way_borges229 Way Borges

Na tentativa de se livrar do vicio de cigarro, Naruto acabou encontrando uma boa maneira de suportar a abstinência de nicotina nos braços de Sasuke, o homem mais lindo e que ele ama com todas as fibras do seu ser. #NaruSasu (+18) (Linguagem impropria) (Lemon) (Capítulo Único)


Fanfiction Anime/Mangá Para maiores de 18 apenas. © Os personagens não me pertencem, porém a história é inteirinha minha. Capa editada por mim - créditos da imagem ao(s) autor(es).

#manga #lemon #sasuke #naruto #narusasu
Conto
0
403 VISUALIZAÇÕES
Completa
tempo de leitura
AA Compartilhar

Capítulo Único

Notas Iniciais

Olá meus pervertidos, estão prontos para mais uma one dedo no cu e gritaria?

Fiz essa putariazinha com muito carinho, espero que vocês fiquem de paus duros e pepecas molhadas.

Boa leitura meus xuxus pervertidos.


****


Acordei sentindo meu estômago doer de fome. Abri os olhos preguiçosamente, a única luminosidade do quarto era a que entrava pela janela, estava me sentindo fatigado e com vontade de permanecer na cama, mas os roncos da minha barriga não me deixariam dormir, novamente.

Olhei para o Sasuke, deitado ao meu lado, sorri ao ver a expressão serena que ele tem durante o sono, tão diferente de quando está acordado. Eu o amo, com todas as fibras do meu ser, mas esse moreno sabe me tirar do sério, como poucas pessoas conseguem.

Estou tentando parar de fumar, isso tem me deixado ansioso e cheio de tesão, por isso que, quando olho para o Sasuke, só tenho vontade de fodê-lo até não aguentar mais. Para a minha sorte ele adora sexo tanto quanto eu, isso o faz não se negar a abrir suas pernas para mim, o que é bom porque posso suportar a abstinência de nicotina, mas não suportaria a abstinência de Sasuke. Ontem, cheguei do trabalho louco para fodê-lo até não ter mais forças e foi isso que fiz por várias horas, nem jantamos de tão perdidos no prazer que ficamos. Começamos no sofá da sala, depois no corredor, com ele apoiado na parede, e, por último, no quarto com Sasuke de quatro na cama.

Mesmo com a pouca luz que entrava pela janela, era possível enxergar as marcas que deixei em sua pele branquinha. Adoro ver sua derme marcada pelas minhas mãos, eu o desejo e o amo na mesma intensidade.

Nunca imaginei que amaria tão intensamente uma pessoa, porém, o Sasuke, com seus grandes olhos negros, me conquistou desde que eu o vi em pub acompanhado com a minha melhor amiga, Ino. Lembro-me de pensar que nunca tinha visto alguém tão bonito, os cabelos negros emoldurando seu rosto e caídos na lateral, lhe davam um ar rebelde. Meu coração disparou enlouquecido quando ele sorriu, ali eu vi que estava perdido. Eu amo até o seu mau humor crônico, sua mania por organização e seu jeito ranzinza.

Levantei da cama com cuidado, para não o acordar, olhei novamente para o moreno adormecido, segurei os meus instintos e resisti à vontade de atacar sua bunda deliciosa e deixá-la mais marcada. Tomei um banho demorado, em seguida, vesti uma roupa folgada, depois fui para a cozinha preparar algo para a gente comer; a fome estava fazendo meu estômago doer e o meu marido irá acordar faminto.

Eu adoro cozinhar, principalmente, se for para o Sasuke, aprendi várias receitas utilizando tomates apenas para agradá-lo. Decidi preparar omeletes, quando estava quase terminando, Sasuke apareceu na cozinha de banho tomado, vestido com uma camisa branca e um short de malha fina, seu rosto perfeito continha uma expressão emburrada, um sorriso se formou involuntariamente nos meus lábios, esse é o efeito que ele causa em mim, fico parecendo um bobo.

– Quem bom que você acordou – comentei, tirando a omelete da frigideira.

– Eu estou com fome.

Sasuke com fome é a pior coisa que existe em cima da Terra! Seu mau humor triplica, dá vontade de socar os seus dentes branquinhos e perfeitos; ainda bem que já tinha preparado algo para ele comer.

– Imaginei que estaria – falei, mostrando a omelete de tomates que preparei.

– Até que você é eficiente, perdedor – provocou pegando o prato.

– Bastado mal agradecido – resmunguei.

Ele me ajudou a arrumar a mesa, comemos falando sobre coisas triviais. Ele ficou responsável pela louça suja, Sasuke é bom em muitas coisas, mas na cozinha só serve para lavar a louça e, de vez em quando, ser fodido nela. Já transamos em todos os cômodos desse apartamento, hoje em dia, agradeço a ele por ter me convencido a morarmos juntos, eu achava que era cedo demais para dividirmos uma casa, mas foi uma excelente ideia.

Quando terminei de enxugar e guardar no armário o último copo, o puxei para perto de mim, dei um rápido selinho em seus lábios e enlacei o seu pescoço com os braços, as mãos de Sasuke foram para a minha cintura.

– Sabe o que a gente poderia fazer? Ir ao parque, estamos de férias têm que ter suas vantagens... E, por mais que ficar dentro de casa transando loucamente seja bom, acho que seria divertido a gente fazer um piquenique. O que você acha? – Ter ficado de férias vai ser maravilhoso, vou poder curtir o meu homem e quem sabe fazer uma pequena viagem.

– É uma boa ideia, mas eu quero aqueles sanduíches naturais – falou, depois de um tempo pensando.

– Fechado.

Beijei os seus lábios passionalmente, sua boca é meu vício, sua pele leitosa, o meu ponto fraco. Sasuke é a minha perdição, o meu descontrole, dono de toda a minha insensatez e de minha sanidade, o meu recomeço e meu fim, minha felicidade, meu grande amor.

– Não sei se eu já te disse isso, mas adoro a sua bunda – falei apertando com força suas nádegas.

– Não parece pelo tanto que você a maltrata...

Sorri e passei a distribuir beijos pelo seu pescoço, minhas mãos afoitas foram para dentro de sua camisa, o calor, o cheiro e a maciez de sua pele fez o meu sangue ferver nas veias. Voltei minha atenção para sua boca, não foi um beijo calmo, romântico, e sim um ósculo com desejo, pressa e luxúria. Começo a empurrá-lo em direção a mesa, sem soltar sua boca, após alguns minutos o ar se fez necessário e fomos obrigados a separar nossos lábios, porém, não nossos corpos. Volto a distribuir beijos pelo seu pescoço, marcado ainda mais toda a pele pálida e deliciosa.

O sento sobre a mesa e me encaixei entre suas pernas, tiro sua camisa com pressa, volto a colar nossos lábios, levo meus dedos aos seus mamilos e começo a beliscá-los, tirando gemidos baixos do meu marido dentro do beijo. Ouvir Sasuke gemer me deixa com mais tesão, a vontade de me afundar na sua bunda deliciosa é quase enlouquecedora.

Ele leva sua mão aos meus cabelos, puxando-os com força, Sasuke enlaça suas pernas em minha cintura fazendo com que nossos membros eretos se choquem. Nos separamos apenas para ele tirar a minha camisa, mas logo voltamos a unir nossos lábios com fome e desejo, ele começa a se esfregar me provocando, me excitando, querendo me fazer perder o controle.

O faço deitar sobre a mesa, começo uma trilha de beijos, chupões e leves mordidas no seu troco, Sasuke gemia baixinho fazendo o meu pau pulsar dolorido, tiro o seu short inconveniente e envolvi com meus lábios seu membro ereto, o engolindo por completo; chupei como se não houvesse amanhã. O moreno se contorcia, gemendo em puro êxtase – eu adoro vê-lo assim. Seus gemidos se tornaram desesperados mostrando que ele estava quase gozando, me afastei e ganhei um olhar irritado.

– Por que você parou? – perguntou com rispidez.

– Deixa eu te mostrar o porquê.

Falei o tirando de cima da mesa, virei-o em um movimento rápido e o fiz deitar de bruços, separei suas nádegas, deixando sua entrada vermelha e apertada à minha vista. Iniciei um beijo grego, arrancando um gemido manhoso e arrastado de Sasuke – sei que ele adora quando faço isso e eu adoro dar prazer a ele. O meu marido perdeu o controle dos sons que emitia, rebolava no meu rosto, pedindo mais sem nenhum pudor, comecei a masturbá-lo, o deixando ainda mais enlouquecido, sua entrada se contraía, chamando a minha rola. Eu queria me afundar nela, mas só farei isso depois de vê-lo gozar.

Parei de chupar sua entrada quando ele deu sinais de que iria gozar, dei um tapa forte na sua nádega esquerda, que o fez tremer engasgado com um gemido, fiz o mesmo na direita, a sua pele ainda estava sensível devido à noite passada, mas isso não me impediu de continuar a bater na sua bunda deliciosa.

– Isso – Sasuke gemeu, empinando a bunda pedindo por mais.

– Mas é uma puta muito masoquista! – falei, desferindo um tapa mais forte que os outros.

O corpo de Sasuke tremeu e um grito ecoou pelas paredes da cozinha, meu orgulho subiu níveis incalculáveis, quando notei que ele gozou apenas pelos meus tapas. Deitei por cima dele fazendo questão de pressionar meu pau, ainda coberto, nas suas nádegas.

– Espero que não esteja cansado, o seu macho quer te encher de porra – sussurrei, e depois lambi o lóbulo da sua orelha.

Sasuke estava ofegante e trêmulo, mas não me negou um bom orgasmo. Se ele tivesse me pedido para parar, eu pararia mesmo com meu pau duro, o amo e o respeito demais para fazer algo contra sua vontade. Meu marido sabe o poder que exerce sobre mim na cama, tudo o que faço ou falo, é porque ele permite.

Tirei as últimas peças de roupa que estavam no meu corpo, espalhei o líquido pré-gozo na extensão do meu pênis, separei as suas nádegas e dei uma pincelada na sua entrada, fazendo Sasuke gemer baixinho.

– Está pronto para receber o pau do seu macho? – perguntei.

– Você já deveria estar dentro de mim – ele falou, me olhando por cima do outro. Sorri por seu atrevimento.

– Você é uma cachorra sedenta por rola, Sasuke, uma puta insaciável – comentei.

Posicionei-me na sua entrada, comecei a penetrá-lo devagar, eu não queria machucá-lo e como não o preparei devidamente, teria que fazer com extremo cuidado. A sensação de sua carne se contraindo ao redor do meu pau, centímetro por centímetro, aumentava meu tesão. Como ele podia continuar tão apertado?

Estar dentro dele era como estar em casa. Eu adoro tudo: o calor, a pressão, a textura... Sasuke é a personificação da perfeição.

Quando Sasuke me deu permissão para me mexer, segurei firme na sua cintura, comecei a estocar devagar, tirando quase toda a extensão do meu membro e voltando a penetrá-lo. Fui aumentando a velocidade de acordo com os seus gemidos, quanto mais alto eram os sons que saíam de sua boca, mais tesão me dava, mais fundo eu o penetrava. O corpo do Sasuke ia e vinha, de acordo com os meus movimentos de vai e vem, ele gemia pedindo mais e eu não me fazia de rogado e dava tudo de mim, me deliciando com a visão do meu membro entrando e saindo da sua bunda.

Ergui uma das suas pernas, deixando-o exposto e facilitando a penetração, o ritmo do vai e vem dos nossos corpos era alucinante, o cheiro de sexo, misturado ao meu perfume e ao do Sasuke, preenchia o ambiente. Minha mente estava em volta de uma névoa de prazer, o meu marido não conseguia falar uma frase coerente, e isso servia de incentivo para continuar a ir cada vez mais fundo na sua entrada. Beijei sua boca linda, chupei sua língua, fazendo sons obscenos sem parar de estocar. Encerrei o ósculo, mordendo e puxando o seu lábio inferior, quando o ar se fez escasso.

Seu interior começou a se contrair ao redor do meu pau, indicando que logo ele gozaria, eu também já estava sentindo o orgasmo se aproximando. Dei dois tapas na sua bunda, isso foi o suficiente para fazer Sasuke gozar, sujando novamente o chão da cozinha, e apertar de uma forma deliciosa, o meu cacete. Só consegui estocar três vezes antes do orgasmo me atingir, enchendo o seu interior com a minha porra.

Minhas pernas estavam bambas, tive que me esforçar muito para não cair em cima do Sasuke e o machucar com o meu peso, usei a mesa como apoio. Curvei-me um pouco, e deixei um beijo entre as omoplatas do homem embaixo de mim. Retirei o meu membro do seu interior, fazendo-o soltar um gemido baixinho, sentei em uma cadeira, antes que minhas pernas falhassem, e apreciei a vista: Sasuke ofegante, com um sorriso débil nos lábios, sua bunda vermelha, com as marcas das minhas mãos em sua pele leitosa, minha porra escorrendo pela sua perna – esse homem é uma obra prima, Rikudou Sennin, e é meu.

Senti meu membro voltar a ficar duro, a visão na minha frente era linda demais; erótica demais; perfeita demais. Consigo sentir a pressão que as paredes internas de Sasuke fazem no meu pau. Pra mim, não há sensação melhor que essa; seus gemidos manhosos, e pedintes, são a melhor sinfonia que existe.

O moreno começou a sair de cima da mesa, mas não deixei que se afastasse da mesma, colei o meu peitoral em suas costas, quando ele já estava ereto, pressionei o meu membro duro em seu traseiro para lhe mostrar o tamanho do meu desejo, e que já estava pronto para outra rodada de sexo. Abracei sua cintura, e segurei em seu pescoço fazendo uma leve pressão.

– Você está certo, Sasuke, eu adoro maltratar a sua bunda – sussurrei no seu ouvido enquanto esfregava meu pau nele. – Adoro vê-la vermelha e dilatada. Adoro enfiar meu pau nela, te encher de porra e ver escorrendo por suas pernas. Adoro como você geme quando te fodo com força, como implora por mais.

– Naruto, eu quero você – gemeu, trêmulo, empinando a bunda em busca de mais contato.

– Você ainda está faminta pelo meu pau, minha puta sem vergonha? – questionei, esfregando meu membro entre as suas nádegas.

– Sim! Eu te quero todo dentro de mim, de novo – ele respondeu, todo derretido.

– Não cansa de leva pau nesse rabo? – perguntei, apertando levemente o seu pescoço, fazendo-o gemer.

– Você sabe que eu não me canso do seu pau. Me come gostoso, Naruto, enche sua vadia de porra, vai! – Sasuke falou, sabendo como seu comportamento submisso na hora do sexo me deixa mais excitado.

– Se você quer que eu meta minha rola, bem fundo nessa sua bunda linda e te deixe sem sentar direito, vai ter que implorar – avisei, voltando a esfregar meu pau em suas nádegas.

– Por favor, Naruto, fode a sua vadia com força. Por favor! – ele pediu, dengoso, movido pelo tesão. Orgulhoso do jeito que o meu marido é, só mesmo a vontade de gozar o faria implorar.

– Ahn, Sasuke... – falei aumentando o aperto no seu pescoço, sua cabeça tombou para trás, encostando-se ao meu ombro. – Eu vou saciar a sua fome pelo meu pau, te fazer gemer como a puta, que sei que você é, e te encher de porra! – acrescentei, brincando com seus mamilos.

Desci minha mão pelo seu abdômen, alcancei seu membro e comecei a masturbá-lo, passei a distribuir beijos, mordidas e chupões em seu pescoço. Meu marido estava mole em meus braços, e gemia como um gatinho manhoso. Meu pênis latejava, de tão duro que estava. Não parei de esfregá-lo em suas nádegas, desejando fodê-lo com força.

– Vai para o quarto, e me espera se expondo – ordenei.

– Por quê? O que você vai fazer?

– Não te interessa. Você verá quando for à hora, apenas faça o que eu mandei. Seja uma puta obediente, garanto que não vai se arrepender – falei autoritário, puxando seus cabelos. Ele estremeceu e mordeu o lábio inferior. É engraçado como ele só é submisso na hora do sexo. Normalmente, o meu marido é teimoso e orgulhoso, qualquer outra pessoa que falasse assim com ele, levaria vários socos.

Quase o joguei na mesa e o fodi ali mesmo, mas eu tinha uma ideia para deixá-lo completamente enlouquecido. Para minha sorte, ele assentiu sem fazer mais questionamentos, dei um tapa na sua bunda e o assisti sumindo pela porta, seu corpo estava trêmulo, fiquei atento se ele não cairia no meio do caminho. Quando não escutei mais os seus passos, fui até a geladeira, abri a freezer, peguei a forminha de gelo e despejei o conteúdo em um copo.

Fui para o quarto e o encontrei como ordenei, deitado na cama com a bunda empinada e com as suas nádegas separadas, deixando sua entradinha exposta; meu pau latejou. Ofeguei desejoso ao vê-la piscando, me chamando.

Caminhei até ele como um gato, sorri ao notar que meu moreno se limpou, o que era maravilhoso porque, para o que pretendo fazer, teria que pedir para que se limpasse. Peguei um cubo de gelo do copo, Sasuke me lançou um olhar questionador por cima do ombro, sorri malicioso, me posicionei atrás dele e coloquei o gelo na sua entrada, ele gemeu alto e arrastado, depois passei a língua no seu buraquinho, fazendo Sasuke soltar outro gemido. Joguei o cubo gelado na boca e iniciei um beijo grego, alternando entre minha língua quente e o frio do gelo. Meu marido gemia sem controle, e rebolava no meu rosto.

Fiquei brincando com sua entrada usando a língua, o cubo gelado e meus dedos, e me deliciando com os sons que saíam da sua boca; até seu corpo quase convulsionar, com um forte orgasmo. Sasuke caiu de bruços no colchão, ofegante, como se tivesse corrido uma maratona, com a face avermelhada, seus cabelos grudados na testa e um sorriso satisfeito nos lábios.

– Puta merda! Isso foi incrível, Naruto – ele falou, deitando as costas no colchão.

– Mas ainda não acabou – falei, ficando entre suas pernas.

– Amanhã não vou conseguir andar – informou enquanto eu me posicionava na sua entrada.

– Minha vadia reclama, mas gosta de ter o pau do seu homem indo bem fundo, te fazendo gemer... – falei, o penetrando lentamente, aproveitando a sensação de acolhimento e o aperto de seu interior.

– Eu adoro meu macho dentro de mim, me fodendo com força – falou, circulando minha cintura com as pernas, dando-me permissão para me mexer. – Esse é o seu lugar, Naruto, ao meu lado, como meu marido, e entre as minhas pernas. Você é meu, somente meu! Agora me dê tudo o que você tem.

– Tão possessivo! – falei, sorrindo, enquanto saía quase todo. – O seu lugar é esse, Sasuke, ao meu lado, como meu marido, e com meu pau dentro dessa bundinha linda – avisei, em seguida, o penetrei com força, fazendo seu corpo ir para frente. Um gemido engasgado escapou dos seus lábios. – Você é meu, somente meu!

Essa é a nossa maneira maluca, possessiva e pervertida, de dizer que somos um do outro e que nunca seremos de mais ninguém. Mesmo com todas as adversidades, o nosso amor prevaleceu e somando namoro, noivado e casamento, estamos juntos há quatorze anos. Estamos juntos desde os dezessete anos, o Sasuke foi o meu primeiro amor; o meu primeiro beijo; o meu primeiro homem, assim como fui o dele e vamos continuar assim até que a morte nos separe.

Beijei seus lábios rosados, eu chupava a sua língua enquanto socava meu pau no seu interior, senti seu pênis endurecendo novamente, e o cheiro de sexo toma conta do quarto. Sasuke desfez o ósculo e gemeu alto, arranhando com força as minhas costas quando acertei a sua próstata, apertei os seus mamilos enquanto me afundava com mais força e indo mais fundo na sua entrada, depois dei atenção ao seu pescoço. O som molhado, do encontro da minha virilha com a sua bunda, misturava-se com os nossos gemidos de prazer, formando uma sinfonia erótica, libidinosa, cheia de pecado.

Saí de dentro dele e deitei na cama, me masturbando, os olhos negro de Sasuke estavam fixos no meu pau e transbordavam desejo.

– Vem cavalgar no pau do seu macho, minha vadia – ordenei.

Não precisei falar duas vezes, ele sentou em mim, lentamente, com as pernas bem abertas, pois sabe o quando gosto de assistir meu membro sendo engolido pela sua carne. Ele começou a subir e descer, retirando meu pau quase todo e voltando, uma visão incrivelmente erótica. Nunca encontrei uma palavra para descrever como é linda a visão do Sasuke sentando no meu pau, perfeição é simples demais.

– Seu pau está tão fundo dentro de mim, é tão gostoso te sentir assim – meu moreno falou, arranhando meu peitoral com força.

Meu marido aumentou a velocidade de seus movimentos, ele praticamente dançava no meu pênis, subindo, descendo e rebolando. Eu o auxiliava, segurando na sua cintura, me deliciando com as obscenidades que saíam de sua boca, e com expressão de prazer de seu rosto. Sasuke segurou as minhas mãos em cima da minha cabeça e começou a rebolar olhado direto nos meus olhos, depois mordeu meu lábio inferior e o puxou eroticamente, passeou com minhas mãos por todo o seu tronco, belisquei os seus mamilos fazendo-o gemer alto enquanto apertava o meu pênis em seu interior, depois levou meus dedos para o seu pescoço, então o apertei levemente e ele revirou os olhos.

O puxei para um beijo lascivo e inverti as posições, comecei a me movimentar com mais força e rapidez, sempre indo o mais fundo que conseguia, sem parar de apertar levemente o pescoço do meu moreno, Sasuke se abria como podia, para dar mais liberdade aos meus movimentos. Interrompemos o ósculo quando o ar se fez necessário, segurei um das suas pernas na altura do seu peito e voltei a atacar o seus lábios, os beijando de forma passional e luxuriosa, nossas línguas roçavam uma na outra, eroticamente, enquanto o som dos nossos corpos se chocando enchia o ambiente. A entrada do meu marido começou a mastigar o meu pau anunciando que logo ele gozaria, eu também já estava no meu limite.

– Goza para mim, Sasuke! Goza, sentindo o pau do seu macho bem fundo – gemi no seu ouvido, sem parar de penetrá-lo avidamente. Eu queria que ele atingisse o orgasmo apenas com meu pau massageando a sua próstata.

– Ahn, Naruto, eu... Ahn... – ele tentou falar, mas suas palavras se tornaram um gemido arrastado e manhoso. – Não para. Mais... Ahn! – gemeu, entrecortado, arranhando minhas costas.

– Porra! – rosnei entredentes. Eu não aguento ouvi-lo pedir por mais, isso acaba com o pouco de sanidade que me resta.

Como eu adoro o ver assim, totalmente entregue nos meus braços, delirando de prazer e pedindo pela minha rola, ao ponto de erguer seu corpo em busca de mais contato. Voltei a beijá-lo, sugando todo o ar de seus pulmões, encerrei o ósculo mordendo seu lábio inferior.

Tirei todo o meu membro e voltei de uma vez, o moreno embaixo de mim gemeu alto e arranhou as minhas costas enquanto gozava, nos sujando de sêmen. O rosto do Sasuke quando goza, é a visão mais linda do mundo. Sua entrada apertou meu pênis, me fazendo gozar e o encher com a minha porra, me joguei ao seu lado, sem nos desconectar. Meu marido estava muito ofegante, e eu não queria dificultar sua respiração.

Sasuke estava tão cansado, que mal conseguia ficar com os olhos abertos, saí do seu interior e me forcei a levantar, fui ao banheiro, sentindo minhas pernas tremendo, molhei uma toalha de rosto e voltei para o quarto, limpei um pouco do sêmen do corpo do moreno adormecido, já que ele não gosta de dormir sujo, porém, não tem condições de fazer isso. Depois me limpei, deixei a toalha no banheiro e voltei para a cama.

Deitei perto do Sasuke, seu corpo estava suado e quente, tirei o seu cabelo, que estava grudado na sua testa, e o apertei nos meus braços. Ele resmungou alguma coisa, e se aconchegou no meu peito, beijei o topo de sua cabeça.

– Eu te amo – sussurrei no seu ouvido, e um pequeno sorriso se abriu em seus lábios.


****


Notas Finais

Então meus lindo pervertidos, o que acharam??? Precisam de roupas intimas limpas???

Deixem suas opiniões e lembrem-se de votar

Antes de ir, quero agradecer [email protected] pela ajuda com essa putariazinha

Bjus xuxus pervertidos

28 de Outubro de 2020 às 15:17 0 Denunciar Insira Seguir história
1
Fim

Conheça o autor

Way Borges Nome: Waynne Borges Idade: depende da ocasião Sou um universo em constante expansão, sempre aprendendo coisas novas e aberta a novas experiências. Tímida no primeiro contato, mas depois o difícil vai ser me fazer parar de falar. Sou gentil, atenciosa e educada com todos e espero a mesma cortesia, entretanto, isso não significa que eu não saiba ser grossa quando necessário. Adoro chocolate, séries, filmes e desenhos. Cachorros e gatos sãos meu ponto fraco, fico toda derretida.

Comentar algo

Publique!
Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a dizer alguma coisa!
~