juniosalles Junio Salles

Catarina é uma semideusa filha de Hades que vai ao submundo em busca de vingança contra o deus dos mortos. Acompanhe a jornada de Catarina pelo mundo inferior até finalmente se encontrar com o pai e desafiá-lo.


Aventura Todo o público.

#ZeusPaiDeTodos #deuses #catarina #aquiles #submundo #hades #mitologia-grega
Conto
3
6.1mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

No Submundo

O barqueiro que a levava por sobre o rio Estige era o ser mais calado que Catarina já vira. Suas vestes negras e esfarrapadas cobriam-lhe apenas o sexo enquanto o resto do seu corpo magrelo e pálido ficava à mostra. Caronte, o barqueiro, remava devagar enquanto seus olhos completamente negros fitavam o nada. Quando finalmente atravessaram o rio, Catarina o pagou com cinco óbolos.

Caminhou mais adentro do submundo enquanto mantinha a mão repousada sobre a espada de aço que levava na cintura. Seu corpo suava por debaixo da couraça de prata e da túnica de lã vermelha. Debaixo do elmo de aço, Catarina sentia seus cabelos castanhos ficarem molhados devido à sua transpiração. Estava ansiosa, pois sabia que a qualquer momento se encontraria com Cérbero — o cão de guarda do submundo — e precisaria enfrentá-lo caso quisesse adentrar no reino de Hades.

Enquanto caminhava por sobre as rochas negras, sentiu um tremor no solo e logo em seguida o avistou, um gigantesco cão de três cabeças. Seus olhos eram completamente brancos e seu bafo quente era sentido mesmo a distância. Sua cauda era uma serpente de cor esverdeada e seu pelo negro exalava cheiro de enxofre.

O coração de Catarina disparou. A guerreira sacou a espada e se colocou em posição de batalha. Cérbero não pareceu se intimidar, olhou para aquela pequena criatura que lhe ameaçava e se aproximou lentamente. Catarina sentia o coração bater ainda mais forte à medida que o cão se aproximava. Ela já estava pronta para atacar quando Cérbero abaixou as três cabeças, empinou a parte traseira de seu corpo e começou a abanar sua cauda de serpente. Aquela reação inesperada deixou Catarina confusa e um pequeno sorriso nasceu em seu rosto.

A guerreira ainda não sabia se atacava o cão de guarda do submundo ou se fazia carinho em uma de suas cabeças. Cérbero colocou a língua da cabeça do meio para fora enquanto as outras duas respiravam ofegantes. Catarina embainhou novamente sua espada e pegou uma pedra do tamanho de seu punho que vira jogada no chão e em seguida arremessou para Cérbero que correu alegremente para buscar a rocha.

Mesmo sem entender direito o que estava acontecendo, Catarina correu na direção oposta, indo direto para a caverna que levava ao submundo. Quando já estava na metade do caminho, sentiu o chão tremer novamente e ao olhar para trás viu Cérbero correndo em sua direção com a pedra, em sua boca. A guerreira correu ainda mais depressa e conseguiu adentrar na caverna antes que o cão a alcançasse. Do lado de fora, a guerreira ouvia um chorinho de Cérbero que provavelmente estava ansioso para brincar mais.

Caminhou por mais de uma hora por dentro da caverna até chegar em um entroncamento. Entre as duas passagens, havia uma gigantesca pedra de tom avermelhado. Catarina sentou-se a fim de repousar.

Retirou o elmo e sentiu um suor escorrer do seu rosto até o pescoço. Pousou a mão sobre a espada que repousava em sua cintura e respirou fundo. Enquanto descansava, Catarina tentava se decidir qual caminho pegar. Sabia que um levaria para o Campo de Elísios, um paraíso no submundo onde humanos virtuosos repousavam após a morte. Já o outro a levaria para o Campo de Asfódelos, o lugar aonde vagava as almas de humanos irrelevantes, o lugar mais cheio do submundo. Ela sabia que para chegar ao Palácio de Hades tinha de pegar o caminho do Campo de Afódelos, mas como saber qual dos dois caminhos era o certo?

Ajoelhou-se no chão, bem na divisa das duas estradas, e colocou as mãos no solo. Ela precisava usar seus poderes para descobrir qual caminho seguir. Como filha de Hades, Catarina herdara algumas de suas habilidades e isso poderia ajudá-la a saber por onde seguir.

Fechou os olhos, respirou fundo e se concentrou, tentou deixar a mente o mais tranquila possível para que seu corpo pudesse interpretar corretamente as vibrações daquele lugar. Foi aí que percebeu. Da mão direita ela sentia uma alegria muito grande, era um sentimento tão bom que era quase impossível ignorar. Seu corpo quase implorava para que ela seguisse naquela direção. Por outro lado, na mão esquerda, ela nada sentia. Era como se não houvesse nada lá.

Catarina abriu os olhos, se colocou de pé e em seguida recolocou o elmo. Por mais que sua parte irracional e emotiva a inclinasse a seguir pelo caminho da direita, ela seguiu pelo da esquerda. A guerreira, sabia que toda aquela alegria que emanava do caminho da direita, só podia ser oriunda do Campo de Elísios. Já a falta completa de sentimentos que vinha da esquerda, era característica do Campo de Asfódelos, onde todos os insignificantes vagavam pela eternidade.

Poucos minutos de caminhada depois, ela se viu em meio a uma multidão de almas. Algumas tinham rostos inexpressivos e fitavam o nada, já outras nem rostos tinham. Suas feições foram apagadas dos rostos assim como suas existências em vida foram completamente esquecidas.

A cada alma que tocava, era como se parte de sua energia fosse drenada. Ela nem sabia a quanto tempo já estava ali no meio dos esquecidos. Era como se o tempo não importasse mais, talvez fossem minutos, ou quem sabe horas, meses, anos. Não tinha como saber.

Catarina se viu tomada por um desespero quando começou a esquecer do motivo de estar ali. Se forçou a lembrar, mas sua mente parecia estar cada vez mais em branco. Gradualmente foi esquecendo até mesmo de seu nome e da feição do seu próprio rosto.

Desesperada, tirou o elmo da cabeça e olhou seu reflexo por ele. A imagem não era nítida, mas fora o suficiente para servir como a âncora que a prendia em algo conhecido. Ela respirou fundo e encarou o reflexo até se lembrar de seu nome.

— Eu sou Catarina. — Ela repetia para si mesma. — Filha de Hades, o Deus do Submundo, e Polixena, a princesa troiana por quem o herói Aquiles se apaixonou, e que foi assassinada por Neoptólemo em cima do túmulo do herói poucos dias após dar à luz. Vim ao Submundo para matar meu pai que a estuprou e depois a abandonou grávida, não se dignando nem a protegê-la durante o saque de Tróia. — Disse a guerreira a fim de manter suas memórias ativas enquanto atravessava o mar de almas. Ela repetiu isso para si mesma uma centena de vezes até que finalmente conseguiu chegar do outro lado.

Olhou para trás e vislumbrou mais uma vez aqueles milhões de almas esquecidas, vagando pela eternidade. Catarina recolocou seu elmo e seguiu seu caminho.

Caminhou mais algumas horas até avistar o Palácio de Hades. Era uma construção enorme com paredes de rochas negras localizada em uma ilha flutuante que pairava sobre o Tártaro, o lugar aonde os humanos considerados ruins eram enviados para serem torturados pela eternidade. Catarina se sentia próxima de realizar a sua vingança, próxima de lutar contra seu pai e fazê-lo pagar pelo que acontecera com sua mãe. Ela só precisava descobrir como chegar no palácio.

Aproximou-se da beirada e avistou o Tártaro lá embaixo. Podia ver rios de lava e almas sendo torturadas por criaturas que trabalhavam para o seu pai. Uma mulher nua era açoitada por um monstro de duas cabeças, ela gritava de dor. Lá embaixo Catarina podia ver uma escada em espiral que ia do Tártaro à ilha flutuante onde o Palácio de Hades ficava. Por mais que esse fosse um caminho, Catarina não queria ter de descer até lá. Sabia que era impossível sair do Tártaro com vida.

Olhou à sua volta e mais uma vez soube que precisaria usar os poderes herdados do pai para poder atravessar. Olhou novamente para baixo e fechou os olhos. Se concentrou enquanto erguia as mãos para frente. Lá no Tártaro, o rio de lava começava a ficar inquieto. O magma subia devagar criando pequenas torres de lava que se solidificavam logo em seguida criando um caminho para que Catarina pudesse atravessar. Quando a passagem ficou pronta, a guerreira correu por cima do caminho que acabara de se formar, a fim de atravessar o mais depressa possível. Correu o máximo que pôde e saltou até a ilha flutuante. Estava ofegante, mas conseguira, bastava agora entrar no Palácio de Hades e desafiá-lo.

Entrou no salão principal e não viu ninguém. Nem mesmo um monstro fazia a guarda daquele lugar. Catarina estava feliz de não ter de enfrentar ninguém além de seu pai.

— Poderia ter só me chamado, eu iria até você. Não precisava ter feito este longo trajeto. — Disse uma voz. Catarina olhou para trás e viu um homem de túnica negra, com um colar de pedras preciosas no pescoço e um anel de ouro em cada uma das mãos. Tinha a pele completamente pálida e olhos negros profundos. Seus cabelos eram tão pretos quanto seus olhos.

Catarina sacou sua espada e se preparou para batalhar.

— Acha mesmo que uma mortal pode matar um deus?

— É você? Hades?

— Sim, mas é claro.

Em seguida Catarina correu gritando em direção a Hades e tentou golpeá-lo com sua espada. O deus se esquivou sem dificuldades e a encarou sorrindo.

— Estou orgulhoso que tenha chegado até aqui. Dentre todos os filhos que já tive com as mortais, você é a única a pisar neste salão.

— Você a estuprou, você não a ajudou quando ela precisou, eu vou matar você. — Catarina gritou e desferiu outro golpe que foi desviado com facilidade.

— Desculpe a minha falta de memória, mas quem era a sua mãe?

— Polixena, princesa de Troia. Você a estuprou. — Cataria gritou.

— Me lembro dela. Ela me chamou e pediu para que eu proporcionasse um último encontro entre ela e o seu amado e falecido Aquiles. Obviamente eu tinha que cobrar um preço. O que mais eu poderia pedir a mais bela troiana, se não que se entregasse a mim? Ela ficou feliz em consentir. Estou muito feliz de ver que esse acordo gerou um fruto tão belo quanto, porém mais feroz.

— Mentiroso! — Gritou Catarina desferindo outro golpe que foi facilmente desviado. — Você poderia ter impedido o assassinato dela. — Catarina agora chorava.

— Sou um deus justo e não me meto nas brigas dos mortais. Quando a alma de sua mãe veio até mim, a julguei de acordo com os seus atos.

— Aonde ela está?

— A quinta filha do rei de Troia, uma mulher que não fez nada além de despertar o desejo de Aquiles. Me parece uma pessoa completamente esquecível e digna dos Campos de Asfódelos.

— O quê? Como pôde mandá-la para lá?

— Polixena não fora importante o suficiente para merecer o Elísio, nem ruim o suficiente para ir ao Tártaro, Asfódeos é o local ideal.

— Maldito eu vou te matar.

— Não vai querida, não tem força para isso. No entanto, existe algo que você pode fazer para ajudar à sua mãe, se você quiser é claro.

— Do que está falando? — Catarina estava confusa.

— Eu tenho planos para governar além desse mundo fedido e cheio de mortos, sinto que uma filha com sua determinação e garra poderia ser uma grande aliada aos meus propósitos, se for bem treinada.

— Jamais vou ajudar você. Eu te odeio. — Gritou Catarina.

— Não preciso do seu amor, preciso de sua espada e que aprenda a usar as habilidades que herdou de mim. Me ajude no meu plano e o Submundo será seu, dai terá o poder tirar sua mãe de Asfódelos.

Catarina pensou por alguns instantes. Que opção ela tinha? Com certeza não poderia matar Hades, no fundo, ela sempre soube disso. Se treinasse com ele e se tornasse mais forte, no futuro poderia se voltar contra ele. Na pior das hipóteses, seria a princesa do Submundo e poderia ajudar a mãe a sair de Asfódelos. Era uma decisão até fácil de se tomar. Só precisava aturar Hades por mais alguns anos até ser forte o suficiente.

— Tudo bem, eu te ajudo se me prometer que eu vou poder tirar a minha mãe daquele lugar.

— Minha querida filha, nós temos um acordo. — Respondeu Hades sorrindo.


21 de Novembro de 2020 às 15:02 15 Denunciar Insira Seguir história
9
Fim

Conheça o autor

Junio Salles Nascido em Belo Horizonte, desde pequeno vivia em mundos de fantasia criados por mim mesmo em minha cabeça. Sempre preferi ficar sozinho imaginando e criando histórias baseadas no que lia nos livros ou assistia na TV. A maioria das histórias que criei não escrevi, mas agora de um tempo pra cá tenho passado pro papel esses roteiros que estão na minha cabeça. Espero que gostem

Comente algo

Publique!
Inkspired Brasil Inkspired Brasil
Olá, Junio! Gostaríamos, primeiramente, de te agradecer por ter abraçado um de nossos desafios — e ainda por cima um que se iniciou no seu aniversário. Por isso, desejamos parabéns a você. Fizemos o #ZeusPaiDeTodos com muito carinho, pensando especialmente em vocês, e receber esse retorno com contos cheios de bravura feito o seu nos motiva cada vez mais. A premissa da sinopse já nos deixa surpresos: é necessária muita coragem para desafiar Hades pessoalmente, ainda mais considerando que ele tem a vantagem estando em sua morada. Ainda assim, Catarina, a personagem principal, se mostra tão feroz e determinada quanto deve-se esperar de um filho de Hades e parte para o Submundo sem pensar duas vezes. A Vingança de Catarina definitivamente se enquadra nos preceitos do desafios: uma história que não apenas fala sobre os deuses, como mostra de forma tão clara a força que vem do sangue de um. Catarina, apesar de toda mágoa e rancor, não poderia jamais negar a semelhança com o pai no que diz respeito à coragem e força. Impossível não notar todos esses atributos dela! É aquele velho ditado: filho de peixe, peixinho é. Além disso, devemos dizer que você fez um ótimo trabalho ao descrevê-la, seja nos méritos físicos ou de sua psique: enxergá-la em ação, vê-la procurando as rotas corretas utilizando de seus poderes, imaginá-la segurando o elmo em meio às almas perdidas para se certificar de que não esqueceria jamais quem era e qual era seu intuito aconteceu de maneira fluída e fácil, quase automática, quando tivemos descrições detalhadas que já nos fizeram construir uma imagem mental da personagem. No entanto, nessa mesma mão, devemos dizer que sentimos um pouco de falta de ver o submundo com os olhos e os demais sentidos da Catarina em determinados momentos. Assim como ela foi muito bem-apresentada através das descrições, esperávamos que o local também o fosse. Queríamos poder ter compreendido como era estar lá a cada novo cenário ao qual ela era inserida: qual era a sensação, como era a iluminação, o cheiro, todas essas coisas que ajudam o leitor a sair do mundo a que pertence e emergir no mundo da história lida. Compreendemos que a quantidade de palavras em todos os desafios são limitadas, mas sabemos que, como escritores, encontrar espaço para palavras é sobretudo prazeroso. E, mesmo com toda a curiosidade despertada pelo submundo e como foi para Catarina estar lá de fato, ainda conseguimos embarcar na aventura sem problemas e olhar nos olhos do deus do submundo sem medo graças a ela. Ah, e não podemos deixar passar por despercebido o momento de aflição que marca o encontro de Catarina e Cérbero. A situação é bastante tensa até que o temível cão de três cabeças se mostre um verdadeiro mascote adorável; mesmo sendo um brutamontes. É impossível não ser tomado pela vontade de dar uns bons afagos nesse monstrinho! Em relação à gramática e a ortografia da história, há alguns pontos que poderiam ter sido mais cuidados, como a falta de acentuação em verbos ligados a pronomes oblíquos. No entanto, não há nada que atrapalhe o entendimento da obra. Ficamos muito felizes com sua participação e por poder ter lido esta história incrível. Esperamos vê-lo em outros desafios! No mais, os resultados estarão disponíveis nas mídias sociais oficiais do Inkspired Brasil logo mais, dia 26/11. Fique de olho e boa sorte! 🤍
November 26, 2020, 19:28

  • Junio Salles Junio Salles
    Obrigado pelo comentário. Realmente a história deixa a desejar na descrição do submundo. De fato a limitação de palavras dificultou um pouco essa descrição mais detalhada. November 26, 2020, 20:14
Karimy Lubarino Karimy Lubarino
Oie! A Catarina me surpreendeu bastante. Ela é muito determinada e forte. Imagina só: enfrentar um deus e ainda por cima no lugar que ele conhece como a palma da mão. Eu gostei bastante das descrições feitas na história e também de como o Hades pareceu muito com a versão que tenho na cabeça sobre ele hahahahha. Apesar de nem tudo ter saído como ela queria, acho que o acordo foi meio que bom pra ela - e para ele também, o que era de se esperar de um deus tão manipulador! Parabéns pela história!
November 23, 2020, 11:57

  • Junio Salles Junio Salles
    Obrigado por comentar. Eu sempre imaginei o Hades em sua forma humana assim, que bom que não sou só eu kkk. November 25, 2020, 01:15
Jade Wu Jade Wu
Achei a história muito boa, a protagonista não é uma donzela indefesa, já chega no submundo botando ordem na casa. Eu já tinha imaginado que essa idéia de matar Hades não ia rolar, mas a guria ainda conseguiu sair ganhando no final. Queria eu estar sendo treinada por Hades e ainda ganhar o melhor dog da mitologia grega. Muito bom, amaria uma continuação onde ela coloca o Olimpo no chinelo do lado de Hades!
November 23, 2020, 03:08

  • Junio Salles Junio Salles
    Olá. Obrigado pelo comentário. Pra falar a verdade eu não gosto de escrever sobre donzelas indefesas. Se você der uma olhada nas minhas outras protagonistas, vai ver que todas são Badas... November 23, 2020, 11:14
amy ⛓️ amy ⛓️
Olá, Junio! É muito bom ver você novamente. ♡ Fiquei muito interessada pela premissa do seu conto, uma ida ao submundo para se vingar de Hades? Puts... haja força Catarina! A aparição de Cérbero foi um mimo, fiquei morrendo de amores porque nos meus anos de criança vendo desenhos nos quais ele aparecia meu sonho era poder fazer carinho nesse dogão de três cabeças. Poxa, Catarina, eu teria dado uma moral maior pra esse bebezão. (๑♡⌓♡๑) E do que seria uma vingança, surge uma aliança. Será que vai dar bom? Terminar a história deixando essa dúvida foi uma estratégia de mestre. Parabéns por seu conto e boa sorte no desafio! Como aconteceu anteriormente, em breve você estará recebendo um comentário mais detalhado feito pelo perfil oficial da Embaixada Brasileira. No mais, um abraço e boa semana!
November 23, 2020, 00:55

  • Junio Salles Junio Salles
    Olá. Obrigado pelo comentário. Eu até tinha escrito uma interação maior entre ela e o Cérbero, mas tive de tirar para não ultrapassar o limite de palavras. Mas ela brincava um pouco mais com ele na versão original kkkk November 23, 2020, 11:16
DC David Cassab
Esses acordos com deuses do submundo não dão certo mesmo! Até o Homem Aranha se deu mau com isso já! E que virada a descoberta dela e a proposta final, acredito que Catarina será mais uma que será enganada, bela história!
November 22, 2020, 00:26

  • Junio Salles Junio Salles
    Acordo com os deuses nunca da em algo bom kkkk. Obrigado pelo comentário November 22, 2020, 01:53
Pri Inácia Pri Inácia
Que triste essa jornada de Catarina. E essa reviravolta hein! Será que vale a pena se deixar seduzir pela oferta de Hades? Adorei. Muito bem escrito.
November 21, 2020, 23:08

CC C Clark Carbonera
Que graça o Cérbero agir assim ^^ até porque Catarina é filha de Hades, então seria normal ele agir dessa forma com "alguém de casa" hahaha A descrição do submundo está muito bem feita, me senti como se caminhasse com Catarina a cada metro! E o diálogo dela com Hades mostrou bem a personalidade desse deus: ao mesmo tempo que ele é impessoal em alguns aspectos - no julgamento das almas -, em outros ele é o oposto - quando cobra um preço da Polixena pra reencontrar Aquiles. Será que esse preço era o melhor a ser cobrado mesmo, cara? Eu até entendo a motivo da Catarina e o plano dela pra aceitar o acordo de Hades, agora...será mesmo que confio nesse deus aí? Hahaha certeza que no futuro apareceria algum boi na linha e a Catarina iria se dar mal...esses deuses gregos podem ser bem maldosos :/ Parabéns pela publicação e por estar participando do concurso!
November 21, 2020, 15:23

  • Junio Salles Junio Salles
    Realmente o Cérbero só foi amigável com ela pois ele sentiu que ela tinha o mesmo cheiro do mestre dele. Hades demonstra que não tinha interesse algum em Polixena, ela era uma princesa desconhecida e sem nada a oferecer além de sua beleza. Por isso que ele pede isso a ela. Quando ele vai julga-la e decidir para onde sua alma deve ir, ele a manda para Asfódelos, onde as pessoas sem importância como ela, iam. Catarina aceita o acordo pois sabia que não tinha como enfrentar Hades naquele momento. November 21, 2020, 16:31
~