ageha_sakura Ageha Sakura

Hoseok nunca foi de lembrar os momentos de sua infância. Em sua maioria, eram apenas meros borrões. Todavia, existia uma única lembrança que nunca fora deletada de sua mente; a de quando tinha apenas quatro anos e conheceu uma fada na casa de sua avó. Anos se passaram e aquela lembrança ainda estava ali; a sensação de ter perdido a sua grande amizade. Contudo, ao decidir voltar à casa de sua avó, acabou deparando-se com as verdades sobre o misterioso desaparecimento do pequenino Yoon, podendo enfim cumprir a sua promessa de encontrá-lo novamente.


Fanfiction Bandas/Cantores Impróprio para crianças menores de 13 anos.

#bts #yoonseok #sope #fadas #fairy #sugahope #hopesuga #yoongifada #yoongifairy #fairyau
1
2.3mil VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Mais Uma Vez

Bom dia / Boa tarde / Boa noite


Sejam todos bem vindos a "Prometo Te Encontrar"!


Escrevi essa linda história para o meu debut no projeto @/Jhistory do Spirit, infeliz ele chegou ao fim e hoje estou trazendo-a para essa plataforma para espalhar as idéias belíssimas que trabalhei junto deles 💖


Boa leitura, espero que gostem 💞


_______________________


O anoitecer estava chegando. Era possível ver os últimos rastros de luz que emanava do magnífico pôr do sol.


Hoseok estava concentrado em concluir os últimos passos para a nova coreografia que estava criando. Era uma dança precisa mas delicada, envolvendo traços da cultura de seu país assim como partes da atualidade.


Os raios finos e pouco escuros iluminavam sua pele amorenada, realçando toda a sua beleza angelical. Saltava e balançava a fina malha da seda, embelezando e finalizando toda a coreografia.


Finalmente tinha terminado. O suor escorria pela têmpora e descia pelo pescoço, passando pelas clavículas cobertas pela bela camiseta acinzentada.


— Que lindo! — Disse Jimin, seu amigo e sócio da academia de dança que havia construído.


— Obrigado. — Sorriu largo, respirando pesado pelo cansaço — Estava aí o tempo todo?


— Não, peguei só a última parte. Conseguiu terminar? — Perguntou, em seguida entregando-lhe uma toalha e uma garrafa com água.


— Sim! A apresentação será em alguns dias, quando ela terminar vou viajar. — Falou tudo de uma vez, surpreendendo o rapaz mais novo.


— Nunca pensei que o"senhor só tenho olhos pro trabalho"iria decidir tirar uma folga, estou bem surpreso. — Comentou risonho, aproximando-se do mais velho em seguida.


— Sabe que preciso fazer um certo "ritual". — Disse fazendo aspas — Preciso visitar a casa da minha avó, depois que ela faleceu aquele lugar tem ficado abandonado e como lá é o meu reino, preciso sempre estar cuidando dele.


— Tem razão. — Concordou acenando com a cabeça — Não precisa se preocupar! Vou cuidar da academia e dos nossos alunos. — Mostrou seu doceeye smile, fazendo seus olhinhos sumirem e deixarem sua aparência fofa ainda mais à mostra.


— Fofo! — Exclamou animado, apertando as bochechas fofinhas do Park que resmungou em resposta — Obrigado por tudo, você é o melhor, Jimin-ah!


— Faço tudo por você. — Afastou as mãos do outro do seu rosto e caminhou em direção a porta — Vamos? Você precisa de um banho e nós de uma bela comemoração.


— Vamos,Minnie!


Saíram juntos da sala, indo em direção aos banheiros e ao ficarem prontos seguiram para o bar que sempre costumavam ir. Chamaram alguns amigos e passaram toda a noite bebendo, rindo e jogando muita conversa fora.


Era uma turma divertida, sempre repleta de momentos amistosos e descontraídos, porém também tinham os seus momentos ruins e sempre apoiavam-se uns nos outros.


Em algum momento daquela noite, ao comentar sobre sua futura viagem ele lembrou de algo, uma lembrança muito distante mas nunca esquecida por si.


Uma memória de anos atrás, quando ainda era apenas uma criança com quatro anos de idade. Ele nunca fora de lembrar com clareza de toda a sua infância, entretanto, aquela lembrança em especial era importante demais para ser esquecida ou deletada de sua mente.


Recordar aqueles trechos foram suficientes para deixá-lo bobo e logo culpou a bebida, optando por esquecer aquilo por um instante e focar no momento e nos dias que estavam por vir.


Quem sabe se ele pudesse reviver tudo aquilo novamente, mas dessa vez em seu próprioreino? Isso deixaria para pensar mais à frente, agora seu foco era totalmente outro. Voltou a beber e dar boas risadas ao lado dos seus amigos, deixando a noite transformar-se em dia e ele ter de voltar para o seu apartamento, jogar-se na sua cama e acordar apenas pela tarde.


[...]


A noite era fria e densa. Tudo parecia solitário demais, como se algo estivesse faltando para preencher o local.


Hoseok sentia sua pele congelar aos poucos, como se estivesse sendo abraçado por uma forte frente fria que chegava com força, dominando todo o lugar.


Apertou os olhos em puro desespero. Tinha certeza que estava dentro de um sonho, todavia, ele era realista demais para si, sentia na pele a intensidade do que acontecia.


— Acorde... — uma voz em tom baixo e delicado fora escutada pelo Jung, este que inicialmente se negava a ouvi-la — Por favor, acorde...


— Porque quer que eu acorde? Quem é você? — Questionou um pouco irritado, estava frustrado e com medo daquele sonho que mais parecia um pesadelo.


— Sou alguém que precisa de você, que sente sua falta e apareceu apenas para pedir-lhe que saía deste pesadelo e volte a dormir tranquilamente.


As palavras eram confusas em sua cabeça, tudo parecia um enigma e ao mesmo tempo era simples. Sentiu o toque singelo da pessoa dona daquela voz, um pouco grossa mas que ainda possuía um tom delicado.


— Por favor, acorde. Vim apenas te tirar desse pesadelo e dizer-lhe que estou esperando por você,esperança.


Esperança. Sua avó o chamava dessa forma quando era apenas um garotinho, mas além dela existia outra pessoa, alguém doce, especial epequeninoque teve o privilégio de conhecer.


— Espere! Não me faça acordar agora! — Pediu desesperado, sentindo falta do toque e não podendo mais ouvir a sua voz.


Abriu os olhos em puro nervosismo, dando de cara com a mesma escuridão, porém desta vez estava cercado por árvores e uma delas brilhava incessantemente.


— Aonde você está, Yoon? Eu sei que é você!


Acorde, pequena esperança.


Tentou dizer algo, contudo sua voz não conseguia ecoar. Aos poucos a visão fora ficando turva, sentiu seu corpo pesar e por fim a imagem brilhante de Yoon desapareceu.


Eleacordou.


A respiração estava ofegante, o suor escorria pela sua testa, o coração estava acelerado e a sensação esquisita ainda continuava ali, queria a todo custo ter alcançadoYoon, mesmo se não tivesse plena certeza de que era ele quem estava ali, salvando-o de um pesadelo ruim que sempre tinha todas as noites.


Afadahavia aparecido em seu sonho, apesar de que em todos os seus pesadelos nunca havia o encontrado. Ele estava sempre cercado pela floresta escura e densa, isso até osmonstrosque surgiram das trevas e queimarem todo o lugar, deixando o Jung preso e sozinho em meio ao caos.


— Foi só um sonho... isso foi apenas um sonho — murmurava para si, tentando buscar uma forma de acalmar sua respiração e os batimentos acelerados do seu coração.


Buscou pelo seu celular, ligando o aparelho e caçando o número de Jimin, pois sempre que tinha esses pesadelos ligava para o mesmo e tentava se confortar escutando a voz do mais novo.


— Alô? Desculpa a hora, mas você sabe, aqueles pesadelos de novo, mas desta vez ele estava mais calmo, só que...


Não precisa se desculpar, te entendo totalmente. Só que o que? Conte-me tudo.


— É quealguémdo meu passado, sabe a pessoa que sempre busco em meus sonhos. — Disse conseguindo acalmar-se aos poucos.


O que eu sempre digo que é o amor da sua vida?


— Esse mesmo.


E como foi? Conseguiu ver o rosto? O que ele disse?


— Calma, calma, vou te contar tudo sem poupar nos detalhes, apesar de não serem tantos.


Faça isso! Temos a madrugada inteira pela frente.


E assim a conversa se estendeu durante toda a madrugada até o comecinho da manhã. Jimin havia lhe orientado sobre o assunto, sempre alertando-o sobre o possível perigo que isso possa representar.


Não chegavam a serem especialistas em sonhos, mas sabiam que era necessária toda a união para o Jung enfrentar o passado e ir em busca de respostas, talvez até conseguindo encontrar oamor da sua vida, ou seja, afada Yoon.

[...]


O dia da apresentação havia finalmente chegado. Todos encontravam-se posicionados para entrarem no palco, carregando consigo corações acelerados por debaixo dos tecidos usados como fantasias da apresentação.


Tudo fora muito bem ensaiando, deixando uma parte especial para o solo de Hoseok, onde mais uma vez osolda academia de dança iria brilhar e iluminar toda aquela apresentação.


E com um sorriso radiante, tão chamativo quanto o próprio astro rei, ali estava o Jung, acompanhado de seus amigos que sempre motivaram o rapaz, nunca deixando que algum dia ele ousasse desanimar.


— Você é professor de dança, um dos mais renomados do país. Já ganhou prêmios, já fez apresentações em todo o mundo, mas mesmo assim insiste em ficar nervoso todas as vezes. — Soltou um suspiro cansado — Realmente estou ficando cansado de motivar e acompanhar você, Jung Hoseok-ssi.


— Namjoon-ssi! Você sabe muito bem que não consigo evitar, é algo de mim. — Rebateu o mais novo, indignado com a audácia do seu amigo.


— Depois de anos de experiência e reconhecimento já deveria ter compreendido oquãotalentoso você é! — Cruzou os braços cansado de todo aquele sermão inútil.


— Meninos, chega! — A voz doce do Park fez-se presente, interrompendo as reclamações insistentes de ambos — No final todos aqui se amam e querem cuidar um do outro, contudo estamos prestes a começar o show, então peçogentilmenteque cada um vá para o seu lugar. — O sorriso de aparência gentil contradizia com a rispidez na utilização do frisamento daquela palavra, causando ironia a situação e a fala do rapaz.


Jiminietem toda razão, vamos pros nossos lugares! — Taehyung disse em seguida, arrastando consigo Namjoon e Jeongguk — Vamos logo!


— Boa apresentação, sei que vai arrasar e brilhar mais uma vez. — Seokjin disse-lhe doce, dando um abraço apertado e em seguida saindo para deixar ambos a sós.


— Agora que todos foram posso te dar todo o meu apoio, mesmo que você já o tenha. — Comentou risonho.


— Não sei como você me suporta, sempre perturbo suas noites de sono para lamentar pela as minhas perdidas. — Confessou envergonhado, coçando a nuca e de cabeça abaixada — Obrigado por tudo,Minnie, não sei nem como agradecer por tudo o que faz por mim.


— Não precisa agradecer ou retribuir, faço isso porque amo você e sou seu amigo. — Abraçou o rapaz com força — Estou aqui torcendo pela sua apresentação e para que encontre a pessoaespecialque tanto buscou durante anos.


— Confesso que tô começando a pensar que ela é você. — Disse rindo em seguida, apertando o menor em seus braços e afundando sua cabeça no pescoço do rapaz.


— Bobo. — Depositou um tapa fraco no braço esquerdo do rapaz, rindo também em seguida — Estou na torcida,fighting!


Fighting!


Dito isso ambos separaram-se daquele abraço gostoso e seguiram seus caminhos. Hoseok foi em direção ao palco, posicionando-se ao lado dos demais dançarinos enquanto esperava a música tocar.


Já o Park seguiu para sentar-se junto de seus amigos, tendo uma visão privilegiada da apresentação do Jung enquanto sorria bobamente por toda a situação.


Era verdade sim que amava o rapaz e saber que após a apresentação ele iria em busca do seu passado, reviver um amor antigo, eracomovente.


Sempre ouvia o mais velho falar com um tom apaixonado sobre suas lembranças de infância ao lado dessa pessoa, e saber que existe alguém capaz de deixá-lo ainda mais estonteante era realmente comovente.


Torcia com toda a força do seu coração para que o rapaz pudesse encontrá-lo, desvendar o mistério de todos aqueles pesadelos e, enfim, ter o seufinal feliz assim como nos contos de fadas.


A música começou a tocar, interrompendo a onda de sentimentos de Jimin, fazendo-o focar unicamente no belo dançarino que mostrava seu talento naquele pequeno palco.


E, mais uma vez, Park Jimin se viaapaixonadopelo seu melhor amigo, entretanto seu amor pelo rapaz era especial demais para que um dia desejasse tê-lo somente para si. Ele deixava o Jung ser livre, pois sua amizade com o mais velho estava acima de seus próprios sentimentos, incentivando ainda mais a felicidade de Hoseok.


Pois, para o Park, ver o lindo sorriso do Jung e a forma bela como ele dançava e confiava em si, era o que deixava-o verdadeiramentefeliz e apaixonadopelo rapaz. Tendo isso ele não precisava de maisnada.

[...]


A apresentação havia terminado a seis horas atrás. Ela havia sido um completo sucesso, este que foi muito bem comemorado por todos os dançarinos, todos exceto Hoseok.


O mais velho havia usado a desculpa de que estava cansado demais, além do fato que precisava curtir seu momento sozinho. Todos compreenderam, pois conheciam todas as desculpas e o próprio Jung, sabiam que ele gostava deste momento solitário, como uma conversa consigo mesmo após uma brilhante apresentação.


E ali estava ele, sentado no piso de madeira da sala de dança que mais usava para ensaiar e criar coreografias. Fitava o teto em tom marfim, pensando em tantas coisas e ao mesmo tempo apenas curtia o momento, aquele som do vento entrando pela janela, o balançar do tecido das cortinas, a luminosidade do pôr do sol pintando todo o local.


— Está no mundo da lua? — Disse uma voz muito bem conhecida por si.


— Pensei que estava bebendo junto dos outros, estou até surpreso. — Respondeu divertido, um sorriso sacana desenhado em seus lábios.


— Não tava afim de beber. — Caminhou passos calmos até sentar ao lado do mais velho, observando a expressão de divertimento dar lugar a tranquila que adornava seu rosto.


— Park Jimin negando uma rodada de bebida? — Perguntou ironicamente, rindo alto pela resposta do mais novo — Talvez hoje seja o fim do mundo, preciso arrumar minhas malas! — Exclamou com uma falsa expressão de desespero.


— Deixa de drama! — Não suportou segurar a risada e deixou-a ecoar por toda a sala, contagiando o rapaz ao seu lado, que juntos realizaram um verdadeiro coral de gargalhadas desconexas e dolorosas.


— Tava todo pensativo ai... — começou, cessando o riso e prosseguindo em seguida — Estava pensandonaquela pessoa?


— Não exatamente. — Disse ao também dar um fim às suas risadas — Para ser mais exato, tava apenas repassando os momentos de hoje e pensando como vai ser daqui a dois dias.


— Sobre hoje, não precisa se preocupar, estava incrível como sempre. — Comentou fitando com certa intensidade a porta aberta da sala — Já sobre a viagem, acho que deveríamos apenas pensar que o lugar está bem, que você vai voltar e vai reviver as cores que sua avó dizia que lá tem.


Passaram algum tempo em silêncio, ambos aguardando a mente de Hoseok aceitar o conselho de Jimin e seguirem para o próximo passo;enfrentar o passado.


O Park tinha consciência que todos os pesadelos e sonhos confusos que o Jung teve eram totalmente relacionados com odesaparecimentoda pessoa que ele tanto amou. Sua mente não aceitava este fato e sempre estava buscando por uma forma de encontrá-lo novamente, seja num sonho ou pessoalmente.


Para Hoseok era difícil convencer sua mente sobre a possibilidade de issonuncaacontecer.


— Sabe,Minnie... — começou, logo em seguida fez uma pequena pausa, criando coragem para continuar — Se eu encontraressapessoa, se eu souber o motivo dela ter sumido, talvez eu fique com ela e talvez não, porque isso não depende somente de mim.


— Claro que não. Ambos são independentes e por isso devem fazer suas próprias escolhas, pois um relacionamento funciona a dois e não somente um.


— Sim. — Disse calmo, sentindo a brisa balançar seus fios e os do Park de forma lenta — Vou fazer o meu melhor, esperei tantos anos e não moço desistir agora.


— Isso mesmo! — Abraçou o outro de lado, apertando e incentivando-o a prosseguir — Vou estar do seu lado em todo momento, mas acredito sim que vocês irão ficar juntos.


— Tenho essa pontinha de esperança também.


Olharam um para o outro, deixando aquele clima bom cercá-los e sorriram de forma verdadeira e sincera, transmitindo confiança acompanhada de uma dose extra de carinho.


— Obrigado por tudo. Eu não sei o que seria de mim sem você. — Segurou a mão do mais novo, entrelaçando seus dedos e sorrindo ao fitá-los por um breve segundo.


— Não tem de quê! — Sorriu bobo pelo ato do mais velho, sentindo seu coração falhar algumas batidas — Precisamos ir! Está ficando tarde e você precisa de muito descanso.


O Jung concordou com um acenar de cabeça, levantando e seguindo o rapaz para pegarem suas coisas e partirem da academia. O dia havia sido cansativo, porém ele veio repleto de momentos bons e encorajadores para Hoseok e Jimin, como forma de subirem mais um degrau dessa gigantesca escadaria nomeada vida.


[...]


Depois de muita espera e preparativos, finalmente o dia da viagem havia chegado.


As malas estavam prontas, Hoseok estava arrumado e ele se preparava para sair junto aos seus amigos, terminando de guardar as coisas no carro para seguirem ao aeroporto.


Chegando no lugar todos começaram a se despedir do Jung, dando abraços apertados e falando o quanto estávamos felizes pela folga que ele estava se dando, pois sabiam mais do que qualquer um o quanto Hoseok doava sua vida pela dança.


— Se cuida, garoto! Não quero ver você voltando triste emagricela. — Namjoon tinha a aparência um pouco bruta com o rapaz, porém toda aquela marra servia apenas para disfarçar todo o carinho e a proteção que ele tinha, mesmo que fosse o mais novo entre os dois.


— Não se preocupe, vou estar distante das redes sociais mas ainda existe a possibilidade de ligação. — Comentou risonho, observando a carranca do Kim desfazer-se aos poucos.


— Estamos te esperando! — Taehyung disse animado, sentiria muita falta do seu hyung, contudo sabia o quão importante era aquele momento para o mais velho.


— Mande cartas! — Exclamou Jeongguk, o que resultou em altas risadas de todos.


— Vou mandar nos seus sonhos. — Disse divertindo-se com toda a situação.


— Se cuida, meu bem. — Jimin o puxou para um abraço, fazendo um delicado carinho em suas costas e cabelo — Se tiver algum pesadelo pode ligar, não me importo.


— Vai ficar tudo bem, não se preocupe. — Sorriu pequeno, tentando de alguma forma transmitir segurança ao baixinho.


— Bom, então é isso. — Disse Seokjin — Cuide-se, não se esqueça de comer e dormir o suficiente! Estaremos esperando por você.


— Vou me cuidar direitinho, não se preocupem! Logo estarei de volta e quero festa para comemorar. — Exigiu em tom sério que logo deu lugar ao brincalhão de sempre.


— Só porque você merece. — Falou Jimin, rindo da ousadia de seu amigo — Agora vá! Não quero meu amigo perdendo o vôo.


— Tudo bem, tudo bem. Até logo! — Acenou em despedida, partindo com o coração na mão por ter que ficar distante por um bom tempo, entretanto, sabia que era o melhor quando se tem uma vida complicada e que dificilmente lhe dá uma folga.


Precisava cuidar do seu corpo e da sua mente, pois um tempo longe serviria para acalmar seu coração, este que palpitava sem parar devido ao nervosismo que o dominava.


Entrou no avião, sentando-se na sua cadeira e fechando os olhos para dormir durante a viagem. Sem perceber caiu no mundo dos sonhos rapidamente, o cansaço de sua rotina estava acumulado e aquela era a maior prova que o Jung poderia ter.


Deixou-se aproveitar do primeiro sonho bom que teve em anos, algo calmo e tranquilo que realçava com a sua personalidade, como se aqueles pesadelos e sonhos enigmáticos nunca houvessem existido.

[...]


Finalmente estava ali, ficando os pés novamente naquele lugar que tanto sentiu falta.


Era tão boa aquela sensação de nostalgia subindo pelo seu corpo, a pouca movimentação de pessoas, as barraquinhas de caldo e guloseimas.


Respirou aquele ar um pouco natural e caminhou em direção a um táxi, entrando no veículo e ditando o endereço ao motorista.


A casa de sua avó ficava localizada a uma distância considerável da cidade, rodeada por uma área verde e restrita a pessoas de fora. Lembrava bem o cuidado que todos da cidade sempre tiveram com o ambiente, preservando-o para o futuro.


Durante todo o percurso ele deixava-se levar pela melodia de uma banda antiga que tocava no rádio, algo semelhante ao country e com uma pitada de rock, o que combinava com toda aquela paisagem.


Quando avistou a velha casinha a alguns metros de distância, pôde sentir seu coração saltitar alegre e aquela mesma sensação gostosa aumentar em níveis consideráveis.


Estava em casa depois de anos.


— Você deve ser aquele neto da senhora Jung, lembro muito bem dela, a cidade nunca irá esquecê-la. — Comentou o motorista ao parar em frente a moradia, observando Hoseok pelo retrovisor.


— Sou sim, vim cuidar e devolver as cores a esta casa. — Respondeu sorridente, admirado com o que o mais velho tinha dito.


— Você me parece ser um bom menino. Cuide bem desse lugar, ela sempre fez o possível para preservar a natureza daqui. — Disse a parte final com um pouco de receio, como se estivesse escondendo algo, o que deixou o rapaz confuso e um pouco temeroso.


Sem mais delongas fez uma breve despedida e seguiu para dentro. Ao abrir o cheiro forte de mofo misturado ao odor de poeira infestou o seu nariz, causando uma sessão dolorosa de muitos espirros.


— Parece que essa casa foi abandonada por cem anos, eu em. — Resmungou ao coçar seu nariz e decidindo por procurar seu antialérgico. Tomou o comprimido, pegou uma de suas camisetas velhas e a amarrou ao redor do seu nariz e da sua boca.


Sabia que seria uma batalha dura limpar toda aquela casa, principalmente por ter rinite, contudo todo esforço valeria a pena no final.


Arregaçou as mangas e com um sorriso estonteante escondido pela camiseta, adentrou a casinha e começou a operação limpeza.


Enquanto trabalhava duro para ver aquela casa fantasmagórica ganhar vida, permitiu-se viajar a vinte e quatro anos atrás, quando veio aqui pela primeira vez.


Era apenas um mero garotinho, com seus quatro aninhos de idade, as janelinhas totalmente a mostra e uma inquietação inconfundível. Pela primeira vez iria conhecer sua avó paterna.


Ele estava tão animado que acabou contagiando seus pais, estes que nunca imaginaram deixar seu filhinho passar tanto tempo longe deles, todavia seria bom para ele conhecer a natureza e fugir da sua rotina.


Observava as árvores e os animais pela janela. Estava admirado com a dimensão azul acima, como se toda aquela paisagem fosse surreal, algo de outro mundo.


Sem demora chegaram em frente a casa, onde na porta uma bela senhora os aguardava segurando um pano de prato em suas mãos. Sem saber se ela era a sua avó, apenas seguiu seu instinto e correu para os braços daquela senhora, sendo recebido com todo o amor que a mais velha tinha pelo pequeno, mesmo que estivessem se conhecendo naquele momento.


— Meu docinho, é tão bom conhecer você! — Apertava o menor em seus braços, acariciando as madeixas acastanhadas do garotinho — A vovó preparou muitas guloseimas pra você, estão todas te esperando lá dentro. — O sorriso maternal adornava o rosto daquela senhora, a felicidade estampada para que alguém a milhões de quilômetros de distância pudesse ver.


O sorriso grandioso em formato de coração fora a resposta que Sarang precisava. Soltou o garotinho e observou o mesmo correr em direção a cozinha.


— Pelo jeito já se deram muito bem, então posso esperar uma temporada maravilhosa ao lado do seu neto, sogrinha. — A mãe de Hoseok, Somi, disse sorridente, tendo o mesmo sorriso do garotinho.


— Claro que sim. Meu neto é muito lindo, puxou a beleza dos dois, mas o sorriso é todo seu, minha nora. — Afastou os ombros da jovem, fitando toda a expressão de contentamento que ela tinha com o toque — Vamos entrar, tem muita comida para todos vocês.


Ambos entraram no recinto e puderam sentir o acolhimento do local, era como se estivessem em sua própria casa, pois aquele lugar era um lar a qualquer pessoa que precisasse.


Fora uma manhã regada a muitas risadas e comida boa, para em seguida haver a pequena despedida de seus pais. Olhando da porta ele viu o carro desaparecer aos poucos, sumindo de vista e deixando um garotinho a sós com sua querida avó.


Ele dormiu a primeira noite abraçada com a mais velha, tentando afastar a saudade que sentia dos seus progenitores.


— Está tudo bem, meu menino, eles logo vão voltar. — Dizia Sarang, enquanto acariciava os fios macios do menino — Enquanto eles não vem vamos aproveitar para nos divertir! Amanhã vou te levar para conhecer a floresta, tenho certeza que vai amar correr por todo lugar.


Na manhã seguinte ela havia feito como prometido. Apresentou a Hoseok todo aquele paraíso que parecia particular, o que não deixava de ser uma leve verdade. Ela mostrou-lhe um lindo riacho de água cristalina, onde tomaram um gostoso banho e puderam sentir o som majestoso do vento soprando as folhas no topo das árvores.


— Está vendo,esperança? Essa é a natureza te recebendo, eles gostaram de te conhecer.


Realmente a natureza havia gostado de si, assim como uma pequena fadinha curiosa que lhe fitava a distância, sorrindo bobo por conhecer o garotinho.


Dias foram passando naquele paraíso. Não existia um dia ali que pudesse sentir-se insatisfeito, sempre correndo para todos os lados e brincando de todas as formas. Em um desses dias decidiu novamente visitar aquele riacho, dessa vez sozinho.


Caminhou sem pressa, quase saltitando como um coelhinho. Continuou a andar até ver a água sendo iluminada pela luz do sol. Correu em direção a margem, tirando suas roupinhas e pulando com tudo, escutando um sonoro "splash".


Nadava como podia, aproveitando que ali era raso e ele sabia um pouco como se locomover dentro da água.


— Por que está brincando sozinho, menininho? — Uma voz doce e um pouco grave questionou-lhe, divertida com a forma do garoto bater as pernas em uma tentativa de realizar com eficácia um nado.


— Quem 'tá falano? — Perguntou assustado, tinha medo de ser algum espírito malvado querendo lhe pegar.


— Eu me chamo Yoon! — Olhou para todos os lados em busca do dono da voz, até encontrá-lo sentado numa pedrinha bem próxima a lagoa.


— Você é pequenininho! — Exclamou surpreso com a criatura.


— Eu não sou pequeno, você que é grande demais! — Respondeu-lhe no mesmo tom, ficando um pouco chateado pelo que ele havia dito.


— Digulpa, Yoonie. — Pediu sincero, estendendo a ponta do seu dedo para que o ser fizesse contato como forma de perdão.


— Tudo bem. — Tocou o dedo de Hoseok com a sua mãozinha minúscula, fazendo o menino sorrir — Vamos ser amigos?


— Sim! Sim! — Exclamava em pura animação — Bamo ser amiguinhos!


Eles selaram aquela promessa e a partir daquele dia brincaram sempre juntos. Todos os dias estavam desbravando lugares, conquistando territórios e procurando por tesouros. Eram os donos daquele lugar e ninguém poderia negar.


Nos momentos de fome entraram escondidos na casa e roubaram alguns bolinhos e biscoitos feitos por sua avó, para em seguida comerem sossegados na margem do riacho.


Tomavam banho juntos, dormiam juntos, comiam e falavam sobre suas vidas com pura animação, cada um contando sua história e sempre prometendo passarem mais momentos como aquele.


Todavia, imprevistos sempre podem acontecer e naquele momento o inesperado ocorreu.


Yoon havia desaparecido.


Hoseok procurou em todos os lugares que costumavam brincar, buscou e buscou mas não o encontrou. Seu coração estava dilacerado, doía intensamente e as lágrimas pareciam nunca ter fim.


Ele sentia falta do seu amigo, daquele que era sua companhia em todos os momentos, e nos braços de sua amada avó, ele derramou rios de lágrimas e prometeu em silêncio que iria reencontrá-lo.


"Prometo que, não importa o que aconteça, eu vou te encontrar!"


A promessa estava selada e ninguém poderia quebrá-la. Sem demora o Jung partiu de volta para sua casa, deixando naquele lugar o seu coraçãozinho como prova concreta de que um dia voltaria ao seu reino, o seu paraíso.


A casa estava impecável! Hoseok estava surpreso com o resultado e muito feliz, apesar de não conseguir parar de espirrar.


Resolveu descansar um pouco, cochilando bastante até chegar a hora de fazer sua comida. Cozinhou algo rápido e prático, alimentou-se e depois de algum tempo decidiu seguir seu instinto e entrarnovamentenaquela floresta.


Estava em frente ao lugar, receoso se deveria entrar ou não, todavia seguiu novamente os seus instintos e começou a desbravar toda aquela região que conheceu quando criança.


Ela não parecia ser a mesma de forma alguma, tudo era diferente e dava para perceber. Fitou o chão e percebeu que havia marca de pegadas ali, o que estranhou.


— Será que andaram invadindo esse lugar depois que foi abandonado?


Começou a questionar-se, buscando por uma resposta para a sua pergunta. Quanto mais andava mais tinha convicção de que estava totalmente certo.


As árvores ao redor do pequeno riacho haviam desaparecido, apenas havia marcas de queimadas e uma visão empobrecida. A água, antes cristalina, agora tinha uma coloração suspeita e nada pura.


No final, apesar de todo o esforço da sua amada avó, a humanidade devastou o seu antigolar.


— O que eles fizeram aqui? Isso é podre e nojento, olha no que transformaram esse lugar! — Estava irado. O gosto amargo da raiva dominava o seu paladar, causando revolta em si e no seu coração.


Haviam invadido um territóriosagradoe devastado tudo como se não significasse nada. Como se eles não precisassem do oxigênio natural gerado ali.


— É triste, não é? — Paralisou no mesmo instante ao ouvir aquela voz,aquelamesma doce e grave voz que escutou pela primeira vez quando era uma criança, que conseguiu escutar novamente em um sonho e agora estava ali, tendo o prazer de experimentar aquela sensação novamente.


Virou-se de imediato, com lágrimas em seus olhos e o coração acelerado. A euforia subindo pelas suas veias junto ao sangue.


— Oi,esperança. — O sorriso gengival que tanto amava fora o suficiente para fazê-lo desabar em lágrimas, imerso numa confusão de raiva, frustração, tristeza e felicidade.


Ouviu passos caminharem pelos galhos secos e sentiu braços magros o envolverem num abraço. Um doce e carinhoso abraço, algo que só sentia com seus pais e suafalecidaavó.


Yoon!— Exclamou a plenos pulmões, soluçando em seguida devido ao choro — Por que você sumiu!? Eu te procurei por toda parte e não te encontrei em lugar algum!


Yoonnada dizia, apenas deixava o Jung chorar em seus braços enquanto o envolvia num belo gesto fraternal. Ele explicaria tudo quando o rapaz estivesse mais calmo, por agora o melhor era deixá-lo por pra fora todas as dores guardadas em si durante esses longosvinte e quatro anos.

[...]


Estavam sentados na varando do casebre, observando o pouco que restara da floresta que antes dominava todo aquele lugar.


Seu paraíso havia sido desfeito em chamas assim como em seus sonhos.


— Agora que você aparenta estar mais calmo, vou poder te explicar tudo. — Disse-lhe Yoon, sentado ao seu lado enquanto a mente parecia trabalhar numa forma de conseguir explicar tudo com clareza.


— Apenas me diga o motivo de ter sumido, não precisa se estender tanto.


— Bom... — parecia um pouco receoso com o que estava prestes a dizer — Depois do último dia em que brincamos juntos eu fui chamado urgentemente pelos meus superiores. — Fez um instante de pausa, logo podendo prosseguir — Todas as fadas e elfos me condenaram por criar um laço afetivo com um humano, por isso fui sentenciado a viver a partir daquele dia como um. Eu perdi todos os meus poderes e as minhas asas, caindo no mundo com um corpo adulto e se eu aparecesse, sabia que não iria me reconhecer.


Ficaram um momento em silêncio, permitindo que Hoseok pudesse assimilar tudo com calma e tranquilidade.


O tempo inteiroYoonvinha sendo castigado por sua causa, por causa da relação linda de amizade que criaram juntos no passado.Ele sofreu tudo sozinho por nós dois.


— Depois disso, eu comecei a me aproximar da senhora Sarang, sua avó. Éramos próximos e eu a ajudava nas vendas de doces e plantinhas. Ela era como uma mãe que eu nunca tive nada vida. — Um sorriso pequeno surgiu em seus lábios, esquentando o coração de Hoseok — Infelizmente ela teve que partir, mas me fez prometer que cuidaria desse lugar até o seu retorno.


— Ela sabia sobre sua verdadeira identidade? — Tocou suavemente a mão do outro, como forma de transmitir calma a ele.


— Sim, ela sempre soube. — Ouvir aquilo o surpreendeu, jamais imaginaria que ela saberia de tudo. Era realmente chocante.


— Estou sem palavras. Ela não pensou que você fosse louco? — Perguntou confuso, logo rindo pelo nervosismo que dominava seu corpo.


— Não, em nenhum momento. — Apertou a mão do rapaz, fazendo leves carícias com o dedão — Ela me fez prometer cuidar desse lugar e te explicar tudo, talvez ela tivesse o poder de prever o futuro, não sei. — Comentou divertindo-se com as expressões de surpresa de Hoseok.


— Fico feliz que tenha cumprido a promessa, mas também triste porque passou todo esse tempo sozinho, me esperando. — Desabafou a última parte sentindo todo o seu coração se desmantelar, era muito doloroso imaginar todo o sofrimento deYoon.


— Está tudo bem. — Puxou levemente a mão dele, depositando um beijo casto na parte superior da mão — Pude te encontrar nos sonhos, ouvir sua voz e ver todo o seu crescimento, é o suficiente para mim.


O sorriso gengival estava tornando-se a completa perdição de Hoseok, deixando o mais novo ainda maisapaixonadodo que ele já era.


— Mas me diga, como você consegue ser tão jovem mesmo que tenha perdido seus poderes? — Aproximou-se mais do outro, encostando sua cabeça no ombro dele.


— Meu sangue ainda é de fada, então não deixo de ser imortal até virar um humano por completo. — Confessou, sentindo que podia confiar tudo e mais um pouco a ele.


— E como pode se tornar completo? — Em momentos como esse gostaria de repreender sua curiosidade.


— Entregando-me de corpo e a alma a você. — Virou o suficiente para fitar os olhos brilhantes de Hoseok o olhando com atenção, podendo sentir os batimentos acelerados pelo contato das mãos.


— E você pretende abandonar sua vida eterna para ficar comigo? — Tinha um pouco de receio da resposta ser negativa, contudo, depois de ouvir toda aquela história, desconfiava que ele desistiria de si tão fácil.


— Eu sou seu há muito tempo, só falta você me ter por completo. — Beijou a ponta do nariz do rapaz, deixando-o um pouco vermelho pela ação —Você me aceita, de corpo e alma, mente e coração, por todos os dias da sua vida?


Aceito.


Não fora preciso mais nada para entregarem-se ao desejo de finalmente matar toda aquela saudade por completo. Os lábios encontraram-se pela primeira vez, num toque tímido e macio, causando um turbilhão de sentimentos em ambos e deixando claro a desistência de umaeternidadesolitária para viver o suficiente ao lado de quem amava verdadeiramente.


A partir daquele dia eles uniram-se das formas citadas, cumprindo a missão de restaurar aquele paraíso e devolver o lar das fadas e elfos. Demorou o suficiente para conseguirem punir os responsáveis e unir forças com a comunidade para o replantio.


Depois abriram novamente a loja de sua avó e decidiram viver daquela forma, dando seguimento ao sonho de Sarang e permitindo-se viverem seus próprios sonhos.


Hoseok continuava a comandar sua academia de dança, mas sempre voltava para os braços de seu amado.


Jimin continuava a sempre lhe dar apoio até um dia encontrar seu verdadeiro amor, alguém que nunca tinha pensado na possibilidade: Kim Namjoon.


Taehyung e Jeongguk criaram laços maiores e assumiram um relacionamento profundo e cheio de sentimentos, enquanto Seokjin encontrou o amor da sua vida na cidade da avó de Hoseok.


Todos tiveram suas vidas, repletas de lutas e desafios, todavia nunca desistiram de seus sonhos e de acreditarem no valor que era viver. No prazer que era cuidar e preparar tudo para o próximo, além de serem o apoio um do outro nos momentos bons e ruins.


A vida não é feita de finais felizes, porém podemos fazer dela um lugaragradávelefelizpara todos nós.



*Notas Finais:*


Primeiramente quero agradecer a @Soxshitte do Spirit por essa belíssima capa, estou verdadeiramente encantada por essa obra de arte, você é muito talentosa 😍🥺💖💞💖💞. Também agradeço a @mode do Spirit por ter feito essa linda betagem pelo projeto, obrigada de coração 💜💞💜💞


Infelizmente o @/Jhistory chegou ao fim, mas as lembranças que levo comigo permanecerão vivas. Obrigada a todos que leram, vocês são especiais demais 💖💞


Twitter: @stephy_lilian

CuriousCat:
https://curiouscat.me/stephy_lilian


Nos vemos em uma próxima história 💕

15 de Novembro de 2020 às 19:24 0 Denunciar Insira Seguir história
2
Fim

Conheça o autor

Ageha Sakura >> why do you still wishing to fly? >> taekook is a cute world sope ; bwoo ; kaisoo ; markson ; hyudawn twitter: @stephy_lilian [Ficwriter]

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~