l
luana sara


O que aconteceria se um Deus do antigo Egito se apaixona-se por uma mortal? Um amor Impossível? Talvez, mas não pra eles,Muitas coisas estão em jogo no amor deles,Mas mesmo assim eles não desistiram , lutaram por seu amor,Mesmo que no começo eles se odiarem,Mesmo com sua frustração Nathifa se permitiu amar. ESSA OBRA É DE MINHA TOTAL AUTORIA PLAGIO É CRIME QUEM QUISER COMPARTILHAR ESSE LIVRO EU AGRADEÇO.


Romance Erótico Todo o público.

#deuses-egípcios-deuses-ficção-amor-romance-aventura-adversários-brigas-fique-em-casa-2020
2 / 40 CAPÍTULOS História interativa
0
540 VISUALIZAÇÕES
Em progresso - Novo capítulo Todos os Sábados
tempo de leitura
AA Compartilhar

1.

Seria possível um Deus e uma mortal se apaixonarem? Você que deve ter um estado mental de dar inveja diria que não, mas eu costumo dizer que as melhores histórias são as impossíveis.

Nathifa uma mulher de 20 anos,seus pais ainda acreditavam que os deuses existiam e que um dia voltariam em uma glória reluzente,porém Nathifa decidiu não acreditar nisso,sua curiosidade por histórias antigas fez despertar nela o desejo de ser arqueóloga e ao terminar sua escola ingressou na carreira e aos 20 anos já era uma arqueóloga no Egito,ela amava descobrir alguma coisa relacionada ao passado egípcio,era como um grande enigma que ela estava obcecada para devendar.

Só que um acidente mudaria tudo, sua mãe havia morrido após se envolver em um acidente de carro.
Nathifa desolada foi até um templo de Hórus que ela trabalhava há uns três meses e com a sua última gota de esperança implorou para o deus trazer sua mãe de volta.

A gorota sem obter nenhuma resposta começou a entrar em um estado de Pânico e foi destruindo todos os objetos que via pela frente.
chegou a conclusão que destruí-los não resolveria o problema, porém um objeto em seu pulso chamou sua atenção,um bracelete que ela sabia a história pois foi sua mãe que a deu.

"Esse bracelete foi do próprio Hórus,nossa família o tem a anos agora passo para você meu amor."

Aquelas palavras ecovam no seu subconsciente como espadas que a atravessavam.

"Maldito seja Hórus! Maldito seja todos os deuses!"

Com ódio em seu coração ela arrancou o bracelete dourado que era contornado por pedras de diferentes cores de seu pulso e brutalmente jogou-o na parede e devagar foi caindo ao encontro do chão.

Nathifa estava armagurada e sozinha ela precisava de uma luz,ela se encontrava em um túnel escuro e sombrio que se chamava solidão.

"Que clarão é esse?"

Se endagava ao perceber uma claridão no local.

"Mas que porr..."

Rapidamente o clarão vai ao seu encontro fazendo -a cair em um sono profundo.

Nathifa ainda estava desacordada.
O local onde se encontrava era quente,sua pele branca estava avermelhada pelo sol que estava escaldante.

Ela abria os olhos lentamente tentando se acostumar com a claridade que insistia em invadir seus belos olhos amendoados.
Ela se espreguiçou sentindo pequenas Pedrinhas ao seu redor.

"Onde estou?"

Se indagou a garota,ela estava assustada suas últimas lembranças foi ver sua mãe morta no necrotério.

- mamãe...

Ao ouvir essas palavras saírem de sua boca a garota estremeceu a sua estrutura,ela se lembrou de sua mãe a colocando para dormir,contando as histórias dos deuses e da terrível briga que tiveram antes de sua amada mãe morrer.

- me perdoe mamãe,me perdoe!

Ela sussurrava com pesar,estava armagente decepcionada consigo.

A bela jovem se levantou lentamente da superfície que se encontrava,ela olhava ao redor tentando identificar onde estava,a garota só podia confirmar uma coisa o sol era abrasador,aquilo a incomodava,nunca gostou do sol, o calor sempre a incomodou, porém no ambiente que se encontrava era mais natural,ela estranhou raramente conseguia estar em um lugar como aquele.

"Que lugar é esse?"

Ela começou a vaguear sem rumo, ela temia ter Sido sequestrada por um saqueador de templos,aquilo era comun no Egito,ela finalmente olhou para suas roupas, uma costumeira calça verde e uma blusa de mangas longas cor marrom e botas da mesma cor.

Logo depois olhou para frente vendo uma estrutura de pedra que de imediato se indagou se era realmente o que pensava se era um recinto de um deus (templo) precisamente o de Osíris o deus do julgamento,a garota reconheceria aquele templo em qualquer época que estivesse,pois ela passou 10 messes de sua vida trabalhando excessivamente nele,ela decorou cada detalhe daquele templo.

"Mas que porra é aquela? Por que ele está tão... novo?"

Ela ponderou e cuidadosamente foi espiar o templo.

- eu não me recordo de ter presenciado a reforma dele,então como que? Por que ele está... Grrrrrr o que está acontecendo?

Nathifa se encontrava confusa porém o que a intrigou de maneira exorbitante foi ver mulheres e homens vestidos com roupas que somente os sacerdotes e sacerdotisas de Osíris ousavam usá-las,então ela chegou a única conclusãoplausível para aquele acontecimento.

"Será que eu...não,não isso seria impossível...mas só isso explicaria as roupas e o templo...eu só vi isso em filmes de ficção científica e livros...seria possível eu estar no Egito antigo?"

Ela teria voltado no tempo?

Então como um tsunami as palavras de sua mãe ecoaram em sua mente.

"Mamãe mamãe!"

"Diga minha princesa."

"Pode me contar a história desse bracelete"

Perguntava a garota ruiva de dez anos.

"Claro minha princesa, mas pra você entender precisa saber da batalha que Hórus e Set tiveram."

"Quando Hórus já era adulto jurou vingar a morte de seu pai Osíris travando diversas batalhas com seu tio que, por fim, foi destronado e morto por Hórus, ele tornou-se o governante supremo do Egito sendo responsável por unir o Baixo-Egito e o Alto-Egito.

Em uma das batalhas, contudo, Hórus perdeu visão de um dos olhos, por conta disso passou a ser usado para explicar que o órgão ferido era, na verdade, a Lua.

Hórus casou-se com Hathor, deusa das festas, do vinho, da alegria e guardiã das mulheres e protetora dos amantes. Ela é representada com a cabeça ou as orelhas de uma vaca. Porém sua amada não era verdadeira com ele tramou mata-lo e com ajuda de uma de suas servas colocou o plano em prática."

"Mas mamãe por que ela queria matar Hórus?"

"Por ciúmes meu amor,ela descobriu que Hórus estava a traindo e ela não gostou nada disso."

" AAAA entendi "

"Posso continuar meu anjo?"

"Claro mamãe "

" Quando anoiteceu ela foi ao quarto que dividia com seu esposo e colocou veneno que mataria qualquer deus no vinho de Hórus."

"Ele bebeu mamãe?"

"Se parar de me interromper você vai descobrir minha princesa."

Dizia docemente a pequena Nathifa envergonhada respondeu.

"Me desculpe mamãe não foi a minha intenção."

A mãe com um sorriso de aquecer até mesmo o mais frio dos corações acenou e continuou a contar.

"Porém Hathor não contava que Hórus já sabia do plano dela e quando ele foi para o seu aposento para descansar a pegou colocando o veneno na taça de vinho,ele então muito triste tirou os poderes dela e aprisionou ele dentro desse bracelete e reza a lenda que o mortal que sentir a mesma amargura que Hórus sentiu poderá viajar somente uma vez para o passado e não poderá voltar."

"Que triste mamãe!"

"Sim realmente triste que Hórus tenha passado por isso."

"Não isso não mãe foi bem feito pra ele sofrer quem mandou ele trair a Hathor triste vai ser pra pessoa que ir para o passado."

A mãe soltou uma gargalhada a filha era realmente diferente.

"Claro meu bebê agora vá dormir certo?"

"Quero beijinho de boa noite mamãe"

A mãe se aproxima da pequena criança e deposita um beijo em sua testa.

"Que Hórus te proteja filha."

Nathifa saí dos seus devaneios ao ouvir a voz de uma mulher.

- Maia vai trocar de roupa sua incopetente.

Ela observava de longe a discussão então ela vê um lindo vestido de linho branco que tinha um decote sexy,ela rapidamente pega o vestido e vai até um lugar escuro parecido com um beco,rapidamente se troca e deixa as roupas que não são condizentes com a época e suas botas,suas amadas botas teria que deixa-las. Ela então saí de onde estava e é puxada violentamente por um homem.

- rápido serva o senhor Hórus a espera.

"Que? Como assim? Hórus? Ele realmente existe?"

As dúvidas soavam no seu subconsciente.

"Se ele existe então pode trazer minha mãe de volta."

- meu senhor eu estou sem sandálias onde posso consegui-las?

- como eu sou um sumo-sacerdote vou providenciar uma sandálias para você,me espere na porta do templo.

O homem que aparentava ter seus cinquenta anos saiu rapidamente em direção à um suposto local que ela desconhecia.

Nathifa foi caminhando até a porta do templo ao chegar ficou esperando o tal sumo-sacerdote.

Passando algum tempo ele apareceu com sandálias em suas mãos.

- rápido não temos muito tempo.

Ela tentou ser o mais rápido que conseguia porém era deverás complicado colocar aquelas sandálias

"1x0"

Pensou a garota.

- pronto?

"Por que ele está tão apressado?"

- posso saber o por que de meu senhor estar tão apressado?

- não estou com pressa só não vejo necessidade de você se arrumar tanto se vai dançar nua.

...

Ela ficou sem reação como ela dançarina nua? Ainda mais para Hórus o deus que no momento ela mais odeia.

- vamos logo!

Ele a pegou pelo braço e os dois adentraram no templo.

- eu estou tão ferrada.

Disse Nathifa em voz baixa.

None 0 Denunciar Insira Seguir história
0
Fim

Conheça o autor

Comente algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~

Você está gostando da leitura?

Ei! Ainda faltam 1 capítulos restantes nesta história.
Para continuar lendo, por favor, faça login ou cadastre-se. É grátis!