade Todo o público.

#romance #superação #família #irmãs #perdas #bombeiro #exército #enfermeira #romance-cristão #missão-humanitária #furacão
31
8.6mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo I

Portanto, deixará o varão o seu pai e a sua mãe e unir-se-á à sua mulher, e serão ambos uma só carne.


- Gênesis 2:24



Segundo Emily Flóridi, brilhante assistente social e também conhecida como minha romântica mãe, "O casamento é a união de duas vidas diante de Deus, mostrando a solidificação do amor." Suas palavras frequentemente repetidas nos estudos de nossa igreja para noivas e casadas ecoavam em minha mente enquanto Tyler, meu cunhado, proferia seus votos.

ㅡ Esse elo selado hoje será eterno, porque foi abençoado e planejado por nosso Deus. Tenho certeza que o nosso caminho continuará sendo guiado e protegido pelas graças do Senhor. Confio eternamente nos planos Dele para a nossa vida juntos, pois quando pensei que estava completamente sozinho, Ele me enviou você, para ser a minha melhor companhia. Quando me senti totalmente perdido, você me encontrou, me apoiou e me fez estar ainda mais próximo do nosso Deus. Eu prometo retribuir todo esse amor com muito mais amor, sempre caminhando pela nossa união, fidelidade, companheirismo e fé. Eu, Tyler Smith, recebo a ti, Joene Flóridi, como minha legítima esposa. Prometo ser fiel. Amar-te e respeitar-te. Na alegria e na tristeza. Na saúde e na doença. Na riqueza e na pobreza. Por todos os dias da nossa vida.

Tyler terminou sua fala perfeita com um sorriso largo no rosto e sem desviar os olhos em momento nenhum da minha irmã. Ele não usou um papel como apoio, ele não precisava. Esse era Tyler Smith. O engenheiro bem sucedido e agora o marido perfeito da minha irmã.

Os convidados da cerimônia demonstravam um misto de sorrisos, choros emocionados e expressões de lamento. Essas, em especial, esboçadas pela grande massa de garotas solteiras de nosso círculo social. Elas estavam perdendo mais um possível pretendente, o número um da lista para ser mais precisa.

ㅡ Ele mandou bem ㅡ Ryan sussurrou em meu ouvido fazendo com que eu lhe lançasse um sorriso discreto.

Agora, Ryan assumiria o primeiro lugar do ranking de mais cobiçado. O que deveria me causar um incômodo, mas não causava.

Ao redor do altar montado no grande jardim, minha mãe e meu pai se debulhavam em lágrimas enquanto Tyler colocava a aliança no dedo de Joene. Isso já era esperado em relação à senhora Emily, mas o Tenente-Coronel Joshua tentando disfarçar o choro, não era algo comum de se ver.

Voltei minha atenção para o altar quando o Reverendo Victor, gesticulou para que minha irmã falasse. Joene também não precisava de um apoio escrito, ela havia herdado o dom de meus pais de falar bem em público e ser habilidosa com as palavras, dom esse que eu não havia sido agraciada.

Ela era meu oposto. A primogênita, popular, linda, extrovertida, comunicativa, inteligente e extremamente bem sucedida, com seus vinte e seis anos e uma carreira na medicina brilhante, o orgulho da nossa família.

ㅡ Em Sua palavra, Deus diz que o amor é paciente. Eu sempre esperei por alguém especial, que completasse a minha vida em todos os sentidos, e mesmo nos muitos momentos de muita angústia, tive paciência, pois sabia que o Senhor estava preparando algo maravilhoso para mim, então, eu te encontrei, o meu presente divino. Hoje, eu sei que toda essa espera valeu a pena, você é a melhor alegria que já tive em minha vida, eu tenho certeza que essa união é apenas o começo de uma vida repleta de bênçãos divinas e muitas alegrias. Eu te amo eternamente Tyler. Eu te aceito como esposo, para amá-lo e respeitá-lo, na saúde e na doença, na alegria e na tristeza, na riqueza e na pobreza, por todos os dias de nossa vida.

ㅡ Ela mandou bem ㅡ pisquei para Ryan que sorriu em resposta.

Sob olhares atentos o Reverendo os declarou marido e mulher fazendo com que uma salva de palmas ressonasse pelo ambiente. Os noivos saíram pelo tapete vermelho sendo seguidos por mim, Ryan e os outros casais de padrinhos.

Apesar de estar extremamente feliz por minha irmã, tudo o que queria nesse momento era que aquela ocasião acabasse, eu pudesse voltar para casa e resolver o que precisava ser resolvido.

Muitas fotos, cumprimentos e minutos depois, seguimos para o lado oposto do jardim onde a festa estava começando. A maioria dos convidados já estavam acomodados em suas mesas brancas e redondas, enfeitadas por flores azuis e brancas no centro. Uma música instrumental suave era tocada ao fundo e os fotógrafos seguiam com seus flashs reluzentes por todos os lados, assim como a equipe de cerimonialistas contratada por Joene, eles haviam feito um trabalho incrível.

ㅡ Agora vem a melhor parte ㅡ Ryan sorriu enquanto me encarava com seus olhos amendoados.

ㅡ A comida! ㅡ Respondi tentando soar mais animada quando ele puxou a cadeira da mesa reservada para nós e eu me sentei.

ㅡ Não. A lua de mel! ㅡ Ele se sentou à minha frente e deu de ombros, como se sua resposta fosse óbvia.

Cerrei os olhos e balancei a cabeça desaprovando seu comentário cômico.

ㅡ Sim, é a comida ㅡ Ryan voltou atrás em sua fala com um sorriso travesso no rosto.

ㅡ Conhecendo minha irmã como conheço ela vai aproveitar essa festa e toda essa comida até o último segundo e migalha de bolo ㅡ Joene amava festas, principalmente, se a festa fosse dela.

ㅡ Conhecendo meu irmão como conheço, ele vai cumprir todas as formalidades e sumir daqui o mais rápido possível.

Esse era um dos escassos pontos divergentes entre eles, Tyler não gostava de festas. Mas eu sabia que ele faria o necessário para agradar sua esposa festeira.

ㅡ Veremos ㅡ me inclinei séria em sua direção e pus os cotovelos sobre a mesa, tentando parecer desafiadora.

ㅡ Veremos ㅡ Ryan repetiu minha ação, com o mesmo ar de desafio.

Soltei uma gargalhada e voltei a me recostar na cadeira, eu não conseguia sustentar muito tempo uma pose de durona. Logo em seguida, um garçom nos serviu alguma coisa que cheirava muito bem. Joene passou meses escolhendo cada prato e ingrediente do cardápio, ela não queria ninguém com fome em sua festa, porque segundo suas próprias palavras, as pessoas gastariam tempo demais se arrumando e não comeriam o suficiente, pessoas com fome é o mesmo que pessoas irritadas, e ela não queria ninguém irritado em seu casamento.

ㅡ Você está ainda mais linda hoje, sabia? ㅡ Ryan disse me olhando fixamente enquanto eu comia uma espécie de bolinho de batata com patê de frango.

Ele havia negado a comida quando o garçom cogitou servi-lo, Ryan não era do tipo que rejeitava comida. Mesmo sendo do mundo fitness, apenas uma coisa tirava seu apetite... nervosismo! Mas por que ele estaria nervoso?

ㅡ Sim ㅡ tentei parecer indiferente mas Ryan sabia que eu estava fingindo, eu não lidava bem com elogios. Ele ergueu uma sobrancelha observando quanto tempo eu iria sustentar aquela pose. Realmente eu não estava nada mal, o vestido no tom azul serenity escolhido para as madrinhas era extremamente elegante, a maquiagem e o penteado meio preso também tiveram seu papel de destaque, já que não era muito comum que eu me arrumasse daquela forma ㅡ Obrigada! Você também até que não está nada mal.

Ryan era lindo e ele sabia disso. Ele e Tyler eram bem semelhantes fisicamente, bem diferente de mim e Joene. Meu cabelo era curto, acima dos ombros, castanho escuro e ondulado, como o da nossa mãe. Já o de Joene, era castanho claro como o do nosso pai, longo, ondulado e com mechas loiras do meio às pontas.

Ryan era mais jovem que o irmão dois anos, assim como eu em relação a Joene. Os dois compartilhavam cabelos castanhos curtos, estatura alta e corpos atléticos. Especialmente Ryan. Ao contrário do irmão, Tyler usava barba e no quesito personalidade era bem mais contido, sério e ao meu ver, chato.

Desde que Joene e ele começaram a namorar, há quatro anos, nosso histórico de desavenças só aumentava, para o desgosto de minha irmã. Com Ryan não era assim, todos sempre faziam questão de me dizer o quão sortuda eu era por estar com ele.

Namorávamos há seis meses e ele era meu melhor amigo desde que me entendo por gente. Frequentamos a mesma igreja desde a barriga de nossas mães, a mesma escola e até a mesma faculdade.

A certeza não tão recém constatada de que eu não o amava verdadeiramente, não como namorado ou um futuro marido, me consumia. Eu amava Ryan da mesma forma que amava minha irmã, meus pais e meus melhores amigos. E agora estava decidida a lhe contar toda a verdade.

Nosso relacionamento começou de uma forma um tanto quanto forçada. Ryan se apaixonou por mim, ele me pediu em namoro numa pequena comemoração do meu aniversário, pedi um tempo para pensar dando a desculpa de que iria conversar com meus pais, mesmo sabendo que eles aprovariam sem hesitar, eu precisava que alguém me dissesse o que fazer, já que eu, no auge da minha falta de maturidade emocional, não sabia discernir meus sentimentos e negligenciar o pouco de sensatez que me afligia por medo de magoá-lo.

Meus pais viam e vêm Ryan como o par perfeito para mim.

Nossa proximidade como melhores amigos me deixou tão confusa ao ponto de achar que todos, inclusive meus pais, que ficaram radiantes com a notícia, estavam certos e eu deveria aceitar seu pedido de namoro. Desde então, passei a tentar me convencer todos os dias de que eu o amava, como homem e mulher, e que ele era o cara certo para mim, porém, nos últimos meses isso estava ficando cada vez mais insustentável.

Sentia como se estivesse enganando ele e a mim mesma, e de fato, eu estava. Por isso precisava acabar com toda essa farça.

ㅡ Nossa Emma, você realmente sabe como levantar a autoestima de alguém ㅡ Ryan sorriu de canto.

ㅡ Eu me esforço ㅡ dei de ombros e sorri, enquanto um garçom retirava meu prato, agora vazio, da mesa.

Ryan sacudiu a cabeça e me lançou um sorriso divertido.

ㅡ Ei... ㅡ chamei sua atenção enquanto ele observava as pessoas ao nosso redor ㅡ eu queria conversar com você.

Meu coração disparou, precisava dar o primeiro passo em relação à minha decisão.

ㅡ Fala ㅡ ele voltou sua atenção para mim.

ㅡ Não, não agora, não hoje... ㅡ Joene me culparia o resto da vida se fizesse isso em seu casamento ㅡ depois do casamento. Nada de desviar o foco desse grande dia.

ㅡ Tudo bem ㅡ ele assentiu, desconfiado.

ㅡ A decoração ficou incrível ㅡ Ryan mudou de assunto afastando o clima estranho que pairava entre nós.

ㅡ Sim, eles realmente capricharam em tudo. Não esperava menos.

ㅡ Também não ㅡ ele sorriu. ㅡ E você, pretende dar uma festa assim quando casarmos?

Senti minha respiração ficar descompassada.

ㅡ Eu... bem, prefiro coisas mais simples ㅡ olhei em volta.

ㅡ Sua mãe e sua irmã, não ㅡ ele ponderou.

ㅡ É, mas seria o meu casamento então eu decidiria.

Ryan me observou com um olhar diferente. Talvez usar a palavra "meu" ao invés de "nosso", não tivesse passado tão despercebidamente por ele.

Não podia mais mentir. Não podia lhe dar mais falsas esperanças. Não podia mais me enganar.

ㅡ Você está bem, Emma?

ㅡ Casamentos me deixam nervosa ㅡ de fato, me deixavam.

ㅡ Desde quando?

Desde que sonhei que fugia do meu casamento com você.

ㅡ Não sei... acho que é toda essa gente, e saber que sou família da noiva e todos os olhares estão sobre nós ㅡ dei de ombros.

ㅡ Só não vai sair correndo no dia do nosso casamento ㅡ Ryan riu.

ㅡ O quê? ㅡ Quase gritei. Meu corpo gelou por completo e meu coração pareceu parar por um segundo.

ㅡ Brincadeira ㅡ ele ergueu as mãos rindo e eu forcei um sorriso sem jeito olhando para qualquer lado que não fosse o seu.

Ryan balançou a cabeça e focou seu olhar em outra direção.

ㅡ Sua mãe ㅡ ele apontou para a direção atrás de mim.

Me virei e pude vê-la vindo com seu vestido azul balançando contra o vento e um sorriso largo no rosto fazendo com que seus olhos puxados, os quais não herdei tanto quanto Joene, ficassem quase fechados.

ㅡ Joene vai jogar o buquê agora ㅡ ela disse sorridente ao se aproximar de mim.

ㅡ Certo ㅡ permaneci imóvel.

ㅡ O que está esperando? Vamos! ㅡ Ela segurou meu braço me fazendo levantar num pulo.

ㅡ Mãe, sou irmã da noiva, é melhor deixar isso só para os convidados ㅡ segurei suas mãos.

ㅡ Nada disso, todas as suas primas vão participar e você também vai ㅡ ela me puxou me fazendo dar mais alguns passos.

Olhei para Ryan na esperança de que ele concordasse comigo, ele sabia que eu detestava esse tipo de situação. Mas ele apenas trocou um olhar com minha mãe que estava impaciente e sorriu para mim.

ㅡ Não precisa me arrastar ㅡ voltei a andar e ela sorriu satisfeita.

A jogada do buquê era levada muito a sério na minha família. Eu me esforçaria ao máximo para não pegar aquele buquê.

Me posicionei ao fundo da pequena aglomeração de mulheres atrás de minha irmã. Christina, Amanda e Estela, nossas primas, estavam na fileira da frente. Dana, nossa amiga de infância, outras amigas, e conhecidas de Joene se dispersavam pelo meio e eu cada vez mais tentava me afastar.

ㅡ É um! ㅡ Joene gritou e levou as mãos com o buquê branco e azul ao alto, as franjas de pedraria de seu vestido boho balançavam com o movimento. ㅡ É dois... e... ㅡ ela parou de balançar as mãos, se virou de frente para nós e caminhou em minha direção enquanto todas as mulheres abriam caminho. ㅡ Ele é seu! ㅡ Joene ergueu o buquê em minha direção.

Pisquei várias vezes sem entender o que estava acontecendo, segurei o buquê vacilante enquanto mil pensamentos diferentes bombardeavam minha cabeça.

Joene saiu da minha frente revelando um Ryan sorridente vindo em passos seguros até mim.

ㅡ Emma, nesse tempo em que estamos juntos eu pude constatar a cada dia que é com você que quero estar pelo resto da minha vida ㅡ ele se aproximou mais um pouco, tirou uma caixa preta pequena e aveludada do bolso de seu paletó preto e se ajoelhou em minha frente abrindo a caixa que continha um anel prata.

Levei minha mão à boca ao constatar que minhas suspeitas estavam certas. Todos ao redor vibravam de felicidade com o momento e eu queria sair correndo dali, literalmente.

ㅡ Emma Flóridi, aceita se casar comigo?


22 de Novembro de 2020 às 00:13 3 Denunciar Insira Seguir história
10
Leia o próximo capítulo Capítulo II

Comente algo

Publique!
L Lorrane
Legal 💅
February 17, 2021, 00:36

~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 20 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!