biana Biana Vendramini

Não sabia como havia parado ali, a única coisa que possuía certeza naquele momento era que de alguma forma totalmente inexplicável estava de volta aquele cenário de seu passado, aquela bela e aconchegante casa de fachada verde que tanto adorava visitar em sua infância aos finais de semana e onde festejou com imensa alegria seus melhores aniversários. Que atualmente não fazia mais parte de sua vida.


Conto Todo o público.

#saudades #família #lembranças #despedida
Conto
0
2.5mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo Único

Permanecia na calçada do outro lado da rua a observar a casa a sua frente. Estranhamente a via encontrava-se completamente vazia, sem uma alma viva sequer. Não sabia como havia parado ali, a única coisa que possuía certeza naquele momento era que de alguma forma totalmente inexplicável estava de volta aquele cenário de seu passado, aquela bela e aconchegante casa de fachada verde que tanto adorava visitar em sua infância aos finais de semana e onde festejou com imensa alegria seus melhores aniversários, mas que atualmente não fazia mais parte de sua vida. Porém, ao elevar o olhar em direção a sacada de entrada lá estava ela a observa-la. Era como se a chamasse apenas com os olhos, como se já estivesse esperando-a com um propósito. Seu coração imediatamente passou a bater de maneira descompassada e uma vertigem consumiu-lhe o corpo a medida que suas íris amendoadas não conseguiam desviar o foco daquela pessoa que a aguardava na sacada.

Sabia que esta seria a última chance que teria de falar-lhe tudo o que não pôde dizer em vida devido a partida inesperada dela. Mesmo que o turbilhão de sentimentos a privassem de qualquer ordenação em sua mente deixando-a sem ter a mínima ideia do que diria, ainda assim tinha plena ciência seja o que fosse que saísse de seus lábios seriam as mais sinceras e puras palavras de seu coração. Inspirou e expirou profundamente o ar para dentro de seus pulmões na tentativa de afastar aquela sensação de receio de seu corpo e reuniu toda a coragem que precisava para dar o primeiro passo e atravessar a rua. A cada passada de suas pernas, novas sensações e questionamentos lhe invadiam o íntimo. Parou frente ao portão aberto um tanto quanto hesitante em continuar, não possuía ideia do que esperar daquele reencontro. Entretanto, algo dentro de si lhe dizia para seguir em frente. Os serenos olhos esverdeados permaneciam a esperar por sua chegada. Tomou mais fôlego e começou a subir a escadaria.

O último degrau marcaria o destino final. Mas estava realmente preparada para finalmente poder-lhe dizer adeus? Certamente que não. Ninguém nunca está... Mas era algo necessário, sua última chance para fazê-lo mesmo que não quisesse pronunciar tais palavras. Quando finalmente se viu frente a frente com ela foi como se tivesse voltado ao passado, a nostalgia dos bons tempos tomou conta de suas lembranças. No entanto ainda se encontrava em certo estado de incredulidade.

– Vovó eu... – Engoliu a própria saliva tentando desfazer o nó em sua garganta e a forte palpitação em seu peito.

Mas antes que pudesse realmente dizer o que seus pensamentos lutavam para organizar em sua cabeça, a avó sorriu-lhe doce e puramente. Um sorriso com todo o amor que somente uma segunda mãe carrega em seus lábios. E naquele momento ela soube que não importava o que acontecera ou o que estivesse por vir, tudo ficaria bem. Apesar da perda, tudo ficaria bem... Palavras não mais seriam necessárias, pois ela viu nos olhos de sua amada avó que a mesma já sabia tudo o que seu coração desejava dizer-lhe.

Entretanto, quando esticou a mão para toca-la, a matriarca desfez-se em pó cintilante e em seu lugar restou apenas um envelope. Agachou-se tomando-o em suas mãos. Abriu-o e dentro havia uma carta, uma carta para sua querida e única neta, uma carta com suas últimas palavras da voz mais profunda de sua alma para a mesma. Porém, uma carta cujo conteúdo jamais saberia qual seria, pois tais palavras ficaram para trás presas no tempo e no universo dos sonhos quando foi forçada a abrir novamente os olhos.

21 de Novembro de 2020 às 05:50 2 Denunciar Insira Seguir história
2
Fim

Conheça o autor

Biana Vendramini Esperando os ET's virem me buscar.

Comente algo

Publique!
Thays Diniz Thays Diniz
É sempre tocante a forma como trabalha com as memorias e as perdas que todos nós estamos sujeitos a passar. Espero que vc continue nos prestigiar com o seu talento.
November 21, 2020, 16:02

  • Biana Vendramini Biana Vendramini
    Eu disse que eu tenho um talento nato para drama kkkkkkk Valew mesmo pela força minha metadinha 😍😍😍 Mesmo vc já tendo lido essas histórias. November 21, 2020, 17:57
~